joao_trindadade__teoria_geral_dos_direitos_fundamentais.pdf
31 pág.

joao_trindadade__teoria_geral_dos_direitos_fundamentais.pdf


DisciplinaDireito Penal I79.594 materiais1.341.602 seguidores
Pré-visualização14 páginas
ao conceito desses mesmos direitos. 
* Limites dos direitos fundamentais:
# Concorrência de direitos: O primeiro limite que os direitos fundamentais encontram é a própria existência 
de outros direitos, tão fundamentais quanto eles. É daqui que surgem os conflitos (aparentes) entre os 
direitos.
# Liberdade de conformação: o legislativo possui, em alguns casos, uma esfera discricionária de definição 
do direito, chamada de liberdade de conformação (=liberdade de definição).
# Reserva legal: há, porém, casos em que a própria Constituição determina que o legislador regulamente um 
determinado direito fundamental, especificando-o, desde que o faça por meio de lei. É o caso da chamada 
reserva de lei (reserva legal).
a) reserva legal simples: determinação constitucional de que um determinado assunto seja tratado 
apenas por meio de lei em sentido formal
b) a Constituição exige lei específica para tratar de um determinado assunto e a própria 
Constituição já estabelece as restrições que a lei pode estabelecer
* Limites dos limites: \u201cé proibido proibir o exercício do direito além do necessário\u201d (Dimitri Dimoulis).
# Proteção do núcleo essencial: o legislador é autorizado a restringir os direitos fundamentais; não pode, 
contudo, restringi-los tanto que os torne inócuos ou vazios.
a) Teorias sobre o núcleo essencial: de acordo com a teoria absoluta, o núcleo essencial dos 
direitos fundamentais não pode ser violado em hipótese alguma. Já de acordo com a corrente 
relativa, esse núcleo básico poderia variar de acordo com o caso concreto. 
# Princípio da proporcionalidade: a proporcionalidade é um critério para analisar a constitucionalidade das 
restrições a direitos fundamentais, quando entrem em conflito com outros direitos também fundamentais1.. 
Analisa-se compatibilidade quantitativa entre meios e fins, ou seja, a equivalência de quantidade entre 
causa e efeito, meio e fim, ato e conseqüência, vedando atos que, apesar de se utilizarem dos meios 
corretos, abusam na quantificação destes. Para Jellinek: \u201cnão se abatem pardais com tiros de canhão\u201d.
Proporcionalidade
Sentido positivo 
(proibição da proteção deficiente)
O Estado tem a obrigação de proteger os direitos fundamentais de 
modo suficiente
Sentido negativo 
(proibição do excesso)
Adequação: meio usado para restringir o direito deve ser adequado 
ao fim que se quer alcançar
Necessidade: o meio usado para restringir o direito deve ser 
estritamente necessário (meio menos gravoso possível)
Ponderação (proporcionalidade em sentido estrito): o direito 
fundamental deve ser restringido o menos possível