resumão av1 e av2
5 pág.

resumão av1 e av2


DisciplinaFundamentos Epistêmicos da Psicologia387 materiais2.306 seguidores
Pré-visualização3 páginas
RESUMÃO AV1 E AV2 \u2013 FUNDAMENTOS EPISTÊMICOS DA PSICOLOGIA
\u2022 Epistemologia \u2013 Relaciona-se aos conceitos, princípios e resultados de uma determinada teoria. Estuda as articulações da ideias referentes à teoria em questão.
\u2022 Filosofia da Ciência \u2013 Estudo temas mais amplos ou gerais relacionados à ciência; preocupa-se com a 
\u2022 Teoria do Conhecimento \u2013 Estuda os diferentes aspectos do conhecimento, inclusive pensando o papel do sujeito do conhecimento e o objeto doconhecimento.
A palavra filosofia (do grego, \u3a6\u3b9\u3bb\u3bf\u3c3\u3bf\u3c6í\u3b1) tem suas origens no mundo grego, sendo formada por derivados de philia (amizade, respeito) e sophia (sabedoria). Deste modo, filosofia carrega em si o significado do amor ao saber, bem como respeito à sabedoria para chegar a construção do conhecimento.
A teoria do conhecimento vem a ser uma interpretação filosófica do ato de conhecer, investigando a natureza e validade do conhecimento. Pode-se considerar que apenas na Idade Moderna a Teoria do Conhecimento surge como uma teoria, através de Immanuel Kant. Na Teoria do Conhecimento podemos destacar a existência de dois elementos fundamentais: a consciência e o objeto, ou seja, o sujeito e também o objeto. O sujeito é aquele que irá apreender o objeto; o objeto é o que será apreensível.
O Racionalismo
A palavra \u201cracionalismo\u201d vem de ratio, que significa razão. O Racionalismo é uma corrente que tem na razão a fonte do conhecimento humano. Esta posição epistemológica é observada na Idade Moderna, através de Descartes, porém sua forma mais antiga tem sua origem em Platão, na Idade Antiga.
Ambos os filósofos se ocuparam de defender a tese da razão enquanto fonte verdadeira do conhecimento humano.
Platão acreditava que conhecer algo é lembrar de uma verdade que já existiria para cada ser humano. Deste modo, o filósofo defende que nasceríamos com a razão e a verdade, e ao longo da vida seria possível reconhecer o verdadeiro quando nos deparamos com ele, sendo a razão, portanto, inerente ao ser humano, ou seja, inata.
A Razão na Idade Moderna
Descartes 
O filósofo francês defende a ideia de que o espírito humano possui idéias inatas, ou seja, a pessoa já nasceria com as ideias. Descartes afirma que estas são inteiramente racionais, e são colocadas no espírito humano por Deus. Deste modo, partindo do criador, tais ideias seriam sempre verdadeiras. As ideias inatas seriam sempre possíveis de serem conhecidas através da intuição, de acordo com Chauí.
Empirismo
Para os filósofos pertencentes à corrente do Empirismo, que foi uma corrente essencialmente formada por empiristas inglês, a razão, a verdade e as ideias são adquiridas através da experiência humana. Diferente do racionalismo, os pensadores empiristas acreditavam na ideia de que o ser humano é uma
tabula rasa, ou papel em branco; ou seja, nada é inato e o conhecimento vai sendo adquirido na vida humana através das experiências.
John Locke
Defendia a posição de que todos os homens têm direitos naturais, ou seja, o homem quando nasce deve ter algumas necessidades básicas atendidas: o direito à vida, o direito à liberdade e o direito à propriedade. A criação dos governos nas sociedades serviria para garantir tais direitos. Deste modo, as pessoas teriam direito à revoltarem-se caso não tivessem tais direitos assegurados.
David Hume
Junto à Locke, contribui para o movimento do Empirismo em oposição ao Racionalismo. Ele defendeu o conceito da razão enquanto o hábito de associar ideias, através da associação de ideias iguais e diferentes. Hume traz também o conceito de causalidade, demonstrando como se forma este princípio. Para o filósofo, a experiência que vai sendo repetida da mesma maneira, de forma constante, deixa o hábito de associar as ideias, trazendo a noção de causalidade. Assim, Hume defende o princípio da causalidade, através da observação dos fatos, e traz a ideia de \u201ccausa\u201d e \u201cefeito\u201d.
