A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
914 pág.
Manual de Licitações e Contratos do TCU - 4 Edição - 2011

Pré-visualização | Página 19 de 50

e assim •	
sucessivamente até o recebimento da melhor cotação;
não serão aceitos dois ou mais lances de valores iguais;•	
quando for o caso, o valor mínimo admissível para lances e o tempo máximo de •	
intervalo entre eles devem ser definidos antes do início da fase de lances;
lance pode ser verbal no pregão presencial, ou eletrônico, via internet, no •	
pregão eletrônico;
no pregão presencial, o licitante só pode oferecer lance menor do que o •	
último cotado pelos demais participantes, ou seja, deve sempre cobrir a oferta 
do concorrente; no pregão eletrônico, o lance poderá ser inferior ao último 
ofertado pelo próprio licitante, registrado no sistema;
no pregão presencial, prevalece o último lance recebido; no eletrônico, o •	
primeiro recebido e registrado no sistema;
no pregão presencial, a etapa de lances é encerrada, se não houver mais •	
licitante disposto a cobrir preço do concorrente; no eletrônico, aleatoriamente 
pelo sistema, após decisão do pregoeiro;
no pregão eletrônico, o licitante é informado em tempo real do recebimento •	
e do valor do respectivo lance, bem assim do menor lance consignado no 
sistema;
no pregão eletrônico, o sistema encaminhará aviso de fechamento iminente •	
dos lances, após o que transcorrerá período de tempo de até 30 (trinta) 
minutos, aleatoriamente determinado, findo o qual será automaticamente 
encerrada a recepção de lances.
No pregão presencial, é necessária a presença do 
licitante ou do representante legal, credenciado, para o 
oferecimento de lances verbais. 
 
