A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
162 pág.
Anatomia Comparativa Vertebrados v.1 Sistemas Cardiorrespiratório - Sebben et al. 2014

Pré-visualização | Página 20 de 21

Ó
R
IO
 
LA
C
V
 –
 U
nB
 • 
TE
S
TU
D
IN
AT
A 
S
IS
TE
M
A 
R
E
S
P
IR
AT
Ó
R
IO
 
Pulmão de Testudineo 
 
Vista dorsal da cavidade 
p leuroper i tonea l de 
Trachemys scripta, com 
v i s u a l i z a ç ã o d o s 
pulmões. 
O s p u l m õ e s 
seccionados revelam 
b r ô n q u i o s c u r t o s , 
apoiados em cartilagem. 
A estrutura é organizada 
por t rabécu las , em 
p a d r ã o f a v e o l a r e 
multicameral. 
134	
  
	
  
LA
C
V 
– 
U
nB
 • 
TE
ST
U
D
IN
AT
A 
• 0
1 
 
• S
IS
TE
M
A 
C
A
R
D
IO
VA
SC
U
LA
R
 e
 R
ES
PI
R
AT
Ó
R
IO
 
LA
C
V
 –
 U
nB
 • 
TE
S
TU
D
IN
AT
A 
S
IS
TE
M
A 
R
E
S
P
IR
AT
Ó
R
IO
 
1.  pulmão esquerdo 
2.  pulmão direito 
3.  musculatura cervical 
4.  brônquio 
5.  cartilagem pulmonar 
6.  trabéculas 
7.  pleura visceral 
8.  câmaras pulmonares 
8 
8 
4 1 
3 
2 
5 
8 
6 
7 
8 
3 
4 
3 
7 
8 
135	
  
Pulmão de Crocodiliano 
Vista ventral da porção 
cranial dos pulmões de 
jacaretinga – Caiman 
crocodylus. A traqueia se 
d iv ide em brônquios 
direito e esquerdo. Estes 
apresentam aberturas 
m ú l t i p l a s p a r a o 
parênquima pulmonar. 
LA
C
V
 –
 U
nB
 • 
C
R
O
C
O
D
Y
LI
A 
S
IS
TE
M
A 
 R
E
S
P
IR
AT
Ó
R
IO
 
1.  traqueia 
2.  brônquio direito 
3.  brônquio esquerdo 
4.  porção terminal do brônquio 
5.  porção alveolar 
6.  pulmão direito 
7.  pulmão esquerdo 
8.  coração 
1 
2 3 
4 9 
4 
5 
6 
7 
8 
7 
136	
  
	
  
Vista ventral da cavidade pleuroperitoneal de ave 
As aves possuem pulmão do tipo parabronquial. O ar 
inspirado é conduzido pelas vias aéreas superiores – 
traqueia e brônquios – e chega aos sacos aéreos, de 
onde retorna passando pelos parabrônquios antes de 
ser expirado. Na base da traqueia, está localizada 
glândula tireóide e a siringe, estrutura responsável 
pela sonorização. 
LA
C
V
 –
 U
nB
 • 
AV
E
S
 
S
IS
TE
M
A 
R
E
S
P
IR
AT
Ó
R
IO
 
137	
  
	
  
LA
C
V
 –
 U
nB
 • 
AV
E
S
 
S
IS
TE
M
A 
R
E
S
P
IR
AT
Ó
R
IO
 
1.  traqueia 
2.  siringe 
3.  brônquio direito 
4.  brônquio esquerdo 
5.  porção terminal do 
brônquio 
6.  pulmão parabronquial 
7.  saco aéreo 
8.  coluna vertebral 
9.  parabrônquios 
10.  costelas 
11.  gl. tireóide 
12.  a. pulmonar 
13.  v.pulmonar 
1 
2 
3 4 
7 
8 
9 
6 6 
9 
10 
6 
11 
8 
8 
9 
12 
13 
9 
5 
138	
  
	
  
C 
Cavidade torácica de roedor – Rattus norvergicus. 
 
Após a remoção da porção ventral das costelas e dos 
músculos intercostais (A), evidenciam-se os lobos 
pulmonares, o coração, o nervo frênico esquerdo, o 
músculo diafragma e a veia pós-cava. Vista lateral, com 
pulmão esquerdo recoberto pelo Timo. Nota-se o nervo 
frênico, v. pós-cava, artéria Aorta, músculo diafragma e a 
porção cranial do fígado (B). Detalhe do lobo médio do 
pulmão direito (C). Vista posterior da caixa torácica com o 
m. Diafragma preservado (D). 
D 
A 
LA
C
V
 –
 U
nB
 • 
M
A
M
M
A
LI
A 
S
IS
TE
M
A 
R
E
S
P
IR
AT
Ó
R
IO
 
B 
139	
  
	
  
1.  cavidade torácica 
2.  lobos pulmonares 
3.  átrio direito 
4.  ventrículos 
5.  v. pós-cava 
6.  n. frênico 
7.  a. aorta 
8.  m. diafragma 
9.  costelas 
10.  mm. intercostais 
11.  timo 
12.  fígado 
LA
C
V
 –
 U
nB
 • 
M
A
M
M
A
LI
A 
S
IS
TE
M
A 
R
E
S
P
IR
AT
Ó
R
IO
 
1 
6 
7 
8 
8 
12 
4 
1 
2 
2 
2 
2 
2 
2 
11 
5 
3 
6 
8 
8 
4 
3 
9 
9 
9 
9 
10 10 
10 
12 
2 
140	
  
	
  
LA
C
V
 –
 U
nB
 • 
M
A
M
M
A
LI
A 
S
IS
TE
M
A 
R
E
S
P
IR
AT
Ó
R
IO
 –
 P
U
LM
Ã
O
 A
LV
E
O
LA
R
 
Pulmão de mamífero 
A e B. Face diafragmática do 
pulmão de roedor - Rattus 
norvergicus. No detalhe, alvéolos 
localizados na porção periférica de 
um dos lóbos. 
 
