Aula_12___Eletrofisiologia_Card_aca
30 pág.

Aula_12___Eletrofisiologia_Card_aca


DisciplinaFisiologia Humana I24.195 materiais740.409 seguidores
Pré-visualização1 página
Eletrofisiologia	
  Cardíaca
PROF.	
  MSc.	
  IGOR	
  BOMFIM
Eletrofisiologia	
  Cardíaca:	
  Definição
\u27a2Definição:	
  
\u2713Inclui	
  todos	
  os	
  processos	
  envolvidos	
  na	
  ativação	
  
elétrica	
  do	
  coração:	
  
\u2756Os	
  potenciais	
  de	
  ação	
  cardíacos;	
  
\u2756A	
  condução	
  dos	
  potenciais	
  de	
  ação	
  ao	
  longo	
  dos	
  
tecidos	
  condutores	
  especializados	
  
\u2756A	
  excitabilidade	
  e	
  os	
  períodos	
  refratários	
  
\u2756Os	
  efeitos	
  moduladores	
  do	
  SNA	
  sobre	
  a	
  FC	
  
\u2756Velocidade	
  de	
  condução	
  e	
  excitabilidade	
  
\u2756Eletrocardiograma	
  (ECG)
\u2022 Coração:	
  Promove	
  bombeamento	
  de	
  sangue	
  pela	
  
vasculatura;	
  
\u2022 Para	
  funcionar	
  como	
  bomba	
  os	
  ventriculos	
  devem	
  ser	
  
eletricamente	
  ativados	
  e	
  a	
  seguir	
  se	
  contrair;	
  
\u2022 No	
  músculo	
  cardíaco	
  a	
  ativação	
  elétrica	
  é	
  o	
  potencial	
  de	
  
ação	
  cardíaco:	
  
\u2022 Nas	
  condições	
  normais	
  a	
  ativação	
  elétrica	
  se	
  origina	
  no	
  
nodo	
  sinoatrial	
  (SA):	
  
\u2022 Do	
  nodo	
  (SA)	
  os	
  potenciais	
  de	
  ação	
  geradossão	
  
conduzidos	
  para	
  todo	
  o	
  miocárdio	
  em	
  sequência	
  
temporal	
  específica;	
  
\u2022 Segue-­\u2010se	
  a	
  contração,	
  também	
  em	
  sequência	
  
específica.
Eletrofisiologia	
  Cardíaca:	
  Definições
A	
  ativação	
  deve	
  ser	
  primeiro	
  nos	
  átrios	
  ou	
  
ventrículos?
Eletrofisiologia	
  Cardíaca:	
  Definições
A	
  condução	
  elétrica	
  nas	
  células	
  miocárdicas	
  
depende	
  de	
  junções	
  comunicantes
Potenciais	
  de	
  Ação	
  Cardíacos:\u2028
Origem	
  e	
  propagação	
  da	
  excitação	
  dentro	
  do	
  coração.
\u2022 Dois	
  tipos	
  de	
  células:	
  Células	
  contráteis	
  e	
  
células	
  condutoras.	
  
\u2022 As	
  células	
  condutoras	
  são:	
  
\u27a2Nodo	
  Sinoatrial	
  (SA)	
  
\u27a2Nodo	
  Atrioventricular	
  (AV)	
  
\u27a2Feixe	
  de	
  His	
  
\u27a2Sistema	
  de	
  Purkinje
As	
  Células	
  Condutoras
\u2022 Nodo	
  (SA):	
  Origem	
  do	
  potencial	
  de	
  ação	
  cardíaco.	
  O	
  
marcapasso.	
  
\u2022 Vias	
  internodais	
  atriais	
  e	
  átrios:	
  O	
  potencial	
  de	
  ação	
  
se	
  propaga	
  do	
  nodo	
  SA	
  para	
  os	
  átrios	
  direito	
  e	
  
esquerdo	
  por	
  meio	
  das	
  vias	
  internodais	
  atriais.	
  Ao	
  
mesmo	
  tempo	
  o	
  potencial	
  é	
  conduzido	
  para	
  o	
  nodo	
  
AV.	
  
\u2022 Nodo	
  AV:	
  Condução	
  lenta	
  
\u2022 Feixe	
  de	
  His	
  e	
  Sistema	
  de	
  Purkinje:	
  Do	
  nodo	
  AV	
  o	
  
potencial	
  de	
  ação	
  passa	
  para	
  o	
  feixe	
  de	
  His	
  e	
  a	
  
seguir	
  para	
  o	
  sistema	
  de	
  purkinje.
A	
  expressão	
  do	
  Ritmo	
  Sinusal	
  Normal
\u2022 Três	
  Critérios:	
  
(1) O	
  potencial	
  de	
  ação	
  deve	
  ser	
  gerado	
  no	
  nodo	
  
SA	
  
(2)Os	
  impulsos	
  no	
  nodo	
  SA	
  devem	
  ocorrer	
  de	
  
forma	
  regular,	
  ritmo	
  60-­\u2010100/min.	
  
(3) A	
  ativação	
  do	
  miocárdio	
  deve	
  ocorrer	
  na	
  
sequência	
  correta	
  e	
  com	
  a	
  temporalidade	
  e	
  
retardos	
  corretos.
O	
  que	
  gera	
  variação	
  no	
  potencial	
  de	
  
membrana	
  cardíaco?
O	
  que	
  gera	
  variação	
  no	
  potencial	
  de	
  
membrana	
  cardíaco?
(1) Variação	
  do	
  gradiente	
  eletroquímico	
  de	
  um	
  
íon	
  impermeante.	
  
