A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
150 pág.
queijos nacionais

Pré-visualização | Página 15 de 45

E
/
E
S
P
M
4
8
Tabela 13 – Produtos que descartaria em caso de aperto financeiro
Bolachas 31%
Carnes 28%
Refrigerantes 22%
Doces/Chocolates 18%
Iogurtes/Bebidas Lácteas 16%
Queijos 12%
Enlatados 11%
Macarrão 10%
Sobremesas Prontas 8%
BASE (total da amostra) 2136
Fonte: TOLEDO & ASSOCIADOS, 2006.
4.5. Consumo Per Capita
Comparativamente a outros países, o Brasil é um dos que apresenta índices mais baixos 
de consumo per	capita de queijos. Além do hábito alimentar, a quantidade consumida está 
diretamente relacionada ao baixo poder de compra de boa parte da população brasileira. 
Tabela 14 – Consumo per capita de queijo (em kg/habitante/ano)
Países
kg/habitante/ano
2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 (*)
AMÉRICA DO NORTE 26,2 26,3 27,1 26,7 26,1 26,5 26,8
Canadá•	 10,7 10,6 11,2 10,8 9,8 9,9 9,9
Estados Unidos•	 13,6 13,7 13,9 13,9 14,3 14,5 14,8
México•	 1,9 2,0 2,0 2,0 2,0 2,1 2,1
AMÉRICA DO SUL 14,2 13,7 11,8 10,5 11,1 11,4 11,6
Argentina•	 11,6 11,1 9,1 8,0 8,6 8,8 9,0
Brasil•	 2,6 2,6 2,7 2,5 2,5 2,6 2,6
UNIÃO EUROPÉIA (**) 12,2 12,2 12,3 12,5 13,2 13,4 13,5
EUROPA ORIENTAL 4,1 4,0 3,9 1,0 1,1 1,2 1,3
Romênia•	 4,1 4,0 3,9 1,0 1,1 1,2 1,3
4
9
q
u
e
ijo
s 
n
ac
io
n
ai
s 
– 
le
it
e
 e
 d
e
ri
va
d
o
s
Países
kg/habitante/ano
2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 (*)
Ex-URSS 3,0 4,2 5,2 5,7 6,5 7,3 7,5
Rússia•	 1,9 2,7 3,2 3,4 3,7 3,9 4,0
Ucrânia•	 1,1 1,5 2,0 2,3 2,8 3,4 3,5
ÁFRICA 5,6 5,6 6,4 7,2 7,1 7,1 7,0
Argélia•	 n.d. n.d. 0,8 1,1 1,1 1,1 1,1
Egito•	 5,6 5,6 5,6 6,1 6,0 6,0 5,9
ÁSIA 3,2 3,4 3,6 3,7 4,1 4,2 4,3
Coréia do Sul•	 0,9 1,1 1,1 1,2 1,3 1,4 1,4
Filipinas•	 n.d. n.d. 0,1 0,1 0,1 0,1 0,1
Japão•	 1,9 1,9 1,9 1,8 2,0 2,0 1,9
Taiwan•	 0,4 0,4 0,5 0,6 0,7 0,7 0,9
OCEANIA 16,4 16,5 18,7 18,8 18,5 18,1 18,0
Austrália•	 10,4 10,6 11,5 11,7 11,5 11,2 11,1
Nova Zelândia•	 6,0 5,9 7,2 7,1 7,0 6,9 6,9
Fonte: USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos), atualizado em jun. 2006. Nota: (*) dados estimados; (**) a União 
Européia é composta por 25 países.
4.5.1. Tipos de Queijo Mais Consumidos20
Ao avaliar o consumo de queijo em função do tipo, identifica-se um mercado bastante con-
centrado, com apenas dois tipos respondendo por mais da metade do volume produzido: 
Mussarela e Prato.
Em relação ao consumo domiciliar, com base na Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) 
2002-200321 realizada pelo IBGE, os tipos de queijo mais consumidos são Minas, principal-
mente na Região Sudeste, e Mussarela, seguidos por Prato (com destaque para a região Sul) 
e Requeijão. O queijo Parmesão apresenta participação bem inferior, quando se considera 
o consumo domiciliar.
Faz-se necessário esclarecer que o Queijo Minas é um dos queijos com maior produção in-
formal e, portanto, seu volume nas estatísticas oficiais de produção de queijo é bem menor 
que a realidade. 
Conseqüentemente, quando se observa o consumo dentro do lar, o Queijo Minas tende a 
apresentar volumes maiores do que os registrados oficialmente. É o mais consumido no 
total dos domicílios brasileiros, numa proporção 20% superior ao queijo Mussarela (res-
pectivamente, 0,565 kg/ano e 0,469 kg/ano).
20 Fonte: Diagnóstico da Pecuária Leiteira do Estado de Minas Gerais – 2005
21 Fonte: IBGE. Pesquisa de orçamentos familiares (POF) 2002-2003
E
S
T
U
D
O
S
 
