A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
781 pág.
Gabriel Dezen Junior - 4500 Questões Comentadas de Direito Constitucional - 14º Edição - Ano 2010

Pré-visualização | Página 7 de 50

no prazo dado à matéria.
2 2
Concurso Público: como sa prepara; como estudar, como Eazcr a prova
4. Ordem de prioridade: inicie a distribuição pelas matérias com as quais você 
tenha mais afinidade ou algum conhecimento. Dedique a elas o menorprazo po3sível. Vá . 
aumentando o prazo com a dificuldade e deixe as matérias que você nunca viu para o final
5. Aula x estudo próprio: algumas matérias admitem estudo por módulo, como 
as ciências exatas, em geral, História, Geografia e Português. Outras, contudo, aparente­
mente dão maiores resultados se abordadas em seqüência, cómo os Direitos. Se isso for 
verdade para você, faça o seu planejamento de estudos independentemente das aulas do 
curso de preparação. Nelas, você vai apenas tomar todas‘as notas possíveis e tirar todas 
as dúvidas. Fora de sala, volte ao cronograma inicialmente previsto, exceto nos casos de 
matérias, como dito acima, que admitam estudo fracionado. Cursos de preparação são 
fundamentais para quem não conhece a matéria. Estudar sozinho, na maioria dos casos, 
leva a resultados ínfimos.
6. Tempo diário: se você não trabalha, programe-se para estudar em dois períodos 
(não o do curso), como, por exemplo, cursinho de manhã, estudo próprio à tarde e à noite. 
Se você trabalha em um período, use o que sobra, fora o do curso. Se você trabalha em 
expediente integral, mesmo fazendo curso de preparação, alguns, ajustes de agenda podem 
dar-Lhe umas três horas por dia (por exemplo, uma hora no intervalo de almoço e duas 
após o seu curso, à noite), Não se esqueça de que quanto mais ocupado for o seu tempo, 
mais bem você tende a usá-lo. A prática mostra que alunos com agendas carregadas 
tendem a estudar com mais proveito que outros com o dia todo livre, os quais, em regra, 
não têm a disciplina necessária para gerenciar um espaço de meia hora. 0 ocupado que 
sabe gerenciar seu tempo o mede em minutos, o desocupado, em horas.
1. Sobras de tempo: ao longo do dia, inúmeras situações geram espera. Uma fila 
de banco, um ponto de ônibus, uma sala de espera em dentista ou médico. Tenha sempre 
consigo um livro, .uma apostila ou anotações e, sem medo da censura pública, use esse 
tempo para estudar. Se você, enquanto espera por alguma coisa, conseguir estudar duas 
ou três regras de crase, já terá evoluído. A utilização correta, efetiva, do tempo contribui 
muito para manter, a concentração e o foco nos estudos. De qualquer maneira, se você 
não dispSe de todo o tempo de que gostaria ou precisaria, use o tempo que tem com efe­
tividade e produtividade. Não comece a construir a teoria que iria explicar sua derrota 
no futuro (“não tive tempo suficiente”).
8. Disciplina: os pontos programados para cada dia precisara, necessariamente, 
ser vencidos. Não permita “furos” no seu cronograma, a não ser que isso seja absoluta­
mente inevitável. Tenha por premissa o respeito à sua programação.
9. Ambiente: estudo requer concentração, mas cada pessoa tem uma relação diversa 
com o ambiente de estudo, por ter diferentes níveis de concentração e mcomodação. 
Procure o que lhe seja ideal. Evite, contudo, lugares que não permitam a você ficar à 
vontade. Uma série de elementos (sono, calor, fome, frio, desconforto, dores de postura) 
influi na concentração. Veja o próximo ponto.
