REVISÃO PROCESSO CIVIL PARTE GERAL (2º PERÍODO)
4 pág.

REVISÃO PROCESSO CIVIL PARTE GERAL (2º PERÍODO)


DisciplinaTeoria Geral do Processo8.742 materiais166.451 seguidores
Pré-visualização4 páginas
alegação se a incompetência for absoluta ou relativa?

A alegação de incompetência deve ser realizada da seguinte maneira:

\uf0b7 Absoluta \u2013 pode ser declarada ex oficio pelo juiz. Não extingue o processo,
tampouco preclui, apenas outro juízo é escolhido para dar
prosseguimento ao processo. Pode ser alegada a qualquer tempo, por
qualquer uma das partes.

\uf0b7 Relativa \u2013 somente pela provocação feita ao juízo. A exceção é quando
se trata de ação referente a contrato de adesão, que contenha cláusula
de eleição de foro, e que esta escolha prejudique a parte hipossuficiente;
aí sim o juiz pode alegar incompetência relativa ex oficio. Pode ser
alegada também pelo réu, em preliminar de contestação. Se não houver

alegação, a declaração de incompetência preclui. O autor da ação não
pode alegar incompetência relativa.

17. Qual a regra geral para a fixação da competência relativa?

Primeiro, é preciso verificar se a competência é internacional, se a competência
é de cunho interno, ou seja, se o litígio pode ser submetido ao Estado Brasileiro.
Caso seja de competência internacional, verificar se é de matéria obrigatória (em
que o Brasil se torna obrigatoriamente competente) ou de matéria concorrente.
Não sendo de competência internacional, passa-se a verificar a competência
interna. Deve-se fixar qual será o órgão jurisdicional a cuidar do caso.

Ainda, é necessário explanar, os critérios a partir da teoria de Chiovenda:

\uf0b7 Critério objetivo \u2013 a competência é fixada de acordo com o valor da causa
ou de sua matéria (natureza)

\uf0b7 Critério funcional \u2013 a competência é distribuída entre vários órgãos
jurisdicionais, quando serão necessárias várias funções em um mesmo
processo. Portanto, só será possível utilizar o critério funcional quando: a)
se manifestar em um mesmo processo; b) em processos distintos, mas
ligados pela mesma pretensão da lei.

\uf0b7 Critério territorial \u2013 a competência é distribuída de acordo com a posição
geográfica, para que o juiz esteja próximo de fatos que se liguem à
pretensão do autor da ação.

19. O que significa jurisdição internacional?

Na verdade, deveria ser intitulada como jurisdição nacional. No Novo Código de
Processo Civil de 2015, o legislador modificou o título acertadamente. É o poder
que o Estado possui fora de seu território para resolver litígios que envolvem
outros Estados. Ela pode ser concorrente (em que o juízo estrangeiro não pode
ser excluído, porém não inibe ação em território brasileiro. A sentença que
transitar em julgado primeiro será a válida e valerá para ambos os processos) ou
obrigatória (onde não é autorizado a concorrência do processo com outro juízo,
além do brasileiro. A sentença que por ventura venha a ser proferida por tribunal
estrangeiro, não será considerada válida para o nosso sistema judiciário.)

20. O que significa perpetuatio jurisdiciones?

O domicílio escolhido para ocorrer o processo normalmente é o do réu. Uma vez
escolhido, não poderá ser modificado, exceto quando o órgão competente for
extinto. Segue o preceito do artigo 43 do NCPC/15: \u201cDetermina-se a competência
no momento do registro ou da distribuição da petição inicial, sendo irrelevantes
as modificações do estado de fato ou de direito ocorridas posteriormente, salvo
quando suprimirem órgão judiciário ou alterarem a competência absoluta. \u201d

21. Qual a teoria da ação adotada pelo direito brasileiro?

É a teoria elaborada por Liebman, a teoria eclética. Ele afirma que o direito de
ação não pode ter relevância no processo, ele deve ser apenas o pressuposto

pelo qual se orienta a ação processual. Para ele, o direito de ação não deve ser
confundido com a ação processual em si, por mais que elas se fundam na prática;
a ação processual é a \u201cmaterialização\u201d do direito de ação. A ação não depende
do reconhecimento do reconhecimento do direito material ou do resultado
positivo da causa. Independentemente do resultado ou da tutela do direito
material, o direito de ação é dado a todos, e é satisfeita com a sentença, seja ela
favorável e desfavorável.

