Regeneração Tecidual Guiada (RTG)- ENXERTOS

Regeneração Tecidual Guiada (RTG)- ENXERTOS


DisciplinaPeriodontia2.876 materiais51.225 seguidores
Pré-visualização4 páginas
substitutos para os enxertos autógeno15.
2V\ufffdDORHQ[HUWRV\ufffdVmR\ufffdHQ[HUWRV\ufffdWUDQVSODQWDGRV\ufffdHQWUH\ufffdLQGLYtGXRV\ufffd
da mesma espécie, porém diferentes geneticamente. Foram 
utilizados na tentativa de estimular a formação óssea em 
defeitos infra-ósseos para evitar a agressão cirúrgica adicional 
associada ao uso de enxertos autógenos. No entanto, o uso de 
aloenxertos envolve certo risco com relação à antigenicidade, 
embora os aloenxertos sejam usualmente pré-tratados por 
FRQJHODPHQWR\ufffd\ufffdUDGLDomR\ufffdRX\ufffdDJHQWHV\ufffdTXtPLFRV\ufffd\ufffdYLVDQGR\ufffdHYLWDU\ufffd
reações de corpo estranho11. Os tipos de aloenxertos usados 
VmR\ufffdR\ufffdRVVR\ufffdWUDEHFXODU\ufffdH\ufffdPHGXODU\ufffdLOtDFRV\ufffdFRQJHODGRV\ufffd\ufffdHQ[HUWRV\ufffd
de osso mineralizados congelado seco (FDBA) e enxertos 
GH\ufffd RVVR\ufffd GHVFDOFL¿FDGR\ufffd FRQJHODGR\ufffd VHFR\ufffd \ufffd')'%$\ufffd15. São 
consideradas vantagens o uso exclusivo de anestesia local, ou 
seja, evitando procedimento cirúrgico hospitalar como no caso 
GH\ufffdFROHWD\ufffdGR\ufffdRVVR\ufffdGD\ufffdFULVWD\ufffdLOtDFD\ufffd\ufffdUHGX]LQGR\ufffdDVVLP\ufffdRV\ufffdFXVWRV\ufffd
da intervenção e a disponibilidade de grandes quantidades de 
material para enxerto. Como desvantagem a possibilidade de 
transmissão de doenças e potencial antigênico15.
Os enxertos ósseos xenógenos são aqueles retirados 
de espécie e transplantados para outra. As diferenças 
antigênicas desses enxertos são mais pronunciadas do que 
no osso alogênico. Exigem tratamento mais vigoroso do 
enxerto para prevenir rápida rejeição. O exemplo mais 
comum empregado na odontologia é o enxerto ósseo bovino 
OLR¿OL]DGR16. Recentemente, novos métodos de processamento 
H\ufffd SXUL¿FDomR\ufffd WrP\ufffd VLGR\ufffd XWLOL]DGRV\ufffd\ufffd SRVVLELOLWDQGR\ufffd D\ufffd UHPRomR\ufffd
de todos os componentes orgânicos do osso bovino 
utilizado como matéria prima, deixando uma matriz óssea 
não-orgânica em forma inorgânica inalterada. No entanto, 
H[LVWHP\ufffdGLIHUHQoDV\ufffdQRV\ufffdPpWRGRV\ufffdGH\ufffdSXUL¿FDomR\ufffdH\ufffdPDQLSXODomR\ufffd
do osso bovino, resultando em produtos comerciais com 
GLIHUHQWHV\ufffdSURSULHGDGHV\ufffdTXtPLFDV\ufffdH\ufffdSRVVLYHOPHQWH\ufffd\ufffdGLIHUHQWHV\ufffd
FRPSRUWDPHQWRV\ufffdELROyJLFRV\ufffd\ufffd(VVHV\ufffdPDWHULDLV\ufffdHVWmR\ufffdGLVSRQtYHLV\ufffd
HP\ufffdSDUWtFXODV\ufffdGH\ufffdWDPDQKRV\ufffdGLIHUHQWHV\ufffdRX\ufffdHP\ufffdEORFRV11. Outros 
animais têm sido estudados para prover matéria-prima para 
confecção de biomatérias como ovelha e o cavalo. Além de 
XWLOL]DU\ufffdPDPtIHURV\ufffd\ufffdFRPR\ufffdIRQWH\ufffdGH\ufffdPDWpULD\ufffdSULPD\ufffd\ufffdRXWURV\ufffdVHUHV\ufffd
vivos apresentam propriedades de interesse para a engenharia 
tecidual, como as cascas de ovos de aves e conchas marinhas17.
