A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
162 pág.
Exercicios de Portugues - Verbo

Pré-visualização | Página 7 de 50

que viesse a tomar 
quaisquer providências somente porque seja do nosso interesse. 
(C) Medidas repressivas, tomadas em diferentes épocas por diferentes governos, vêm 
sobejamente demonstrando a ineficácia da força frente às questões sociais. 
(D) Precisamos nos convencer, de uma vez por todas, de que a economia privada raramente 
se preocupa com o alcance social das metas pragmáticas que ela se propõe atingir. 
(E) No início da globalização, muita gente julgava que por meio dela não apenas se 
multiplicariam, mas também se distribuiriam com justiça os dividendos econômicos. 
 
Gabarito: B 
 
Comentário. 
Agora, o verbo em questão é convir, também derivado do verbo “vir”. 
 
 
Após a correção, teríamos: “Se é praxe do Estado agir apenas quando lhe convier...” (futuro 
do subjuntivo). 
Relembrando: o futuro do subjuntivo é um tempo derivado da 3ª pessoa do plural do pretérito 
perfeito do indicativo (eles vieram – [quando] ele vier / [quando] lhe convier). 
Um cuidado muito grande que você deve tomar é nas questões de concordância verbal (tema 
da próxima aula) que abordem verbos derivados do “vir”, do “ter” e terminados de forma nasal 
(õe / õem), como os derivados do “pôr”. Isso porque não há alteração fonética entre a forma 
singular e a plural (contém / contêm, dispõe / dispõem, convém / convêm). 
Isso costuma ser um “prato cheio” para “pegadinhas”, especialmente as da ESAF. Não vamos 
nos aprofundar aqui no assunto. Teremos uma aula todinha para falar sobre concordância. 
 
21 - (TRT 22ª Região – Analista Judiciário ) 
Todas as formas verbais estão adequadamente flexionadas na frase: 
(A) Os jovens que proviram do Sudão assustar-se-ão com a quantidade de casuísmos a que 
deverão se submeter em sua nova experiência de vida. 
(B) Por vezes, uma comparação da nossa cultura com a de outros povos restitue-nos o desejo 
de uma sociedade em que nada obstrui o caminho natural da justiça. 
(C) Se viajar de avião já constitui, para essa leva de jovens, uma experiência assombrosa, 
imagine-se o assombro deles quando haverem de entrar em contato com nossas leis. 
(D) Em suas tribos, os jovens sudaneses entretiam-se com as práticas da vida concreta, sem a 
preocupação de atentarem para intermináveis códigos de leis casuísticas. 
(E)) Deveríamos agir segundo valores com os quais reouvéssemos o sentido do que é social, e 
não sob a pressão de códigos que advieram de uma progressiva indigência moral. 
 
Gabarito: E 
 
Comentário. 
(A) O verbo “provir” é derivado de vir e indica a procedência. Assim, “Os jovens que 
provieram do Sudão...”; 
(B) Já estudamos os verbos terminados em –UIR (questão 11) e vimos que, ao contrário dos 
outros verbos de 3ª conjugação, esses recebem a letra “i” na 3ª pessoa do singular – “... uma 
comparação... restitui-nos...”; 
(C) Há impropriedade na forma “quando haverem de entrar em contato...”. Deve ser 
empregado o futuro do subjuntivo do verbo “haver” – “quando houverem de entrar...”, uma vez 
que indica um fato hipotético referente ao futuro. “Haverem” é a forma do infinitivo flexionado 
na 3ª pessoal do plural, inadequada à passagem; 
(D) O verbo “entreter” é derivado do “ter” e como ele se conjuga – “... 
os jovens sudaneses entretinham-se ...”; 
(E) RESPOSTA CORRETA. Vale a pena observar a correta conjugação do 
verbo defectivo reaver. Este verbo é derivado do verbo “haver” 
(significa possuir novamente, recuperar, “haver” de novo), mas só se conjuga nas formas em 
que o verbo “haver” apresentar a letra 
“v”. Assim, no presente do indicativo, só possui as formas de 1ª e 2ª pessoas do plural: 
reavemos, reaveis. Conseqüentemente, não possui presente do subjuntivo nem imperativo. 
Nos demais tempos, conjuga-se como o verbo “haver”, por exemplo: “Ele reouve o relógio 
roubado.”, “Eu reaverei cada tostão que ele me roubou” ou, como apresentado na questão 
“reouvéssemos”. 
 
