A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
11 pág.
TGP  - 1 A 16 AULA - 4º SEMESTRE ATUALIZADO NOVO CPC 2015

Pré-visualização | Página 2 de 4

RESPOSTA: Não, o ato judicial não soluciona uma lide, pois no caso em questão existe 
consenso, logo, não há lide. Neste tipo de jurisdição voluntária, o juiz irá apenas homologar 
a decisão das partes. 
 
Questão nº 2. O princípio da inafastabilidade ou princípio do controle jurisdicional expresso na 
Constituição Federal garante: 
a) a todos o acesso ao Poder Judiciário; 
b) às partes a ampla defesa; 
c) a todos o juiz natural; 
d) a todos o juiz imparcial; 
e) ao juiz o poder diretivo do processo. 
 
 
 
CASOS CONCRETOS 1 - 16 RESOLVIDOS 
4º SEMESTRE 
 
TGP – NOVO CPC - 2.2015 
 
 
 
CENTRO UNIVERSITARIO ESTACIO UNIRADIAL DE SÃO PAULO 
AV. MORUMBI, 8.724 – BROOKLIN. CEP: 04703002 
jonasfs.juridico@gmail.com 
TGP NOVO CPC 2015 
 
Página 4 de 11 
 
Aula 6 
Questão nº 1. Fábio instaura processo em face de Carlos, perante um órgão integrante da 
Justiça Estadual, requerendo a desconstituição de uma obrigação representada em um título 
de crédito. O demandante, na própria petição inicial, postula ao magistrado a antecipação dos 
efeitos da tutela para que o seu credor seja impedido de executar em juízo esta dívida 
enquanto perdurar a presente demanda. Este pleito se afigura possível? 
RESPOSTA: Não, pois afronta o princípio da disponibilidade – art. 5º, XXXV, CF/88 – afronta a 
constituição – o acesso primário à justiça. A demanda não pode ser impedida. A ação não 
pode ser impedida. Não pode haver decisão que impeça a provocação. 
 
Questão nº 2. O princípio da Inercia da jurisdição 
a) é absoluto, sem possibilidade de sofrer qualquer forma de mitigação. 
b) pode ser mitigado na jurisdição voluntária, mas não na contenciosa. 
c) está presente mesmo na instauração de inventário de ofício. 
d) é consequência do princípio constitucional de devido processo legal. 
e) nenhuma das alternativas acima 
 
Aula 7 
1ª Questão. O Ministério Público Federal ofereceu denúncia em face de Alan Cunha, em 
virtude do mesmo ter supostamente praticado o crime previsto no art. 171, parágrafo 3º do 
CP, já que vinha recebendo benefício previdenciário manifestamente indevido. O processo 
criminal tramitou perante uma das Varas Federais Criminais da Seção Judiciário do Rio de 
Janeiro, culminando pela prolação de uma sentença penal condenatória. Neste mesmo ato 
decisório, o magistrado determinou que o denunciado deva ressarcir o INSS (autarquia federal) 
da importância de R$ 122.820,00, que seria o montante indevidamente recebido em virtude 
da sua conduta criminosa. Indaga-se: pode o magistrado, lotado em juízo especializado em 
matéria criminal, efetuar a liquidação dos prejuízos cíveis sofridos? Justifique a resposta. 
RESPOSTA: Sim, a lei 11.719/08 modifica o art.383, IV, do CPP, em sua nova redação impôs 
ao magistrado o dever de fixar o valor mínimo da reparação dos danos causados pela 
infração, para permitir que o juiz ao proferir a sentença penal condenatória fixe um valor 
mínimo para a indenização dos prejuízos causados pelo crime praticado. 
 
2ª Questão. Assinale a alternativa correta em relação à autonomia ou independência da 
responsabilidade civil e criminal: 
a) a responsabilidade civil é independente da criminal, não se podendo questionar mais 
sobre a existência do fato, ou sobre quem seja o seu autor, quando estas questões se 
acharem decididas no juízo criminal; art. 935 do cc. 
b) se tiver sido proferida sentença absolutória no juízo criminal, por qualquer que seja o 
seu fundamento, não se afigura possível o ajuizamento de qualquer ação civil 
objetivando a reparação do dano; 
c) a sentença penal condenatória não é título executivo hábil a permitir a instauração de 
uma execução perante o juízo de competência cível; 
 
 
CASOS CONCRETOS 1 - 16 RESOLVIDOS 
4º SEMESTRE 
 
TGP – NOVO CPC - 2.2015 
 
 
 
CENTRO UNIVERSITARIO ESTACIO UNIRADIAL DE SÃO PAULO 
AV. MORUMBI, 8.724 – BROOKLIN. CEP: 04703002 
jonasfs.juridico@gmail.com 
TGP NOVO CPC 2015 
 
Página 5 de 11 
d) a responsabilidade civil é independente da criminal e por este motivo é possível 
questionar sobre a existência do fato, ou sobre quem seja o seu autor, ainda que estas 
questões já tenham sido decididas no juízo criminal. 
 
