MEMORIAL DESCRITIVO DE PREVENÇÃO E PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO
11 pág.

MEMORIAL DESCRITIVO DE PREVENÇÃO E PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO


DisciplinaInstalações Hidro-sanitárias1.034 materiais3.697 seguidores
Pré-visualização2 páginas
MEMORIAL DESCRITIVO DE PREVENÇÃO E PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO.
O projeto incêndio e pânico compreende as seguintes pranchas:
	
	01/03 \u2013 Localização
	02/03 \u2013 Locação
	03/03 \u2013 Layout de incêndio	
	
3.1. Objetivo
O presente memorial tem por finalidade descrever as medidas de Segurança Contra Incêndio e Pânico da construção da Sede da.
Vista de satélite\u2013 Fonte Google Earth
3.2. Enquadramento da Edificação
Este memorial descritivo tem como base legal Decreto nº 5.434/92 que regulamenta a Lei Municipal nº 1.085/88 e alterações sofridas.
A edificação possui as seguintes classificações:
Área construída: 490,75 m²
Classificação das edificações:
Quanto à área e altura: COD. 3.1.1 \u2013 Área de construção inferior a 750m² / altura inferior a 12m;
Quanto à ocupação: COD. 3.2.5 \u2013 Edificações destinadas a uso de escritório, incluindo agências de assessoria, de consultoria e similares.
Classe de ocupação: Escritórios 1 e 2 (T.S.I.B); 
Classe de Risco: \u201cA\u201d;
Equipamentos Exigidos: 
(COD. 5.2.1) Escada de segurança e saída de emergência.
(COD. 5.3.3) Sinalização e orientação próprias que indiquem procedimentos a serem adotados em caso de abandono da edificação e operações de combate a incêndio; 
(COD. 5.4.1) Extintores portáteis; 
Nota: O Imóvel dispensa o item (COD. 5.2.2 Iluminação de emergência) por possuir até 2 (dois) pavimentos, não e destinada para reuniões públicas e não possui atividades noturnas. 
3.3. Das Medidas de Segurança Contra Incêndio e Pânico 
3.3.1. Saídas de Emergência
3.3.1.1. Descrição de sistema
Esta medida foi aplicada atendendo os critérios da NBR 9077 de dezembro de 2001, visando descrever e caracterizar as indicações e sinalizações de todas as rotas de fuga, no intuito de garantir que a população desta edificação possa abandoná-la, em caso de incêndio, completamente protegida em sua integridade física, bem como permitir o fácil acesso de auxilio externo (bombeiros) para combate ao fogo e a retirada da população.
3.3.1.2. Classificação da Edificação
Para efeito da Norma regente, as edificações são classificadas quanto à ocupação, altura, dimensões em planta e características construtivas.
3.3.1.2.1. Classificação das edificações quanto à sua ocupação
 Indica o uso real ou uso previsto de uma edificação ou parte dela, para abrigo e desempenho de atividades de pessoas ou proteção de animais e bens.
Grupo: D
Ocupação e uso: Serviços profissionais pessoais e técnicos.
Divisão: D-1
Descrição: Locais para prestação de serviços profissionais ou condução de negócios.
Exemplos: Escritórios administrativos ou técnicos, consultórios, instituições financeiras (não incluídas em d-2), repartições públicas, cabeleireiros, laboratórios de análises clínicas sem internação, centro profissionais e outros.
3.3.1.2.2. Classificação das edificações quanto à altura
Altura contada da soleira de entrada oi piso do último pavimento, não consideradas edículas no ático destinadas a casas de máquinas e terraços descobertos.
Código: L
Denominação: Edificações baixas.
Altura da soleira: H \uf0a3 6,00 m
3.3.1.2.3. Classificação das edificações quanto às suas dimensões em planta
Por se caracterizar de um imóvel térreo, sua área do maior pavimento e equivalente a área construída total
Natureza: \u3b1 \u2013 Quanto à área do maior pavimento (Sp)
Código: P
Classe da edificação: De pequeno pavimento.
Parâmetros de área: Sp < 750 m²
3.3.1.2.4. Classificação das edificações quanto às suas características construtivas
Código: Z
Tipo: Edificações em que a propagação do fogo é difícil
Especificação: Prédios com estrutura resistente ao fogo e isolamento entre pavimentos
Exemplos: Prédios com concreto armado calculado para resistir ao fogo, com divisórias incombustíveis, sem divisórias leves, com parapeitos de alvenaria sob as janelas ou com abas prolongando os entrepisos e outros.