Immanuel Kant
É considerado um dos últimos filósofos da Era Moderna. Kant nasceu em Königsberg, antiga Prússia, no ano de 1724, e veio a falecer no mesmo local, em 1804, nunca tendo saído de sua cidade. Extremamente disciplinado, é conhecido por sua rotina rigorosa dedicada à filosofia e aos estudos. Escreveu a importante obra \u201cA Crítica da Razão Pura\u201d.
Kant é famoso sobre tudo pela elaboração do denominado idealismo transcendental: todos nós trazemos formas e conceitos a priori (aqueles que não vêm da experiência) para a experiência concreta do mundo, os quais seriam de outra forma, impossíveis de determinar.
A Crítica da Razão Pura é a teoria que nos diz que todo conhecimento sobre a realidade sensível vem, originalmente, da experiência, cujos dados se estruturam graças às intuições da sensibilidade - o tempo e o espaço. Na primeira crítica, Kant vai mostrar que tempo e espaço são formas fundamentais de percepção (formas da sensibilidade) que existem como ferramentas da mente, mas que só podem ser usadas na experiência.
Mas além das formas da sensibilidade, Kant vai nos dizer que há também o entendimento, que seria uma faculdade da razão. O entendimento nos fornece as categorias com as quais podemos operar as sínteses do diverso da experiência.
Assim, como são possíveis juízos sintéticos a priori? São possíveis porque há uma faculdade da razão - o entendimento - que nos fornece categorias a priori - como causa e efeito - que nos permitem emitir juízos sobre o mundo.
Contudo, diz Kant, as categorias são próprias do conhecimento da experiência. Elas não podem ser empregadas fora do campo da experiência. Daí porque, na filosofia crítica de Kant, não nos é possível conhecer a coisa em si, ou aquilo que não está no campo fenomenológico da experiência. Criticando a razão, está combatendo o Dogmatismo.
SUJEITO TRANSCEDENTAL: que não precisa ter relação com o outro. Uma consciência só se forma com outra consciência. Fora do tempo, do sujeito. O que importa é da onde vem o conhecimento.
A Revolução Copernicana do Conhecimento
A tradição antiga considerava que o mundo era limitado e a Terra se encontrava no centro do mundo. Sendo o Planeta Terra o centro de tudo, imóvel, tudo girava em torno dela. Esta teoria levava o nome de Geocentrismo. Copérnico surgiu então como um grande estudioso da época, apontando que tais teorias estavam incorretas. Segundo Chauí (1995) apontou, assim, que:
\u2022 O mundo não é finito, mas infinito
\u2022 O centro do universo não é a Terra
\u2022 O Sol não é um planeta
\u2022 Os astros não são presos em esferas.
\u2022 Sol se move, mas não ao redor da Terra.
Deste modo, o sistema de Copérnico foi chamado de Heliocentrismo (em grego, helio = sol) e tais teorias fizeram uma grande revolução em sua época, já que modificaram ideias que toda a sociedade possuíam a respeito do funcionamento do planeta. Tratou-se de fato de uma grande revolução na área da astronomia. Assim como tal revolução que mudou os olhares e a forma de pensar de toda uma sociedade, ocorreu o mesmo alguns séculos depois, através do Immanuel Kant. A grandiosidade de suas ideias também causou uma revolução na teoria do Conhecimento.
Kant se propôs, então, estudar a razão. Ao estudar a razão, inúmeras questões surgem como questionamentos e teorias que encontramos na obra do autor, e que nos sugerem reflexões a respeito de como se dão os estudos relacionados à razão.
A priori e a posteriori
A priori nos diz que algo vem em um momento anterior, ou seja: para Kant, a estrutura da razão é a priori, se dando antes da experiência. Mas a razão possui elementos. Estes elementos dependem da experiência. A experiência fornecerá, portanto ao sujeito a matéria, e esta irá dar a forma ao conhecimento. Deste modo, a matéria do conhecimento vem após a experiência, ou seja, a posteriori. Deste modo, a experiência não é a causa das ideias, como pensavam os empiristas, mas é a oportunidade para que a razão receba este conteúdo e assim, formule as ideias.
Hegel: O último que construiu um sistema de pensamento. Tem conceitos próprios. Influenciou para o surgimento da filosofia. Faz críticas à Kant
Regina
Regina fez um comentário
conteúdo muito rico!
2 aprovações
Olinda
Olinda fez um comentário
obrigada obrigada
2 aprovações
Carregar mais