23
4500 QUESTÕES COMENTADAS 0E DIREITO CONSTFTUCiONAS.
10. Descanso: não aja contra o relógio. Oíbarpara ele e ter a satisfação de ver que 
estudou, sem interrupção, por seis, sete horas, é muito bom para contentar o ego e conter 
a pressão da consciência, mas, em termos de rendimento, não ajuda nada. Em média, uma 
pessoa não consegue manter a concentração e a produtividade, com assimilação, de um estudo 
por mais de quatro horas, Identifique o seu bloco de trabalho ideal e use-o. Nas jornadas 
longas (todo diapara quem não trabalha, ficais & semana e feriados, para os mais ocupados), 
não ultrapasse um bloco ideal de quatro horas. X>ê um intervalo de uns trinta minutos entoe 
um e outro bloco de trabalho e use-o para alimentação e para descanso. Importante: não 
tenha medo de dormir entre os blocos. O sono é reparador e restaura, soas energias para 
os próximos módulos de trabalho. Limite-o, contudo, a 15 ou 20 minutos. É-o bastante para 
assegurar um bom rendimento até o repouso noturno. Nuno Cobra escreveucerta vez que o 
coipo é sábio. Se você está sonolento, uma cochilada curta pode restaurar sua concentração 
nos estudos. Apropósito disso, cuidado com os estimulantes: guaraná em pó, cafe preto e uma 
longa série de estimulantes podem causar efeitos colaterais (o guaraná em pó,por exemplo, é 
vasoconstritor, o que pode contribuir para o endurecimento das artérias). Energéticos (como 
Red Buli, Flying Horse e outros) podem ser Consumidos, mas com moderação.
11. Alimentação: evite consumir alimentos pesados, cuja digestão exija muito 
do corpo. O õuxo de sangue nesse processo tende a ser maior, com maior estado de 
sonolência. Prefira, em intervalos, alimentação natural (frutas e sanduíches leves) e, nas 
refeições mais fortes, cames brancas.
12. Exercitamento: não descuide da sua parte física. A preparação intelectual pe­
sada pode levar o corpo, submetido ao siress, à exaustão se nâo houver uma compensação 
física. Se você tem o saudável hábito de praticar exercícios, mantenha-o, adaptando a 
frequência e o tempo ao seu cronograma de estudos. Se nâo, tente, entre os blocos de 
trabalho, fazer uma caminhada, pedalar ou fazer alguma outra atividade semelhante em 
dias alternados. Perceba que,.-se você estudar dias inteiros sem uma atividade física, 
terá tido um desgaste intelectual e emocional enorme, mas um desgaste físico mínimo, 
pois o corpo ficou em repouso. Ao longo dos dias, isso poderá ievá-lo à insônia, nâo 
conseguindo, assim, conciliar o sono, o que, obviamente, vai custar caro no dia seguinte.
IV - DA ABORDAGEM DA MATÉRIA
Basicameüte, você pode estudar fora de sala de aula: lendo; lendo e fazendo 
ressaltes no material de consulta; lendo e fazendo resumos no computador ou a punho.
Tente usar os três sistemas, para compensar o desgaste de um com a exigência 
nova de outro. Por exemplo, a leitura é mais confortável, mas a sonolência é maior, já 
a elaboração de resumos dá menor sonolência e mantém melhor a atenção, mas cansa 
o corpo (mão, braço, costas). Alterne um com o outro. Resolver exercícios é útil para 
fixar a matéria, mas, obviamente, essa etapa deve acontecer depois de um bom estudo 
da parte teórica.
24
Concurso Ktbiico: como se pttjwrst; cosoo estudar; «ano 6 ier a prova
V - DO USO DE RESUMOS E NOTAS
Seu instrumento finai de trabalho serão os resumos que foram elaborados ao longo 
da preparação. Para tanto, faça-os da maneira mais completa possível. Um resumo não 
é um apontamento incompleto, mas, apenas, sucinto, sem grandes explicações ou re­
missões teóricas. Elabore-os da maneira mais organizada possível, de forma a permitir 
uma rápida localização da matéria e um acesso claro e seguro à informação. Lembre-se: 
você vai usá-los, e muito, nos dias que antecedem a.prova.
VI - DA BIBLIOGRAFIA DE APOIO
Por melhor que seja o material do curso, para algumas matérias recomenda-se leitura 
extra, tanto pela própria iacompletude de algumas obras quanto pela necessidade da prova 
em sL Informe-se com os professores sobre leitura de apoio e use-a, sempre resumindo.
Repito: use o material integral (livro» apostila) o mínimo possíyel. Converta toda 
a parte importante em resumos completos e dedique atenção a eles.
Não se esqueça de que se você souber tudo o que está na apostila, saberá tanto 
quanto outros candidatos que a tenham trabalhado bem. Aproíunde-se, busque mais 
informações e elabore o seu diferencial.
V H -D A ESQÜEMÁTIZAÇÃO
Matérias jurídicas (Direito Constitucional, Direito Administrativo, leis, regimen­
tos, Códigos) não devem ser decoradas, corao já se disse anteriormente. A abordagem