No pregão eletrônico, o licitante credenciado, portador 
de chave de identificação e de senha pessoal, 
poderá registrar lances de qualquer parte do País.
Tribunal de Contas da União
74
Lances apresentados e levados em consideração para efeito de julgamento 
serão de exclusiva e total responsabilidade do licitante, não lhe cabendo o direito 
de pleitear qualquer alteração.
Será levada para fase de lances somente a 
proposta que estiver em total conformidade com o 
edital, isto é, aquela previamente classificada.
DELIBERAÇÕES DO TCU
No pregão presencial, quando não houver pelo menos três licitantes 
classificados na primeira etapa, o pregoeiro deve classificar para os lances 
verbais o autor do menor preço e os autores dos dois menores preços 
subseqüentes, independentemente dos valores por eles propostos.
Acórdão 1633/2007 Plenário (Sumário)
Cabe, no pregão, a verificação da conformidade das propostas com os 
requisitos estabelecidos no edital logo após a sua abertura, antes da fase de 
lances, devendo-se desclassificar aquelas que apresentem falhas relevantes 
mediante decisão motivada do pregoeiro.
Acórdão 539/2007 Plenário (Sumário)
Observe, no que tange à base temporal de preços a ser considerada para fins 
de registro de proposta, bem assim para eventuais lances, os dispositivos 
e condições insertos no edital, em atenção ao princípio da vinculação ao 
instrumento convocatório referido no art. 3º, caput, da Lei nº 8.666/1993.
Acórdão 1237/2008 Plenário
Sobre a aceitação de lances em base mensal (letra C), assim dispõe o item 8.3 
do edital (fl. 27, v. p.):
“8.3. A classificação das propostas será pelo critério de menor preço 
global anual do item e levará em consideração para a aceitabilidade da 
proposta os preços de referência constantes do Apêndice I do Termo de 
Referência - Anexo I deste Edital”.
75
Licitações e Contratos - Orientações e Jurisprudência do TCU
Iniciada a sessão pública, entendeu o pregoeiro aplicar o disposto no art. 5º 
do Decreto nº 5.450, de 2005, que “regulamenta o pregão, na forma eletrônica, 
para aquisição de bens e serviços comuns, e dá outras providências”, verbis:
“Art. 5º A licitação na modalidade de pregão é condicionada aos princípios 
básicos da legalidade, impessoalidade, moralidade, igualdade, publicidade, 
eficiência, probidade administrativa, vinculação ao instrumento 
convocatório e do julgamento objetivo, bem assim aos princípios 
correlatos da razoabilidade, competitividade e proporcionalidade.
Parágrafo único. As normas disciplinadoras da licitação serão sempre 
interpretadas em favor da ampliação da disputa entre os interessados, 
desde que não comprometam o interesse da administração, o princípio 
da isonomia, a finalidade e a segurança da contratação.”
Assim, resolveu não desclassificar as propostas que cotaram valor mensal ao 
invés de anual, esclarecendo aos licitantes (em tempo real, via chat) que ao 
final da fase de lances os valores seriam ajustados para a base anual. Em que 
pese a preocupação (...) em ampliar a competitividade do certame, na realidade 
isso não ocorreu, tendo em vista uma particularidade do Sistema Comprasnet 
- Portal de Compras do Governo Federal, que apenas disponibiliza os cinco 
melhores lances ofertados pelas empresas. Dessa forma, para o sistema, os 
lances mensais, matematicamente menores que os lances anuais, eram sempre 
os mais vantajosos para a Administração.
Acórdão 1237/2008 Plenário (Voto do Ministro Relator)
Com o objetivo de proporcionar exata compreensão da matéria e dar a devida 
sustentação aos argumentos, reproduzo a seguir ensinamento de Joel de 
Menezes Niebuhr, em sua obra “Pregão Presencial e Eletrônico”, pág. 132:
“Como visto, a Lei nº 10.520/2002 estabelece dois critérios sucessivos 
para apurar quais são os licitantes que se classificam para a segunda 
fase do julgamento, consistente na disputa através dos lances verbais. 
Em primeiro lugar, classificam-se para os lances verbais todos os licitantes 
cujos preços não forem superiores a 10% (dez por cento) do menor preço 
proposto. Se não houver três licitantes nesta condição, incluindo já o autor 
do menor preço, então o pregoeiro deve classificar para os lances verbais o 
autor do menor preço e os autores dos dois menores preços subseqüentes, 
independentemente dos valores propostos por eles. Essa sistemática visa 
a incrementar a competitividade, fazendo com que, em regra, haja, no 
mínimo, três licitantes participando da parte do julgamento tocante aos 
lances verbais.” (Grifei.)
Acórdão 1633/2007 Plenário (Voto do Ministro Relator)
Tribunal de Contas da União
76
Observe o número mínimo de três interessados, na fase de lances orais do 
pregão, salvo limitação do mercado ou manifesto desinteresse, justificados 
na forma do art. 4º, incisos VIII e Ix, da Lei nº 10.520/2002, e do Acórdão 
1330/2005 Plenário.
Acórdão 645/2007 Plenário
Conforme se verifica, não há guarida na legislação aplicável à matéria para o 
procedimento adotado pelo recorrente, qual seja a limitação do número de 
lances em um pregão, por licitante. Benedicto de Tolosa Filho, expõe, com 
clareza, na obra intitulada “Pregão - uma nova modalidade de licitação”, que 
o pregoeiro selecionará a proposta de menor valor, tomada como parâmetro, 
e que as ofertas devem se dar, mediante lances verbais, partindo-se do 
licitante que oferecer o maior preço e sucessivamente, em valores distintos 
e decrescentes, “até que nenhuma outra oferta seja registrada” (Ed. Forense, 
pg. 54, 2003).
Acórdão 57/2004 Plenário (Voto do Ministro Relator)
No que diz respeito à adjudicação de item do pregão à interessada, os 
argumentos apresentados por seus representantes não lograram validar 
o procedimento recorrido. Pelo contrário, trazem, na verdade, subsídios 
tendentes a robustecer o entendimento de que o procedimento frustrou o 
caráter competitivo do certame. Ao contrário do manifestado, tem-se que a 
limitação dos lances prejudicou a apresentação de ofertas mais ‘relevantes’, 
‘factíveis’ e ‘agressivas’. Caso fosse permitido aos proponentes continuarem 
com seus lances, até o limite de suas capacidades de reduzirem os preços 
inicialmente cotados, estaria, aí sim, comprovado que a oferta vencedora 
preenche