A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
Kant & Hegel

Pré-visualização | Página 1 de 1

Kant & Hegel
Prof. Dr. Lucas Azambuja
Algumas perguntas preliminares...
A História mostra uma tendência de melhoramento moral da humanidade?
O que causa a História apresentar ou não esta tendência?
O que definiria uma ordem política moralmente desenvolvida?
Kant e Hegel
Ambos, de alguma forma, procuraram responder estas questões.
Trata-se de pensar sobre a relação entre ética e política a partir de um ponto de vista histórico.
Como o desenvolvimento das principais instituições políticas – Estado, Direito e Sociedade/Cidadania – reflete as contradições e desafios desta relação?
Para ambos, este desenvolvimento histórico é o desenvolvimento da ideia de liberdade.
Tratando-se do desenvolvimento da(s) ideia(s), ambos estabeleceram filosofias do conhecimento.
Isto é, o que é a razão humana? Como ela se desenvolve? Como este desenvolvimento se reflete na política?
Razão  Política = Iluminismo
Kant (1724-1804)
Filosofia Crítica = todas as grandes questões da filosofia devem se submeter a um rigoroso exame da razão de forma privada e, principalmente, pública.
Liberdade = ser capaz de seguir uma regra imposta por um ato da razão = autonomia da vontade.
Seu oposto, portanto, é a heteronomia.
A razão seria, então, capaz de produzir as leis morais, não algo externo à ela, p.ex., religião.
A lei produzida por um ato de vontade da razão é o fundamento da ética.
Qual seria o conteúdo desta lei? “Age de tal modo que a máxima de tua vontade possa ser sempre ao mesmo tempo como princípio de uma legislação universal”.
Ou seja, a sintonia entre o indivíduo e o universal => Liberdade e Paz
Não se trata de um princípio de meios e fins, mas de compromisso/dever com os fins
Kant
Diferença entre Direito e Ética
Liberdade externa = limitação da liberdade de cada um para coexistir com a do outro => disto é que trata o Direito.
Liberdade interna = capacidade do indivíduo dar para si fins elaborados por sua razão => disto é que trata a Ética.
Política, em Kant, se insere na esfera do Direito.
O problema fundamental da política é, então, o do estabelecimento da liberdade externa => Justiça.
Estado de direito = garantir o ordenamento jurídico capaz de produzir a coexistência das liberdades.
Estando o Direito fundamentado na moral (no imperativo categórico) o seu caráter coercitivo não assume a forma de heteronomia.
A fonte disto são as leis universais da liberdade  Constituição com base nas Leis Naturais.
Kant
O movimento da história é o movimento do esclarecimento
O seu motor são as tensões da convivência social entre homens que exercem vícios privados produzindo virtudes públicas = republicanismo.
INSOCIÁVEL SOCIABILIDADE
O conflito e guerra promovem o desejo de paz, ordem e liberdade.
Hegel (1770-1831)
Método dialético = forma de pensamento que não isola as partes, mas as coloca em relação ao todo, este entendido como aquilo que contém todas as cisões e contradições entre as partes.
A dialética é um movimento das ideias que se reflete nas coisas, i.e., ao reconhecer a totalidade nas cisões há uma superação da ideia que, então, manifesta no mundo.
O movimento dialético das ideias é o que produz a mudança histórica.
Reconhecer a totalidade é não se limitar na sua individualidade abstrata e numa liberdade abstrata. E adquirir consciência de si como espírito (razão), i.e., livre das ilusões da consciência.
Cada estágio da consciência contém um síntese superior das ideias em contradição no estágio anterior.
Hegel
O desenvolvimento histórico na política é, então, o desenvolvimento da ideia de liberdade e de Estado rumo ao seu conceito puro, i.e., universal e absoluto.
É o desenvolvimento do espírito em 3 estágios:
espírito subjetivo = individualidade subjetiva + características naturais + consciência
espírito objetivo = instituições políticas e sociais
Espírito absoluto = conhecimento como arte, religião e filosofia
A política pertence a filosofia do espírito objetivo.
O Direito (que engloba tudo que é político e social e econômico) é o desenvolvimento do conhecimento do espírito como absoluto.
Hegel
Três momentos do Direito
Abstrato = indivíduos compreendidos de modo atomístico e portadores de propriedades que estabelecem contratos
Moralidade = pela luta por reconhecimento, os direitos são reconhecidos também a partir de seus deveres e responsabilidades, i.e., determinação dos princípios subjetivos da ação, da vontade de deveres (valores) que devemos compartilhar.
Eticidade = quando a vontade subjetiva moral se cristaliza nas instituições, ou seja, se torna vontade objetiva.
Este desdobramento do Direito se reflete em três momentos da sociedade civil: família, sociedade civil e Estado.