Os aloplásticos são materiais de implante sintéticos ou 
inorgânicos utilizados como substitutos aos enxertos ósseos. 
Esses materiais sintéticos são inertes com nenhuma ou pouca 
atividade osteoindutora15.
6XEGLYLGLGRV\ufffd HP\ufffd UHDEVRUYtYHLV\ufffd RX\ufffd QmR\ufffd DEVRUYtYHLV\ufffd\ufffd HVVH\ufffd
tipo de material vem ganhando cada vez mais aceitação no 
mercado em razão do fácil uso e manipulação e por diminuir 
D\ufffdPRUELGDGH\ufffdGR\ufffdVtWLR\ufffdGRDGRU\ufffdGR\ufffdHQ[HUWR18\ufffd\ufffd2XWURV\ufffdEHQHItFLRV\ufffd
dos materiais aloplásticos são diminuição do tempo cirúrgico, 
DOpP\ufffd GH\ufffdP~OWLSORV\ufffd WDPDQKRV\ufffd H\ufffd IRUPDWRV\ufffd GLVSRQtYHLV\ufffd\ufffd &RPR\ufffd
desvantagens, esses tipos de materiais correm o risco de 
rejeição seguida de infecção, com necessidade de nova 
LQWHUYHQomR\ufffd FLU~UJLFD\ufffd\ufffd1HVVHV\ufffd FDVRV\ufffd\ufffdPDWHULDLV\ufffd UHDEVRUYtYHLV\ufffd
são preferidos, pois estudos mostram que alguns materiais não 
UHDEVRUYtYHLV\ufffdSRGHP\ufffdFDXVDU\ufffdUHDo}HV\ufffdD\ufffdORQJR\ufffdSUD]R19.
Na odontologia, os materiais aloplásticos mais comumente 
utilizados incluem: hidroxiapatita (HÁ), beta-fosfato-tricálcio 
\ufffd\u215\ufffd7&3\ufffd\ufffd\ufffdSROtPHURV\ufffd\ufffdYLGURV\ufffdELRDWLYRV\ufffdH\ufffdPHWDLV11,20.
133UNOPAR Cient Ciênc Biol Saúde 2011;13(2):131-5
Dantas TS, Lelis ER, Naves LZ, Fernandes-Neto AJ, Magalhães D
O uso da hidroxiapatita (HA) tem sido muito pesquisado 
desde seu surgimento como biomaterial, em 1970. A HA é 
um fosfato de cálcio hidratado, principal componente (cerca 
de 95%) da fase mineral dos ossos e dentes humanos. A 
hidroxiapatita é o material presente nos vertebrados, compondo 
o esqueleto ósseo e atuando como reserva de cálcio e fósforo. 
Entre as indicações de uso está o reparo de defeitos ósseos em 
aplicações odontológicas e ortopédicas; aumento de rebordo 
alveolar; regeneração guiada de tecidos ósseos; reconstrução 
bucomaxilofacial; reparo e substituição de paredes orbitais; e 
substituição do globo ocular20.
As hidroxiapatitas de origem sintética ou natural têm 
recebido atenção especial pela sua semelhança estrutural, 
TXtPLFD\ufffd H\ufffd ItVLFD\ufffd FRP\ufffd D\ufffdPDWUL]\ufffdPLQHUDO\ufffd yVVHD\ufffd\ufffd$OpP\ufffd GH\ufffd QmR\ufffd
induzir qualquer reação imunológica ou tóxica indesejável, 
ao contrário de alguns materiais de origem orgânica21. 
