A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
431 pág.
Daniel Pulino - Previdência Complementar - Ano 2011

Pré-visualização | Página 29 de 50

i d ê n c i a S o c i a l .
§ 2 " Q u a n d o o p a g a m e n t o d o s a l á r i o n ã o f o r m e n s a l , o s a l á r i o - f a m í l i a s e r á p a g o j u n t a m e n t e 
c o m o ú l t i m o p a g a m e n t o r e l a t i v o a o m ê s .
A r i . 7 2 . O s a l á r i o - m a t e r n i d a d e p a r a a s e g u r a d a e m p r e g a d a o u t r a b a l h a d o r a a v u l s a c o n s i s t i r á 
n u m a r e n d a m e n s a l i g u a l a s u a r e m u n e r a ç ã o i n t e g r a l .
<> 1 ° C a b e à empresa p a g a r o s a l á r i o - m a t e r n i d a d e d e v i d o à respectiva empregada g e s t a n t e , 
e f e t i v a n d o - s e a c o m p e n s a ç ã o , o b s e r v a d o o d i s p o s t o n o a r t . 2 4 8 d a C o n s t i t u i ç ã o F e d e r a l , 
q u a n d o d o r e c o l h i m e n t o d a s c o n t r i b u i ç õ e s i n c i d e n t e s s o b r e a f o l h a d e s a l á r i o s e d e m a i s 
r e n d i m e n t o s p a g o s o u c r e d i t a d o s , a q u a l q u e r t í t u l o , à p e s s o a f í s i c a q u e l h e p r e s t e s e r v i ç o . 
( K e d a ç à o d a d a p e l a L e i n . 1 0 . 7 1 0 . d e 5 . 8 . 2 0 0 3 Í 69.
<>•) "Air ii l in u le I o pagamento do benefício era efetuado pcln empiemi, .1 i|ti.il lu/tu o m crio de contas na guia 
d r i n o lh lm cnto dn previdência, á semelhança do salário I un 1II l.i < .1111 ,i I .'111 '< l i / f ./■)’), o pagamento passou a ser 
Irllo , 1111I1 iiincnle, pelo INSS. À época, a única p«»sslhtll<l.uI. . li 1 • ■.tilin e n lu *1. 1 l.ru c ll. Io diretam ente na empresa 
m t Iu m fd liiiiW '« onvâuto desta com o INSS. Contudo, 1 u**.l>i sIIu im , ,in , ml.. Ii.i <il<itl!niriiln cm gula de recolhim ento - 
im IIiiIic Iio r ic jM v.m lo d lir l.u n n ilc pelo INSS i"i f l l ip i1 "i \ I < 111 in 'i i l , .1* ns «li ,igtmlo d r .MKM, velo a corrigir
• ',tr e q u lv o i o , l i . r / r n d o novamente ít e i n p i c i , i n u h l Ig i i lm I . . 1 •«. i * 1 p >1 .....11I1. .In hri*' I I . to tl segurado empregada
gf",l.tnlr i 'jin tcgrii vtgu ii i piii il tülloN ir. Iiruetti lo s 1 i*i|ii*»I. I.> , | 1111 a , I d i M'lrnthl'n d r . '00 1, ulud ll i | i lr
u
- PARTE I: S istem a de S e g u ridade Social -
§ 2° A empresa deverá conservar durante 10 (dez) anos os comprovantes dos pagamentos e os 
atestados correspondentes para exame pela fiscalização da Previdência Social. (Incluído pela 
Lei n. 10.710. de 5.8.2003).
§ 3o O salário-maternidade devido à trabalhadora avulsa será pago diretamente pela 
Previdência Social.
Como se vê da leitura dessas disposições legais, as prestações são concedidas 
e materialmente entregues, no caso de segurados empregados, não pela autarquia 
previdenciária incumbida da administração do regime geral de previdência social -
o INSS, Instituto Nacional do Seguro Social - , mas, diretamente, pelas empresas a 
que se acham vinculados aqueles segurados.
Tais empresas, contudo, não arcam com os custos desses benefícios, que 
continuam a constituir encargos de toda a coletividade, pois, para viabilizar a ope­
ração de pagamento dessas prestações previdenciárias pelos empregadores, a lei 
estabelece um mecanismo de pronto ressarcimento, segundo o qual aqueles sujei­
tos (empresas) podem deduzir os valores das cotas pagas a título de salário-família 
e salário-maternidade a seus empregados no ato de recolhimento da contribuição 
previdenciária incidente sobre a folha de pagamentos do mês correspondente ao do 
pagamento daqueles benefícios. De se observar, também, que todos os requisitos 
legais para a concessão dessas prestações são dados pela lei, inexistindo qualquer 
margem de negociação privada entre empregados e empregadores.
