E-book STF Teses e Fundamentos separados por matéria (2014)
562 pág.

E-book STF Teses e Fundamentos separados por matéria (2014)


DisciplinaStf174 materiais413 seguidores
Pré-visualização50 páginas
de quaisquer espécies remuneratórias para 
o efeito de remuneração de pessoal do serviço público.\u201d
direito constitucional - controle de constitucionalidade
141
ADI: órgão de segurança pública e vício de iniciativa
Compete ao chefe do Poder Executivo a iniciativa para legislar sobre o fun-
cionamento de órgão administrativo de perícia.
A norma impugnada, ante a inobservância da reserva de iniciativa, viola o art. 61, 
§ 1º, II, e, da Constituição Federal.
Por conseguinte, foi declarada a inconstitucionalidade da Emenda Constitucional 
10/2001 da Constituição do Estado do Paraná, que inseriu a polícia científica no rol 
dos órgãos de segurança pública daquela unidade federada. 
ADI 2.616/PR, rel. min. Dias Toffoli, julgado em 19-11-2014, acórdão publicado no 
DJE de 10-2-2015. 
(Informativo 768, Plenário)
direito constitucional - controle de constitucionalidade
142
ADI e participação de empregados em órgãos de gestão
As regras de iniciativa reservada previstas na Carta da República não são 
aplicáveis às normas originárias das Constituições dos Estados ou da Lei 
Orgânica do Distrito Federal.
A norma impugnada, ao observar a diretriz constitucional voltada à realização 
da ideia de gestão democrática, também não viola a competência privativa da 
União para legislar sobre direito comercial.
Por conseguinte, foi declarada a constitucionalidade do art. 24 da Lei Orgânica 
do Distrito Federal, segundo o qual \u201ca direção superior das empresas públicas, autar-
quias, fundações e sociedades de economia mista terá representantes dos servidores, 
escolhidos do quadro funcional, para exercer funções definidas, na forma da lei\u201d.
ADI 1.167/DF, rel. min. Dias Toffoli, julgado em 19-11-2014, acórdão publicado no 
DJE de 10-2-2015. 
(Informativo 768, Plenário)
direito constitucional - controle de constitucionalidade
143
ADI: reconhecimento de responsabilidade civil do Estado e 
iniciativa legislativa
Lei estadual, de iniciativa parlamentar, que disponha sobre indenização de 
vítimas de violência praticada por agentes estatais não afronta a competên-
cia privativa do presidente da República para dispor sobre a organização 
administrativa e judiciária, matéria tributária e orçamentária, serviços pú-
blicos e pessoal da administração dos Territórios. 
A norma impugnada não viola o art. 61, § 1º, II, b, da Constituição Federal. 
Destacou-se, ademais, que a norma, ao dispor sobre responsabilidade civil do 
Estado, é até salutar, pois permite que a Administração reconheça, motu proprio, a 
existência de violação aos direitos nela mencionados.
Por conseguinte, foi declarada a constitucionalidade da Lei 5.645/1998 do Estado 
do Espírito Santo, que autoriza o Poder Executivo estadual a reconhecer sua respon-
sabilidade civil pelas violações aos direitos à vida e à integridade física e psicológi-
ca decorrentes das atuações de seus agentes contra cidadãos sob a guarda legal do 
Estado-Membro.
ADI 2.255/ES, rel. min. Gilmar Mendes, julgado em 19-11-2014, acórdão publicado 
no DJE de 2-2-2015. 
(Informativo 768, Plenário)
direito constitucional - controle de constitucionalidade
144
ADI: matéria orçamentária e competência legislativa
É inconstitucional lei estadual de caráter geral que discipline tema de índole 
orçamentária e financeira, matérias reservadas à legislação federal.
A norma impugnada afronta o disposto no art. 24, I, II, e § 1º1, da Constituição 
Federal, haja vista a edição da Lei federal 4.320/1964, que disciplina normas ge-
rais sobre matéria orçamentária e financeira para controle dos orçamentos e balan-
ços dos entes federados. Assim, não há mais a possibilidade de edição pelo Estado 
de normas de caráter geral sobre o tema.
Além disso, o art. 2122 da Constituição Federal estabelece a necessidade de efetiva 
liquidação das despesas nele versadas, não bastando, portanto, o simples empenho 
da despesa para que se considere cumprido o mandamento constitucional, prática 
adotada pelo Estado de Rondônia.
