Livro - O Direito Achado na Rua Vol. 05 - Introdução Crítica ao Direito das Mulheres

Disciplina: direito-constitucional-i4473 materiais

seguidores

  • + 314254

Pré-visualização

V – Os Direitos Humanos das Mulheres

Texto 1 – Os Direitos Humanos das Mulheres: 
lutas e protagonismos  
Renata Cristina Costa, Laura C. de Mello Senra e Luna Borges Santos

Texto 2 – Direitos sexuais 
Silvia Marques Dantas

Texto 3 – Introdução ao diálogo sobre Direitos reprodutivos  
Silvéria Maria dos Santos

Texto 4 – Tráfico de pessoas, desigualdade de gênero e 
Promotoras Legais Populares 
Adriana Andrade Miranda e Carolina Pereira Tokarski

Texto 5 – Família não é lugar de violência: mulheres construindo 
um novo direito de família fundado no afeto 
Diana Melo Pereira

197 

 
201 

207 

213 

223 

229

231 

 
237

 
241 

249 

 
255



261

 
265  

 

 
275 

285 

 
 

291 

297 

 
305 

 
 

313

 
321

323

338

Texto 6 – Paternidade pode rimar com cidadania e solidariedade 
Ana Liési Thurler

Texto 7 – Crianças e adolescentes: o eterno desafio de enfrentar os 
“menores”  
Fabiana Gorenstein 

Texto 8 – Pessoa com deficiência 
Ana Paula Crosara de Resende e Antonio José do Nascimento Ferreira

Texto 9 – Trabalho Decente para as Trabalhadoras Domésticas: um desafio 
para o Brasil 
Judith Karine Cavalcanti Santos, Marcia Vasconcelos e Cristina de Fátima 
Guimarães

Texto 10 – O que é a Previdência Social?  
Luísa de Marilac Silva Cordeiro Almeida

Texto 11 – O corpo é meu, a cidade é nossa 
Luana Medeiros Weyl e Diana Melo Pereira

Texto 12 – Encarceramento feminino no Brasil: um olhar de gênero sobre a 
criminalização das mulheres presas 
Luciana de Souza Ramos

Texto 13 – As mulheres atingidas por barragens e a violação dos direitos 
humanos no atual modelo energético   
Luciana de Souza Ramos, Elisa Estronioli, Ivanei Dalla Costa e Movimento de 
Atingidos por Barragens (MAB)

Marcha das margaridas, o que é?

Sugestões de atividades educacionais

Autores e autoras



Marcha Mundial das Mulheres março 2010 São Paulo • Rayane Noronha Oliveira



Introdução 
Crítica ao 
Direito das 
Mulheres



14

Introdução Crítica ao Direito das Mulheres



15

Introdução – O Direito Achado na Rua,
vol. 5 – Introdução Crítica ao Direito das Mulheres

José Geraldo de Sousa Junior
Nair Heloisa Bicalho de Sousa

Há 25 anos, foi lançado, na forma de um curso de extensão universitária a distância, 
O Direito Achado na Rua, um projeto elaborado por pesquisadores do Núcleo de Estudos 
para a Paz e os Direitos Humanos (NEP), com o apoio da então Coordenadoria de Edu-
cação a Distância do Decanato de Extensão1 da Universidade de Brasília. Era o primeiro 
volume e logo abriu uma série, que adotou como título a expressão cunhada por Roberto 
Lyra Filho, para designar, metaforicamente, a sua concepção emancipatória de Direito2.

A bem dizer, esse primeiro volume nasceu na própria rua: da solicitação de advoga-
dos e advogadas populares que atuavam para os mais diversos movimentos e entidades 
de defesa de direitos humanos. Assim, a produção de O Direito Achado na Rua, desde seu 
início, teve como propósito ser objeto e, ao mesmo tempo, produto de reflexão “da práxis 
social constituída na experiência comum de luta por justiça e por direitos”3.

