QUESTÕES CORRIGIDAS E COMENTADAS DA PROVA DA OAB
78 pág.

QUESTÕES CORRIGIDAS E COMENTADAS DA PROVA DA OAB


DisciplinaPrática Simulada III1.074 materiais3.917 seguidores
Pré-visualização18 páginas
não superior a quatro anos e o crime não for cometido com violência ou grave ameaça à pessoa ou, qualquer que seja a pena aplicada, se o crime for culposo;
II \u2013 o réu não for reincidente em crime doloso;
III \u2013 a culpabilidade, os antecedentes, a conduta social e a personalidade do condenado, bem como os motivos e as circunstâncias indicarem que essa substituição seja suficiente.
OBS \u2013 Essas são as teses cobradas pela FGV.
9.      PEDIDOS
Quanto aos pedidos, considerando que estes são próprios da segunda peça do recurso (razões), lembrar que devem ser feitos para a câmara requerendo que:
Seja a presente Apelação conhecida e provida, reformando no mérito a respeitável decisão que condenou a recorrente pelo crime de furto qualificado na forma do artigo 155, § 4º, inciso I, do CP, para absolvê-la na forma do artigo 386, inciso III do Código de Processo Penal, por ter sido sua conduta materialmente atípica por força do princípio da insignificância.
Todavia, no caso de ser mantida a condenação, o que não se espera, seja então a pena diminuída em razão da causa especial de diminuição de pena vista no artigo 155, § 2º, do CP, tendo em vista que a recorrente faz jus. Seja ainda desconsiderada a majoração feita na pena provisória, haja vista trata-se de bis in idem.
Outrossim, seja estabelecido o regime aberto para o cumprimento da pena tendo em vista que todos os requisitos vistos no artigo art.33, § 2º, alínea \u201cc\u201d, foram preenchidos pela recorrente.
Por fim, seja ainda convertida pena privativa de liberdade em restritiva de direito na forma estabelecida no artigo 44 do Código Penal.
OBS \u2013 Nesse exame a FGV não pediu para que o recurso fosse datado. Logo, era para deixar a petição sem data e sem menção ao local.
Questões
1ª QUESTÃO
Carolina foi denunciada pela prática do delito de estelionato mediante emissão de cheque sem suficiente provisão de fundos. Narra, a inicial acusatória, que Carolina emitiu o cheque número 000, contra o Banco ABC S/A, quando efetuou compra no estabelecimento \u201cX\u201d, que fica na cidade de \u201cY\u201d. Como a conta corrente de Carolina pertencia à agência bancária que ficava na cidade vizinha \u201cZ\u201d, a gerência da loja, objetivando maior rapidez no recebimento, resolveu lá apresentar o cheque, ocasião em que o título foi devolvido.
Levando em conta que a compra originária da emissão do cheque sem fundos ocorreu na cidade \u201cY\u201d, o ministério público local fez o referido oferecimento da denúncia, a qual foi recebida pelo juízo da 1ª Vara Criminal da comarca. Tal magistrado, após o recebimento da inicial acusatória, ordenou a citação da ré, bem como a intimação para apresentar resposta à acusação.
Nesse sentido, atento(a) apenas às informações contidas no enunciado, responda de maneira fundamentada, e levando em conta o entendimento dos Tribunais Superiores, o que pode ser arguido em favor de Carolina. (Valor: 1,25)
OBS \u2013 mais uma vez a jurisprudência é questão preponderante no exame de ordem.
RESPOSTA
O candidato deveria conhecer as súmulas 521 do STF e 244 do STJ, que dizem respectivamente.
STF Súmula nº 521 \u2013 Competência \u2013 Processo e Julgamento \u2013 Estelionato \u2013 Cheque Sem Fundos
O foro competente para o processo e julgamento dos crimes de estelionato, sob a modalidade da emissão dolosa de cheque sem provisão de fundos, é o do local onde se deu a recusa do pagamento pelo sacado
STJ Súmula nº 244 \u2013 Competência \u2013 Cheque Sem Fundos \u2013 Estelionato \u2013 Processo e Julgamento
Compete ao foro do local da recusa processar e julgar o crime de estelionato mediante cheque sem provisão de fundos.
Considerando que o enunciado pede para arguir algo em favor Carolina, considerando as súmulas e as cidades envolvidas, se poderia aguir a incompetência de uma em favor da outra.
