A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
229 pág.
BC - 1

Pré-visualização | Página 23 de 38

é 
relativamenteconstante e correlaciona-se com a produção endógena. A maior parte das 
variações interindividuais da excreção de creatinina, em pessoas saudáveis é atribuída 
essencialmente à idade, sexo e massa corporal magra, e a variação individual tende a ficar 
abaixo de 15% de dia para dia. 
Valores de Referência: 0,5 mg/dL - 1,3 mg/dL 
 
Utilidade clínica: 
Em virtude de a creatinina ser de produção endógena e ser liberada nos líquidos 
corporais em uma taxa constante, e de seus níveis plasmáticos permanecerem dentro de limites 
estreitos sua depuração pode ser determinada como um indicador da taxa de filtração 
glomerular. Contudo, uma pequena quantidade de creatinina é reabsorvida pelos túbulos e uma 
pequena quantidade aparece na urina (7 – 10%) devido à secreção tubular. 
 
 
 
 
 
 
 
123 
 
20 ÁCIDO ÚRICO 
 
 
Nos seres humanos, o ácido úrico é o principal produto do catabolismo dos 
nucleosídeos purínicos, adenosina e guanosina. As purinas do catabolismo dos ácidos nucleicos 
alimentares são transformadas diretamente em ácido úrico. Contudo, a maior parte das purinas 
finalmente excretadas como ácido úrico na urina surge da degradação dos ácidos nucleicos 
endógenos. Produto da degradação dos ácidos nucleicos. 
Valores de Referência: 3,5 
 
Significado clínico: 
Ahiperuricemia é mais habitualmente definida pelas concentrações de ácido úrico no 
plasma ou soro acima de 7,0mg/dL nos homens e 6,0mg/dL nas mulheres. 
 
Principais causas da hiperuricemia: 
Raramente, a hiperuricemia é atribuída a defeitos primários das enzimas das vias do 
metabolismo das purinas. A hiperuricemia assintomática é, com frequência, detectada por meio 
de um rastreamento bioquímico e o acompanhamento em longo prazo dos pacientes 
hiperuricêmicos assintomáticos é empreendido. Muitos estão em risco de doença renal, que 
pode desenvolver-se como resultado de hiperuricemia e hiperuricosúria, poucos desses 
pacientes chegam a desenvolver a síndrome clínica da gota. 
A gota ocorre quando o urato monossódico precipita dos líquidos corporais 
supersaturados, os depósitos de urato são responsáveis pelos sintomas e sinais clínicos. A 
artrite gotosa pode estar associada a cristais de urato no líquido sinovial, assim como a 
depósitos de cristais nos tecidos ao redor da articulação. Os depósitos podem ocorrer também 
em outros tecidos moles, e, em qualquer lugar que ocorram, originam uma imensa resposta 
 
 
 
124 
 
inflamatória, constituída de leucócitos polimorfonucleares e macrófagos. A doença renal 
associada à hiperuricemia pode ocorrer em uma ou mais das seguintes formas: 
- Nefropatia gotosa com deposição de urato no parênquima renal; 
- Deposição intratubular aguda de cristais de urato e; 
- Nefrolitíase por urato; 
- Justifica-se o tratamento médico da hiperuricemia assintomática crônica, para 
prevenir a lesão renal induzida pelo urato. 
Aproximadamente um em cada cinco pacientes com gota clínica apresenta, também, 
cálculos de ácido úrico no aparelho urinário. Embora a formação de cálculos no aparelho urinário 
seja um processo complexo, cerca de 50% dos pacientes com cálculos de ácido úrico têm 
hiperuricosúria ou excreção de uma urina persistente ácida, ou podem ainda apresentar ambas 
as condições clínicas. 
A hipouricosúria, com frequência é definida como a concentração de urato no soro 
abaixo de 2,0mg/dL, é muito menos comum que a hiperuricemia. Ela pode ser secundária a uma 
gama de condições subjacentes: doença hepatocelular grave, defeito na reabsorção tubular 
renal de ácido úrico e tratamento excessivo de hiperuricemia com alopurinol ou medicamentos 
uricosúricos. 
 
