Roteiro de histologia (uece)
24 pág.

Roteiro de histologia (uece)


DisciplinaHistologia e Embriologia10.028 materiais429.459 seguidores
Pré-visualização5 páginas
\u2192 Camada papilar (tecido conjuntivo frouxo \u2013 papilas dérmicas);
\u2192 Camada reticular (tecido conjuntivo denso não\u2013modelado). (Figura3)
\u2013 Glândula apócrina
1.1.2. Considerações:
\u2013 As papilas são formações cônicas que parecem penetrar no epitélio, porém na realidade a cama-
da basal deste as recobre, elevando\u2013se com elas. Estão presentes, principalmente em epitélios sujeitos a 
atritos, aumentando a resistência do epitélio, e a adesividade do tecido epitelial ao tecido conjuntivo.
\u2013 Os espaços claros presentes no tecido conjuntivo representam a substância fundamental amorfa 
que foi removida pelos solventes (preparação).
Figura 1: Camada córnea, composta por queratina, logo após o epitélio. No 
topo da imagem, derme, composta por tecido conjuntivo.
Figura 3: Tecido conjuntivo denso não modelado em grande aumento.
Figura 2: Epitélio estratificado pavimentoso queratiniza-
do em grande aumento. Camada espinhosa muito nítida.
Figura 4: Evidenciadas as cinco camadas da pele (na 
imagem, de baixo para cima): córnea, lúcida, granulosa, 
espinhosa e basal.
Figura 5: Glândula sudorípara (écrina).
1.2. Pele fina
1.2.1. Objetivos:
\u2013 Epiderme: 
\u2192 Epitélio estratificado pavimentoso queratinizado.
\u2192 Melanócitos (células situadas na porção basal do epi-
télio).
\u2192 Camada córnea
\u2192 Camada espinhosa
\u2192 Camada basal
\u2013 Derme: 
\u2192 Camada papilar/Derme papilar (tec. conj. frouxo); 
\u2192 Papilas dérmicas (projeções da derme que aumentam a 
coesão entre a derme e a epiderme);
\u2192 Camada reticular (tec. conj. denso não\u2013modelado).
\u2013 Hipoderme: Tecido adiposo
 
