DIREITO_TRIBUTARIO_E_FINANCAS_PUBLICAS_II_2012-1
149 pág.

DIREITO_TRIBUTARIO_E_FINANCAS_PUBLICAS_II_2012-1


DisciplinaDireito Tributário I27.623 materiais296.454 seguidores
Pré-visualização45 páginas
pelo pagamento de 
imposto.
D) O contrato é válido, e a responsabilidade tributária, no caso, passa a ser 
solidária, podendo a fazenda pública exigir o imposto de qualquer das partes 
contratantes.
DIREITO TRIBUTÁRIO E FINANÇAS PÚBLICAS II
FGV DIREITO RIO 94
4) AB Alimentos Ltda. adquiriu, em 5/1/2009, o estabelecimento em-
presarial da CD Laticínios Ltda. e continuou a exploração da respectiva 
atividade, sob outra razão social. Nessa situação hipotética, a responsabi-
lidade pelo pagamento de tributos relativos ao estabelecimento empresa-
rial, devidos até 5/1/2009, é (38º Exame de Ordem \u2014 1ª Fase \u2014 2009-1/
Cespe-UNB)
A)solidária, entre AB Alimentos Ltda. e CD Laticínios Ltda., em qualquer 
hipótese.
B)subsidiária, de AB Alimentos Ltda. com CD Laticínios Ltda., se a alie-
nante prosseguir na exploração da atividade econômica ou iniciar nova ativi-
dade dentro de seis meses, a contar da data da alienação.
C) integralmente de AB Alimentos Ltda., em qualquer hipótese.
D) integralmente de AB Alimentos Ltda., se CD Laticínios Ltda. continu-
ar a exploração da respectiva atividade econômica.
5) Em 2007, João adquiriu de Antônio a propriedade de um imóvel 
urbano e está sendo cobrado pelo não pagamento da taxa de coleta re-
sidencial de resíduos sólidos relativa ao ano de 2006, referente ao imó-
vel. Nessa situação hipotética, João (39º Exame de Ordem \u2014 1ª Fase \u2014 
2009-2/Cespe-UNB)
(A) somente será responsável pelo pagamento da taxa se, no título de 
transmissão da propriedade, não constar prova de seu pagamento.
(B) será responsável pelo pagamento da taxa em qualquer hipótese, pois o 
crédito tributário sub-roga-se automaticamente na pessoa do adquirente do 
imóvel.
(C) não poderá ser responsabilizado pelo pagamento da taxa, visto que a 
aquisição do imóvel ocorreu em momento posterior ao seu fato gerador.
(D) somente será responsável pelo pagamento da taxa se essa obrigação 
constar do título de transmissão da propriedade.
6) Pizza Aqui Ltda., empresa do ramo dos restaurantes, adquiriu o 
estabelecimento empresarial Pizza Já Ltda., continuando a exploração 
deste estabelecimento, porém sob razão social diferente \u2014 Pizza Aqui 
Ltda. Neste caso, é correto afi rmar que: (42º Exame de Ordem \u2014 1ª Fase 
\u2014 2010-02 FGV-Projetos)
(A) a Pizza Aqui responde solidariamente pelos tributos devidos pela Pizza 
Já, até a data do ato de aquisição do estabelecimento empresarial, se a Pizza Já 
cessar a exploração da atividade.
(B) caso a Pizza Já prossiga na exploração da mesma atividade dentro de 6 
(seis) meses contados da data de alienação, a Pizza Aqui responde subsidiaria-
mente pelos tributos devidos pela Pizza Já Ltda. até a data do ato de aquisição 
do estabelecimento.
DIREITO TRIBUTÁRIO E FINANÇAS PÚBLICAS II
FGV DIREITO RIO 95
(C) caso a Pizza Já mude de ramo de comércio dentro de 6 (seis) meses 
contados da data de alienação, então a Pizza Aqui será integralmente respon-
sável pelos tributos devidos pela Pizza Já até a data do ato de aquisição desta.
(D) caso o negócio jurídico não fosse a aquisição, mas a incorporação da 
Pizza Já pela Pizza Aqui, esta última estaria
isenta de qualquer responsabilidade referente aos tributos devidos pela 
Pizza Já até a data da incorporação.
7) Determinada pessoa, havendo arrematado imóvel em leilão judicial 
ocorrido em processo de execução fi scal para a cobrança de Imposto Pre-
dial Urbano, vem a sofrer a exigência pelo saldo devedor da execução não 
coberto pelo preço da arrematação. Essa exigência é (Exame de Ordem 
\u2014 1ª Fase \u2014 2010-03 FGV-Projetos)
(A) legal, pois o arrematante é sucessor do executado em relação ao imó-
vel, e em sua pessoa fi scal fi cam sub-rogados os créditos dos tributos inciden-
tes sobre o mesmo imóvel.
(B) ilegal, pois o crédito do exequente se sub-roga sobre o preço da arre-
matação, exonerando o arrematante quanto ao saldo devedor.
