Aulas ortopedia
32 pág.

Aulas ortopedia


DisciplinaOrtopedia2.727 materiais13.298 seguidores
Pré-visualização12 páginas
Ortopedia P2 Jaqueline Ogeda, Thalita Kummer e Uilliane Pietro
!!!!!!!!!!!
! ! ! ! MEDICINA ESPORTIVA (aula 12)! ! ! !
! ! ! ! ! Uilliane Pietro!!
! Os traumas, dentro da medicina esportiva, podem aparecer tanto em atletas profissionais, quanto 
em indivíduos que praticam esportes como hobbies. !!
Traumatologia no Esporte!
Lesões comuns nas atividades relacionadas a atividade física.!!
Rsponsabilidades!
É responsabilidade da equipe técnica e ou treinadores e técnicos, a saúde, o bem estar e a 
segurança dos atletas em competições e ou outras atividades esportivas. Estes profissionais do esporte 
devem prevenir, reconhecer, assistir nos primeiros socorros, e ajudar na reabilitação de lesões causadas 
pelo esporte e nos esportistas.!!
Centro de Medicina Esportiva!
 ! Equipe multidisciplinar, composta de fisioterapia, fisiologia, cardiologia, nutrição, psicologia, 
educação, física, clinica médica e ortopedia, em si. Medicina esportiva: própria traumatologia esportiva 
(número de acidentes são grandes) e clínica esportiva, com destaque à cardiologia, devido aos eventos de 
morte súbita nos esportes. Toda equipe acima descrita, deve integrar a medicina esportiva. !!
- Fisioterapia: !
Trabalha com a avaliação, cineantropometria (mensurações), mecanoterapia (trabalho com 
aparelhos para tto de lesões), eletroterapia, termoterapia, hidroterapia e fototerapia.!!
- Fisiologia/Cineantropometria: !
Promove avaliação, ergometria, composição corporal, antropometria, força muscular, 
flexibilidade. Fisiologistas avaliam condições de exercício (calor, exaustão), promove medidas para 
condicionamento físico. Atualmente, existem testes que mensuram flexibilidade, explosão, salto em altura/
distância, massa muscular. !!
- Cardiologia: !
Avaliação cardiológica, ergometria (teste de esforço), ECG, eco-Doppler. Uma das especialidades 
mais promissoras da medicina atual, pois há crescente necessidade de maior atenção aos casos de mortes 
súbitas nos esportes. Estes episódios envolvem vários fatores genéticos, de predisposição, que levam ao 
estresse cardíaco. !
! O cardiologista realiza teste de esforço, teste de condicionamento físico, teste ergoespirométrico 
(verifica VO2 \u2013 condicionamento aeróbico do paciente, com variações cardíacas, demonstrando as 
condições do paciente). !!
- Clínica Médica: !
Avaliação de hipertensão, DM, estresse, obesidade. Há, principalmente, a solicitação 
endocrinológica. São avaliados mais os atletas amadores, no caso, indivíduos comuns que praticam 
exercícios físicos. !
\ufffd1
12. Medicina esportiva!
13. Ortopedia pediátrica!
14. Artrose de joelho e quadril!
15. Artroscopia e lesões ligamentares!
16. Artrite reumatoide !
17. Doença de Perthes !
18. Tumores ósseos!
19. Asteocondroses!
Ortopedia P2 Jaqueline Ogeda, Thalita Kummer e Uilliane Pietro
!
- Nutrição: !
Avaliação nutricional, composição corporal (massa magra, massa gorda), dos níveis calóricos, dos 
gastos energéticos. Importante para a reposição nutricional, hidroeletrolítica, com dietas próprias 
(hipocalórica, hipercalórica). !!
- Psicologia: !
Avaliação psicológica, perfil e acompanhamento de atletas. !!
- Educação Física:!
! Fisiologia, cinesiologia, prescrição de atividade, readaptação ao esporte!!
- Traumatologia:!
Ortopedista traumatologista. Avaliam contusões, tendinite, mialgia, estiramento muscular, de 
profissionais e amadores. !
Avaliação dos medicamentos que estão sendo tomados pelos atletas, se medicamentos receitados 
por conta, mandar medicamento para avaliação da composição e ver se há medicamentos que dão 
positivos para dopping.!!
Funcionamento:!
-! Equipe Multidisciplinar!
-! Experiência na traumatologia!
-! Equipamento adequado!
-! Métodos de auxílio diagnóstico!
-! Ambulatórios de especialidades!
