Farmacopeia Homeopática Brasileira (3ª Edição - 2011)
364 pág.

Farmacopeia Homeopática Brasileira (3ª Edição - 2011)


DisciplinaFarmacotécnica Homeopática197 materiais723 seguidores
Pré-visualização50 páginas
DH ou 1 CH em 9 ou 99 partes do insumo inerte, 
respectivamente. Sucussionar 100 vezes. Obtém-se assim a 2 DH ou 2 CH. 
 
5. Transferir para o 3º frasco 1 parte da 2 DH ou 2 CH em 9 ou 99 partes do insumo inerte, 
respectivamente. Sucussionar 100 vezes. Obtém-se assim a 3 DH ou 3 CH. 
 
6. Proceder de forma idêntica para as preparações subseqüentes até atingir a dinamização desejada. 
 
Farmacopeia Homeopática Brasileira, 3ª edição 
 
64 
Número de frascos. Tantos frascos quantas forem as dinamizações a serem preparadas. 
 
Volume. O líquido a ser dinamizado deverá ocupar de 1/2 a 2/3 da capacidade do frasco utilizado 
na preparação. 
 
Número de sucussões. 100. 
 
Embalagem e armazenamento. Recipiente bem fechado, protegido do calor, umidade e da luz 
direta. 
 
Prazo de validade. A ser determinado, caso a caso, conforme legislação pertinente. 
 
 
 
11.1.2 ESCALA CINQUENTA MILESIMAL 
 
 
 
Ponto de partida. Droga vegetal, animal ou biológica, sempre que possível no estado fresco e 
droga mineral. Poderá ser utilizada a tintura-mãe, tendo sua força medicamentosa corrigida com 
posterior evaporação. 
 
Nota: no caso de utilizar a TM como ponto de partida, fazer a correção da força medicamentosa. 
Logo após tapar os poros do gral, a TM será adicionada ao primeiro terço da lactose (ao preparar 
a 1 CH trit.). Após evaporação, em temperatura inferior a 50 °C, seguir com a técnica de 
trituração. 
 
Exemplos. 
 
Uma TM de origem vegetal (10%) tem força medicamentosa de 1/10, ou seja, 1 parte da droga está 
contida em 10 partes de TM. Para a 1ª trituração centesimal, colocar 10 partes da TM para 100 
partes de lactose. Para TM de origem animal (5%) a força medicamentosa é de 1/20, ou seja, 
colocar 20 partes da TM para 100 partes de lactose. 
 
Insumo inerte. Água purificada, lactose, microglóbulos e etanol em diferentes graduações. 
 
Volume. Para a fase líquida, o líquido a ser dinamizado deverá ocupar entre 1/2 e 2/3 da capacidade 
do frasco utilizado na preparação. 
 
Número de sucussões. 100. 
 
Processo. Para a fase sólida, trituração; para a fase líquida, diluição e sucussão, manual ou 
mecânica. 
 
Técnica. 
 
Primeira etapa. Trituração da droga até 3 CH trit., conforme técnica de trituração. 
 
Segunda etapa. Dissolução do 3º triturado. 
 
\u2022 Pesar 63 mg do 3º triturado e dissolver em quinhentas gotas de etanol a 20% (v/v). 
 
Farmacopeia Homeopática Brasileira, 3ª edição 
 
65 
Terceira etapa. Preparação da 1
a
 dinamização LM (1 LM). 
 
\u2022 Em frasco de capacidade adequada, colocar uma gota da solução anterior em 100 gotas de etanol a 
96% (v/v). 
\u2022 Aplicar 100 sucussões. 
\u2022 Umedecer 500 microglóbulos com uma gota desta solução (100 microglóbulos devem 
corresponder a 63 mg). 
\u2022 Deixar secar à temperatura ambiente. Essa é a matriz na potência 1 LM. 
 
Quarta etapa. Preparação da 2
a
 potência LM (2 LM). 
 
\u2022 Em frasco de capacidade adequada, dissolver um microglóbulo da 1 LM em uma gota de água 
purificada. 
\u2022 Acrescentar 100 gotas de etanol a 96% (v/v). 
\u2022 Aplicar 100 sucussões. 
\u2022 Umedecer 500 microglóbulos com uma gota da solução intermediária anterior. 
\u2022 Separá-los, rapidamente, sobre papel de filtro, deixar secar à temperatura ambiente. Essa é a 
matriz na potência 2 LM. 
 
Quinta etapa. Preparação das demais potências LM. 
 
