Interação antígeno e anticorpo
27 pág.

Interação antígeno e anticorpo


DisciplinaImunologia Médica82 materiais1.279 seguidores
Pré-visualização1 página
Interação Antígeno
e
Anticorpo
PatrPatríícia Nagibcia Nagib
Imunologia Moderna
\u2022 Três termos (não muito precisamente definidos):
1. Antígenos \u2192 substâncias reconhecidas pelos receptores de 
células B e T;
2. Imunógenos \u2192 substância capaz de estimular uma resposta 
imune;
3. Haptenos\u2192 substâncias de baixo peso molecular capazes de 
se ligar a anticorpos (e, presumivelmente, receptores T) mas 
que apenas induzem resposta se estiverem covalentemente 
acoplados a uma molécula grande (carreadora).
Propriedades e circunstâncias que 
influenciam a imunogenicidade:
1. Contribuição do imunógeno
2. Contribuição do sistema biológico
3. Modo de administração
Contribuição do imunógeno: \u201cnão próprio\u201d
\u2022 Ser estranho. A molécula não foi exposta a 
linfócitos imaturos durante período crítico 
de maturação:
- Relação filogenética entre organismos: moléculas de 
classe I são bons imunógenos
\u2192 exceções: colágeno e citocromo C (moléculas 
altamente conservadas)/ córnea e esperma 
(moléculas seqüestradas)
1. Alo-antígenos: diferenciando 
membros de uma mesma espécie
2. xeno-antígenos: diferenciando 
indivíduos de duas espécies distintas.
3. auto-antígenos: antígenos 
presentes no indivíduo respondedor 
somente em situações anormais.
Divisão de antígenos: de acordo 
com a distancia genética entre 
doador e receptor:
Contribuição do imunógeno: Tamanho
\u2022 Moléculas pequenas (aa ou monossacarídeos): não ativam 
linfócitos
\u2022 Moléculas grandes :
Contribuição do imunógeno : Natureza química
\u2022 Proteínas: a vasta maioria dos imunógenos. Puras, 
glicoproteínas ou liproteínas; Grau de imunogenicidade varia 
com a composição de aa.
\u2022 Polissacarídeos: puros ou lipopolissacarídeos são bons 
imunógenos para humanos e camundongos. Ativação de células 
B. 
\u2022 Àcidos Nucléicos: pobremente imunogênicos. Podem ser 
imunogênicos se de fita simples ou quando complexados com 
proteínas;
\u2022 Lipídeos: não imunogênicos. Alguns glicolípídeos e fosfolipídeos
podem estimular células T e produzir respostas imunes 
mediadas por células.
Substâncias inorgânicas: falta de resposta;
Contribuição do imunógeno : Complexidade 
Química
\u2022 Quanto mais complexa uma molécula, melhor ela 
funcionará como antígeno: 
- moléculas compostas por sub-unidades de apenas 
um tipo (como aa em um polipeptídeo sintético): não 
funciona ou ativa pobremente linfócitos.
- Via de regra: bons antígenos são compostos por 
diferentes sub-unidades.
Contribuição do imunógeno : Conformação
Contribuição do imunógeno: 
Degradabilidade
ƒ Moléculas que são facilmente fagocitadas são mais imunogênicas: 
moléculas grandes e insolúveis:
- a resposta imune, para a maioria das moléculas, requer que elas sejam
fagocitadas, processadas e apresentadas aos linfócitos Th pelas APCs.
Modo de Administração
\u2022 Dose: muito baixa não induz resposta e muito alta induz tolerância;
\u2022 Via de administração: intradérmica, subcutânea, intramuscular, 
intravenosa, intraperitoneal \u2192 linfonodos regionais ou baço
\u2022 Esquema de imunização: algumas substâncias induzem resposta após 
uma única injeção, outras devem ser administradas repetidamente após 
períodos prolongados;
\u2022 Adjuvantes: substâncias que aumentam a resposta(ACF; AlHO; 
polímeros sintéticos; surfactantes; lipossomos) 
\u2192 provável ação: prolongam a persistência do Ag
aumentam sinais co-estimulatórios (citocinas)
induzem formação de granuloma
estimulam proliferação não específica de linfócitos
\u2022 Imuno estimulantes: aumento transitório das respostas em geral (BCG e 
Corynebcterium parvum)
\u2192 provável ação: estimular macrófagos
atuam como agentes anti-tumorais
Tipos de antígenos
\u2022 T-independentes: estimulam células B diretamente. Ex: 
polissacarídeos
- estrutura polimérica: mesmo determinante antigênico repetido 
várias vezes;
- ativação policlonal de células B: muitos ativam clones de células 
B específicos para outros antígenos (antígenos T-
independentes do tipo 1). Antígenos T-independentes do tipo 
2 não são ativadores policlonais;
- resistentes à degradação: persistem por longo período 
estimulando o SI.
\u2022 T \u2013 dependentes: incapazes de estimular a produção de 
anticorpos sem a participação de células T. Ex.: proteínas
Haptenos e Antigenicidade
\u2022 Haptenos: moléculas 
orgânicas pequenas que são 
antigênicas mas não 
imunogênicas; 
\u2022 Hapteno-carreador: 
molécula imunogênica;
Antígenos ativadores de células 
T e B: relação hapteno-carreador
Epítopos
\u2022 Células do SI \u2192 reconhecimento de epítopos;
\u2022 Epítopos de uma proteína: 
1. Regiões imunológicamente ativas de um antígeno que se 
ligam aos receptores de Ags na membrana dos linfócitos ou em 
anticorpos secretados;
2. Pode envolver elementos de suas quatro estruturas;
3. Células B \u2192 Ags solúveis \u2192 epítopos accessíveis;
4. Células T \u2192 MHC \u2192 epítopos processados.
Reconhecimento antigênico
\u20222 cadeias leves
(região variável VL
e 
constante CL)
\u20222 cadeias pesadas
(região variável VH
e 
Constante CHs )
Ab
Ag
Anticorpo X Epítopo
Antígenos X Epítopos
Características
\u2022 Interações não-covalentes: complementariedade
\u201cchave- fechadura\u201d
\u2022 Não causa alterações irrversíveis no antígeno ou
anticorpo;
\u2022 Anticorpos podem ser extermamente específicos: 
capazes de reconhecer pequenas diferenças na
estrutura química do Ag.
\u2022 Anticorpos podem reagir cruzadamente com Ag não
realionados:
- ocorre se o Ag compartilha determinantes idênticos /similares
ComplementariedadeComplementariedade
Reação Cruzada
AC + epítopo AC + epítopo 
Ag diferente
Epítopo compartilhado
AC + epítopo 
Ag diferente
Epítopo similar
Forças de Ligação
\u2022 Pontes de Hidrogênio
\u2022 Forças Iônicas
\u2022 Interações hidrofóbicas
\u2022 Forças de Van der Waals
Ligações fracas: 
Para se manterem devem estar
pertoÆcomplementariedade!
Valência de antígenos
Afinidade e AvidezAfinidade e Avidez
Afinidade: força de interação entre 
um Ag e um epítopo específico. 
Pode ser medida através da Kd.
Avidez: média das forças de 
interação entre Ag e Ab em 
múltiplos sítios. 
Ags e Acs são multivalentes. Esta 
multivalência aumenta a força de 
interação \u2192 afinidade funcional ou 
avidez.