Em suma, a empresa exerce, verdadeiramente, função pública corresponden­
te ao exercício de um serviço público, pois age, nesses casos, em nome próprio, mas 
por conta do sistema público de previdência social e no interesse exclusivo de toda 
a coletividade, cabendo observar que toda a disciplina de concessão e pagamento 
de salário-família ou salário-maternidade para segurados empregados pelos res­
pectivos empregadores, bem como a de pronto ressarcimento dos custos corres­
pondentes - prazos, forma de comprovação (tanto da situação de ocorrência das 
contingências sociais que dão direito aos benefícios, pelos segurados, quanto dos 
pagamentos das prestações, pelos empregadores), valores, responsabilidades etc. -, 
é dada por regras de direito público, sob regime de estrita legalidade.
Está-se, então, diante de casos de concessão de benefícios de previdência 
social oficial por sujeitos particulares, investidos, por lei, de competência para pra­
ticá-la, sob regras de direito administrativo, daí sendo correto entender essa ativi­
dade dentro de uma concepção de prestação de serviço público.
Vistas as duas primeiras situações acima enunciadas, é hora de observar que
o mesmo fenômeno se passa com relação aos convênios firmados pela Previdência 
Social, embora, nestes casos, o exercício de função pública - consistente na outor-
os afastamentos tenham sitio anteriores. Contudo, para as dem ais seguradas, inclusive a empregada adotante, o 
INSS continua com o únlia lonle de pagamento do benefício, salvo a existência de convênio." (IMKAIIIM, Pablo 
Zambllte. ('urso </<• diirllo /«mt/i/cmi hh /<» H lode Janeiro: Impelus, 2()()'>, p. '*'»(* '>'>7).
I ' l l l VIH I N l IA l l >MI‘ I I M l N IA li n M l l i « / « ........................... ......................... I ............... . . ... .......................... .. n n l l r im lo n I i i i I m i Im
ga de prestações previdenciárias do regime geral de previdência social, público e 
obrigatório - não decorra de atribuição estabelecida em lei, mas sim de ato jurídico 
firmado entre a autarquia incumbida da prestação dos benefícios do regime bási 
co - o INSS - e empresa, sindicato ou órgão gestor da mão de obra, e até entidades 
de aposentados legalmente estabelecidas.
Tais convênios encontram previsão legal genérica no art. 117 da Lei n. 8.213, 
de 1991 e, particularmente, quanto à possibilidade de pagamento de salário-família 
a trabalhadores avulsos por sindicatos, no art. 69 do mesmo diploma legal, em dis 
positivos que assim estabelecem:
A r t . 1 1 7 . A e m p r e s a , o s i n d i c a t o o u a e n t i d a d e d e a p o s e n t a d o s d e v i d a m e n t e l e g a l i z a d a p o d e r á , 
m e d i a n t e c o n v ê n i o c o m a P r e v i d ê n c i a S o c i a l , e n c a r r e g a r - s e , r e l a t i v a m e n t e a s e u e m p r e g a d o 
o u a s s o c i a d o e r e s p e c t i v o s d e p e n d e n t e s , d e :
I - p r o c e s s a r r e q u e r i m e n t o d e b e n e f í c i o , p r e p a r a n d o - o e i n s t r u i n d o - o d e m a n e i r a a s e r 
d e s p a c h a d o p e l a P r e v i d ê n c i a S o c i a l ;
I I - s u b m e t e r o r e q u e r e n t e a e x a m e m é d i c o , i n c l u s i v e c o m p l e m e n t a r , e n c a m i n h a n d o à 
P r e v i d ê n c i a S o c i a l o r e s p e c t i v o l a u d o , p a r a e f e i t o d e h o m o l o g a ç ã o e p o s t e r i o r c o n c e s s ã o d e 
b e n e f í c i o q u e d e p e n d e r d e a v a l i a ç ã o d e i n c a p a c i d a d e ;
I I I - p a g a r b e n e f í c i o .
P a r á g r a f o ú n i c o . O c o n v ê n i o p o d e r á d i s p o r s o b r e o r e e m b o l s o d a s d e s p e s a s d a e m p r e s a , d o 
s i n d i c a t o o u d a e n t i d a d e d e a p o s e n t a d o s d e v i d a m e n t e l e g a l i z a d a , c o r r e s p o n d e n t e a o s s e r v i ç o s 
p r e v i s t o s n o s i n c i s o s I I e I I I , a j u s t a d o p o r v a l o r g l o