A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
12 pág.
Nu_e_Vestido_-_Mirian_Goldenberg_(Org.)_-_A_civilizacao_das_formas_-_o_corpo_como_valor

Pré-visualização | Página 5 de 6

as camadas médias ur-
banas.
34 NU & VESTIDO
O corpo nas camadas médias do Rio de Janeiro
O melhoramento de si mesmo é uma espécie de higiene
pessoal elevada ao cubo. Partindo do princípio de que,
por uma questão de saúde básica, você precisa cuidar
de seus dentes, indo regularmente ao dentista,
também precisará cuidar de sua pele, dos cabelos,
unhas. E das roupas, é claro: elas são a sua segunda
pele. Não é fazer apenas o mínimo para não parecer
um indigente. É fazer o máximo.
COSTANZA PASCOLATO
Desde janeiro de 1998, estamos realizando uma pesquisa com o
objetivo de analisar os discursos sobre novas formas de con-
jugalidade e sexualidade de homens e mulheres das camadas mé-
dias urbanas do Rio de Janeiro22. Focalizando a discussão de
gênero23, buscamos analisar, comparativamente, os desejos, as ex-
pectativas e os estereótipos afetivo-sexuais de homens e mulheres
de diferentes gerações. Acreditando que a visão de mundo e o es-
tilo de vida das camadas médias urbanas têm um efeito multipli-
cador e extravasam os seus limites, podendo revelar, de forma mais
geral, o processo de transformação que os papéis de gênero vêm
sofrendo na sociedade brasileira, pretendemos mapear algumas
"A pesquisa intitulada "Mudanças nos papéis de gênero, sexualidade e conjugalidade:
Um estudo antropológico das representações sobre o masculino e feminino nas cama-
das médias urbanas", analisou 1279 questionários, sendo 835 respondidos por mulhe-
res e 444 por homens, dos vinte aos cinqüenta anos, universitários, com renda superior
a R$2.000,00, moradores da cidade do Rio de Janeiro.
"Utilizamos o conceito de gênero (cf. Scott, 1990) para insistir no caráter fundamen-
talmente social das distinções fundadas no sexo. A palavra indica uma rejeição ao
determinismo biológico implícito no uso do termo sexo e enfatiza o aspecto relacionai
das definições normativas da feminilidade e masculinidade.
A CIVILIZAÇÃO DAS FORMAS: O CORPO COMO VALOR 35
tendências gerais de mudança nos valores e comportamentos des-
se segmento.
Um dos dados que mais chamaram nossa atenção, ao analisar
algumas das questões da pesquisa, foi a presença significativa da ca-
tegoria corpo nas respostas femininas e masculinas. Por exemplo,
ao perguntarmos às mulheres: "O que você mais inveja em uma mu-
lher?", elas responderam: a beleza em primeiro lugar, o corpo, em
seguida, e a inteligência em terceiro lugar24. Quando perguntamos
aos homens: "O que você mais inveja em um homem?", tivemos
como respostas: a inteligência, o poder econômico, a beleza e o
corpo25.
Em outra questão, perguntamos às mulheres: "O que mais a
atrai em um homem?" Obtivemos como resposta: a inteligência,
o corpo e o olhar26. Quando perguntamos aos homens: "O que
mais o atrai em uma mulher?", encontramos: a beleza, a inteli-
gência e o corpo27. A categoria corpo aparece ainda com maior
destaque quando perguntamos às mulheres: "O que mais a atrai
sexualmente em um homem?" As respostas foram: o tórax28, o
corpo e as pernas29. Para os homens: "O que mais o atrai sexual-
24Em 376 categorias apontadas como invejadas pelas mulheres, a beleza apareceu em
sessenta respostas (15,96%), o corpo em quarenta (10,64%) e a inteligência em 35
(9,31o/o).
"Em 138 categorias apontadas como invejadas pelos homens, a inteligência apareceu
em 26 respostas (18,84%), o poder econômico em 22 (15,94%), a beleza em oito
(5,80%) e o corpo em cinco (3,62%).
'Em 587 categorias apontadas como o que mais atrai as mulheres, a inteligência rece-
beu 65 respostas (11,07%), o corpo 58 (9,88%) e o olhar 57 (9,71%).
7Em 266 categorias apontadas como o que mais atrai os homens, a beleza recebeu
quarenta respostas (15,04%), a inteligência 31 (11,65%) e o corpo 28 (10,53%).
Rodrigues (1979) destaca que a parte superior do corpo (como a cabeça e o tórax) é
associada às forças intelectuais humanas que caracterizam a sociedade humana em re-
lação à natureza selvagem. A parte inferior do abdômen e a região genital formam uma
área moralmente inferior, sede de forças poderosas que o intelecto deve ter o propósi-
to de controlar.
