Aula 1 - INTRODUÇÃO À CINESIOTERAPIA
23 pág.

Aula 1 - INTRODUÇÃO À CINESIOTERAPIA

Disciplina:CINESIOTERAPIA1.205 materiais57.673 seguidores
Pré-visualização2 páginas
INTRODUÇÃO À
CINESIOTERAPIA

Paulo Lopes

CONCEITOS FUNDAMENTAIS EM
CINESIOLOGIA E BIOMECÂNICA

• POSIÇÃO ANATÔMICA

CONCEITOS FUNDAMENTAIS EM
CINESIOLOGIA E BIOMECÂNICA

PLANO FRONTAL ou CORONAL (XY):

• Paralelo ao osso frontal, dividindo o
corpo em partes de frente e trás.

• Movimentos de adução e abdução.

PLANO SAGITAL ou SAGITAL MÉDIO (YZ)

• Plano vertical que divide o corpo em direito e
esquerdo, é como se fosse uma vista lateral.

• Movimentos de flexão, extensão e
hiperextensão.

PLANOS DE MOVIMENTO E EIXOS

CONCEITOS FUNDAMENTAIS EM
CINESIOLOGIA E BIOMECÂNICA

PLANOS DE MOVIMENTO E EIXOS

PLANO HORIZONTAL ou TRANSVERSO (XZ)

• Divide o corpo em parte de cima e parte de
baixo, como se fosse vista de cima.

• Movimentos de rotação interna e externa,
pronação e supinação.

OBS: No plano sagital ainda temos os movimentos de flexão
plantar e dorsiflexão e também o desvio ulnar e desvio radial.

CONCEITOS FUNDAMENTAIS EM
CINESIOLOGIA E BIOMECÂNICA

PRINCÍPIOS MECÂNICOS – CINÉTICA

FORÇA
• Gravidade – peso das partes corporais. Ex: talas, gesso, livros etc;
• Músculos – produzem força ativa (contração) ou passiva (esticando)

sobre os segmentos ósseos;
• Resistências aplicadas externamente – polias, resistência manual

etc;
• Atrito – estabiliza, ratarda e instabiliza.
OBS: A aplicação da força gera conseqüências secundárias que tem

finalidades terapêuticas como a compressão articular, a tração e a
pressão.

CONCEITOS FUNDAMENTAIS EM
CINESIOLOGIA E BIOMECÂNICA

PRINCÍPIOS MECÂNICOS – CINÉTICA
Lei de NEWTON :
• Terceira Lei – Ação e Reação: “Para toda força de ação há uma força

de reação igual e oposta.”

• Primeira Lei – Equilíbrio/Inércia: Em equilíbrio a soma das forças
atuantes é zero. “Todo corpo persiste no seu estado de repouso ou
movimento uniforme em uma linha reta a não ser que seja
obrigado a alterar esse estado por forças atuando sobre ele.”

• Segunda Lei – Massa e Aceleração: “A aceleração de um corpo é
proporcional à magnitude das forças resultantes sobre ele e
inversamente proporcional à massa do corpo.”

CONCEITOS FUNDAMENTAIS EM
CINESIOLOGIA E BIOMECÂNICA

PRINCÍPIOS MECÂNICOS – CINÉTICA

ALAVANCAS: Barra rígida que gira em torno de um eixo (ponto fixo).
COMPONENTES:
• Barra – Pessoa ou partes do cropo;
• Eixo – Ponto de apoio ou fulcro;
• Força – Músculos;
• Resistência – Ação da gravidade e peso adicional.
• Braço de Força ou Movimento – Distância perpendicular do ponto de

aplicação da força ao eixo;
• Braço de Resistência ou Alavanca – Distância do ponto de aplicação ao

eixo.

 F R

BF BR

PONTO DE APOIO

CONCEITOS FUNDAMENTAIS EM
CINESIOLOGIA E BIOMECÂNICA

ALAVANCA DE 1ª CLASSE – INTERFIXA
• Eixo entre F e a R
• Ex: tesoura, cabeça, gangorra etc.

ALAVANCA DE 2ª CLASSE – INTER-RESISTENTE
• Resistência entre o E e a F
• Maior vantagem de força e BF = BR
• Ex: Carrinho de mão, chave de fenda e pé

ALAVANCA DE 3ª CLASSE – INTER-POTENTE
• Força entre o E e a R
• Ex: O corpo humano, cavando em pé,

remador
• Ex: Carrinho de mão, chave de fenda e pé

F R

E

R F

E

R F

E

CONCEITOS FUNDAMENTAIS EM
CINESIOLOGIA E BIOMECÂNICA

CINÉTICA
TORQUE:
• Produto da força vezes a distância perpendicular desde a sua linha

de ação até o eixo do movimento. Ex: Abrir porta emperrada.

PESO E CENTRO DE GRAVIDADE:
• Centro de gravidade é o ponto único de um corpo em torno do qual

cada partícula da sua massa está igualmente distribuída.
• Equilíbrio Estável – Centro de gravidade é deslocado, mas retorna

ao seu ponto fixo normal.
• Equilíbrio Instável – Centro de gravidade é deslocado, procura uma

posição nova fora do eixo e o corpo cai. Ex: Malabarista na corda.
• Equilíbrio Neutro – Centro gravidade é deslocado, permanece no

mesmo nível e o corpo não cai. Ex: Empurrar um cadeirante.

