A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
141 pág.
Apostila Verbas

Pré-visualização | Página 15 de 50

Verbas Trabalhistas _____ Verbas Trabalhistas _____ Verbas Trabalhistas _____ Verbas Trabalhistas ---- Dr. Francisco Ferreira Jorge NetoDr. Francisco Ferreira Jorge NetoDr. Francisco Ferreira Jorge NetoDr. Francisco Ferreira Jorge Neto 
Apostila de verbas trabalhistas v. 01.2014 
movimentação e manipulação de mercadorias e materiais e trabalhadores não-
especializados de minas e pedreiras; 
II - R$ 700,00 (setecentos reais), para os operadores de máquinas e implementos agrícolas 
e florestais, de máquinas da construção civil, de mineração e de cortar e lavrar madeira, 
classificadores de correspondência e carteiros, tintureiros, barbeiros, cabeleireiros, 
manicures e pedicures, dedetizadores, vendedores, trabalhadores de costura e estofadores, 
pedreiros, trabalhadores de preparação de alimentos e bebidas, de fabricação e confecção 
de papel e papelão, trabalhadores em serviços de proteção e segurança pessoal e 
patrimonial, trabalhadores de serviços de turismo e hospedagem, garçons, cobradores de 
transportes coletivos, "barmen", pintores, encanadores, soldadores, chapeadores, 
montadores de estruturas metálicas, vidreiros e ceramistas, fiandeiros, tecelões, tingidores, 
trabalhadores de curtimento, joalheiros, ourives, operadores de máquinas de escritório, 
datilógrafos, digitadores, telefonistas, operadores de telefone e de "telemarketing", 
atendentes e comissários de serviços de transporte de passageiros, trabalhadores de redes 
de energia e de telecomunicações, mestres e contramestres, marceneiros, trabalhadores em 
usinagem de metais, ajustadores mecânicos, montadores de máquinas, operadores de 
instalações de processamento químico e supervisores de produção e manutenção industrial; 
III - R$ 710,00 (setecentos e dez reais), para os administradores agropecuários e florestais, 
trabalhadores de serviços de higiene e saúde, chefes de serviços de transportes e de 
comunicações, supervisores de compras e de vendas, agentes técnicos em vendas e 
representantes comerciais, operadores de estação de rádio e de estação de televisão, de 
equipamentos de sonorização e de projeção cinematográfica e técnicos em eletrônica." (NR) 
 
5.2. Férias 
 
5.2.1. Conceito 
 
Por férias entende-se o direito do empregado de paralisar a prestação dos serviços 
por iniciativa do empregador, durante um certo número de dias em cada ano, com a percepção da 
remuneração, após ter adquirido o direito no decurso dos doze meses anteriores, a fim de lhe 
proporcionar a recuperação psíquica e física, além do convívio social. 
Toda pessoa tem direito ao descanso e à remuneração, especialmente a uma 
limitação racional das horas de trabalho e a férias remuneradas periódicas (art. 24, Declaração 
Universal dos Direitos do Homem). 
A Constituição prevê o descanso com, pelo menos, um terço a mais do que o salário 
normal (art. 7º, XVII, CF). 
A temática das férias é tratada nos arts. 129 a 153 da Consolidação das Leis do 
Trabalho , os quais devem ser aplicados de acordo com a Convenção n. 132 da Organização 
Internacional do Trabalho, cuja promulgação deu-se pelo Decreto n. 3.197, de 5 de outubro de 
1999, entrando em vigência no território nacional em 23 de setembro de 1999. 
 
