periodontia-antibiticosnaperiodontia2-130405094711-phpapp02

periodontia-antibiticosnaperiodontia2-130405094711-phpapp02


DisciplinaPeriodontia2.823 materiais50.511 seguidores
Pré-visualização1 página
Acadêmicos:
Jean Carlos da Costa
Marcos Gomes de Lima
Nathália Alecrim
Nirley B. Araújo
Patrícia Gabriel
Tallyta Motta M. Prado
Faculdade de ciências biomédicas de cacoal facimed
Uso de antibióticos na periodontia
Sistêmicos X lOCAL
	
- Infecção bacteriana crônica que afeta os periodontos de proteção e/ou de sustentação.
- Gengivite e Periodontite são infecções sérias que, se não tratadas, podem causar a perda dentária. 
Doença periodontal
Marcos
	
terapia periodontal
Impede a progressão do biofilme bacteriano para os tecidos periodontais de suporte, evitando perda de inserção periodontal e destruição desses.
Procedimentos terapêuticos
Convencionais;
Complementar antibiótico.
Convencionais:
Instrução de higiene oral e a eliminação de fatores de retenção de placa;
Intervenção mecânica como; raspagem e alisamento radicular, para remoção do biofilme bacteriano e do cálculo dentário. Associado ou não a cirurgia periodontal.
Cirurgia periodontal
Tallyta
	
Porém!
Estudos têm demonstrado que mesmo após cuidados ideais, alguns indivíduos podem não responder ao tratamento convencional de maneira adequada e continuar á sofrer a destruição periodontal.
quando esses procedimentos não oferecerem êxito total, 
qual conduta DEVEREMOS seguir?
Recomendações:
Pacientes com periodontite agressiva;
Infecções periodontais agudas ou severas (abscesso periodontal, gengivite/periodontite necrosante aguda);
Profilaxia antibiótica em pacientes sistemicamente comprometidos.
 TERAPIA COMPLEMENTAR ANTIBIÓTICA
Fatores a serem considerados na terapia antibiótica periodontal
Marcos
Fatores a serem considerados na terapia antibiótica periodontal
Droga: Dose correta do agente antimicrobiano na bolsa periodontal não devendo exceder as concentrações necessárias para eliminar os patógenos. Também deve ser considerados os tipo, e mecanismo de ação do agente;
Hospedeiro: Condição local e sistêmica de sistêmica.
Estágio doença periodontal: Inicial, moderado e avançado.
Microrganismos:
No mínimo 500 espécies bacterianas podem ser identificadas dentro da bolsa periodontal;
Porém um número relativamente pequeno dessas espécies têm sido associadas com a periodontite progressiva;
Microrganismos específicos causam doença periodontal destrutiva;
A maioria dessas bactérias putativas são indígenas a cavidade oral humana;
Entretanto pode estar presentes nas bolsas periodontais possíveis organismos superinfectantes (bacilos entéricos gram negativos, pseudomonas, estafilococos, leveduras).
A terapia complementar antibiótica pode seguir duas condutas:
 
 Terapia antibiótica Sistêmica;
 Terapia antibiótica Local;
Patrícia
Terapia Antibiótica Sistêmica 
Os antimicrobianos sistêmicos podem penetrar nos tecidos periodontais pela corrente sanguínea e atingir patógenos que tenham invadido estes tecidos; 
Possuem amplo campo de ação, atingindo micro-organismos que tenham colonizado língua, tonsilas, saliva e outros sítios bucais, evitando assim uma possível reinfecção;
Erradicam espécies como P. gingivalis e A. Actinomycetemcomitans, que são periodontopatógenos que muitas vezes não são eliminados na terapia convencional.
Vantagens
É necessária uma abordagem conservadora e seletiva em relação a terapia antibiótica periodontal
Administração de antibiótico
Motivos de cautela quanto ao uso
O uso indiscriminado de antibióticos é considerado contrária à boa prática clínica;
Pode causar um crescimento excessivo de patógenos resistentes;
Pode, desnecessariamente, permitir o aumento de quantidade bactérias resistentes aos antibióticos que são valiosos em infecções sistêmicas potencialmente fatais;
Possíveis efeitos colaterais;
Incerteza da colaboração do paciente;
Alguns medicamentos de uso sistêmicos apresentam algumas limitações da efetividade, por fatores como a inabilidade de alcançar e manter concentrações terapêuticas no fluido gengival.
Nirley
Agentes farmacológicos aplicados localmente na terapia periodontal , que visam atingir bactérias residentes no interior da bolsa após procedimentos de raspagem dental e aplainamento radicular (SAGLIE, 1991).
Terapia Antibiótica Local
Jean Carlos
Requisitos para aplicação local de agentes farmacológico de acordo com goodson (1989)
O medicamento deve alcançar um apropriado raio de ação;
Deve permanecer em adequada concentração no interior da bolsa;
Permanecer no interior da bolsa por tempo suficiente.
Jean Carlos
Mecanismos de liberação de drogas locais
Reservatório da droga
Elemento limitante 
Manter concentrações efetivas dos agentes quimioterápicos no sítio por longos períodos, mesmo com a ocorrência de eliminação da droga através do fluxo de fluido gengival.
tipos de dispositivos de liberação local de antimicrobianos
 
vantagens do uso da terapia antibiótica local
Pode ser baseada no caráter sítio-específico da doença, dessa forma pode se obter uma alta concentração da droga nesses sítios, com a ocorrência mínima de efeitos sistêmicos;
Menor risco de reações adversas da droga;
Certeza da administração adequada de droga no local, independendo da conduta do paciente;
Sistema local de liberação controlada produz a manutenção das concentrações constantes e que perduram por mais tempo que outros sistemas, garantindo elevada eficácia do fármaco no local da ação, além de permitir que a dosagem seja mantida em baixo nível, reduzindo o risco de efeitos adversos e a possibilidade de resistência bacteriana
Nathália
Fatores Negativos do uso da terapia antibiótica local
Dificuldade da aplicação de agentes terapêuticos em partes mais profundas das bolsas periodontais e áreas de furca;
Incapacidade de eliminar lesões da cavidade oral em geral;
Pequeno campo de ação da droga.
Tallyta
Considerações Finais
Antimicrobianos devem ser usados como coadjuvantes de raspagem e alisamento radicular;
Deve-se primeiro eliminar ou desorganizar mecanicamente o biofilme e se não houver um resultado positivo com a terapia convencional daí então iniciar o tratamento com a terapia antibiótica;
O profissional deverá analisar uma série de fatores como, 
- campo de ação				 -seletividade microbiana 
- mecanismo de aplicação 			- efeitos adversos
- condição sistêmica do paciente 			- estágio da doença 
- condições financeiras;
 Após a análise, adotar uma conduta satisfatória diante da especificidade de cada caso;
Marcos
Ciclo da gengivite
Referências Bibliográficas
Artigo: Antimicrobianos locais coadjuvantes ao tratamento periodontal. PEDRON et al. 
Artigo: Antimicrobianos locais como adjuntos à terapia periodontal. QUERIDO, Silvia Maria Rodrigues. CORTELLI, José Roberto. Departamento de Odontologia da Universidade de Taubaté.
Artigo: Uso de antibióticos em Periodontia. Barbosa, Viviene Santana. Revista PerioNews. Ed. setembro\outubro 2011.