 
 
C. Secção do pulmão bovino, 
onde se observa o parênquima 
dividido por lóbulos delimitados 
por tecido conjuntivo (setas), e 
secções transversais de brônquios 
(1), artérias (2) e veias (3). 
2 
3 1 
C 
B 
A 
141	
  
	
  
LA
C
V
 –
 U
nB
 • 
M
A
M
M
A
LI
A 
S
IS
TE
M
A 
R
E
S
P
IR
AT
Ó
R
IO
 –
 P
U
LM
Ã
O
 A
LV
E
O
LA
R
 
Os marsupiais possuem alvéolos macroscópicos. Essa característica possivelmente 
tem relação com a respiração pulmonar precoce, iniciada após a saída do útero e 
migração para a bolsa marsupial, onde completam o desenvolvimento. 
alv 
E C D 
B A 
Pulmão de marsupial – Didelphis 
marsupialis – juvenil (A e B) e na idade 
fetal (C – E). 
R
E
FE
R
Ê
N
C
IA
S
 B
IB
LI
O
G
R
A
FI
C
A
S
 
143	
  
	
  
§  PERRY, S.F. Lungs: comparative anatomy, functional 
morphology and evolution. In: GANS, C.; GAUNT, A. S. 
Biology of Reptilia, vol. 19 Morphology G. Society for Study 
of Amphibians and Reptiles., 1998. 
§  RANDALL, D. et al. The evolution of air breathing in 
vertebrates. Cambridge University Press, 1981. 
§  RANDALL, D.; BURGGREN, W.; FRENCH, K. Fisiologia 
animal : mecanismos e adaptações. 4. ed. Guanabara, 2000. 
§  SCHEER, B.T. Fisiología animal. Barcelona: Ed. Omega, 
1969. 
§  SCHMIDT-NIELSEN, K. Animal physiology, adaptation and 
environment. 4. ed. Cambridge University Press, 1990. 
§  SEBBEN, A. Microdissecação fisiológica a fresco In: 
NASCIMENTO L.; OLIVEIRA, M. Herpetologia no Brasil. 2. 
ed. Sociedade Brasileira de Herpetologia, 2007. 
§  TATTERSALL, G. J.; ANDRADE, D. V.; ABE, A. S. Heat 
exchange from the toucan bill reveals a controllable vascular 
thermal radiator. Science. N. 325, p. 468-470, 2009. 
§  WALKER, W; LIEM, K. Funtional anatomy of the 
vertebrates: an evolutionary perspective. 2. ed. Saunders 
College Publishing, 2000. 
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 
 
§  ANDRADE, D.V.; ABE, A. S. Fisiologia dos Répteis. In: 
NASCIMENTO L.; OLIVEIRA M. Herpetologia no Brasil. 2. 
ed. Sociedade Brasileira de Herpetologia, 2007. 
§  AXELSSON, M. The crocodilian heart; more controlled than 
we thought? Experimental Physiology, v. 86, n. 6, p. 785-9, 
2001. 
§  AXELSSON, M. et al.. The subpulmonary conus and the 
arterial anastomosis as important sites of cardiovascular 
regulation in the crocodile Crocodylus porosus. J. Experim. 
Biology, n. 200, p. 807-14, 1996. 
§  BÉRNILS, R. S.; COSTA, H. C. (org.). Répteis brasileiros: 
lista de espécies. Versão 2012.1. Sociedade Brasileira de 
Herpetologia, 2012. Disponível em: <http://
www.sbherpetologia.org.br/>. Acesso em: 25/11/2013. 
§  DE ILLLIS, G.; PULERÀ, D. The dissection of vertebrates: a 
laboratory manual. 2. ed. Academic Press, 2011. 
§  DUELLMAN, W.; TRUEB, L. Biology of amphibians. 2. ed. 
Johns Hopkins University Press, 1994. 
§  FARRELL, A.P.; GAMPERL, A. K.; FRANCIS, T. B. 
Comparative aspects of heart morphology. In: GANS, C.; 
GAUNT, A. S. Biology of Reptilia, vol. 19 Morphology G. 
Society for Study of Amphibians and Reptiles., 1998. 
§  HILDEBRAND, M.; GOSLOW, G. Análise da estrutura dos 
vertebrados. 2. ed. Editora Atheneu. , 2004. 
§  JOHANSEN, K.. Los peces pulmonados,. In: Vertebrados, 
Estructura y Función. Selecciones de Scientific American, 
H. Blume Ediciones. 1968.