7DOYH]\ufffd D\ufffd FDUDFWHUtVWLFD\ufffd PDLV\ufffd LPSRUWDQWH\ufffd GD\ufffd +$\ufffd VHMD\ufffd D\ufffd
osteocondutividade, a qual induz crescimento ósseo no 
interior do enxerto, promovendo a estabilidade e manutenção 
do volume do implante. As preparações de HA têm sido 
apresentadas em forma de cerâmicas, comercializadas como 
formas densas ou porosas, blocos e grânulos. A forma porosa 
promove osseointegração mais consistente, resultando na 
formação de união forte entre o enxerto e osso adjacente19. No 
HQWDQWR\ufffdVXD\ufffdUHDEVRUomR\ufffdp\ufffdPXLWR\ufffdOHQWD\ufffd\ufffdR\ufffdTXH\ufffdSRGH\ufffdGL¿FXOWDU\ufffdD\ufffd
remodelação óssea22.
%HWD\ufffdIRVIDWR\ufffdWULFiOFLR\ufffd\ufffd\u215\ufffd7&3\ufffd\ufffd\ufffd\u215\ufffd7&3\ufffd\ufffd&D\ufffd\ufffd32\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffdp\ufffdXP\ufffd
WtSLFR\ufffdVXEVWLWXWR\ufffdyVVHR\ufffdVLQWpWLFR\ufffdXWLOL]DGR\ufffdQD\ufffdRGRQWRORJLD\ufffdHP\ufffdXPD\ufffd
série de casos para tratamento de lesões ósseas periodontais, 
bem como na cirurgia bucomaxilofacial. Caracterizado 
por sua excelente osteocondução e biocompatibilidade 
GHYLGR\ufffd D\ufffd \ufffd VHPHOKDQoD\ufffd TXtPLFD\ufffd H\ufffd FULVWDORJUi¿FD\ufffd D\ufffd DSDWLWD\ufffd
humana23\ufffd\ufffdR\ufffd\u215\ufffd7&3\ufffdQmR\ufffdWHP\ufffdPRVWUDGR\ufffdHIHLWR\ufffdDGYHUVR\ufffdVREUH\ufffdD\ufffd
contagem celular, viabilidade e morfologia e pode fornecer 
uma matriz que privilegia a proliferação celular limitada in 
vitro15\ufffd\ufffd&RPHUFLDOPHQWH\ufffd R\ufffd \u215\ufffd7&3\ufffdGLVSRQtYHO\ufffd HP\ufffdEORFRV\ufffd WHP\ufffd
VLGR\ufffd XWLOL]DGR\ufffd QD\ufffd SUiWLFD\ufffd FOtQLFD\ufffd GHYLGR\ufffd D\ufffd VXD\ufffd IDFLOLGDGH\ufffd GH\ufffd
manipulação e capacidade de regenerar quantidade adequada 
de osso23. 
Existem dois materiais poliméricos que vem sendo 
utilizados como materiais substitutos de enxertos ósseos no 
WUDWDPHQWR\ufffd GH\ufffd GHIHLWRV\ufffd yVVHRV\ufffd\ufffd FRSROtPHUR\ufffd QmR\ufffdUHDEVRUYtYHO\ufffd
de polimetilmetacrilato coberto por hidróxido de cálcio 
(PMMA) e poliidroxietilmetacrilato (PHEMA), geralmente 
FKDPDGR\ufffd GH\ufffd +75\ufffd H\ufffd XP\ufffd SROtPHUR\ufffd UHDEVRUYtYHO\ufffd GH\ufffd iFLGR\ufffd
polilático (PLA)11,22.