Exercícios de Fixação 
 
1) A utilidade da ureia como um indicador independe da função renal é ilimitada pela 
variabilidade de seus níveis no sangue, como resultado de fatores não renais. 
( ) Correto 
( ) Errado 
 
 
 
125 
 
2) Sobre a dosagem de creatinina é possível afirmar: 
( ) A creatinina, um produto do metabolismo hepático 
( ) Gentamicina, cefalosporinas e cimetidinas inibem a secreção tubular de creatinia, 
provocando níveis falsamente elevados no soro. 
( ) Amostras de urinas mantidas a temperatura ambiente por longo período pode ter 
níveis elevados de creatinina produzidos pelas bactérias. 
( ) Desaconselhável fazer em pacientes que sofrem de doenças de perda muscular. 
 
3) Sobre a dosagem de ureia é possível afirmar: 
( ) É um excelente parâmetro pois não sofre variações da alimentação. 
( ) A ureia nem é ativamente reabsorvida nem secretada pelos túbulos renais, mas é 
filtrada livremente pelos glomérulos. 
( ) Desidratação leve, alimentação rica em proteínas, catabolismo proteico aumentado, 
devastação muscular como jejum prolongado podem elevar os níveis de ureia sem que isso 
signifique um dano renal. 
( ) Altas elevações de ureia com níveis elevados de creatinina podem ser notadas em 
estados catabólicos de degradação tecidual. 
 
4) Sobre a dosagem de ácido úrico é possível afirmar: 
( ) Define-se hiperuricemia pelas concentrações de ácido úrico no plasma ou soro 
acima de 7,0mg/dL nos homens e 6,0mg/dL nas mulheres. 
( ) A hipouricosúria, com frequência é definida como a concentração de urato no soro 
abaixo de 2,0mg/dL, é mais comum que a hiperuricemia. 
( ) Metade dos pacientes que apresentam cálculos de ácido úrico têm hiperuricosúria 
ou excreção de uma urina persistente ácida, ou ambas. 
 
 
126 
 
( ) A hiperuricemia assintomática é, com frequência, detectada por meio de um 
rastreamento bioquímico com acompanhamento a longo prazo dos pacientes hiperuricêmicos 
assintomáticos. 
 
Respostas: 
1) Errado 
2) (F) (F) (V) (V) 
3) (F) (V) (V) (F) 
4) (V) (F) (V) (V) 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
127 
 
21 FERRO 
 
 
O ferro é um elemento essencial em diversos processos fisiológicos do organismo 
humano. Este metal está intimamente envolvido no transporte de oxigênio e participa ainda de 
uma variedade de processos bioquímicos. Fisiologicamente é encontrado nos estados férrico 
(Fe3+), proveniente de alimentos e de sais inorgânicos, e que pela ação do ácido gástrico 
transforma-se em íon ferroso (Fe2+). O ferro tem afinidade por átomos eletronegativos, como 
oxigênio, nitrogênio e enxofre, que fornecem os elétrons que formam as ligações com o ferro. 
Em pH neutro e alcalino o estado Fe3+ é favorecido. Em valores de pH ácido, o equilíbrio 
favorece o estado Fe2+. No estado de Fe3+, o ferro forma lentamente um complexo polinuclear 
grande com íon hidróxido, água e outros ânios que possam estar presentes. 
Esses complexos podem ficar tão grandes que excedem seus produtos de solubilidade, 
levando a agregação e precipitação com consequências patológicas. 
O ferro pode se ligar e influenciar a estrutura e a função de várias macromoléculas, com 
resultados prejudiciais ao organismo. Para proteger contra tais reações, várias proteínas que se 
ligam ao ferro funcionam no armazenamento e transporte de ferro. Essas têm uma afinidade 
muito alta pelo metal e, em estado fisiológico normal, têm sítios de ligação ao ferro, 
incompletamente preenchidos. A interação de ferro com seus ligantes foi bem caracterizada em 
algumas proteínas. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
128 
 
FIGURA 34 
 
(Ex.: hemoglobina, mioglobina e 
transferrina). 
A hemoglobina é uma proteína 
formada por dois componentes 
principais: quatro grupos heme não 
proteico, cada um contendo ferro na 
sua forma reduzida (Fe2+), local onde 
oxigênio se liga, e uma porção 
proteica globina, contendo quatro