Em 550 categorias apontadas como o que mais atrai sexualmente as mulheres, o tó-
rax recebeu 73 respostas (13,72%), o corpo 71 (12,9%) e as pernas 44
36 NU & VESTIDO
mente em uma mulher?", tivemos as respostas: a bunda30, o cor-
po e os seios31.
Não iremos nos deter aqui na diferença de peso que a preo-
cupação com o corpo tem para os pesquisados, ou como eles va-
lorizam esta diferença, mas na recorrência desta categoria como
algo invejado, desejado e admirado32, não apenas pelas mulhe-
res, mas também, expressivamente, pelos homens. O mais inte-
ressante é que em todas as questões acima a categoria corpo
aparece sem nenhum adjetivo, como uma entidade autônoma,
independente, abstrata. Em apenas uma das questões da pesqui-
sa — quando, para saber o que homens e mulheres procuram
em um relacionamento afetivo, propusemos: "Se você escrevesse
um anúncio com o objetivo de encontrar um parceiro, como se
descreveria? Como você descreveria o que procura em um par-
ceiro?" — este corpo aparece como "definido", "malhado",
"trabalhado", "sarado", "saudável", "atlético", "bonito", entre
outros. Torna-se "coisa para o outro", um corpo que pertence a
um indivíduo que se apresenta e descreve as características que busca
em um parceiro.
Alguns exemplos dos anúncios dos pesquisados podem ilustrar
melhor o que encontramos nas respostas.
A CIVILIZAÇÃO DAS FORMAS: O CORPO COMO VALOR 37
3
"Sobre a preferência sexual do homem brasileiro pela bunda, ver a pesquisa de Parker
(1991) e, também, Del Priore (2000).
31Em 295 categorias apontadas como o que mais atrai sexualmente os homens, a
bunda recebeu 55 respostas (18,64%), o corpo 42 (14,24%) e os seios 42
(14,24%).
"Também na questão: "O que você mais admira em um homem/uma mulher?", a cate-
goria corpo apareceu significativamente nas respostas.
Sou jovem, determinada, animada, gosto de irá praia e sair para
dançar. E é claro, sou linda e gostosa!
Procuro alguém com as mesmas características, decidido e com
iniciativa. De corpo sarado, másculo e muito sexy!33
Eu sou moreno com estatura de 1,79, com o corpo e físico atlé-
tico, bem-dotado, inteligente, compreensivo e carinhoso.
Procuro mulher loira, cabelos longos, 1,65 de altura, cintura fina,
seios fartos duros, bumbum arrebitado, corpo bonito34.
Eu sou apetitosa, morena, corpo malhado, cabelos longos ca-
cheados, olhos castanhos claros, inteligente, linda.
Procuro homem romântico, educado, inteligente, com idade en-
tre 24 e 32 anos e boa aparência35.
Eu sou moreno alto, bonito, sensual, carinhoso, bom nível social.
Talvez eu seja a solução dos seus problemas.
Procuro uma mulher solteira, sincera, simpática, corpo defini-
do, bonita, afinal, "as feias que me desculpem, mas beleza é
fundamental".36
Em uma pesquisa cujo objetivo principal é compreender a convi-
vência, muitas vezes conflituosa, de novas e tradicionais formas de
conjugalidade, é de certa forma surpreendente a centralidade que
a categoria corpo adquiriu para determinado segmento social. Tanto
nas respostas sobre inveja, admiração e atração como nas que pro-
curam um parceiro amoroso, o corpo aparece como um valor funda-
mental. Nas respostas sobre motivo de inveja, atração ou admiração,
"Estudante universitária, vinte anos, renda familiar de R$6.000,00.
•"Homem solteiro, 22 anos, analista de sistemas, renda de R$5.000,00.
"Mulher solteira, 22 anos, dentista, renda de R$10.000,00.
^Homem solteiro, 25 anos, piloto comercial, renda de R$ 15.000,00.
38 NU & VESTIDO
o corpo aparece sem nenhum adjetivo, é simplesmente o corpo. Ele
só passa a ser adjetivado nas respostas dos anúncios, sendo materia-
lizado nos sujeitos pesquisados. Só então ficamos sabendo de que
tipo de corpo se está falando quando os pesquisados se referem
abstratamente a o corpo. Não é um corpo indistinto dado pela na-
tureza. É um corpo trabalhado, saudável, bem-cuidado, paradoxal-
mente uma "natureza cultivada", uma cultura tornada natureza
(Bourdieu, 1987). A