Dicionário de logística e operações
60 pág.

Dicionário de logística e operações


DisciplinaDistribuição Física e Transportes16 materiais99 seguidores
Pré-visualização33 páginas
v 1.3 Carlos E. Panitz 51
o desenvolvimento de aplicações de controle 
de inventário, movimentação e transporte que 
operam em tempo real. 
Rastreabilidade - Traceability \u2013 A habilidade de 
identificar materiais utilizados em processos 
de manufatura, através de números de lotes 
ou números de séries, caso problemas sejam 
detectados a posteriori e necessitem ser 
reparados. 
RCCP \u2013 Rough Cut Capacity Planning \u2013 Vide 
Planejamento de Recursos de Capacidade. 
Recinto Alfandegado \u2013 Bonded Area - É o local 
onde deve ser realizado o trabalho aduaneiro 
de controle fiscal de mercadorias. Pode ser de 
fronteira, na Zona Primária, em imóvel da 
União; ou de interior, na Zona Secundária, 
onde houver concentração de carga de 
importação ou exportação. São recintos 
alfandegados na Zona Primária os locais 
reservados à movimentação e depósito de 
mercadorias importadas ou a exportar, as 
áreas para fiscalização de bagagens 
procedentes ou destinadas ao exterior e as 
dependências das lojas francas. Na Zona 
Secundária têm-se as unidades para 
armazenamento de mercadorias importadas 
ou a exportar e os depósitos de remessas 
postais internacionais. 
RECOF - (Entreposto Industrial sob Controle 
Informatizado) - Regime especial aduaneiro 
que permite a importação de mercadorias com 
suspensão do pagamento do Imposto de 
Importação e do IPI, que serão submetidas a 
operações de industrialização de produtos 
destinados à exportação ou venda no 
mercado interno. Seu objetivo é facilitar a 
logística nas importações e amenizar os 
impactos tributários decorrentes dessas 
atividade. Os benefícios desse regime são 
vinculados ao cumprimento de metas de 
exportação, por parte das indústrias 
beneficiárias. 
Registros de Inventário - Inventory Records \u2013 
Registros que refletem o histórico de 
transações de movimentações de um item, 
permitindo indicar o estoque em mãos, o 
estoque alocado, quantidades recebidas, 
consumidas, vendidas, ajustadas, 
quarentenadas, descartadas e transferidas 
entre locais. Dependendo das funcionalidades 
disponíveis e do tipo de parametrização 
definida para o sistema, os registros de 
inventário podem incluir o nome do usuário, 
data e hora da transação, para fins de controle 
e auditoria de processo. 
Regra de alocação aleatória - Random-Location 
Storage \u2013 Um método de armazenagem onde 
todas as locações são disponíveis para alocar 
um item, desde que satisfaçam restrições de 
espaço, capacidade e acessibilidade. Para 
utilização desse método, é necessário um 
sistema informatizado que registre todas as 
alocações realizadas e movimentações dos 
itens. Por valer-se de todas as locações 
disponíveis, a utilização desse método resulta 
numa melhor ocupação do armazém. A 
desvantagem desse método é a alta 
dependência de sistemas informatizados, pois 
um item pode estar estocado em n locações 
aleatórias, que dificilmente poderiam ser 
memorizadas por uma pessoa. Normalmente 
quando se utiliza esse método de alocação, 
também são parametrizadas algumas regras 
heurísticas para alocar o material, tais como: 
selecionar a locação disponível mais próxima, 
verificar se existem locações disponíveis e 
contíguas a uma locação que contenha o 
mesmo item a ser estocado, etc. 
Regra de alocação fixa - Fixed-Location Storage \u2013 
Um método de armazenagem onde as 
locações são fixas para cada item ou família 
de itens, dentro de um armazém. Embora este 
método exija mais espaço que o método de 
locação aleatória, pelo fato de não 
disponibilizar locações ociosas de um item 
para estocar outro, ele é mais indicado 
quando a empresa não dispõe de um sistema 
informatizado para administrar locações 
aleatórias. Recomenda-se também esse 
método quando se deseja facilitar a 
memorização das pessoas quanto à locação 
dos itens, como por exemplo, em lojas e 
supermercados. A terceira razão para se 
utilizar o método de locações fixas é quando o 
item exige segregação por questões de riscos 
de contaminação ou segurança. 