2ª QUESTÃO
Ricardo é delinquente conhecido em sua localidade, famoso por praticar delitos contra o patrimônio sem deixar rastros que pudessem incriminá-lo. Já cansando da impunidade, Wilson, policial e irmão de uma das vítimas de Ricardo, decide que irá empenhar todos os seus esforços na busca de uma maneira para prender, em flagrante, o facínora.
Assim, durante meses, se faz passar por amigo de Ricardo e, com isso, ganhar a confiança deste. Certo dia, decidido que havia chegada a hora, pergunta se Ricardo poderia ajudá-lo na próxima empreitada. Wilson diz que elaborou um plano perfeito para assaltar uma casa lotérica e que bastaria ao amigo seguir as instruções. O plano era o seguinte: Wilson se faria passar por um cliente da casa lotérica e, percebendo o melhor momento, daria um sinal para que Ricardo entrasse no referido estabelecimento e anunciasse o assalto, ocasião em que o ajudaria a render as pessoas presentes. Confiante nas suas próprias habilidades e empolgado com as ideias dadas por Wilson, Ricardo aceita. No dia marcado por ambos, Ricardo, seguindo o roteiro traçado por Wilson, espera o sinal e, tão logo o recebe, entra na casa lotérica e anuncia o assalto. Todavia, é surpreendido ao constatar que tanto Wilson quanto todos os \u201cclientes\u201d presentes na casa lotérica eram policiais disfarçados. Ricardo acaba sendo preso em flagrante, sob os aplausos da comunidade e dos demais policiais, contentes pelo sucesso do flagrante. Levado à delegacia, o delegado de plantão imputa a Ricardo a prática do delito de roubo na modalidade tentada.
Nesse sentido, atento tão somente às informações contidas no enunciado, responda justificadamente:
A) Qual a espécie de flagrante sofrido por Ricardo? (Valor: 0,80 )
B) Qual é a melhor tese defensiva aplicável à situação de Ricardo relativamente à sua responsabilidade jurídico-penal? (Valor: 0,45 )
RESPOSTAS
A) trata-se de flagrante preparado/provocado/crime de ensaio/delito putativo por obra do agente provocador, o que torna a prisão ilegal devendo ser imediatamente relaxada.
B) considerando os fatos narrados e considerando que o bem jurídico patrimônio nunca esteve em risco, a melhor tese defensiva a ser aplicada em favor do Ricardo é de crime impossível. Isso é possível segundo artigo 17 do Código Penal que diz:
Art. 17 \u2013 Não se pune a tentativa quando, por ineficácia absoluta do meio ou por absoluta impropriedade do objeto, é impossível consumar-se o crime.
E ainda em razão da Súmula 145 do STF, que diz: \u201cnão há crime quando a preparação do flagrante pela policia torna impossível a sua consumação\u201d
3ª QUESTÃO
Félix, objetivando matar Paola, tenta desferir-lhe diversas facadas, sem, no entanto, acertar nenhuma. Ainda na tentativa de atingir a vítima, que continua a esquivar-se dos golpes, Félix aproveitando-se do fato de que conseguiu segurar Paola pela manga da camisa, empunha a arma. No momento, então, que Félix movimenta seu braço para dar o golpe derradeiro, já quase atingindo o corpo da vítima com a faca, ele opta por não continuar e, em seguida, solta Paola que sai correndo sem ter sofrido sequer um arranhão, apesar do susto.
Nesse sentido, com base apenas nos dados fornecidos, poderá Félix ser responsabilizado por tentativa de homicídio? Justifique. (Valor: 1,25) 
Obs.: A resposta que contenha apenas as expressões \u201csim\u201d ou \u201cnão\u201d não será pontuada, bem como a mera indicação de artigo legal ou a resposta que apresente teses contraditórias.
RESPOSTAS
Félix não deverá responder por tentativa de homicídio, tendo em vista que de forma consciente desistiu voluntariamente de seguir com a execução do crime de homicídio, exatamente como diz a primeira parte do artigo 15 do código Penal:
Art. 15 \u2013 O agente que, voluntariamente, desiste de prosseguir na execução ou impede que o resultado se produza, só responde pelos atos já praticados.
OBS \u2013 notem que a questão pergunta foi apenas sobre o crime de homicídio
4ª QUESTÃO
Marcos, jovem inimputável conforme o Art. 26 do CP, foi denunciado pela prática de determinado crime. Após o regular andamento do feito, o magistrado entendeu por bem aplicar medida de segurança consistente em internação em hospital psiquiátrico por período mínimo de 03 (três) anos. Após
Maria
Maria fez um comentário
Porque mesmo sendo assinante não consigo imprimir o material?
0 aprovações
Carregar mais