\u2013 Folículo piloso: 
\u2192 Haste do pelo;
\u2192 Bulbo piloso (dilatação terminal do folículo);
\u2192 Papila dérmica do folículo (reentrância no bulbo).
\u2013 Músculo eretor do pêlo (próximo dos folículos).
\u2013 Glândulas sebáceas (desembocam na luz folicular, são alveolares e pouco coradas).
\u2013 Glândulas sudoríparas (écrina). (Figura 5)
\u2013 Vasos
\u2013 Fibroblastos
\u2013 Fibrócitos
3. Tecido Ósseo
3.1. Osso longo
Lâmina preparada por des-
calcificação, ou seja, remoção da 
parte mineral do órgão, mantendo 
a sua composição orgânica.
3.1.1. Objetivos:
\u2013 Matriz óssea eosinófila. (Figura 
8)
\u2013 Osteoblastos.
\u2013 Osteócitos em suas lacunas. (Fi-
gura 10)
\u2013 Osteoclastos (muito raros).
\u2013 Canais de Havers (nutridores). 
(Figura 11)
\u2013 Periósteo.
\u2013 Disco epifisário. (Figura 13)
\u2013 Tecido hemocitopoético (medula óssea vermelha e medula óssea amarela). (Figura 9)
\u2013 Cartilagem articular. (Figura 12)
2. Tecido Adiposo
2.1. Tecido Adiposo Unilocular
2.1.1. Objetivos:
\u2013 Adipócitos. (Figura 6)
2.2. Tecido Adiposo Multilocular
2.2.1. Objetivos:
\u2013 Adipócitos. (Figura 7)
Figura 6: Tecido adiposo unilocular, no feixe vásculo-nervoso.
Figura 7: Tecido adiposo multilocular, no feixe vásculo-nervoso.
Figura 8: Osso longo. Matriz óssea (eosinofílica) apontada. À esqueda na imagem vê-se o disco epi-
fisário e à direita, a cartilagem articular.
Figura 9: Tecido hemocitopoético apontado.
Figura 10: Matriz óssea com a presença de osteócitos (apontado) e 
osteoblastos (na periferia).
Figura 11: Canal de Havers (canal nutridor) na matriz 
óssea.
1.2.2. Considerações:
\u2013 O limite entre as camadas da derme é 
pouco nítido.
\u2013 Não é possível ver as camadas lúcida e 
granulosa na epiderme
\u2013 O conjunto formado pelo folículo pilo-
so, músculo eretor do pêlo e glândula sebácea é 
chamado de Aparelho Pilo \u2013 sebáceo.
Figura 12: Cartilagem articular (apontada).
Figura 13: Disco epifisário em menor aumento.
4. Tecido Nervoso
4.1. Cerebelo
4.1.1. Objetivos:
\u2013 Substância branca. (Figura 14)
\u2013 Substância cinzenta:
\u2192 Camada granulosa (composta por grãos cerebelares);
\u2192 Camada de células de Purkinje; (Figura 15)
\u2192 Camada molecular.
\u2013 Pia\u2013máter.
4.1.2. Considerações:
\u2013 Os neurônios da camada de Purkinje são grandes, eosinófilos e interpostos entre as camadas 
granulosa e molecular.
\u2013 Os neurônios da camada granulosa são os menores do corpo humano. 
Figura 14: Substância branca (interna) apontada. Substância cinzenta 
facilmente diferenciada da branca. Menor aumento.
Figura 15: Substância cinzenta em grande aumento, apontando uma cé-
lula de Purkinje. Acima, camada granulosa, composta de gãos cerebela-
res. Abaixo, camada molecular.
4.2. Cérebro
4.2.1. Objetivos:
\u2013 Substância cinzenta (periférica):
\u2192 Corpos de neurônios; (Figura 17)
\u2192 Células da glia. (Figuras 16 e 18)
\u2013 Substância branca (central):
\u2192 Axônios mielinizados. 
Figura 16: Cérebro. Célula da glia (apontado).
Figura 17: Cérebro. Corpo celular (apontado), componen-
te da substância cinzenta.
Figura 18: Cérebro. Célula da glia (apontado), presente na substância cin-
zenta, juntamente com corpos celulares (lado superior direito).
4.3. Medula
4.3.1. Objetivos:
\u2013 Canal ependimário e células ependimárias. (Figura 
20)
\u2013 Substância branca (região periférica): 
\u2192 Células da glia;
\u2192 Fibras nervosas mielinizadas. (Figura 21)
\u2013 Substância cinzenta (forma a região central, o \u201cH\u201d 
medular, onde se encontram os corpos celulares 
dos neurônios).
\u2013 Cornos anteriores (mais largos): (Figura 19)
\u2192 Pericários de neurônios motores (grandes, 
quadrangulares, núcleo central, nucléolo evi-
dente e citoplasma com a presença dos cor-
púsculos de Nissl dispostos uniformemente). 
\u2013 Cornos posteriores (mais delgados e tocam a ex-
tremidade do órgão): (Figura 19) 
\u2192 Pericários de neurônios sensitivos (peque-
no de forma alongada, núcleo excêntrico, nuc-
léolo evidente e corpúsculos de Nissl situados 
na periferia).
\u2013 Pia\u2013máter
4.3.2. Considerações:
\u2013 As células da glia estão presentes tanto na substância branca quanto na substância cinzenta, são 
menores que os neurônios e têm núcleos esféricos.
Figura 19: Medula espinhal. Corno anterior (quadrado) e corno posterior 
(círculo). Ao centro, canal ependimário (apontado). Menor aumento.
Figura 20: Canal ependimário, composto pos células ependi-
márias (apontadas). Maior aumento.
Figura 21: Substância branca da medula. Presença de fibra nervosa (apontado), axônios 
mielinizados (cabeças de seta) e células da glia (setas).
Figura 22: Neurônio motor, presente no corno anterior da medula (apontado).
5. Tecido Muscular
5.1. Músculo Estriado Cardíaco (Figura 22b)
5.1.1. Objetivos:
\u2013 Fibras com desmossomos
\u2013 Núcleos facilmente visíveis
\u2013 Corte longitudinal
5.2. Músculo Estriado Esquelético (figura 36 e 
37)
5.2.1. Objetivos:
\u2013 Corte longitudinal
\u2013 Corte transversal
\u2013 Estriações transversair
\u2013 Endomísio
\u2013 Perimísio
5.3. Músculo Liso
5.3.1. Objetivos:
\u2013 Corte da lâmina transversal
\u2013 Fibras
\u2013 Camada muscular circular interna
\u2013 Camada muscular longitudinal externa
Figura 23: Neurônio sensitivo, presente no 
corno posterior da medula.
6. Células do Sangue
6.1. Objetivos:
\u2013 Hemácias (células anucleadas com citoplasma eosinófilo, encontradas 
em abundância no esfregaço). 
\u2013 Granulócitos neutrófilos (células com núcleo segmentado, com dois a 
cinco lóbulos; coloração dos pequenos grânulos citoplasmáticos é arroxe-
ada). (Figura 24)
\u2013 Granulócitos eosinófilos (células com núcleo geralmente bilobulado, 
com grânulos específicos eosinófiloscorados em laranja). (Figura 26)
\u2013 Granulócitos basófilos (células com núcleo volumoso, com forma irre-
gular, citoplasma com grânulos grandes e bastante basófilos, chegando a 
impedir a visualização do núcleo). (Figura 28)
\u2013 Linfócitos (núcleo esférico ou chanfrado, corado intensamente; citoplas-
ma escasso e ligeiramente azulado). (Figura 25)
\u2013 Monócitos (núcleo ovóide, em forma de rim ou ferradura, geralmente 
excêntrico). (Figura 27)
\u2013 Plaquetas (corpúsculos pequenos anucleados, formados a partir da frag-
mentação do citoplasma dos megacariócitos; aparecem em grupos, cha-
mados aglutinados).
Figura 24: Granulócito Neutrófilo. Figura 25: Linfócito. Figura 26: Granulócito Eosinófilo.
Figura 22b: Músculo Estriado