Regra de separação por ondas \u2013 Batch Picking \u2013 
Um método de separação, no qual as ordens 
são agrupadas por lotes com o objetivo de 
reduzir movimentações. As quantidades dos 
itens solicitados nas ordens são consolidadas 
Dicionário de Logística e Operações v 1.3 Carlos E. Panitz 52
para serem separadas e então são 
transportadas para uma área comum onde os 
pedidos são finalmente montados. O processo 
de geração das ondas de separação também 
pode ser feito por rota, por transportador ou 
centro de trabalho que estão gerando as 
ordens. 
Regra de separação por Ordem \u2013 Order Picking - 
Um método de separação onde para cada 
ordem é gerado um pedido de separação. 
Esse método é bastante empregado quando 
uma Ordem é composta por SKU\u2019s distintos, 
que dificilmente se repetem em outros pedidos 
(e.g. Livros, CD\u2019s) ou quando a separação dos 
itens para atender uma Ordem já alocam de 
forma eficiente os recursos de movimentação. 
No entanto, se houver múltiplas ordens a 
serem separadas, contendo os mesmos 
SKU\u2019s, esse método irá gerar uma quantidade 
excessiva de movimentações e perda de 
tempo. Nesses casos, a regra de separação 
por Zonas ou por Ondas pode ser mais 
produtiva. 
Regra de separação por zonas \u2013 Zone Picking \u2013 Um 
método de separação onde as listas de 
separação são geradas por áreas ou zonas do 
armazém. O princípio desse método é 
semelhante ao processo de separação por 
Ondas, mas nesse caso, o agrupamento é por 
zona do armazém e não por item, rota ou 
transportadora. O objetivo desse método é 
consolidar no menor número de 
movimentações os itens a serem separados e 
disponibilizados na área de montagem das 
Ordens ou de consumo. 
Regra do 80/20 - Twenty-Eighty Rule \u2013 Termo 
relacionado: Princípio de Paretto. 
Regras de Armazenagem - Put Away Rules \u2013 
Regras e procedimentos para posicionar e 
endereçar o estoque dentro de um 
almoxarifado, após um item ter sido recebido. 
Termo relacionado: Cross-Docking. 
Responsividade \u2013 Responsiveness \u2013 A capacidade 
de atender, num curto espaço de tempo, a 
demanda do mercado. O grau de 
responsividade de uma empresa pode ser 
medido através da \u2018Performance de Entrega 
para data Requerida\u2019. A responsividade de 
uma empresa está diretamente ligada ao seu 
grau de flexibilidade e tempos de resposta 
frente ao comportamento de demanda do 
mercado. 
Resposta Rápida - Quick Response \u2013 Um conjunto 
de práticas de planejamento de demanda e 
gestão de inventário, que potencializam uma 
rápida resposta no processo de ressuprimento 
de um canal de distribuição. Não existe um 
modelo único que possa ser prescrito para 
alcançar esse propósito, mas práticas, que 
comumente aplicadas podem compreender: 
uso dos dados do ponto de venda para 
planejar o ressuprimento, VMI, EDI, Código de 
Barras, Softwares de Planejamento de 
Demanda, uso de métricas como Fill Rate e 
Service Level para ajustar as estratégias de 
armazenagem e distribuição, etc. 
Ressuprimento \u2013 Replenishment \u2013 (1) O processo 
de mover e repor o inventário a partir de uma 
fonte de suprimento (depósito ou planta do 
fornecedor) para um local de consumo (loja, 
varejo, planta do cliente). (2) Processo de 
mover itens do inventário de locais de 
estocagem secundários (upstream) para 
locais de estocagem primários (downstream), 
onde ocorre o processo de separação 
(picking), despacho e consumo dos itens. 
Ressuprimento Contínuo \u2013 Continuous 
Replenishment - É uma prática entre os 
membros do canal de distribuição que altera o 
tradicional processo de reposição baseado 
exclusivamente em Ordens de Compra por 
meio da incorporação de modelos de 
ressuprimentos tais como Kanban, VMI 
(Vendor Management Inventory), e CPFR 
(Collaborative Planning Forecast and 
Replenishment). Outras técnicas que 
contribuem para a efetiva aplicação são o uso 
da demanda