Aula 8 
1ª Questão. A empresa Tubo S/A deseja impetrar um mandado de segurança contra ato de 
comissão de licitação da Petrobrás S/A por ter sido inabilitada para o certame. Qual é o juízo 
competente para processar e julgar a referida demanda? Justifique a sua resposta: 
RESPOSTA: De acordo com o entendimento do STJ (AgRg no CC33399/AM), compete à justiça 
comum estadual julgar mandado de segurança contra ato da comissão de licitação de 
sociedade de economia mista, inserido em ato de gestão. Isto porque a Petrobrás S/A é 
pessoa jurídica de direito privado e, embora faça parte da Administração Pública indireta 
federal, não poderá ser processada e julgada pela Justiça Federal já que não está incluída no 
rol do art. 109, I da CRFB/88. 
 
Questão nº 2. Assinale a alternativa correta. 
I. O processo civil brasileiro adota a regra da eventualidade ao impor ao demandado o dever de 
alegar na contestação, a um mesmo tempo, todas as defesas que tiver contra o pedido do 
autor, ainda que sejam incompatíveis ou contraditórias entre si, pois na eventualidade de o juiz 
não acolher uma delas, passa a examinar a outra. 
II. A convenção de arbitragem não é pressuposto processual por ser matéria de direito 
dispositivo que, para ser examinada, não dispensa a iniciativa do réu. Caso o réu não a alegue 
o processo prossegue e é julgado perante a jurisdição estatal. A ausência de alegação do réu 
torna a justiça estatal competente para julgar a lide e, por inexistir qualquer invalidade, o 
processo não será extinto. 
III. A competência absoluta do juízo é matéria de ordem pública sobre a qual não se opera a 
preclusão pois não está ligada ao princípio dispositivo uma vez que não se trata de direito 
disponível. A incompetência absoluta pode ser alegada em qualquer grau de jurisdição, 
compreendidos os graus de instâncias ordinárias, a saber, primeiro grau de jurisdição, 
apelação, embargos infringentes, recurso ordinário para o Supremo Tribunal Federal e para o 
Superior Tribunal de Justiça. 
IV. Em ação de reparação de danos por ato ilícito permite-se ao autor que formulara pedido de 
reparação de danos patrimoniais acrescer, até a citação do réu, sem audiência deste, ou depois 
da citação, com a aquiescência deste, o pedido de indenização por dano moral, desde que 
resultante do mesmo ato ilícito. 
a) Somente as proposições I e III estão corretas. 
b) Somente a proposição III está correta. 
c) Somente as proposições I e IV estão corretas 
d) Somente as proposições II e IV estão corretas. 
e) Todas as proposições estão corretas. 
 
 
 
CASOS CONCRETOS 1 - 16 RESOLVIDOS 
4º SEMESTRE 
 
TGP – NOVO CPC - 2.2015 
 
 
 
CENTRO UNIVERSITARIO ESTACIO UNIRADIAL DE SÃO PAULO 
AV. MORUMBI, 8.724 – BROOKLIN. CEP: 04703002 
jonasfs.juridico@gmail.com 
TGP NOVO CPC 2015 
 
Página 6 de 11 
 
Aula 9 
1ª Questão. Em demanda promovida por Marcos em face de Associação dos Idosos Brasileiros, 
o juiz profere o despacho saneador afastando a preliminar de ilegitimidade passiva suscitada 
pela parte demandada. Pergunta-se: 
a) Se no curso do procedimento forem produzidas provas que demonstrem a ilegitimidade 
da parte, poderá o juiz proferir sentença definitiva de improcedência do pedido? 
Fundamente com a abordagem da Teoria Eclética do Direito de Ação e da Teoria da 
Asserção. 
RESPOSTA: o ordenamento processual brasileiro adotou a teoria eclética do direito de ação 
que se configura com a necessidade de preenchimento das condições da ação legitimidade, 
interesse

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.