A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
781 pág.
Gabriel Dezen Junior - 4500 Questões Comentadas de Direito Constitucional - 14º Edição - Ano 2010

Pré-visualização | Página 9 de 50

sob controle. A pressão que o relógio exerce sobre o candidato é enoime e tende a levar 
ao descontrole psicológico. Essa é a razão pela qual recomendamos que as questões 
resolvidas em cada matéria sejam imediatamente passadas para o gabarito. O que 
não está no cartão de respostas não existe, como também não vaie nada uma resolução 
correta na prova, mas erradamente lançada no cartão.
Antes de dar a prova por encerrada, certifique-se de que as matérias, ou grupos de 
matérias, que impõem um acerto mínimo foram bem enfrentadas. Se resolver a prova 
com sobra de tempo e ainda restarem questões pendentes, antes de tentar resolvê-las 
veja se você conhece a matéria. Nas provas em que há a anulação de respostas certas por 
erradas, não ê recomendável esse “polimento finai”, em razão da tentação do “chute”.
No caso de haver questão discursiva, a melhor estratégia é: comece aprova pela 
leitora da questão discursiva, não para responder logo, mas para saber qual é o tema. 
Faça um rápido rascunho da resposta, enumerando, com breves comentários, os itens 
que deverão ser percorridos. O rascunho é importante porque você está tranqüilo nesse 
momento, focado, e a resposta—se você souber a matéria - emergirá mais facilmente. Não 
finalize a resposta ainda, porque se você responder à questão nesse momento, poderá, ao 
longo das questões objetivas, encontrar ou se lembrar de um ponto que deveria ter sido 
abordado na discursiva, porém será tarde demais. Sabendo qual é o tema da discursiva, 
você poderá, enquanto responde às questões objetivas, ir colhendo elementos importantes 
para usar. Ao resolver a última questão da prova objetiva sobre a qual tenha certeza da 
resposta, volte à discursiva e a finalize, passando sua resposta ao formulário adequado. 
Feito isso, retome à prova objetiva, abordando, cuidadosa e serenamente, as questões 
que deixou para trás.
28
Concurso Publico; çotno se pttparat. como cstadar. coma faztra pfova
XI - COMENTÁRIO FINAL
Es3es breves comentários são passados a você com o 'único intuito de ajudar, de 
alguma forma, na sua preparação. É possível que nâo sirvam para cada, que não tenham 
nada a ver com o seu perfil ou a sua filosofia de vida.
Tomei a liberdade de fazer isso em virtude dos apelos de inúmeros alunos, que não 
conhecem o trabalho metódico de preparação, e também porque usei exatamente esse 
sistema nos concursos que prestei com excelentes resultados.
Espero que isso ajude você, de alguma maneira, a chegar onde merece.
Prof. Gabriel Dezen Junior 
Direito Constitucional
29
CONSTITUIÇÃO FEDERAL
TÍTULO I 
DOS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS
1. Não está entre os fundamentos da República, nos termos constitucionais:
a) a cidadania.
b) os valores sociais da livre iniciativa.
c) a dignidade da pessoa humana.
d) a privatividade da propriedade ao nacional.
2. Julgue as afirmativas.
I - A União não integra a divisão territorial dã República.
H — A indissolubiüdade do pacto federativo, que marca a Federação brasileira, decorre 
da adoção do modelo de estado confederativo.
IH - À Constituição restringe as hipóteses de democracia direta ao plebiscito e ao 
referendo.
IV-A soberania da República, enquanto fundamento da República, impede o trânsito 
de forças militares estrangeiras em território brasileiro.
a) Uma certa.
b) Duas certas.
c) Três certas.
d) Quatro certas.
e) Nenhuma certa,
3. ( ) Atos estatais contrários à forma republicana de estado admitem, nos termos
constitucionais, correção por intervenção federal.
4. ( ) A ação popolar é hipótese de democracia direta no modelo constitucional brasi­
leiro.
5. ( ) A iniciativa popular de leis, enquanto forma de expressão direta de poder pelo
povo, é hipótese restrita à esfera federal.
6. ( ) A atividade fiscalizatória é função típica e constitucional do Poder Legislativo.