 
 
22 - (TRT 24ª Região – Analista Judiciário) 
Está correta a flexão de todas as formas verbais na frase: 
(A) Ao longo do tempo, os corruptos nem sempre se desaviram com as instituições; pelo 
contrário, muitos souberam usá-las em benefício próprio. 
(B)) Em respeito à ética, se os interesses particulares se contrapuserem aos públicos, devem 
prevalecer estes, e não aqueles. 
(C) Caso não detêssemos boa parte dos nossos ímpetos destrutivos, nenhuma sociedade 
conheceria um momento sequer de estabilização. 
(D) Quando os estados nacionais não intervêem nas instituições corrompidas, a ordem social 
tende a fragilizar-se cada vez mais. 
(E) Se tivessem prevalecido as boas causas pelas quais nossos antepassados haveram de 
lutar, estaríamos hoje numa sociedade mais justa. 
 
Gabarito: B 
 
Comentário. 
(A) A forma “desavir” significa “suscitar desavença” (essa palavra você deve conhecer – 
significa “discórdia”, “discussão”, “briga”). 
Apesar de não ser derivado do verbo “vir”, segue sua conjugação – “os corruptos nem sempre 
se desavieram com instituições...”; 
(C) O verbo “deter” é derivado do “ter” – “Caso não detivéssemos...”; 
(D) O verbo “intervir” é derivado do “vir” – “Quando os estados nacionais não intervêm nas 
instituições corrompidas...”; 
(E) Mais uma vez, observa-se o uso inapropriado do verbo “haver”; em “Se tivessem 
prevalecido as boas causas pelas quais nossos antepassados haveriam de lutar,...”, o verbo 
auxiliar “haver”, que forma uma locução verbal com o principal “lutar”, se reporta a um fato 
hipotético, devendo ser conjugado no futuro do pretérito do indicativo. 
 
CORRELAÇÃO VERBAL 
 
CORRELAÇÃO VERBAL consiste na articulação entre as formas verbais no período. Os 
verbos estabelecem, assim, uma correspondência entre si. 
Esse tipo de questão, normalmente, o candidato consegue acertar usando o “ouvido”. Observe 
que alguma coisa parece estar errada na construção: “Se você se acomodasse com a situação, 
ela se tornará efetiva.”. Isso acontece porque não houve correlação entre a forma verbal da 
primeira oração (acomodasse) – que indica hipótese, possibilidade - com a da segunda 
(tornará) – que indica certeza. 
A título de curiosidade (e somente com esse propósito – nada de ficar decorando listas), 
seguem alguns exemplos de construções corretas sob o aspecto de correlação verbal: 
a) “Exijo que me diga a verdade.” Presente do Indicativo + Presente do Subjuntivo 
b) “Exigi que me dissesse a verdade.” – Pret.Perf.Indicativo + Pret.Imperf.Subjuntivo. 
c) “Espero que ele tenha feito uma boa prova.” - Presente Indic.+ 
Pret.Perf.Comp.Subjuntivo. 
d) “Gostaria que ele tivesse vindo.” – Fut.Pretérito.Ind.+ Pret.Mais-queperf. 
Comp.Subjuntivo 
e) “Se você quiser o material, eu o trarei.” – Futuro do Subjuntivo + Fut.Presente Indicativo 
f) “Se você quisesse o livro, eu o traria.” - Pret.Imperf.Subj.+ Fut.Pretérito do Indicativo 
g) “Quando puder, lerei o seu material.” - Futuro Subj.+ Fut.Presente Indicativo 
 
 
 
23 - (TRT 13ª Região – Analista Judiciário) 
É adequada a articulação entre os tempos verbais na frase: 
(A))Mais se respeitasse a democracia, mais se deveria lutar contra as falácias dos discursos 
dos candidatos. 
(B) O que tem ficado implícito na simplificação sistemática da realidade foi o desrespeito aos 
eleitores que a prezassem. 
(C) Não houvéssemos ultrapassado as dimensões das comunas medievais, poderemos ter 
decisões que não dependeriam do sistema representativo. 
(D) Vindo a ocorrer a insultuosa infantilização dos votantes, reagissem estes, negando-se a 
votar em quem os subestimava. 
(E) Seria possível que chegassem a um acordo a dona do cachorrinho e a mãe da criança 
asmática, desde que se disponham a ponderar a razão de cada uma. 
 
Gabarito: A 
 
Comentário. 
Na opção correta, vemos um exemplo de relação entre um verbo no pretérito imperfeito do 
subjuntivo (respeitasse) e outro no futuro do pretérito (deveria) – caso f. 
Note que as orações reproduzem fatos que se situam no plano da hipótese, o que justifica