Dicionário de logística e operações
60 pág.

Dicionário de logística e operações


DisciplinaDistribuição Física e Transportes16 materiais99 seguidores
Pré-visualização33 páginas
do ponto de venda (PoS \u2013 Point 
of Sales \u2013 data) e diversos protocolos de EDI 
(Eletronic Data Interchange). 
Retorno \u2013 Backhaul \u2013 O processo de retorno de um 
veículo a partir do seu destino final para o 
ponto de origem da rota. Esse retorno pode 
ser do veículo cheio, parcialmente cheio ou 
vazio, dependendo das oportunidades de 
demanda para o fluxo de retorno. Termo 
relacionado: Retorno Vazio. 
Retorno Vazio \u2013 Deadhead \u2013 O retorno de um 
veículo ou container vazio até o seu ponto de 
origem. 
Dicionário de Logística e Operações v 1.3 Carlos E. Panitz 53
RFI - Request for Information \u2013 Solicitação de 
Informação - Um documento utilizado para 
solicitar informações sobre fornecedores, 
produtos e serviços antes do início de um 
processo formal de RFQ/RFP. Termos 
relacionados: RFQ, RFP. 
RFID - Radio Frequency Identification \u2013 Identificação 
por Rádio-freqüência - A identificação de 
produtos por transponders, os quais podem 
ser só de leitura ou graváveis, ativos 
(possuem fonte de energia para emitir o sinal 
de rádio freqüência) ou passivos (dependem 
de indução eletromagnética). Essa tecnologia 
é uma opção alternativa aos sistemas de 
código de barras e possui como vantagens a 
possibilidade de codificar uma quantidade 
maior de informação, de gravar informações 
dinamicamente e de permitir a leitura à 
distância, através de antenas. Termo 
relacionado: Etiquetas inteligentes. 
RFP - Request for Proposal \u2013 Solicitação de Proposta 
- Um documento que provê informações que 
permitirão a um potencial fornecedor elaborar 
uma Proposta técnica e comercial para 
fornecer um produto ou serviço. 
RFQ - Request for Quote \u2013 Um documento utilizado 
para solicitar uma cotação de um ou mais 
fornecedores para um determinado produto ou 
serviço. 
RND \u2013 Data National Network (Brazil) - Rede 
Nacional de Dados - O padrão RND foi 
lançado em 1987 e foi concebido como um 
conjunto de padrões de arquivos que 
representam individualmente um documento 
eletrônico de negócio. O documento eletrônico 
é chamado de transação e possui uma versão 
definida. Cada transação é implementada em 
um arquivo estruturado com linhas de 
tamanho fixo. Cada linha representa um 
conjunto de dados de tamanho definido que 
se encontrava dentro de um segmento. Um 
segmento é uma estrutura lógica que 
representa a ordem e as relações entre as 
linhas do arquivo. As relações entre as linhas 
do arquivo são chamadas de segmento e 
identificam a cardinalidade destas. Os campos 
possuem uma definição de tamanho, 
obrigatoriedade e tipo de dado. Atualmente 
existem 44 transações de EDI no padrão 
RND. 
ROA - Return On Assets - Retorno Sobre Ativos - É o 
indicador de desempenho que mede a 
lucratividade de uma empresa com relação a 
todos os seus ativos ou ao total de 
investimento em ativos. 
ROI - Return on Inventory Investments - Retorno 
sobre investimentos em estoque - É o 
indicador de desempenho que mede a 
lucratividade em relação a investimentos em 
estoque. O denominador mais utilizado no 
cálculo desse indicador é o estoque médio 
para o período, por ser mais representativo 
em termos de níveis de estoque ao longo do 
ano, em comparação ao balanço do último dia 
do ano. 
Romaneio - Packing List \u2013 (1) Uma lista com as 
descrição de todos os itens embalados ou 
transportados. Essa lista permite ao 
transportador e ao cliente conferir fisicamente 
o material recebido. (2) O equivalente 
fisicamente do aviso antecipado de embarque 
eletrônico (ASN). 
RO-RO - Roll-on-roll-off \u2013 Um tipo de embarcação 
projetada para o transporte de veículos, que 
são embarcados e desembarcados, através 
de rampas, com os seus próprios movimentos. 
Pode propiciar a conjugação com o transporte 
terrestre, ao carregar a própria carreta ou o 
contêiner sobre rodas (boogies). 
Roteirização \u2013 Routing \u2013 (1) Processo de alocar um 
veículo num circuito de viagem, composto por 
vários pontos de coleta ou entrega de cargas. 
