A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
Fernando Rubin - Benefícios por Incapacidade no Regime Geral da Previdência Social (2014)

Pré-visualização | Página 44 de 50

de acidente comum (de qualquer natureza)” (MARTINS, Sérgio Pinto. Direito da seguridade social. 34. ed. São Paulo: Atlas, 2014, p. 446).
					
					
						57 NOVAES FILHO, Wladimir – organizador. Avaliação de incapacidade laborativa – benefícios previdenciários, normas técnicas. São Paulo: LTr, 1998, p. 105 e ss.
					
					
						58 APELAÇÃO CÍVEL. ACIDENTE DE TRABALHO. AÇÃO ACIDENTÁRIA. PRELIMINAR. REALIZAÇÃO DE NOVA PERÍCIA MÉDICA. DESNECESSIDADE. LAUDO QUE ESCLARECEU AS CIRCUNSTÃNCIAS RELEVANTES PARA O DESLINDE DO FEITO. CONCESSÃO DE AUXÍLIO-ACIDENTE. PAIR. SURDEZ OCUPACIONAL NÃO DEMONSTRADA. AUSENTE NEXO DE CAUSALIDADE. SENTENÇA MANTIDA. 1. PRELIMINAR: O profissional indicado para a realização da perícia médica pelo DMJ é especialista em otorrinolaringologia, portanto apto a emitir um parecer técnico capaz de viabilizar a tomada da solução justa e de forma segura. 2. AUXÍLIO-ACIDENTE: Inviável, no caso, conceder auxílio-acidente, pois não há prova do nexo de causalidade entre a redução auditiva do autor e sua atividade laboral. Como exige a lei – e o STJ –, para concessão do auxílio-acidente há que ter, embora não importe o grau, redução da capacidade para o trabalho, bem como a comprovação do nexo de causalidade entre a doença e a atividade laboral, o que, no caso, não restou demonstrado. PRELIMINAR REJEITADA E APELAÇÃO DESPROVIDA. (Apelação Cível nº 70057458705, Nona Câmara Cível, Tribunal de Justiça do RS, Relator: Eugênio Facchini Neto, Julgado em 31/01/2014).
					
					
						59 PREVIDENCIÁRIO E PROCESSO CIVIL. AUXÍLIO-ACIDENTE PRECEDIDO DE AUXÍLIO-DOENÇA. INTERESSE DE AGIR. PRÉVIO REQUERIMENTO ADMINISTRATIVO. DESNECESSIDADE. 1. Nos casos de concessão de auxílio-acidente em que o segurado já gozava de auxílio-doença (cessado sem a devida conversão em auxílio-acidente) é dispensado prévio requerimento administrativo, não havendo que se falar em falta de interesse de agir, pois configurada a pretensão resistida. 2. Sentença anulada, para o regular processamento da ação (TRF 4ª Região, 6ª Turma, Rel. Des. Néfi Cordeiro, Apelação Cível n° 5004977-97.2012.404.7107 D.E.; 27.09.2013).
					
					
						60 VIANNA, João Ernesto Aragonés. Curso de direito previdenciário. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2013, p. 558/562.
					
					
						61 APELAÇÃO CÍVEL. INSS. AÇÃO ACIDENTÁRIA. PROCESSO CIVIL. PRELIMINARES. CARÊNCIA DE AÇÃO POR FALTA DE INTERESSE DE AGIR. Não prospera a preliminar de falta interesse de agir sob argumento de ausência do esgotamento da via administrativa, pois iterativa a jurisprudência que entende prescindível de prévio pedido administrativo, como requisito do pedido do auxílio acidente. Precedentes. (...).DERAM PARCIAL PROVIMENTO AO APELO, CONFIRMANDO A SENTENÇA QUANTO AOS DEMAIS CAPÍTULOS EM REEXAME NECESSÁRIO. UNÂNIME. (Apelação Cível nº 70035324623, Nona Câmara Cível, Tribunal de Justiça do RS, Relator: Tasso Caubi Soares Delabary, Julgado em 21/07/2010).
					
				
			
		
	
	
		9788573501759b-22.html
		
	
	
		
			