(C) legal, pois o valor pago pelo arrematante não foi sufi ciente para a co-
bertura da execução
(D) legal, pois a arrematação não pode causar prejuízo ao Fisco.
8) A Empresa ABC Ltda. foi incorporada pela Empresa XYZ Ltda., 
em 15/06/2011, sendo que os sócios da empresa incorporada se apo-
sentaram 7 (sete) dias após a data da realização do negócio jurídico. Em 
30/06/2011, a Fiscalização da Secretaria da Receita Federal apurou cré-
dito tributário, anterior à data da incorporação, resultante do não reco-
lhimento de IRPJ, CSLL, entre outros tributos devidos da responsabi-
lidade da Empresa ABC Ltda. Pelo exposto, o crédito tributário deverá 
ser cobrado (IV Exame de Ordem Unifi cado \u2014 1ª fase/ 2011-01 \u2014 FGV 
Projetos)
(A) da Empresa XYZ.
(B) da Empresa ABC Ltda. Ltda
(C) dos sócios da Empresa ABC Ltda.
(D) solidariamente da Empresa ABC Ltda. e da Empresa XYZ Ltda.
E) LEITURA OBRIGATÓRIA
FERRAGUT, Maria Rita. Responsabilidade Tributária e o Código Civil de 
2002.São Paulo: Noeses, 2009, pp. 101-134.
DIREITO TRIBUTÁRIO E FINANÇAS PÚBLICAS II
FGV DIREITO RIO 96
F) BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR
AMARO, Luciano, Direito tributário brasileiro. 16ª ed. São Paulo, Saraiva, 
2010.
MACHADO, Hugo de Brito. Curso de Direito Tributário. 32ª ed. rev. atual. 
e amp. São Paulo: Malheiros, 2011.
DIREITO TRIBUTÁRIO E FINANÇAS PÚBLICAS II
FGV DIREITO RIO 97
AULA 8. IMPOSTOS SOBRE A PROPRIEDADE: IPTU, ITR E IPVA
A) IPTU \u2014 IMPOSTO PREDIAL TERRITORIAL URBANO
1) Regra-Matriz do IPTU
O IPTU, tributo de competência dos Municípios, está previsto pela 
CF/88 no seu art. 156, I:
Art. 156. Compete aos Municípios instituir impostos sobre:
I \u2014 propriedade predial e territorial urbana;
A regra-matriz do IPTU tem por critério material \u201cser proprietário, ter o 
domínio útil ou ser possuidor de bem imóvel\u201d, conforme artigo 32 do CTN:
Art. 32. O imposto, de competência dos Municípios, sobre a propriedade 
predial e territorial urbana tem como fato gerador a propriedade, o domínio útil 
ou a posse de bem imóvel por natureza ou por acessão física, como defi nido na 
lei civil, localizado na zona urbana do Município.
Para bem defi nirmos tal critério, é preciso se fazer uma incursão em alguns 
conceitos típicos de direito civil. O primeiro deles é o conceito de proprieda-
de. O art. 1.228 do Código Civil dispõe que
Art. 1.228. O proprietário tem a faculdade de usar, gozar e dispor da coisa, 
e o direito de reavê-la do poder de quem quer que injustamente a possua ou 
detenha.
Já o domínio útil é o direito de utilização, fruição e disposição, inclusive 
o de alienação, decorrente do regime de enfi teuse. O regime de enfi teuse 
confi gura-se um direito real sobre coisa alheia, na qual o proprietário atribui 
a outrem o domínio útil do imóvel, mediante recebimento de pensão, foro, 
laudêmio. Apesar deste instituto não estar mais previsto no Novo Código 
Civil, as enfi teuses estabelecidas anteriormente a esta norma permanecem 
vigentes.
Por fi m, cumpre conceituarmos o conceito de posse. A posse está prevista 
no art. 1196 do CC nos seguintes termos: \u201cconsidera-se possuidor todo aquele 
que tem de fato o exercício, pleno ou não, de algum dos poderes inerentes à pro-
priedade\u201d.
Há que sublinhar, no entanto, que somente a posse ad usucapionem, ou 
seja, aquela que tem o ânimo de ser proprietário, é que pode ser confi gurada 
como critério material do IPTU.
DIREITO TRIBUTÁRIO E FINANÇAS PÚBLICAS II
FGV DIREITO RIO 98
Ainda sobre o critério material, o bem a que se refere a propriedade, do-
mínio útil e posse deve ser um bem imóvel, de acordo com art. 79 do CC 
 Art. 79. São bens imóveis o solo e tudo quanto se lhe incorporar natural ou 
artifi cialmente.
Ou seja, o IPTU recai somente sobre aqueles bens incorporados de forma 
permanente ao solo que possam servir de habitação ou para o exercício de 
quaisquer atividades, em condições de habitabilidade.
O critério espacial do IPTU tem a peculiaridade