5.2.2. Natureza jurídica 
 
A natureza jurídica das férias anuais remuneradas é dupla. 
O empregador possui duas obrigações: 
a) fazer, consentir o descanso do empregado durante o lapso temporal mínimo 
fixado por lei; 
b) dar, o pagamento dos salários equivalente ao repouso. 
_________________________________________________________________________________ Verbas Trabalhistas _____ Verbas Trabalhistas _____ Verbas Trabalhistas _____ Verbas Trabalhistas ---- Dr. Francisco Ferreira Jorge NetoDr. Francisco Ferreira Jorge NetoDr. Francisco Ferreira Jorge NetoDr. Francisco Ferreira Jorge Neto 
Apostila de verbas trabalhistas v. 01.2014 
Para o empregado, há o direito de exigir a concessão desse período de descanso do 
empregador, bem como a obrigação de não trabalhar durante o gozo das férias. 
O Estado tem o interesse em assegurar a saúde física e mental do trabalhador, 
impondo: a proibição de trabalho durante o descanso pelo empregado; o pagamento antecipado da 
remuneração por parte do empregador; a fixação do abono constitucional de um terço. 
Essas medidas impostas pelo Estado evidenciam o caráter compulsório das férias, 
como forma de propiciar ao trabalhador o efetivo gozo do descanso anual. 
 
5.2.3. Princípios 
 
O direito às férias anuais remuneradas possui cinco princípios básicos: 
1) anualidade - a cada doze meses de trabalho, adquire-se o direito às férias, 
as quais devem ser concedidas nos doze meses subsequentes; 
2) remunerabilidade - o lapso temporal correspondente ao descanso é 
remunerado, como ocorre com o repouso semanal remunerado; 
3) continuidade - o fracionamento da duração das férias sofre limitações por 
parte da legislação, para que o empregado possa gozar o maior número de dias de descanso; 
4) irrenunciabilidade - as férias existem para serem gozadas, não podendo ser 
objeto de transação, sob pena de nulidade (art. 9º, CLT), exceto quanto ao abono de férias (art. 143, 
CLT); 
5) proporcionalidade - no sentido amplo, a duração do descanso poderá ter 
reduções em função das ausências injustificadas do empregado durante o período aquisitivo, como 
também é assegurado ao empregado o direito ao pagamento proporcional do período aquisitivo 
incompleto em decorrência da extinção do contrato de trabalho 
 
5.2.4. Períodos: aquisitivo e concessivo. Duração. 
 
Período aquisitivo é o lapso correspondente a doze meses nos quais o empregado 
trabalha para adquirir as férias. 
Período concessivo é o período de doze meses subsequentes ao lapso aquisitivo em 
que o empregador deverá conceder as férias ao empregado. 
A cada novo período de doze meses − período aquisitivo -−, o empregado terá direito 
a usufruir um novo período de descanso anual (art. 129, CLT). 
Em função dessa assertiva, podemos afirmar que o segundo ano de contrato é 
concessivo para o gozo do primeiro descanso anual e aquisitivo para o segundo período de férias e 
assim sucessivamente. 
Se as férias são concedidas dentro do período concessivo, o empregado faz jus ao 
afastamento do trabalho com a percepção equivalente a trinta dias de remuneração. 
No caso do gozo das férias ocorrer fora do período concessivo, além da suspensão 
dos serviços com o pagamento da remuneração equivalente, o empregado fará jus à dobra (art. 137, 
CLT). 
_________________________________________________________________________________ Verbas Trabalhistas _____ Verbas Trabalhistas _____ Verbas Trabalhistas _____ Verbas Trabalhistas ---- Dr. Francisco Ferreira Jorge NetoDr. Francisco Ferreira Jorge NetoDr. Francisco Ferreira Jorge NetoDr. Francisco Ferreira Jorge Neto 
Apostila de verbas trabalhistas v. 01.2014 
Para a elucidação da importância do período aquisitivo, devemos examinar alguns 
outros conceitos: 
a) férias vencidas − são aquelas a que o empregado já adquiriu o direito, mas ainda 
não as gozou. Em caso da extinção do contrato, as férias vencidas são devidas de forma simples, se o 
período concessivo não houver expirado. Se houver a expiração, impõe-se o pagamento dobrado. 
b) férias em dobro − a remuneração das férias é devida em dobro, quando o 
empregador deixar de concedê-las no período concessivo (art. 137, CLT); 
c) férias proporcionais − como não se completou o respectivo período aquisitivo, as 
férias são devidas observando-se a proporção por mês de serviço ou fração superior a 14 dias. 
De acordo com a Súmula n. 7 do TST, 
 
 
 “a indenização pelo não deferimento das férias em tempo oportuno será 
calculada com base na remuneração devida ao empregado à época da 
reclamação ou, se for o caso, à da extinção do contrato.” 
 
As férias serão concedidas