				15. Referências bibliográficas
				ALENCAR, Hermes Arrais. Cálculo de benefícios previdenciários – Regime Geral de Previdência Social. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2013.
				ALVARO DE OLIVEIRA, Carlos Alberto. Do formalismo no processo civil. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 2003.
				——. O formalismo-valorativo no confronto com o formalismo excessivo. In: Revista de Processo n° 137 (2006):7/31.
				——. MITIDIERO, Daniel. Curso de processo civil, Vol. 2. São Paulo: Atlas, 2012.
				ALVIM, Arruda. Lei n° 11.280, de 16.02.2006: análise dos arts. 112, 114 e 305 do CPC e do § 5° do art. 219 do CPC. In: Revista de Processo n° 143 (2007): 13/25.
				AMENDOEIRA JR., Sidnei. Manual de processo civil – vol. 1. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 2012.
				ANDRADE, Érico. A prescrição das pretensões de acidente de trabalho, o Novo Código Civil e a Emenda Constitucional n° 45/2004. In: Repertório de Jurisprudência IOB, n° 4 (2007): 108/114, Vol. II – Trabalhista e Previdenciário.
				ARRUDA. Maria da Glória Chagas. A previdência privada aberta como relação de consumo. São Paulo: LTr, 2004.
				ASSIS, Araken de. Manual de execução. 13. ed. São Paulo: RT, 2010.
				BALBI, Celso Edoardo. La decadenza nel processo di cognizione. Milão: Giuffrè, 1983.
				BALERA, Wagner (org.). Comentários à lei de previdência privada: LC 109/2001. São Paulo: Quartier Latin, 2005.
				——. MUSSI, Cristiane Miziara. Direito Previdenciário. 9. ed. São Paulo: Método, 2012.
				BARBOSA GARCIA, Gustavo Filipe. Acidentes de trabalho: doenças ocupacionais e nexo técnico epidemiológico. 4. ed. São Paulo: Método, 2011.
				——. Curso de direito do trabalho. 4. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2010.
				——. Curso de direito processual do trabalho. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2012.
				——. Prescrição de ofício: da crítica ao direito legislado à interpretação da norma jurídica em vigor. In: Revista de Processo n° 145 (2007): 163/172.
				BARBOSA MOREIRA, J. C. O novo processo civil brasileiro. 24. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2006.
				——. La igualdad de las partes en el proceso civil. In: Temas de Direito Processual (Quarta Série). São Paulo: Saraiva, 1989, p. 67/81.
				BARETTA, Valdir Cezar; BARETTA JR., Valdir Cezar. Reabilitação profissional no CRP-Florianópolis. Extraído do Repositório UFSC: <https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/105001/REABILITA%C3%87%C3%83O%20PROFISSIONAL%20NO%20CRP-FPOLIS.pdf?sequence=1>. Acesso em 02.02.2014.
				BEDAQUE, José Roberto dos Santos. Poderes instrutórios do juiz. 3. ed. São Paulo: RT, 2001.
				BERNARDO, Leandro Ferreira; FRACALOSSI, William. Direito previdenciário na visão dos tribunais. São Paulo: Método, 2009.
				BERWANGER, Jane Lucia Wilhelm. Previdência rural – Inclusão social. 2. ed. Curitiba: Juruá, 2011.
				——. FORTES, Simone Barbisan (coords.). Previdência do trabalhador rural em debate. Curitiba: Juruá, 2009.
				BOMFIM, Vinícius Neves. A estabilidade acidentária do trabalhador aposentado. Extraído do site Migalhas <http://www.migalhas.com.br/dePeso/16,MI102993,91041-A+estabilidade+acidentaria+do+trabalhador+aposentado>. Acesso em 10.02.2014.
				BOTELHO, Guilherme. Direito ao processo qualificado. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2010.
				BRANDÃO, Cláudio. Acidente do trabalho e responsabilidade civil do empregador. 2. ed. São Paulo: LTr., 2006.
				——. Acidentes do trabalho – competência para julgamento da ação regressiva, decorrente de culpa do empregador. Revista LTr. 74-5/553 Vol. 74, n. 05, Maio de 2010.
				BUZAID, Alfredo. Linhas fundamentais do sistema do código de processo civil brasileiro. In: Estudos e pareceres de direito processual civil. Notas de Ada Pellegrini Grinover e Flávio Luiz Yarshell. São Paulo: RT, 2002, p. 31/48.
				CÂMARA LEAL, Antônio Luís da. Da Prescrição e da Decadência. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense, 1959.
				CAMBI, Eduardo. A prova civil: admissibilidade e relevância. São Paulo: RT, 2006.
				CAPPELLETTI, Mauro. La testemonianza della parte nel sistema dell’oralità. Milão: Giuffrè, 1ª Parte, 1962.
				——. Problemas de reforma do processo civil nas sociedades contemporâneas. In: O processo Civil Contemporâneo. Luiz Guilherme Marinoni (org.). Curitiba: Juruá, 1994.
				CARNEIRO, Osvanor Gomes. O direito do segurado a reabilitação profissional. In: Âmbito Jurídico, Rio Grande, XV, n. 101, jun 2012. Disponível em: <http://www.ambito-juridico.com.br/site/?n_link=revista_artigos_leitura&artigo_id=11662>. Acesso em fev 2014.
				CAVALIERI FILHO, Sérgio. Programa de direito do consumidor. São Paulo: Atlas, 2008.
				COIMBRA, J.R. Feijó. Acidentes de trabalho e moléstias profissionais. Rio de Janeiro: Edições trabalhistas, 1990.
				COSTA, Hertz J. Acidentes de trabalho na atualidade. Porto Alegre: Síntese, 2003.
				——. Auxílio-Acidente. Extraído do site