7. ( ) Apenas o Congresso Nacional é detentor de competência para a fiscalização e
a investigação, não se reconhecendo ao demais Legislativos da República tal 
atribuição.
8. ( ) O Poder Legislativo, a exemplo do Poder Judiciário, no Brasil, é uno.
9. ( ) A tripartíção do poder éprincípio constitucional que se estende também às esferas
estaduais, distritais e municipais.
10. ( ) A redução das desigualdades sociais e regionais e a erradicação da pobreza, 
enquanto objetivos fundamentais da República, são considerados normas cons­
titucionais programáticas.
11. ( ) O regime constitucional para a República Federativa do Brasil admite a secessão 
ou separatismo.
12. { ) À forma de Estado da República brasileira é a coafederativa, por haver centra- 
. lização de poder em tomo da Capital Federal, sem autonomia regional.
13. { ) A República Federativa do Brasil é classificada como Estado democrático de 
direito.
14. ( ) Dignidade da pessoa humana e prevalência dos direitos humanos são fundamentos 
da República.
15. C ) A independência nacional é um fundamento da República, juntamente com a 
soberania e a cidadania.
16. ( ) São objetivos fundamentais da República, além do pluralismo político, construir
uma sociedade livre, justa e solidária e erradicar a pobreza.
17. ( ) Reduzir as desigualdades regionais é fundamento da República.
18. ( ) Segundo a Constituição, a Republica deverá atuar no sentido de promover o bem 
de todos, sem preconceito de qualquer espécie, principalmente de raça, sexo, cor 
e idade.
19. ( ) Os Poderes da União, Executivo, o Legislativo e o Judiciário, são independen­
tes e autônomos entre si e apresentam essa divisão tripartite mesmo no âmbito 
municipal.
20. ( ) A República Federativa do Brasil buscará a integração econômica, política, social 
e cultural dos povos da América do Sul, visando à formação de uma comunidade 
sul-americana de nações.
4500 QUESTÕES COMEWtAOAS QE DIREfTO CONSTITUCIONAL
32
Tanto I—Dos Princípios Fundamtotiis
21. ( ) A Constituição brasileira define a República Federativa do Biasil como união
indissolúvel. Pode-se afirmar que essa indissolubilidade é uma das características 
do estado federal que o separa do estado confederai.
22. ( ) A divisão territorial ou espacial da República é composta pela União, pelos
Estados, pelo Distrito Federal e pelos Municípios, sendo que a existência de 
Territórios só é admitida no âmbito da União.
23. ( ) A Constituição identifica a dignidade da pessoa humana como um dos fundamen­
tos da República, e, nessa concepção, inclusive os estrangeiros no Brasil estão 
incluídos nessa proteção.
24. ( ) A Constituição brasüeira atual não prevê a possibilidade de exercício direto de
poder pelo povo, ficando esse encargo atribuído aos representantes eleitos.
25. ( ) Povo e população são conceitos de mesmo significado e conteúdo.
26. ( ) O modelo brasileiro de divisão de poderes nâo prevê o sistema de freios e con­
trapesos,
27. ( ) A Constituição não reconhece a existência de desigualdades regionais no Brasil.
28. ( } Nos termos constitucionais, a concessão de asilo político é direito líquido e certo
do estrangeiro sob perseguição política de outro País.
29. ( ) A igualdade entre os Estados é criação da atual Constituição brasileira, não sendo
encontráveis, no Direito Internacional, notas de sua concepção e existência até 
•a data de promulgação da Carta Magna do Brasil.
30. ( ) O Direito Internacional não reconhece fonuas judiciais de solução de conflitos,
tendo como único instrumento a essa finalidade a ação diplomática.
31. ( ) As definições conceituais para asilo diplomático neutro e para asilo diplomático
territorial são iguais.
Cjabamo
1. Letra d, A propriedade, no Brasil, nâo é privativa do brasileiro, a teor do art 5o, XXU, 
Além disso, o regramento da propriedade urbana (arts. 182 e 183) e dapropriedade.rural 
(arts. 184 a 291) não contém qualquer dispositivo impondo essa exclusividade. Os demais 
fundamentos estão elencados no art Io.
4500 QUESTÕES COMENTADAS