CONCEITOS FUNDAMENTAIS EM
CINESIOLOGIA E BIOMECÂNICA

CINÉTICA
BASE DE SUSTENTAÇÃO:
Onde o centro de gravidade move-se. A depender, estabiliza ou não o CG.
Isso depende:
• Da altura do CG com relação a BS;
• O tamanho da BS;
• A localização da LG dentro da BS;
• O peso do corpo.
PRESSÃO:
Unidade de força aplicada em uma área. Para diminuir a pressão

terapeuticamente são necessários:
• Diminuir a magnitude da F;
• Aumentar a área de aplicação;
• Diminuir o tempo de aplicação.

CONCEITOS FUNDAMENTAIS EM
CINESIOLOGIA E BIOMECÂNICA

CINÉTICA

POLIAS:
Usadas para mudar o sentido ou magnitude da força.
• Polia Fixa Única: Não oferece vantagem à F, mas muda sua

direção.
• Polia Móvel: Oferece vantagem à F, devido à distribuição do

peso.

FORÇA MUSCULAR:
• Quanto maior a distância perpendicular entra a linha de ação do

músculo e o centro articular ( distância do BF), maior o torque
produzido pelo músculo.

Insuficiência Passiva:
• Um músculo é alongado sobre duas ou mais articulações

simultaneamente, eles podem não permitir movimento adicional
pelo agonista. Ex: Flexão de quadril com joelho em extensão

Insuficiência Ativa:
• Fraca força contrátil muscular quando as sua fixações estão

próximas uma da outra e o músculo está tentando contrair-se na
porção inferior da sua curva de comprimento-tensão. Ex:
Preensão isométrica da mão com punho flexionado.

FISIOTERAPIA

PATOMECÂNICA

NEUROFUNCIONAL

MUSCULOESQUELÉTICO

CARDIORRESPÍRATÓRIO

DIAGNÓSTICO
CIÉTICO

FUNCIONAL

MOTRICIDADE
RETORNO ATIVIDADE
QUALIDADE DE VIDA

MODELO DE DISFUNÇÃO MUSCULOESQUELÉTICA

Tensão muscular

Infecção

Trauma físico

Imobilização

IRRITAÇÃO

DOR

TENSÃO MUSCULAR

EDEMA

INFLAMAÇÃO

REAÇÃO FIBROSANTE

•Alongamento muscular limitado

•Movimento articular restringido

•Limitação articular dos tendões

•Encurtamento fascial

CONTRATURA DO TECIDO MOLE

ALTERAÇÃO ESTÉTICA E ARTICULAR

ARTROCINEMÁTICA ALTERADA

OSTEOCINEMÁTICA ALTERADA

Alterações nos

mecanoceptores,

reflexos

mioartrocinéticos e

no comprimento e

direção da força

Inflamação, dor em tecidos

inervados e predisposição a

processos articulares

degenerativos

INCAPACIDADE FUNCIONAL

Isquemia tissular
interna

Retenção de
metabólitos

CINESIOTERAPIA

• CONCEITO:

– A arte de curar, utilizando todas as técnicas do movimento.

– Licht (1965) definiu exercício terapêutico como "movimento do
corpo ou das partes corporais para alívio de sintomas ou
melhorar a função".

– Chamou-se de ginástica médica

– A cinesioterapia não é um tratamento através do movimento,
mas o tratamento do movimento (Boris Dolto)

Kinêsia – Movimento

Therapéia - Tratamento

CINESIOTERAPIA

OBJETIVOS:

• Amplitude de Movimento

(ADM)

• Força Muscular

• Encurtamentos Musculares

• Capacidade Respiratória

TIPOS DE CINESIOTERAPIA:

• Passiva

• Ativa Assistida

• Ativa Livre

• Resistida

CINESIOTERAPIA

Toda motricidade recorre a três processos:

• Um neuropsicomotor de comando, de regulagem, de integração da
atividade muscular;

• Um bioquímico de alcance e de transformação de energia
mecânica;

• Um biomecânico de deslocamento ou de flexão dos elementos
esqueléticos em função das diferentes forças presentes.

CINESIOTERAPIA PASSIVA

 Mobilização de um segmento corporal produzido inteiramente por
uma força externa.

Força Externa = Mecânica / Fisioterapeuta/ Empuxo (água)

Indicações

• Avaliação do paciente

• Ensinar exercícios

• Pcte não apto a realizar movimentos ativos

CINESIOTERAPIA PASSIVA

 Uma mobilização articular passiva provoca a emissão de mensagens de

origem câpsulo-ligamentar que, tratadas no nível central, interagires.

Essas mensagens podem desempenhar um papel facilitador, ou inibidor

sobre a atividade de um músculo. Uma massagem, ou mais precisamente

uma mobilização dos tecidos da planta do pé, ricos de receptores

mecânicos, pode favorecer a ativação dos músculos dos membros

inferiores.

CINESIOTERAPIA PASSIVA