A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
4 pág.
Atividade da AD1 HPA I - 2015 2º - Gabarito

Pré-visualização | Página 1 de 2

Fundação Centro de Ciências e Educação Superior a Distância do Estado do Rio de Janeiro
Centro de Educação Superior a Distância do Estado do Rio de Janeiro
Avaliação a Distância – AD1 2015/2º
Disciplina: História do Pensamento Administrativo I – HPA I
Coordenadores: José Antônio de Souza Veiga e Marcelo Sobreiro
Gabarito
I) Com base nas aulas 1 a 5, preencha as lacunas das afirmativas abaixo. Cada questão desta atividade vale 0,2 ponto, totalizando 4,0 pontos.
Questão 1: É possível considerar Administração uma arte. Segundo Mary Parker Follet, Administração é a arte de conseguir fazer as coisas através das pessoas. Com base nesse pensamento, os administradores devem obter resultados a partir da capacidade (ou arte) de conferir direção e liderança às pessoas em uma organização. (Ver Aula 1 - pag. 11)
Questão 2: A qualidade de recursos usados para atingir um objetivo organizacional relaciona-se ao conceito de eficiência organizacional. Já eficácia organizacional é o grau no qual uma empresa alcança um objetivo estipulado. (Ver aula 1 – pag. 12).
Questão 3: Definidos os objetivos e metas e definida a organização do trabalho a ser realizado, o administrador deve exercer o comando por meio de um processo de liderança eficaz: criando um propósito comum, motivando as pessoas para o alto desempenho, criando um sentido de equipe.
(Ver aula 1 – pg 13)
Questão 4: O sistema de produção industrial, surgido nos séculos XVIII e XIX, diferia substancialmente do sistema tradicional. Neste, as fábricas se caracterizavam pelas relações escravagistas, com predominância do trabalho cativo, de tecnologias estacionárias (instrumentos rudimentares e ferramentas de uso comum) e, sobretudo, pela ausência da necessidade capitalista de expandir cada unidade de capital empregado. (Ver Aula 2 - pag. 35)
Questão 5: Na produção em massa, as mercadorias atingem um preço mais baixo e acessível à grande maioria da sociedade. Feitas em grandes quantidades, seu custo obrigatoriamente cai. As peças são feitas a máquina e padronizada, sendo todas iguais, pois seguem o mesmo processo de produção. Há grande economia de tempo, pois usa-se a linha de montagem, na qual o trabalho é fragmentado em tarefas dispostas em sequência. (Ver aula 2 – pag. 37)
Questão 6: A fábrica, essencialmente, é o local de reunião dos trabalhadores com o intuito de produzir algo. Na fábrica predominam a hierarquia, a disciplina, a vigilância e, sobretudo, o controle de tarefas e movimentos dos trabalhadores dispostos em sequência nas linhas de produção. A divisão do trabalho em setores, funções e posições tornou-se o conceito-chave para a indústria capitalista. (Ver Aula 2 - pag. 38)
Questão 7: Ao descrever o processo de trabalho de fabricação de alfinetes, Adam Smith criou o conceito de divisão de trabalho industrial. Conforme sua análise, o trabalho era dividido em diferentes tarefas atribuídas a diferentes trabalhadores: era o início do “trabalho parcelado” aplicado à produção industrial. (Ver Aula 3 - pag. 46)
Questão 8: O parcelamento do trabalho implicava a sua fragmentação em partes, decomposição em tarefas e sequenciação. Porém, com a evolução dos modelos administrativos e econômicos de produção, esse conceito acabou por ser reestruturado em conformidade com as novas necessidades do mercado. (Ver aula 3 - pag. 47)
Questão 9: Produzir e entregar produtos de alta qualidade e baixo custo, feitos sob medida para atender às necessidades e expectativas dos clientes é o conceito de customização em massa. Este conceito, foi abordado pela primeira vez em 1970, por Alvim Toffler, em seu livro O choque do Futuro e surgiu em resposta aos seguintes desafios:
a) o modelo de produção em massa mostrou-se inadequado porque não era capaz de atender às demandas e ao aumento das expectativas dos clientes no volume, qualidade e ritmos necessários.
b) houve o surgimento de novas tecnologias, como a informática, a robotização e a automação de processos.
c) houve também uma intensificação da competição no mercado consumidor, exigindo das empresas maior criatividade, agilidade e flexibilidade na gestão da produção e de seus negócios. (Ver Aula 3 - pag. 47)
Questão 10: Na produção artesanal, os produtos eram feitos um de cada vez, com a utilização de ferramentas manuais e com a valorização das habilidades dos profissionais. Contudo, na produção em massa, as máquinas representavam uma dualidade: ao mesmo tempo que propiciavam uma produção muito maior, sua aquisição representava um grande custo para o dono da fábrica. Logo, elas precisariam trabalhar a todo vapor para compensar o investimento em maquinário, e não poderia haver tempo ocioso. (Ver Aula 4 - pag. 56)
Questão 11: Ao desenvolver seu modelo, Taylor utilizou o conceito-chave de divisão do trabaho, já desenvolvido por Adam Smith. Criou princípios de gestão, tais como a ordem, a disciplina, a supervisão funcional e a racionalização do trabalho. (Ver aula 4 – pag. 57)
Questão 12: Baseado em suas crenças e valores sobre o trabalho e o trabalhador, Taylor desenvolveu uma verdadeira “ciência do trabalho” em substituição aos métodos empíricos vigentes à época. Seu plano de incentivo salarial, por exemplo, foi uma novidade. Utilizou incentivos monetários sob a forma de gratificações por aumento da produção, para motivar os trabalhadores. (Ver Aula 4 - pag. 57)
Questão 13: O modelo taylorista de gestão era voltado para a busca de soluções para o alto desperdício de materiais, matéria-prima e tempo, e para o baixo nível de produtividade dos trabalhadores daquela época. Como proposta de solução, Taylor concentrou-se na aplicação de métodos e técnicas de engenharia industrial com foco na análise e racionalização do trabalho. Os objetivos a serem alcançados eram a máxima produção e a minimização dos custos. (Ver Aula 4 - pag. 59)
Questão 14: Taylor analisou o trabalho em seus mínimos detalhes. Dividiu-o em tarefas e, para cada tarefa, estabeleceu os movimentos e seus respectivos tempos de execução. Com isso, chegou a um padrão ótimo de produção – “o dia ótimo de trabalho”, expresso em número de unidades produzidas. (Ver Aula 4 - pag. 65)
 