22. Quais as condições da ação? Se elas não estiverem presentes, no caso
concreto, como será a sentença do juiz?

Para que haja a ação, ela deve possuir duas condições:

\uf0b7 Legitimidade \u2013 que pode ser passiva (réu) e ativa (autor)
\uf0b7 Interesse processual \u2013 vontade de obter no judiciário aquilo que não se

conseguiu extrajudicialmente
o São excluídos jogos de azar e de cartas. Ou seja, não podem ser

requeridos ressarcimentos na justiça

Houve supressão de uma condição do Código de Processo Civil de 1973, que
eram três, para duas condições no Novo Código de Processo Civil de 2015.

23. Quais os elementos da ação?

São elementos da ação:

\uf0b7 Partes
o Autor e réu

\uf0b7 Pedido
o Tutela jurisdicional pretendida pelo autor

\uf0b7 Causa de pedir
o Fundamento, motivo pelo qual o autor formula seu pedido

24. Quais os tipos de processo existentes no CPC?

Assim se dá a separação dos tipos de processo existentes no Código de
Processo Civil:

\uf0b7 Conhecimento \u2013 serve para o juiz resolver o litígio. É chamada dessa
forma porque autor e réu fornecem ao juiz elementos de conhecimento,
para que ele possa decidir a causa.

o Declaratória
o Condenatória
o Constitutiva
o Mandamental
o Auto-executiva (executiva latu sensu)

\uf0b7 Execução \u2013 obrigatoriamente pressupõe a existência de um título
executivo extrajudicial. (Cheque, nota promissória, contrato de prestação

de serviços \u2013 assinada pelo devedor, credor e duas testemunhas -,
declaração de confissão de dívida). (Art. 771 a 788 NCPC/15). Obrigação
do juiz é fornecer ao credor meios coercitivos e legais para que ele receba
o seu crédito. Exceto em caso de ação de alimentos, em que o réu pode
ir preso pelo não-pagamento da pensão alimentícia, o meio coercitivo
recai sobre o patrimônio.

\uf0b7 Cautelares **** (tutela de urgência) \u2013 no NCPC/15 não existe mais
processo cautelar como processo autônomo. Porém, dentro da tutela de
urgência, está escrito que poderá ser obtida mediante uma cautelar. A
tutela de urgência pode ser requerida como antecipação de tutela ou
cautelar. Visa garantia o resultado. Ex: cirurgia de emergência.

25. Qual a regra de aplicação da norma processual no tempo?

Qualquer norma possui eficácia em um determinado território (ou seja, é
aplicável em determinado espaço) e tempo (ou seja, é aplicável por determinado
período, com começo e fim).

A aplicação da norma processual no tempo, depende do início da vigência; se a
própria lei não possuir qualquer regra a respeito, aplica-se a regra geral prevista
no art. 1º LINDB: \u201cSalvo disposição contrária, a lei começa a vigorar em todo o
país quarenta e cinco dias depois de oficialmente publicada\u201d. Esses 45 dias
começam a ser contados a partir do dia de publicação no Diário Oficial e vai até
o último dia do prazo.

26. O que é litisconsórcio? Classifique-o.

Há litisconsórcio quando existe pluralidade de pessoas no polo ativo (autores)
ou no polo passivo (réu) do processo. A parte, constituída de seus integrantes,
passa a se chamar litisconsorte. Existem casos que a lei obriga o litisconsórcio,
e existem casos que são mera faculdade, pois as partes se reúnem porque
querem e a vantagem da reunião das partes é a redução de custos, porque há
rateio de despesas, maior rapidez. No NCPC/15, está preceituado do art. 113 ao
art. 118.

27. Quais as modalidades de intervenção de terceiros existentes no
CPC/2015? Explique-as, dando um exemplo de cada.

Amicus curiae - significa \u201camigo da corte\u201d. É uma intervenção em processos por
parte de entidades que possuam representatividade, mesmo sem ser parte, para
declarar sua opinião a respeito do que está em pauta. Fornece subsídios às
decisões dos tribunais,