Dessa forma, a oferta do veículo é 
compartilhada por um conjunto de demandas 
isoladas, que se tivessem que ser atendidas 
isoladamente (rotas diretas), gerariam 
ociosidade nos veículos ou baixa freqüência 
de atendimento dos pontos de demanda. 
Desde os anos 40, vêm sendo desenvolvidas 
abordagens matemáticas para o problema de 
roteirização. Uma das primeiras abordagens 
para esse problema consistia em buscar um 
roteiro que cobrisse \u2018n\u2019 pontos com a menor 
distância possível e sem repetir nenhum dos 
pontos visitados. Essa abordagem foi 
chamada de TSP (Traveling Salesman 
Problem) ou Problema do Caixeiro Viajante. 
Duas formulações também muito conhecidas 
são o \u2018Problema do Carteiro Chinês\u2019, o qual se 
distinguia do TSP por permitir a repetição dos 
Dicionário de Logística e Operações v 1.3 Carlos E. Panitz 54
nós já visitados e a \u2018Corrida do Leiteiro\u2019 (Milk 
Run), que incorporou restrições de 
capacidade do veículo e janelas de 
coleta/entrega no problema original. Por ser 
um tipo de problema na literatura de Pesquisa 
Operacional, classificado como NP-Hard, a 
abordagem para sua solução é normalmente 
baseada em heurísticas. Uma das mais 
eficazes é a chamada \u2018Têmpera Controlada\u2019 
(Simulated Annealing). (2) Problema de 
Distribuição ou Coleta que busca estabelecer 
um percurso que atenda um objetivo de custo, 
tempo ou nível de serviço, respeitando às 
restrições impostas ao modelo. Um problema 
real de roteirização é definido por três fatores 
fundamentais: decisões, objetivo e restrições. 
Decisões dizem respeito às premissas de 
como os clientes, veículos e demais recursos 
devem ser tratados pelo modelo. O objetivo 
refere-se a qual será a variável de resposta 
escolhida para o modelo (e.g. distância, 
tempo, custo, nível de serviço, etc.). 
Restrições referem-se aos recursos 
disponíveis, limites de tempo impostos pela 
jornada de trabalho dos motoristas, restrições 
de trânsito, horários de carga/descarga, 
tamanho máximo dos veículos nas vias 
públicas e etc.. Termos relacionados: Milk 
Run, NP-Hard. 
RRP \u2013 Vide Planejamento de Recursos de 
Capacidade. 
Ruptura de estoque - Stock-Out \u2013 (1) Situação em 
que um Pedido recebido é superior ao 
estoque disponível; (2) Interrupção de um 
processo de produção ou entrega em 
decorrência de um atraso de fornecimento, 
transporte ou diferença de inventário. 
S&OP - Sales and Operations Planning \u2013 Plano de 
Vendas e Operações (PV&O) \u2013 O processo de 
planejamento tático que tem por objetivo 
equacionar conflitos entre objetivos de 
negócio e planejar como serão alocados os 
recursos de uma Cadeia de Suprimentos para 
atender a demanda futura. O S&OP busca 
balancear demanda e suprimento, respeitando 
os lead times do negócio. O processo de 
S&OP usualmente envolve várias funções de 
negócio, tais como vendas, operações 
(manufatura e logística) e finanças, com o 
propósito de obter um consenso para que 
todos trabalhem com um único plano de 
volumes, compras e produção. Dependendo 
da dinâmica da Cadeia de Suprimentos, esse 
processo ocorre com freqüência mensal, 
quinzenal ou semanal. O processo de 
elaboração do S&OP pode envolver as 
seguintes decisões: Elaborar a previsão de 
vendas do período; Definir qual fábrica 
atenderá a demanda de um determinado 
mercado; Definir os parâmetros de eficiência 
do processo; Monitorar a qualidade do 
produto; Monitorar os fornecedores; Redefinir 
capacidades da linha de produção; 
Especificações de produto; 
SCE - Supply Chain Execution \u2013 Vide SCEM. 
SCEM - Supply Chain Event Management - Sistemas 
de Gerenciamento de Eventos de Cadeias de 
Suprimentos - Softwares que suportam o 
controle de processos de suprimentos, a partir 
do monitoramento de eventos pré-
selecionados. As funcionalidades básicas 
desses sistemas são, monitorar, notificar, 
similar, controlar e medir atividades de uma 
Cadeia de Suprimentos.