Por conseguinte, foi declarada a inconstitucionalidade do inciso I do art. 1893 da 
Constituição do Estado de Rondônia, inserido pela Emenda Constitucional estadual 
17/1999, o qual considerava as despesas empenhadas, liquidadas e pagas no exercício 
financeiro como integrantes da receita aplicada na manutenção e desenvolvimento 
do ensino.
ADI 2.124/RO, rel. min. Gilmar Mendes, julgado em 19-11-2014, acórdão publica-
do no DJE de 9-2-2015. 
(Informativo 768, Plenário)
 \u201cArt. 24. Compete à União, aos Estados e ao Distrito Federal legislar concorrentemente sobre: I \u2013 
direito tributário, financeiro, penitenciário, econômico e urbanístico; II \u2013 orçamento; (...) § 1º No 
âmbito da legislação concorrente, a competência da União limitar-se-á a estabelecer normas gerais.\u201d
 \u201cArt. 212. A União aplicará, anualmente, nunca menos de dezoito, e os Estados, o Distrito Federal e 
os Municípios vinte e cinco por cento, no mínimo, da receita resultante de impostos, compreendida 
a proveniente de transferências, na manutenção e desenvolvimento do ensino.\u201d
 Concessão de medida cautelar noticiada no Informativo 195.
direito constitucional - controle de constitucionalidade
145
ADI: leis de organização administrativa e competência legislativa
É pacífica a jurisprudência do Supremo Tribunal Federal no sentido de que a 
reserva de lei de iniciativa do chefe do Poder Executivo, prevista no art. 61, 
§ 1º, II, b1, da Constituição Federal, somente se aplica aos Territórios Federais. 
Não há que falar em competência privativa do chefe do Poder Executivo para 
iniciar leis referentes à matéria orçamentária e aos serviços públicos em geral, 
incluídos os demais Poderes.
Por conseguinte, foi declarada a constitucionalidade do inciso III do art. 63 da 
Constituição do Estado do Espírito Santo, com a redação dada pela Emenda Cons-
titucional estadual 30/2001, que fixa a competência privativa do governador para a 
iniciativa de leis que disponham sobre a organização administrativa e de pessoal do 
Poder Executivo, exclusivamente. 
Ademais, a norma impugnada não enseja eventual descumprimento da separação 
de poderes (CF, art. 2º), porquanto envolvida, na espécie, questão especificamente 
alusiva a caso em que não há essa interferência indevida.
ADI 2.755/ES, rel. min. Cármen Lúcia, julgado em 6-11-2014, acórdão publicado 
no DJE de 1º-12-2014. 
(Informativo 766, Plenário)
 \u201cArt. 61. A iniciativa das leis complementares e ordinárias cabe a qualquer membro ou Comissão da 
Câmara dos Deputados, do Senado Federal ou do Congresso Nacional, ao Presidente da República, 
ao Supremo Tribunal Federal, aos Tribunais Superiores, ao Procurador-Geral da República e aos ci-
dadãos, na forma e nos casos previstos nesta Constituição. § 1º São de iniciativa privativa do Presi-
dente da República as leis que: (...) II \u2013 disponham sobre: (...) b) organização administrativa e judiciá-
ria, matéria tributária e orçamentária, serviços públicos e pessoal da administração dos Territórios;\u201d
direito constitucional - controle de constitucionalidade
146
ADI: servidor público e iniciativa legislativa
Compete privativamente ao chefe do Poder Executivo a iniciativa de lei que 
discipline a jornada de trabalho de servidores públicos. 
A sanção da lei pelo governador não sana o referido vício.
Por conseguinte, foi declarada a inconstitucionalidade da Lei 751/2003 do Es-
tado do Amapá, de iniciativa parlamentar, que dispunha sobre a carga horária 
diária e semanal de cirurgiões-dentistas nos centros odontológicos do referido 
Estado-Membro. 
ADI 3.627/AP, rel. min. Teori Zavascki, julgado em 6-11-2014, acórdão publicado 
no DJE de 28-11-2014. 
(Informativo 766, Plenário)
direito constitucional - controle de constitucionalidade
147
ADI: disciplina de cargos em Tribunal de Contas estadual e 
iniciativa