Questão 15: A principal crença de Taylor era o THE BEST WAY, a maneira certa de executar uma tarefa. E como descobrir a melhor forma de realizar uma tarefa? Para Taylor, analisando-a nos mínimos detalhes, primeiramente, dividindo-a em seus movimentos básicos e definindo os tempos mínimos de cada movimento. (Ver aula 4 – pag. 65). 
Questão 16: Fayol entendia a organização como a “montagem de uma estrutura humana e material para realizar o empreendimento”. Nesse aspecto, a estrutura administrativa e sua representação gráfica (organograma) ganham relevância no modelo fayolista. (Ver Aula 5 - pag. 78)
Questão 17: Através do controle, verificava-se o grau de acerto e desacerto (medidas de eficiência e eficácia) das atividades de planejamento (o grau de alcance dos objetivos e metas, de recursos estimados e consumidos), de organização (grau de precisão na alocação dos recursos disponíveis por área), de direção/comando (grau de desempenho dos gerentes) e do processo de coordenação (grau de inter-relação entre as áreas, funções e departamentos da empresa). (Ver Aula 5 - pag. 80)
Questão 18: Para Henry Fayol, o “trabalho do dirigente” consiste em tomar decisões, estabelecer metas, definir diretrizes e atribuir responsabilidades aos integrantes da organização, de modo que as atividades de planejar, organizar, comandar, coordenar e controlar estejam em sequência lógica. (Ver Aula 5 - pag. 81)
Questão 19: No corpo da administração de recursos humanos, Fayol foi também um precursor: pregava a remuneração justa, a estabilidade no emprego, a equidade, a iniciativa e o espírito de equipe. (Ver aula 5, pg 81)
Questão 20: No campo da motivação e liderança, Fayol era enfático ao afirmar que “o administrador obtinha o máximo de desempenho de seus subordinados através de suas qualidades de liderança, seu conhecimento da empresa e de