caso aula 5 - resolvido

caso aula 5 - resolvido


DisciplinaTeoria e Prática da Narrativa Jurídica738 materiais3.486 seguidores
Pré-visualização1 página
Questão 1
Leia a ementa do julgado abaixo, cujo relator foi o Desembargador Jorge Magalhães, e parafraseie, em texto corrido, na forma de parágrafo, essas ideias em até cinco linhas.
Adoção cumulada com destituição do poder familiar. Alegação de ser homossexual o adotante. Deferimento do pedido. Sendo o adotante professor de ciências de colégios religiosos, cujos padrões de conduta são rigidamente observados, e inexistindo óbice outro, também é a adoção, a ele entregue, fator de formação moral, cultural e espiritual do adotado. A afirmação de homossexualidade do adotante, preferência individual constitucionalmente garantida, não pode servir de empecilho à adoção de menor.
Respostas: Ação no qual existe a destituição do poder familiar. O adotante homossexual, professor de ciências de colégios religiosas, sua conduta é exemplar e rigidamente observada, mantendo toda formação moral, cultural, espiritual. Deferido pedido de adoção independe da opção sexual, não podendo ser usada empecilho de ser homossexual para adoção do menor.
Questão 2
Assim como no exercício anterior, leia o fragmento, compreenda seu sentido global e parafraseie seu conteúdo.
\u201cConsoante orientação de Malhães, \u2018os estudantes que estão se iniciando na vida intelectual precisam ser orientados pelos seus professores, a fim de adquirirem familiaridade com os livros e habilidades na seleção das obras a serem consultadas\u2019.\u201d
Resposta: Ao grosso modo quem inicia a vida intelectual acadêmica necessita de auxilio dos mestres para que possa adquirir aptidão e familiaridade com obras bibliografas a serem lidas.
Questão 3
o texto adiante é rico em polifonia. Identifique essas ocorrências e comente qual o papel dessas informações na construção do texto.
TEXTO 1
RESPOSTA
 Resposta:
 Pelo fato de ser cego é negado inscrição para prestar concurso publico, por ordem do ministério publico.
Em notificação que justifica a medida do MP em Sc determina que a função é negável a Pereira, por entender que pessoas estranhas ao quadro funcional não prestam juramento publico.
A presidência da comissão do concurso afirma que o promotor tem que prestar sigilo e não pode repassar a ninguém. Pereira fica impossibilitado do exercício por sua deficiência visual.
Sobre tudo a presidente da associação do ministério publico, discorda e defende que MP tem dever de proteger deficiente físico determinando aquilo que a constituição reserva aos concursados para vaga.
Entende que é ato de discriminação, a solução é ter um funcionário com fé publica para ler documentos e ser orientado, ressaltando que atualmente existe sistemas que reproduzem a voz pela leitura computadorizada.
Já atuando na área jurídica pereira cego é auxiliado por advogados na hora da prova, canditato considera vitima e pretende ajuizar ação contra MP de Sc, alegando que somente em algumas circunstancias precisaria de auxilio de outras pessoa.
 atualmente a tecnologia fornece facilidades , dado que reconhece a pericia fica prejudicada em exame, e não é aplicável que estado tenha que criar determinada estrutura para viabilizar uma execção.