Vidros Bioativos (Biovidros) são compostos de SiO2, 
1D\ufffd2\ufffd\ufffd 3\ufffd2\ufffd\ufffd\ufffd4XDQGR\ufffd RV\ufffd ELRYLGURV\ufffd VmR\ufffd H[SRVWRV\ufffd D\ufffd OtTXLGRV\ufffd
WHFLGXDLV\ufffd\ufffd XPD\ufffd GXSOD\ufffd FDPDGD\ufffd GH\ufffd VtOLFD\ufffd HP\ufffd JHO\ufffd H\ufffd IRVIDWR\ufffd GH\ufffd
FiOFLR\ufffdp\ufffdIRUPDGD\ufffdQD\ufffdVXD\ufffdVXSHUItFLH\ufffd\ufffd$WUDYpV\ufffdGHVVD\ufffdFDPDGD\ufffd\ufffdR\ufffd
PDWHULDO\ufffd SURSRUFLRQD\ufffd DEVRUomR\ufffd H\ufffd FRQFHQWUDomR\ufffd GH\ufffd SURWHtQDV\ufffd
usadas pelos osteoclastos para formar a matriz celular, a qual 
teoricamente, pode promover a formação óssea11.
&RP\ufffdUHODomR\ufffdDRV\ufffdPHWDLV\ufffd\ufffdR\ufffd WLWkQLR\ufffd\ufffd HP\ufffd WHUPRV\ufffdTXtPLFRV\ufffd\ufffd
apresenta-se como material muito similar ao cálcio (elementos 
número 22 e 20 da tabela periódica, respectivamente). A partir 
dessa similaridade com o cálcio, o titânio apresenta excelente 
biocompatibilidade, bem como boa osseointegração ao 
organismo quando justaposto ao osso. No entanto têm algumas 
GHVYDQWDJHQV\ufffd\ufffdFRPR\ufffdGL¿FXOGDGH\ufffdGH\ufffdUHPRomR\ufffd\ufffdVH\ufffdQHFHVViULR\ufffdHP\ufffd
caso de infecção20.
Quanto ao comportamento dos tecidos frente aos 
biomateriais, estes podem ser considerados bioinertes, 
ELRWROHUDGRV\ufffd\ufffd ELRDWLYRV\ufffd RX\ufffd UHDEVRUYtYHLV\ufffd\ufffd 2V\ufffd ELRLQHUWHV\ufffd QmR\ufffd
provocam reação de corpo estranho no organismo e estão em 
FRQWDWR\ufffdGLUHWR\ufffdFRP\ufffdR\ufffdWHFLGR\ufffdUHFHSWRU\ufffd\ufffdS\ufffd\ufffdH[\ufffd\ufffd\ufffdWLWkQLR\ufffd\ufffd]LUF{QLD\ufffd
e alumina). Os biotolerados são moderadamente aceitos 
pelo tecido receptor não estabelecendo a osseointegração 
YHUGDGHLUD\ufffd\ufffdOHYDQGR\ufffdD\ufffdIRUPDomR\ufffdGH\ufffdFiSVXOD\ufffd¿EURVD\ufffd\ufffdJHUDOPHQWH\ufffd
GHOJDGD\ufffd\ufffdDFHOXODU\ufffdH\ufffdFRQWtQXD\ufffd\ufffd6HQGR\ufffdTXH\ufffdD\ufffdIRUPDomR\ufffdGH\ufffdWHFLGR\ufffd
¿EURVR\ufffdp\ufffdLQWHUSUHWDGD\ufffdFRPR\ufffdUHVSRVWD\ufffdGR\ufffdWHFLGR\ufffdDR\ufffdPDWHULDO\ufffd\ufffdTXH\ufffd
estimula as células adjacentes a sintetizar, secretar e manter 
um tecido conjuntivo na interface (p. ex., aço inoxidável, ligas 
Cr-Co e polimetilmetacrilato (PMMA)). Já os bioativos não só 
estabelecem osseointegração direta, como também interagem 
com os tecidos vizinhos de forma a estimular a proliferação