D
E
 
M
E
R
C
A
D
O
 
S
E
B
R
A
E
/
E
S
P
M
5
0
A Mussarela, por sua vez, além de muito utilizada pelo setor de food	service também é bas-
tante consumida no lar, seja em usos culinários (especialmente pizzas), seja em lanches, 
como recheio de sanduíches.
Ainda segundo dados da POF, as regiões Sudeste e Sul apresentam os maiores índices de 
consumo per capita de queijos no domicílio, respectivamente, 2,8 kg/ano e 2,4 kg / ano.
Tabela 15 – Aquisição domiciliar per capita anual (kg) de queijos – 2002-2003
BR N NE SE S CO
Total Queijos e Requeijão 2,045 0,676 1,140 2,812 2,473 1,595
Queijo Minas 0,565 0,125 0,523 0,833 0,134 0,491
Queijo Mussarela 0,469 0,182 0,172 0,726 0,461 0,430
Queijo Parmesão 0,058 0,014 0,028 0,087 0,064 0,046
Queijo Prato 0,362 0,140 0,166 0,371 0,939 0,124
Requeijão 0,259 0,056 0,117 0,425 0,175 0,222
Outros s/ especificar 0,331 0,155 0,134 0,371 0,700 0,283
Fonte: IBGE. POF 2002/2003.
Assim, vale reforçar que dois fatores ajudam a entender as diferenças nos volumes e/ou 
proporções, quando se compara a produção e o consumo por tipo de queijo:
No total comprado ou consumido no domicilio estão inclusos (embora não discrimina-•	
dos) queijos artesanais ou informais (predominantemente queijos brancos – Minas).
A mussarela é muito utilizada pelo canal •	 food	service, principalmente pelas pizzarias.
4.5.1.1. Segmento Light 
O segmento de queijos light, com teor de gordura reduzido, vem sendo trabalhado pelos 
principais fabricantes do setor, acompanhando forte e crescente tendência do mercado ali-
mentar de valorização de produtos mais saudáveis e leves.
Assim, podem-se identificar várias versões de produtos light comercializados, conforme 
exemplos a seguir, em complemento ao portfólio dos fabricantes: 
Polenghi:•	 Polenguinho Light
Sandwich-in	Light	Cheddar
Sandwich-in	Light Prato
Cream	Cheese Light 
Frescatino Queijo Minas 0% de Gordura
Queijo Minas Light
5
1
q
u
e
ijo
s 
n
ac
io
n
ai
s 
– 
le
it
e
 e
 d
e
ri
va
d
o
s
Tirolez: •	 Mussarela Light
Prato Light
Requeijão Culinário
Cottage
Ricota
Danúbio•	 : Requeijão Cremoso Light
Queijo Minas Frescal Light
Cream	Cheese Light
Poços de Caldas:•	 Requeijão Light 
Keijobom: •	 Queijo Minas Fresco Light 
Quatá: •	 Queijo Minas Light Ultrafiltrado
Kraft Foods•	 : Philadelphia: Cream	Cheese Light
4.6. Tendências de consumo
A partir de diversas fontes consultadas para o desenvolvimento desse estudo, foram 
detectadas importantes tendências que podem ser aplicadas ao mercado de queijos, 
quais sejam:
Valorização de produtos que apresentem apelo como •	 saudáveis;
Aumento do consumo de produtos com baixos teores de gordura e açúcar;•	
Busca de produtos que propiciem prazer sensorial (sabor); •	
Diminuição do tempo disponível para o preparo das refeições; •	
Pouco tempo para dedicar à alimentação, favorecendo a portabilidade dos alimentos; •	
Aumento no hábito de comer fora de casa (não apenas por lazer, mas devido à distância •	
trabalho/escola/casa); 
Aumento do consumo de alimentos prontos ou semi-prontos; •	
Valorização dos alimentos com apelos funcionais, ou seja, que apresentem atributos •	
ligados a questões nutricionais e de saudabilidade;
Aumento do uso culinário do queijo;•	
Valorização de produtos naturais que remetam ao campo e à fazenda;•	
Envelhecimento da população e aumento da oferta de alimentos adequados a •	
este público.
E
S
T
U
D
O
S
 
D
E
 
M
E
R
C
A
D
O
 
S
E
B
R
A
E
/
E
S
P
M
5
2
Tabela 16 – Tempo empregado no preparo das refeições.
Ano
Mulheres
na PEA* (%)
Tempo gasto no 
preparo das 
refeições
Gastos com Alimentação (%)
Dentro de casa Fora de casa
1971 23 2 horas 92,5 7,5
2001 42 15 minutos 87,0 13,0
2003 43 15 minutos 86,6 13,9
Fonte: IBGE/FIPE. Nota: (*) PEA: população economicamente ativa
Gráfico 12 – Despesa com alimentação fora do lar (% em relação ao gasto total com alimentação) – 2003 
Alimentação 
Total 
Almoço, jantar Bebidas, Sucos Lanches Lanches, 
salgados 
Agregados, 
outros 
Café, leite 
24,0 10,0 5,5 3,8 2,4 1,8 0,5 
 
0
5
10
15
20
25 24,0%
10,0%
5,5%
3,8%
2,4% 1,8%
0,5%
A
lim
en
ta
çã
o
A
lm
o
ço
, 
ja
n
ta
B