Sigmund Freud -Cinco lições de psicanálise, Leonardo da Vinci e outros trabalhos  - VOLUME XI
144 pág.

Sigmund Freud -Cinco lições de psicanálise, Leonardo da Vinci e outros trabalhos - VOLUME XI


DisciplinaPsicologia45.190 materiais372.444 seguidores
Pré-visualização50 páginas
palavra para ele\u2026\u201f `É claro que tudo neste planeta é relativo e tem uma existência independente 
apenas na medida em que se diferencia quanto a suas relações com as outras coisas\u2026\u201f `De vez 
que todo conceito é dessa maneira o gêmeo de seu contrário, como poderia ele ser de início 
pensado e como poderia ele ser comunicado a outras pessoas que tentavam concebê-lo, senão 
pela medida do seu contrário\u2026? (Ibid., 15): `De vez que o conceito de força não se podia formar 
exceto com um contrário de fraqueza, a palavra designando \u201cforte\u201d continha uma lembrança 
simultânea de \u201cfraco\u201d, como coisa por meio da qual ele, de início, ganhou existência. Na realidade, 
esta palavra não designava nem \u201cforte\u201d nem \u201cfraco\u201d, mas a relação e a diferença entre os dois, que 
criou a ambos igualmente\u2026\u201f `O homem não foi, de fato, capaz de adquirir seus conceitos mais 
antigos e mais simples a não ser como os contrários dos contrários, e só gradativamente aprendeu 
a separar os dois lados de uma antítese e a pensar em um deles sem a comparação consciente 
com os outros. 
De vez que a linguagem serve não só para expressar os próprios pensamentos, mas, 
essencialmente, para comunicá-los a outrem, pode-se levantar a questão de como foi que o 
`egípcio primitivo\u201f fez seu próximo entender `que pólo do conceito geminado ele significava numa 
ocasião particular qualquer.\u201f Na linguagem escrita, isso se fazia com o auxílio dos chamados sinais 
\u201cdeterminativos\u201d que, colocados depois dos sinais alfabéticos, lhes atribuíam sua significação e 
não eram para ser pronunciados. (Ibid., 18): `Se a palavra egípcia \u201cken\u201d devia significar \u201cforte\u201d, seu 
som, que fosse alfabeticamente escrito, seguia-se da figura de um homem em pé, armado; se a 
mesma palavra tinha de expressar \u201cfraco\u201d, as letras que representavam o som se seguiam de 
figura de um corcunda, coxo. A maioria das outras palavras com duas significações similarmente e 
acompanhavam de figuras explicativas.\u201f Abel acha que, no falar, a significação desejada da 
palavra dita se indicava pelo gesto. 
Segundo Abel, é nas `raízes mais antigas\u201f que se vê ocorrerem as significações duplas 
antitéticas. No curso subseqüente do desenvolvimento da linguagem, esta ambigüidade 
desapareceu e, no Antigo Egito, pelo menos, todos os estágios intermediários se podem 
acompanhar, até a não-ambigüidade dos vocabulários modernos. `Uma palavra que 
originariamente comportava duas significações separa-se, na linguagem ulterior, em duas palavras 
com significações individuais, num processo pelo qual cada uma das duas significações opostas 
sofre uma \u201credução\u201d (modificação) fonética particular da raiz original.\u201f Assim, por exemplo, nos 
hieróglifos, a palavra \u201cken\u201d, \u201cforte-fraco\u201d, já se divide em \u201cken, \u201cforte\u201d e \u201ckan\u201d, \u201cfraco\u201d. Em outras 
palavras, conceitos a que só se poderia chegar por meio de uma antítese tornaram-se, no curso do 
tempo, suficientemente familiares às mentes dos homens, possibilitando uma existência 
independente, para cada uma de suas duas partes, e, em conseqüência, permitindo a formação de 
um representante fonético separado para cada parte.\u201f 
Uma prova da existência de significações primitivas contraditórias, que facilmente se 
estabelece em egípcio, estende-se segundo Abel, também às línguas semita e indo-européia. `Até 
que ponto isto pode acontecer em outros grupos lingüísticos está por ver; pois, embora a antítese 
deva ter estado presente, de início, nas mentes pensantes de cada raça, não precisou 
necessariamente ter-se tornado reconhecível ou ter sido mantida por toda parte nas significações 
de palavras.\u201f 
Abel em seguida chama a atenção para o fato de que o filósofo Bain, aparentemente sem 
conhecimento de que o fenômeno de fato existia, sustentou essa dupla significação de palavras 
sobre fundamentos puramente teóricos, como uma necessidade lógica. A passagem em questão 
começa com estas frases: 