*Obs: no vôlei é comum entorse de tornozelo; no tênis são comuns epicondilite lateral e bursite (sd de 
impacto); ginastica olímpica, a hiperlordose podendo forçar a uma espondilolistese; ciclismo de volocidade, 
microlesões. !
! A traumatologia esportiva visa tanto à prevenção, quanto o tto das patologias, sendo para isto, 
necessários métodos diagnósticos. !!
Objetivos!
-! Busca de novos talentos!
-! Valorização dos esportes olímpicos!
-! Desenvolver novas tecnologias!
-! Estudos e pesquisa na área!
-! Equipe multidisciplinar!
-! Atuação interdisciplinar!!
Áreas de atuação!
-! Rede de educação!
-! Rede de atenção aos desportistas!
-! Rede de atenção à população!!
Trauma de extremidade!
Introdução!
- Risco de vida:!
o! Hemorragias intensas e incontroláveis!
o! Lesões por esmagamento!
o! Fraturas expostas!
- Lesões com risco de perda do membro: lesões vasculares, síndrome compartimental, fratura exposta, 
lesões por esmagamento, luxações das grandes articulações. !!
Fraturas por estresse!
\ufffd2
Ortopedia P2 Jaqueline Ogeda, Thalita Kummer e Uilliane Pietro
São lesões de sobreuso (overuse) \u2013 sobrecarga de treinamento. Os locais mais comuns de 
acometimento são: pés e pernas. Podem aparecer em qualquer segmento ósseo que esteja submetido a 
um excesso de uso de uma forma inadequada, podendo estar associados fatores intrínsecos do indivíduo e 
extrínsecos do meio em que treinando.!
- esforço prolongado!
- mais comum nos metatarsianos!
- sobreuso e uso inadequado de sapatos e ou tipos de pisos em academias e outros locais de 
tratamento.!
! É ultrapassar do limite fisiológico de absorção e reabsorção óssea. Qualquer situação pode 
ocasionar este tipo de fratura e qualquer osso do corpo pode sofrer uma fratura por estresse. Esta alteração 
entre o equilíbrio de produção e deformação óssea leva a fratura por estresse, com ressalva aos fatores 
predisponentes. !!
Lesões musculares!
São muito comuns nas atividades de condicionamento físico, associadas geralmente ao 
excesso de carga ou repetições. !
- carga: estiramento e rupturas musculares!
- repetições: tendinites!
! Edema, estiramento, ruptura. Qualquer uma destas situações são possíveis lesões. A ruptura é 
mais comum quando se faz um maior esforço (chute, erguer algo pesado). !!
Classificação !
- cãibra!
- dor muscular tardia!
- laceração!
- estiramento!
- contusão muscular!!
Caibra!
Fasciculação focal que se espalha por todo o músculo de forma irregular, durante o esforço 
físico ou repouso. Acomete mais musculatura da panturrilha. Está associada a desequilíbrio 
hidroeletrolítico, promovendo diminuição de Na sérico (sudorese ou diurese), diminuição Ca ou Mg 
sérico ou falta de condicionamento físico (músculo produz tanto acido lático que não consegue absorvê-
lo, principalmente por ser um mm fraco, mal treinado, entrando em fadiga). O distúrbio eletrolítico é mais 
comum em atletas de alta performance. !
Tratamento: alongamento muscular, ativação dos antagonistas!!
Dor muscular tardia induzida pelo exercício!
! \u201cSensação prazerosa\u201d após o exercício, que ocorre 24 a 48h após o mesmo. Sensação 
desconfortável da musculatura que está se condicionando, porém não dor incomodativa. O paciente pode, 
por vezes, tomar relaxante muscular, analgésico, para alívio desta sensação. !
- não ocorre acidose lática!
- microrrupturas no músculo ou junção musculotendínea!
- contrações excêntricas, rítmicas e intensas!
Dor a palpação, contração ativa, melhora com alongamento passivo, por relaxar e soltar a 
musculatura.!
Tratamento: analgésico, repouso relativo!!
Estiramento muscular!
Ruptura, geralmente por mecanismo indireto, alongamento excessivo e ruptura tecidual. Lesão mais 
frequente no esporte. Todos os mm do MMII são acometidos, principalmente os poliarticulares: isquiotibiais, 
quadríceps, adutores e gastrocnêmios. !
O diagnóstico é clínico, através do exame físico (palpação, movimentação ativa e passiva). Para 
complementação, utiliza-se US e RNM para o estadiamento e controle da evolução. !
\ufffd3
Ortopedia P2 Jaqueline Ogeda, Thalita Kummer