CaldeirariaTubulacao
187 pág.

CaldeirariaTubulacao


DisciplinaTubulações Industriais177 materiais475 seguidores
Pré-visualização49 páginas
Imóveis Pendurados 
 Semimóveis (pipe-hangers). 
 Suportes de mola (spring-hangers). 
 Móveis Suportes de contrapeso. 
 
2. Suportes destinados a limitar os movimentos dos tubos 
(restraints): 
\u2212 Dispositivos de fixação total \u2014 Ancoragens (anchors). 
\u2212 Dispositivos que permitem apenas movimentos em uma 
direção. \u2014 Guias (guides). 
\u2212 Dispositivos que impedem o movimento em um sentido 
\u2014 Batentes (stops). 
\u2212 Dispositivos que impedem os movimentos laterais 
\u2014 Contraventos (bracing). 
3. Dispositivos que absorvem as vibrações \u2014 Amortecedores 
(dampers). 
Essa classificação é apenas didática, não podendo ser aplicada 
rigorosamente, porque a maioria dos dispositivos de suporte 
preenche mais de uma das funções acima; por exemplo, quase 
todos os suportes que limitam os movimentos também 
sustentam os pesos e, reciprocamente, todos os suportes que 
se destinam a sustentar os pesos causam alguma limitação aos 
movimentos dos tubos. 
 
Espírito Santo 
_________________________________________________________________________________________________
__ 
 
_________________________________________________________________________________________________
__ 
 CST 
140 Companhia Siderúrgica de Tubarão 
 
Cargas que atuam sobre os suportes 
 
As cargas que atuam sobre os suportes são as seguintes: 
1. Pesos: 
\u2212 Peso próprio dos tubos, válvulas, e outros acessórios da rede 
de tubulações. 
\u2212 Peso do fluido contido. 
\u2212 Peso do isolamento térmico, se houver. 
\u2212 Sobrecargas diversas exercidas sobre a tubulação, tais como 
peso de outros tubos, pessoas, plataformas, estruturas etc., 
apoiadas na tubulação. 
2. Forças de atrito provenientes dos movimentos relativos 
entre os tubos e os suportes. 
3. Cargas conseqüentes das dilatações térmicas dos tubos. 
4. Cargas devidas a ações dinâmicas diversas, tais como 
golpes de aríete, acelerações do fluido circulante, vibrações, 
ação do vento etc. 
Todas essas cargas devem ser avaliadas para se poder calcular 
as cargas exercidas sobre os suportes e transmitidas ao solo ou 
às estruturas e fundações. 
Para o peso do fluido contido, considera-se, na maioria dos 
casos, o peso da água (para o teste hidrostático), quando for 
superior ao do próprio fluido, ou o peso do fluido, quando 
superior ao da água. Tratando-se de tubulações de grande 
diâmetro para gases essa consideração pode levar a um 
excessivo superdimensionamento dos suportes; permite-se 
então, nesses casos, não levar em conta o peso da água, desde 
que seja possível a construção de suportes provisórios para o 
teste hidrostático. Em um grupo de tubos paralelos no mesmo 
suporte, não há evidentemente necessidade de considerar todos 
os tubos cheios de água, porque os testes não precisam ser 
simultâneos. 
É importante salientar que todos os equipamentos ligados à 
rede de tubulações (vasos, tanques, bombas etc.), devem ter 
suportes ou bases próprias, não se omitindo que sejam 
simplesmente suportados pela tubulação, mesmo quando se 
tratar de equipamentos pequenos. 
O cálculo dos pesos e forças de atrito que agem sobre os 
suportes está no Cap. 7 do livro "Tubulações Industriais \u2014 
Cálculo", do mesmo autor. O cálculo dos esforços provenientes 
das dilatações térmicas está nos Títulos \u201cAcessórios de tubulação\u201c 
e \u201cPurgadores de vapor, separadores diversos e filtros\u201c. 4 a 6 desse 
mesmo livro. 
 