O segundo volume, Introdução Crítica ao Direito do Trabalho, veio a atender aque-
les e aquelas que se defrontavam com os desafios do mundo do trabalho em meio a uma 
sociedade capitalista. O terceiro volume, Introdução Crítica ao Direito Agrário, aprofundou 
os problemas do principal aspecto deste tipo de sociedade: o uso da terra, a propriedade 
e a resistência às estruturas opressoras e espoliativas que dela emergem. Para tanto, pre-
tendeu “ser uma experiência de reflexão partilhada não apenas com os principais atores 
[e atoras]4 e movimentos que descortinam o horizonte de justiça para a redefinição da pro-
priedade fundiária em nosso país, mas com todos [e todas] aqueles [e aquelas] que têm 

1  Atual Centro de Educação a Distância (CEAD-UnB).
2  LYRA Filho, Roberto. O que é direito. Brasília: Editora Brasiliense, 1982 (Coleção Primeiros Passos, 62.). SOUSA 
Jr., José Geraldo de. Direito como liberdade: o Direito Achado na Rua. Porto Alegre: Sergio Antonio Fabris Editor, 
2011; SOUSA, N. H. B. de, COSTA, A. B., FONSECA, L. G. da e BICALHO, M. de F. O Direito Achado na Rua: 25 
anos de experiência de extensão. Participação. Revista do Decanato de Extensão da Universidade de Brasília, ano 10,  
n. 18, dez. 2010.
3  SOUSA Jr. José Geraldo de (Org.) Introdução crítica ao direito. 4. ed. Brasília: Universidade de Brasília, 1993, p. 
05 (Série O Direito Achado na Rua, 1.).
4  A expressão atoras não é dicionarizada. Entretanto, ela foi utilizada com boa justificativa por Judith Karine Caval-
canti Santos em sua Dissertação de Mestrado defendida em 2010, na Faculdade de Direito da UnB, “Participação das 
trabalhadoras domésticas no cenário político brasileiro”.



16

Introdução Crítica ao Direito das Mulheres

buscado na prática e na teoria, encontrar sentido e razão para a ação política que deriva 
dessa experiência”5.

O quarto volume, Introdução Crítica ao Direito à Saúde, ampliou a série traçando o 
direito à saúde no seu marco de lutas dos movimentos sociais pela reforma sanitária que 
obteve grande força durante a Constituinte de 1987-1988 e definiu as bases da política de 
saúde que deram origem ao Sistema Único de Saúde (SUS).

Desse modo, em todos os livros, está a marca própria da concepção teórica que os 
conjuga: a perspectiva de direito como produto de articulações da própria sociedade, em es-
pecial dos movimentos sociais, na sua atuação para a superação de uma realidade injusta 
que nega aos indivíduos a sua plena realização. A cidadania teria o espaço público, a rua, 
como local privilegiado de seu exercício. Dessa forma, o direito pode até se manifestar por 
meio de normas desde que estas sejam a “expressão de uma legítima organização social 
da liberdade”6. 

Assim, a construção teórica de O Direito Achado na Rua tem em seus livros sempre 
uma abordagem interdisciplinar aliada à concepção de pré-textos7 abertos para a constru-
ção dialógica, assumindo as diversas formas de saber, tanto acadêmica como o denomina-
do “popular”, como válidas e necessárias, de maneira a verificar na práxis social a verdadei-
ra realização do fenômeno jurídico.

Este quinto volume da série, Introdução Crítica ao Direito das Mulheres, amplia as 
possibilidades deste diálogo à medida que se insere na realidade do projeto de extensão 
“Direitos Humanos e Gênero: Promotoras Legais Populares”, que há sete anos, no Distrito 
Federal, mobiliza professoras e professores, advogadas e advogados, integrantes de enti-
dades não governamentais, agentes do Ministério Público e de outros setores do Estado, 
para participarem como interlocutores em um curso de educação jurídica popular voltada 
para mulheres de perfis econômico, social e cultural diferenciados.

5  SOUSA Jr, José Geraldo de (Org.) Introdução crítica ao direito, Brasília, Universidade de Brasília, Decanato de 
Extensão, Grupo de Trabalho de apoio à Reforma Agrária, São Paulo: Imprensa Oficial do Estado, 2002, p. 18 (Série 
O Direito Achado na Rua, 3.).
6  LYRA FILHO, Roberto. O que é direito?. São Paulo: Brasiliense, 2005, 12ª reimpressão da 17ª edição de 1995. p. 
86 (Coleção Primeiros Passos, 62.).
7  SOUSA Jr, José Geraldo de (Org.). Introdução crítica ao direito. 4. ed. Brasília: Universidade de Brasília, 1993. p. 
5 (Série O Direito Achado na Rua, 1.).



17

O projeto Promotoras Legais Populares do Distrito Federal (PLPs/DF), inserido den-
tro da dinâmica da extensão universitária, possibilita a convivência e a troca de saberes das 
e dos estudantes, dos mais diversos cursos da Universidade de Brasília, com as mulheres 
cursistas do projeto, de maneira a repensar os conhecimentos tratados dentro do ambiente 
acadêmico de forma crítica e preparar para um futuro de exercício profissional