3.3.1.2.5. Dados para dimensionamento das saídas
Grupo: D
Divisão: -
População: Uma pessoa por 7,00 m² de área.
Capacidade da unidade de passagem: 
Acesso e descargas: 100 cm
Escadas ou rampas: 60 cm
Portas: 100 cm
3.3.1.2.6. Cálculo da população
Área: 490,75 m²
Quantidade por m²: 0,14286 pessoas por m²
Total: 490,75 x 0,14286 = 70,107 => 71 pessoas
3.3.1.2.7. Distancias máxima a serem percorridas
Tipo da Edificação: Z
Saída única: 30,00 m
Mais de uma saída: 40,00 m
3.3.1.2.8. Cálculo de acessos, portas e escadas:
N: Número de unidades de passagem, arredondado para número inteiro
P: População total (71 pessoas)
C: Capacidade da unidade de passagem (100cm)
N = P/C => N = 71/100 => N = 0,71
N = 1,00 unidade de passagem.
3.3.2. Brigada de Incêndio
3.3.2.1. Descrição do sistema 
Esta medida fora aplicada atendendo os critérios da NBR nº 14.276, com o intuito de estabelecer as mínimas para a elaboração de um programa de brigada de incêndio, visando proteger a vida e o patrimônio, bem como reduzir as consequências sociais do sinistro e dos danos ao meio ambiente.
Segundo o artigo 40 do Decreto nº 5.434/92 que regulamenta a Lei Municipal nº 1.085/88, todas as instalações de qualquer natureza devem ter obrigatoriamente pessoal treinado para operacionalizar os sistemas de Prevenção e Combate a Incêndio.
3.3.2.2. Composição da brigada de Incêndio
Classe: Escritório
Subclasse: IV
Descrição: Escritório, agências bancárias, repartições públicas, instituições financeiras e consultórios.
População: 71 pessoas
População fixa por pavimento: Até 10: 40% / Acima de 10: 10%
Número de brigadistas por pav. = (população fixa por pavimento) x (% de cálculo)
Número de brigadistas por pav. = (10 x 40%) + ((71-10) x 10%) = > 10,1
Brigadistas: 10,1 pessoas
3.3.2.2.1. Critérios básicos para seleção de candidatos a brigadista
A composição da brigada de incêndio deve levar em conta a participação de pessoas de todos os setores, onde os candidatos a brigadista devem atender aos critérios básicos de permanecer na edificação, possuir experiência anterior como brigadista, possuir robustez física e boa saúde, possuir bom conhecimento das instalações, ter responsabilidade legal e ser alfabetizado.
Caso nenhum candidato atenda aos critérios básicos em sua concepção total, devem ser selecionados aqueles que contemplem o maior número de requisitos.
Caso haja segurança patrimonial ou bombeiro profissional civil, estes devem participar como colaboradores no programa de brigada de incêndio, porém não podem ser computados para efeito do cálculo da composição da brigada, devido às suas funções especiais.
Os candidatos a brigadista, devem frequentar curso com carga horária mínima de 16 h, sendo a parte prática de no mínimo 8. A periodicidade do treinamento deve ser de no máximo 12 meses ou quando houver 50% dos membros da brigada. Aos brigadistas que já tiverem o curso, será facultada a parte teórica, desde que o brigadista seja aprovado em pré-avaliação com 70% de aproveitamento.
3.3.3. Sinalização de Emergência
3.3.3.1. Descrição do Sistema
A sinalização de emergência tem como finalidade reduzir o risco de ocorrência de incêndio, alertando para os riscos existentes e garantir que sejam adotadas ações adequadas à situação de risco, que orientem as ações de combate e facilitem a localização dos equipamentos e das rotas de saída para abandono seguro da edificação em caso de incêndio.
Serão adotados os seguintes tipos de sinalização: 
Sinalização de proibição, cuja função é proibir ações capazes de conduzir ao início de incêndio deve ser instalada em local visível e no mínimo a 1,5m do piso acabado. 
Sinalização de alerta, cuja função é alertar para áreas e materiais de risco, 
Sinalização de comando, cuja função é requerer ações que garantam condições adequadas para a utilização das rotas de fuga, ex: indicação do sentido da rota de fuga através de setas indicativas adesviadas; 
Sinalização de orientação e salvamento e sinalização de equipamentos de combate