!
(2) Variação	
  na	
  condutância	
  ao	
  íon
Potenciais	
  de	
  Ação	
  dos	
  Ventrículos,	
  dos	
  Átrios	
  
e	
  do	
  Sistema	
  de	
  Purkinje
\u2022 Longa	
  duração:	
  Átrios	
  (150/ms),	
  Ventrículos	
  
(250/ms),	
  Fibras	
  de	
  Purkinje	
  (300/ms).	
  
\u2022 Potencial	
  de	
  ação	
  no	
  nervo	
  ou	
  músculo	
  
esquelético	
  (1	
  a	
  2/ms).	
  
\u2022 Potencial	
  de	
  repouso	
  da	
  membrana	
  estável	
  
\u2022 Platô:	
  Período	
  de	
  sustentação	
  da	
  despolariação
Correntes	
  Responsáveis	
  pelo	
  Potencial	
  de	
  Ação	
  Ventricular
Marcapassos	
  Latentes
\u2022 A	
  células	
  no	
  nodo	
  SA	
  são	
  as	
  únicas	
  com	
  
automaticidade	
  intrínseca?
Marcapassos	
  Latentes
\u2022 Regra:	
  Marcapasso	
  com	
  maior	
  velocidade	
  de	
  
despolarização	
  de	
  fase	
  4,	
  controla	
  a	
  FC.
O	
  que	
  acontecerá	
  com	
  a	
  FC	
  se	
  a	
  regulação	
  
ocorrer	
  do	
  Marcappaso	
  Latente?
Condições	
  em	
  que	
  o	
  Marcapasso	
  Latente	
  
passa	
  a	
  ser	
  marcapasso	
  do	
  coração.
(1)Se	
  a	
  frequência	
  de	
  disparo	
  do	
  nodo	
  SA	
  diminuir;	
  
!
(2)	
  Se	
  a	
  frequência	
  de	
  disparo	
  de	
  um	
  dos	
  marcapassos	
  
latentes	
  passar	
  a	
  ser	
  mais	
  rápida	
  do	
  que	
  a	
  do	
  nodo	
  
SA;	
  
!
(3)	
  Condução	
  dos	
  potenciais	
  de	
  ação	
  do	
  nodo	
  SA	
  
bloqueada	
  para	
  o	
  resto	
  do	
  coração	
  por	
  conta	
  de	
  
uma	
  doença.
Frequência	
  de	
  disparo	
  no	
  nodo	
  SA	
  e	
  nos	
  
marcapassos	
  latentes
Localização Frequência	
  intrínseca	
  de	
  
disparo	
  (impulsos/min)
Nodo	
  SA 70	
  \u2013	
  80
Nodo	
  AV 40-­\u201060
Feixe	
  de	
  HIS 40
Fibras	
  de	
  Purkinje 15-­\u201020
Excitabilidade	
  e	
  Período	
  Refratário
\u2022 Excitabilidade	
  é	
  a	
  quantidade	
  de	
  corrente	
  
necessária	
  para	
  levar	
  a	
  célula	
  miocárdica	
  até	
  até	
  
seu	
  potencial	
  de	
  limiar.	
  
!
\u2022 Períodos	
  refratários	
  
\u27a2Absoluto	
  
\u27a2Efetivo	
  
\u27a2Relativo
EFEITOS	
  AUTÔNOMOS	
  SOBRE	
  O	
  CORAÇÃO	
  E	
  
OS	
  VASOS	
  SANGUÍNEOS
1. O	
  SNS	
  prococa	
  vasoconstrição	
  ou	
  vasodilatação?	
  
!
2. O	
  SNP	
  provoca	
  o	
  aumento	
  ou	
  diminuição	
  da	
  FC?	
  
!
3. Qual	
  o	
  efeito	
  cronotrópico	
  da	
  acetilcolina	
  no	
  
coração?	
  
!
4. Qual	
  a	
  influência	
  SNS	
  sobre	
  o	
  DC?
ELETROCARDIOGRAMA
O	
  que	
  é	
  ECG?
O	
  que	
  é	
  ECG?
\u2022 É	
  a	
  determinação	
  de	
  diferenças	
  de	
  potencial	
  	
  
muito	
  pequenas	
  sobre	
  a	
  superfície	
  do	
  corpo.
Triângulo	
  de	
  Einthoven
ECG:	
  Três	
  ondas	
  podem	
  ser	
  vistas	
  
normalmente
\u2022 Onda	
  P:	
  Corresponde	
  a	
  despolarização	
  dos	
  
átrios;	
  
!
\u2022 Complexo	
  QRS:	
  Despolarização	
  ventricular;	
  
!
\u2022 Onda	
  T:	
  Repolarização	
  dos	
  ventrículos.
Bibliografia	
  Recomendada
!
\u2713AIRES,	
  Margarida	
  de	
  Mello.	
  Fisiologia.	
  4	
  ed.	
  Rio	
  de	
  
Janeiro:	
  Guanabara	
  Koogan,	
  2012.	
  
!
\u2713GUYTON,	
  A.C.;	
  HALL,	
  J.E.	
  Tratado	
  de	
  Fisiologia	
  
Médica.	
  12	
  ed.	
  Rio	
  de	
  Janeiro,	
  Elsevier	
  Ed.,	
  2011.	
  
!
\u2713 SILVERTHORN,	
  Dee	
  Unglaub.	
  Fisiologia	
  
humana:	
  uma	
  abordagem	
  integrada.	
  5	
  ed.	
  	
  Porto	
  
Alegre:	
  Artmed,	
  2010.