`A relatividade essencial de todo conhecimento, pensamento ou consciência, não se pode 
mostrar a não ser na linguagem. Se tudo que podemos conhecer é visto como transição de alguma 
outra coisa, toda experiência deve ter dois lados; e, ou cada nome deve ter uma significação dupla, 
ou,então, para cada significação deve haver dois nomes.\u201f 
Do `Apêndice de Exemplos de Significações Antitéticas Egípcias, Indo-Germânicas e 
Árabes\u201f selecionei alguns exemplos que podem impressionar mesmo aqueles de nós que não 
somos especialistas em filologia. Em latim `altus\u201e significa `alto\u201f e `profundo\u201f, `sacer\u201e `sagrado\u201f e 
`maldito\u201f; aqui por conseguinte temos a antítese completa de significação sem qualquer 
modificação do som da palavra. A alteração fonética para distinguir os contrários se ilustra por 
exemplos como `clamare\u201e (`gritar\u201f) \u2026 `clam\u201e (`suavemente\u201f, `secretamente\u201f); `siccus\u201e (`seco\u201f) - 
`succus\u201e (`suco\u201f). Em alemão `Boden\u201e (`sótão\u201f ou `solo\u201f) ainda significa o mais alto bem como o 
mais baixo da casa. Nosso `bös\u201e (`mau\u201f em alemão) se casa com a palavra `bass\u201e (`melhor\u201f em 
alemão); em saxão antigo `bat\u201e (`bom\u201f) corresponde ao inglês `bad\u201e (`mau\u201f) e o inglês `to lock\u201e 
(`fechar\u201f) ao alemão `Lücke\u201e, `Loch\u201f (`vazio\u201f, `buraco\u201f). Podemos comparar o alemão `kleben\u201e 
(`espetar\u201f) com o inglês `to cleave\u201e (no sentido de `cindir\u201f); as palavras alemãs `stumm\u201e (`mudo\u201f) 
com `Stimme\u201e (`voz\u201f), e assim por diante. Desse modo, mesmo a derivação etimológica bastante 
risível de lucus a non lucendo teria em si algum sentido. 
Em seu ensaio sobre `A Origem da Linguagem\u201f Abel (1885, 305) chama a atenção para 
traços outros de antigas dificuldades do pensar. Mesmo hoje o homem inglês para exprimir `ohne\u201e 
(`sem\u201f em alemão) diz `without\u201e (`mitohne isto é \u201ccom-sem\u201d em alemão) e o prussiano oriental faz o 
mesmo. A própria palavra `with\u201e (`com\u201f em inglês), que hoje corresponde ao `mit\u201f (`com\u201f em 
alemão) originariamente significava `without\u201e (`sem\u201f em inglês) e ao mesmo tempo `with\u201e como se 
pode reconhecer em `withdraw\u201e (`retirar\u201f em inglês) e `withhold (`reter\u201f em inglês). A mesma 
transformação pode ser vista em `wider\u201e (`contra\u201f em alemão) e `wieder\u201e (`junto com\u201f em alemão). 
Para uma comparação com o trabalho do sonho há outra característica extremamente 
estranha da antiga língua egípcia que é significativa. `Em egípcios, as palavras podem - diremos 
de início, aparentemente - inverter seu som bem como seu sentido. Suponhamos que a palavra 
alemã `gut\u201e [\u201cbom\u201d] fosse egípcia: ela poderia então significar `mau\u201f do mesmo modo que `bom\u201f, e 
ser pronunciada `tug\u201e do mesmo modo que `gut\u201e. Numerosos exemplos de tais inversões de som, 
que são demasiado freqüentes para se explicarem como ocorrências fortuitas, se podem 
igualmente extrair das línguas ariana e semita. Limitando-nos a princípio às línguas germânicas 
podemos assinalar: Topf - pot (`pote\u201f em alemão e `pote\u201f em inglês); boat - tub (`barco\u201f em inglês e 
`banheira\u201f em inglês); wait - täuwen (`esperar\u201f em inglês e `esperar\u201f em alemão); hurry - Ruhe 
(`pressa\u201f em inglês e `descanso\u201f em alemão); care - reck (\u201ecuidar\u201f em inglês e `importar-se\u201f em 
inglês); Balken - klobe, club (`viga\u201f em alemão e `cepo\u201f em alemão e `cepo\u201f em inglês). Se 
tomamos as outras línguas indo-germânicas em consideração, o número de exemplos relevantes 
cresce em conseqüência; por exemplo, capere - packen (`tomar\u201f em latim e `agarrar\u201f em alemão); 
ren - Niere (`rim\u201f em latim e `rim\u201f em alemão); leaf - folium (`folha\u201f em inglês e `folha\u201f em latim); 
dum-a, - mêdh, mûdha, Mut (`pensamento\u201f em russo, `espírito\u201f ou `coragem em grego e 
`mente\u201f em sânscrito, `coragem\u201f em alemão); rauchen - kur-ít (`fumar\u201f em alemão e `fumar em 
russo); kreischen - to shriek (`gritar` em alemão e `gritar\u201f em inglês) etc. 
Abel tenta explicar o fenômeno de inversão de som como um dobrar ou uma repudiação da 
raiz. Aqui encontraríamos