\u2022 Em frasco de capacidade adequada, dissolver um microglóbulo da LM imediatamente anterior, em 
uma gota de água purificada. 
\u2022 Acrescentar 100 gotas de etanol a 96% (v/v). 
\u2022 Aplicar 100 sucussões. 
\u2022 Umedecer 500 microglóbulos com uma gota da solução intermediária anterior. 
\u2022 Deixar secar à temperatura ambiente. 
 
Embalagem e armazenamento. Recipiente de vidro âmbar, bem fechado, protegido de calor, 
umidade, radiações e luz direta. 
 
Prazo de validade. A ser determinado, caso a caso, conforme legislação pertinente. 
 
 
 
11.2 MÉTODO KORSAKOVIANO 
 
 
 
Ponto de partida. Matriz na potência 30 CH em etanol a 77% (v/v). 
 
Insumo inerte. Etanol a 77% (v/v) nas preparações intermediárias e etanol a 30% (v/v) na 
dispensação. 
 
Número de frascos. Frasco único. 
 
Volume. O líquido a ser dinamizado deverá ocupar 1/2 a 2/3 da capacidade do frasco. 
 
Escala. Não definida. 
 
Número de sucussões. 100. 
 
Farmacopeia Homeopática Brasileira, 3ª edição 
 
66 
Processo. Diluição e sucussão. Manual ou mecânico. 
 
Técnica. Colocar num frasco quantidade suficiente da matriz na potência 30 CH de modo que 
ocupe de 1/2 a 2/3 de sua respectiva capacidade. Emborcar o frasco, deixando o líquido escorrer 
livremente por cinco segundos. Adicionar o insumo inerte na quantidade previamente estabelecida e 
sucussionar por 100 vezes. A resultante dessa sequência de operações corresponde à 31 K. Repetir 
esse procedimento para obter as dinamizações subsequentes. 
 
A dispensação do medicamento preparado segundo método Korsakoviano deve se dar a partir de 31 
K até a 100 000 K como limite máximo. 
 
É vedada a estocagem de medicamentos preparados por esse método. 
 
Embalagem e armazenamento. Recipiente de vidro âmbar, bem fechado, protegido do calor, 
umidade, radiações e luz direta. 
 
Prazo de validade. A ser determinado, caso a caso, conforme legislação pertinente. 
 
 
 
11.3 MÉTODO DE FLUXO CONTÍNUO 
 
 
 
Ponto de partida. Matriz na potência 30 CH em etanol a 77% (v/v). 
 
Insumo inerte. Água purificada. 
 
Número de frascos. Câmara de dinamização única. 
 
Controle da vazão. Deve garantir que um fluxo contínuo e constante de insumo inerte passe 
através da câmara de dinamização de forma controlada para que no final de 100 rotações o conteúdo 
da câmara seja completamente renovado. 
 
Escala. Não definida. 
 
Número de rotações. Nesse método considera-se que 100 rotações equivalem a 100 sucussões, 
pois a cada 100 rotações obtêm-se uma nova potência. 
 
Processo. Diluição e turbilhonamento contínuos. Mecânico. 
 
Características obrigatórias do equipamento. 
 
\u2022 A câmara de dinamização deverá possuir capacidade volumétrica conhecida e sistema de entrada e 
saída de diluente de forma que esse volume se mantenha constante durante o processo. 
\u2022 A entrada de água deve ocorrer junto ao centro do vórtice do líquido em dinamização, de forma 
que a água purificada que entra na câmara seja turbilhonada antes de ser expulsa. 
\u2022 A vazão deve estar sincronizada com o número de rotações por minuto do motor, conforme 
manual do equipamento. 
\u2022 A potência desejada será função do tempo necessário para sua obtenção. Alcançado o tempo 
definido, desligar simultaneamente a entrada de água e o motor do equipamento. 
Farmacopeia Homeopática Brasileira, 3ª edição 
 
67 
\u2022 Retirar da câmara dinamizadora o volume necessário para que sejam feitas, a seguir, duas 
dinamizações centesimais hahnemannianas em etanol a 77% (v/v) ou superior. 
 
Técnica. 
 
\u2022 Adicionar o volume da matriz de partida em etanol a 77% (v/v) ou superior, equivalente à 
capacidade volumétrica da câmara do aparelho. A entrada de água purificada e a rotação do motor 
serão acionadas simultaneamente. 
\u2022 A dinamização inicia-se sempre com a câmara cheia. 
\u2022 O processo será reiniciado com a última potência FC em que ele foi interrompido, adicionando o 
volume da matriz de partida equivalente à capacidade volumétrica da câmara do aparelho. 
\u2022 Acionar, então, a entrada da água purificada e o motor, simultaneamente. 
\u2022 Interromper o processo sempre duas potências antes da desejada. 
\u2022 Para o preparo das duas últimas potências será seguido o método hahnemanniano em escala 
centesimal, usando