Espírito Santo 
_________________________________________________________________________________________________
__ 
 
_________________________________________________________________________________________________
__ 
SENAI 
Departamento Regional do Espírito Santo 141 
 
Suportes imóveis 
 
Chamam-se suportes imóveis os que não se deslocam 
verticalmente, não permitindo assim nenhuma liberdade de 
movimento vertical aos tubos. São os mais comuns de todos os 
tipos de suportes. 
Esses suportes podem ser apoiados ou pendurados, conforme 
transmitam os pesos para baixo ou para cima. 
Existe uma variedade muito grande de tipos e modelos de 
suportes imóveis, na Fig. 54 estão mostrados alguns mais 
comumente usados. 
Os tipos "a" e "b", são os suportes simples, ou diretos, 
destinados a tubos situados a pequena altura e que transmitem 
os pesos diretamente ao solo ou a algum piso. O suporte "a" 
resume-se em uma mureta de concreto, na qual está embutido 
um perfil metálico, que constitui a superfície de apoio dos tubos. 
O suporte "b" é uma viga metálica apoiada em blocos de 
concreto ou em estruturas metálicas. A Fig. 54(c) é um suporte 
de pedestal, muito usado para a sustentação de curvas situadas 
no plano vertical e que, também, descarrega os pesos 
diretamente ao solo, ou a algum piso. O perfil metálico soldado 
ao tubo deve, de preferência, estar no alinhamento do trecho 
vertical da tubulação. 
O suporte "d" é uma viga em balanço, transmitindo o peso para 
algum vaso, equipamento ou estrutura. A Fig. 54(e) mostra um 
modelo dos suportes denominados "trunion", muito empregado 
para a sustentação de curvas. Consistem em pedaços de perfis 
metálicos ou de tubos soldados à curva da tubulação e apoiados 
diretamente sobre uma viga. As Figs. 54(f ) , (g) mostram 
modelos de suportes para tubos elevados; as estruturas serão 
tanto mais complicadas e reforçadas quanto mais pesados e 
mais elevados forem os tubos. 
Quando se tiver tubos paralelos de diâmetros muito diferentes, 
procura-se fazer com que os tubos finos e leves sejam 
sustentados por suportes intermediários soldados aos tubos 
grossos. Esse sistema permite aumentar o espaçamento dos 
suportes principais até o vão admissível para os tubos mais 
grossos. Os tubos suportantes devem ter no mínimo 4 vezes o 
diâmetro do maior tubo suportado. Quando se empregam esses 
suportes intermediários, deve-se fazer uma verificação das 
tensões nos tubos suportantes (como detalhado no Cap. 3 do 
livro "Tubulações Industriais \u2014 Cálculo", do mesmo autor), 
sempre que houver solicitações grandes nesses tubos ou 
quando se tiver dúvidas sobre a capacidade de suporte dos 
mesmos. As Figs. 54(h), (i) mostram exemplos de suportes 
intermediários, sustentados por um ou dois tubos grossos. É 
importante que os suportes intermediários, quando pendurados 
em dois tubos, não sejam nunca rigidamente presos e ambos, 
 
Espírito Santo 
_________________________________________________________________________________________________
__ 
 
_________________________________________________________________________________________________
__ 
 CST 
142 Companhia Siderúrgica de Tubarão 
 
para que seja possível o movimento relativo de um dos tubos 
suportantes em relação ao outro. 
 
Fig. 54 - Exemplos de suportes imóveis. 
 
A Fig. 54( j ) mostra, finalmente, um modelo de suporte imóvel 
pendurado, transmitindo os pesos para uma estrutura situada 
acima dos tubos. Note-se que esses suportes só devem ser 
usados quando se tem uma estrutura superior preexistente, que 
é aproveitada para suportar os tubos. 
 
Espírito Santo 
_________________________________________________________________________________________________
__ 
 
_________________________________________________________________________________________________
__ 
SENAI 
Departamento Regional do Espírito Santo 143 
 
É importante observar que quanto mais livres estiverem os 
tubos de se movimentar sobre os suportes, menores serão os 
esforços sobre os próprios tubos e sobre os suportes, sendo por 
isso inteiramente desaconselhado o uso de grampos, 
braçadeiras, ou outros recursos semelhantes de fixação dos 
tubos nos suportes. Voltaremos a esse assunto no Sub-título 
\u201cFinalidades dos suportes que limitam os movimentos dos tubos\u201c , a 
seguir. 
 
 
Contato entre os tubos e os suportes 
 
Nos suportes de tubulação procura-se geralmente evitar o 
contato direto entre