Apostila QUANTI teórica
58 pág.

Apostila QUANTI teórica


DisciplinaQuímica Analítica Quantitativa392 materiais3.342 seguidores
Pré-visualização10 páginas
1 
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA 
DEPARTAMENTO DE QUÍMICA 
CURSO DE FARMÁCIA 
 
 
 
 
 
 
QQQQ UUUU ÍÍÍÍ MMMM IIII CCCC AAAA 
AAAA NNNN AAAA LLLL ÍÍÍÍ TTTT IIII CCCC AAAA 
QQQQ UUUU AAAA NNNN TTTT IIII TTTT AAAA TTTT IIII VVVV AAAA 
 
 
 
 
 
 
 
 
Professora: Carmem Dickow Cardoso 
e-mail: carmem.dickow@gmail.com 
 
 
 2 
INTRODUÇÃO 
 Podemos definir uma análise química como a aplicação de um processo para identificar ou 
quantificar uma substância, os componentes de uma solução ou ainda, para determinar a estrutura 
de compostos químicos. 
 Nas disciplinas de Química trabalhamos com análises químicas para fins de identificação 
(análise qualitativa) e de quantificação (análise quantitativa). 
 
 
PAPEL DA QUÍMICA ANALÍTICA NAS CIÊNCIAS 
 Wilhelm Ostwald, em 1894, escreveu: \u201cA Química Analítica, ou a arte de reconhecer 
diferentes substâncias e determinar seus constituintes, assume proeminente posição entre as 
aplicações da ciência, uma vez que as questões que capacita-nos a responder, as quais surgem em 
qualquer processo químico, são empregadas para propósitos técnicos ou científicos\u201d. 
 Desde os tempos de Ostwald, a QA tem evoluído de uma arte para uma ciência com 
aplicações na indústria, medicina e várias outras. 
 
Alguns exemplos: 
- Reações de precipitação para identificar cátions ou ânions em matérias-primas ou amostras 
naturais; 
 
- Medida da quantidade de hidrocarbonetos, óxidos de nitrogênio e monóxido de carbono 
presente em gases liberados de automóveis, para determinar a efetividade do aparelho que 
controla a emissão do \u201csmog\u201d; 
 
- Medida da quantidade de cálcio ou outros elementos em soro sanguíneo, o que permite 
diagnosticar vários distúrbios no organismo humano; 
 
- Determinação quantitativa de nitrogênio em alimentos, estabelecendo seu conteúdo protéico 
e, consequentemente, seu valor nutricional; 
 
- Programas de fertilização e irrigação sob medida, segundo as necessidades das plantas, 
durante o cultivo. A medida das quantidades necessárias é feita através de análise 
quantitativa das plantas e do solo; 
 
- Desenvolvimento de novos produtos e controle de qualidade de produtos finais de indústrias; 
 
- Análises quantitativas de ar, água e solo permitem monitorar o nível de poluição. 
 
 3 
 
ANÁLISE QUÍMICA: investigação completa da amostra (qualitativa e quantitativa). 
 
 
SEPARAÇÃO 
IDENTIFICAÇÃO ANÁLISE QUALITATIVA
DETERMINAÇÃO DAS 
 QUANTIDADES ANÁLISE QUANTITATIVA 
 
 
 
 
 
QUÍMICA ANALÍTICA QUALITATIVA: provoca variação nas propriedades da substância e é 
somente uma caracterização química. 
Os Agentes que provocam a variação são: 
- Químicos, em estado sólido (ensaio por via seca) e químicos dissolvidos (via úmida); 
- Físicos, como o calor, a luz etc. 
 
 
 
QUÍMICA ANALÍTICA QUANTITATIVA: determina a quantidade dos componentes da amostra. 
 
 
 
ANÁLISE INSTRUMENTAL: análise QUALITATIVA. + análise QUANTITATIVA, utilizando 
aparelhagem adequada. 
 
 
 
AMOSTRA 
 
 4 
 
OBJETIVOS DA QUÍMICA ANALÍTICA QUANTITATIVA 
 
 
QUANTO ? 
\u2193 
DETERMINAÇÃO DA QUANTIDADE DOS COMPONENTES (JÁ IDENTIFICADOS) DE UMA AMOSTRA. 
MÉTODOS 
 TITULOMÉTRICO 
 
 CLÁSSICOS 
 (estequiometria) 
 GRAVIMÉTRICO 
 
 
 
 ELETROQUÍMICOS 
 
FÍSICOS OU INSTRUMENTAIS ESPECTROSCÓPICOS 
 (propriedades físicas) 
 SEPARAÇÃO 
 
 OUTROS 
 
 
Método titulométrico: a determinação da concentração do analito é feita a partir do volume 
medido de uma solução-padrão que reage completamente com aquele. 
 
 
Método gravimétrico: determina-se a concentração do analito a partir da massa do composto 
obtido na reação. 
 
 
 5 
 
 
 
 
ETAPAS DE UMA ANÁLISE QUÍMICA 
 
1. AMOSTRAGEM 
 
2. PREPARAÇÃO DE UMA AMOSTRA ANALÍTICA 
 
3. DISSOLUÇÃO DA AMOSTRA 
 
4. REMOÇÃO DE INTERFERENTES 
 
5. MEDIDAS NA AMOSTRA E CONTROLE DE FATORES INSTRUMENTAIS 
 
6. RESULTADO(S) 
 
7. APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS 
 
 
1. AMOSTRAGEM 
 Depende do tamanho e da natureza física da amostra. 
 O analista deve conhecer os procedimentos padrões de amostragem dos diversos 
materiais a fim de que a porção levada para análise seja representativa do todo. 
 
MATERIAL HOMOGÊNEO: fácil amostragem (leite, urina, sangue, água). 
MATERIAL HETEROGÊNEO: amostragem planejada (medicamentos sólidos, solo, carnes). 
 
 
 6 
2. PREPARAÇÃO DE UMA AMOSTRA ANALÍTICA 
 É, freqüentemente, a etapa mais difícil da análise. Muitas amostras sólidas 
(heterogêneas) necessitam certo número de etapas antes de sua quantificação. 
 - moagem, trituração, peneiração 
 - homogeneização 
 - secagem (remoção da umidade) 
 
As farmacopéias indicam, para a maioria dos produtos sólidos, a máxima quantidade de água, 
considerada aceitável nas diferentes substâncias.A fim de evitar que a variação da umidade possa 
afetar os resultados, deve-se utilizar amostras preliminarmente dessecadas a 100-110 °c. 
 
 
3. DISSOLUÇÃO DA AMOSTRA 
- aquecimento 
- ignição 
- fusão 
- uso de solvente(s) 
- diluição 
 
4. REMOÇÃO DE INTERFERENTES 
- filtração 
- extração com solventes 
- troca de íons 
- separação cromatográfica 
 
5. MEDIDAS NA AMOSTRA E CONTROLE DE FATORES INSTRUMENTAIS 
- padronização 
- calibração 
- otimização 
- medida da resposta 
- absorbância 
- sinal de emissão 
- potencial 
- corrente 
 
6. RESULTADO(S) 
 Cálculo do(s) resultado(s) analítico(s) e avaliação estatística dos dados. 
 
 
 7 
Expressão dos resultados analíticos: 
EXPRESSÃO QUÍMICA: Depende da natureza da amostra e da finalidade da análise. 
Para fins comerciais, não é necessário que o resultado expresse exatamente a composição 
da amostra. Assim, para um suco de frutas que contêm os ácidos cítrico, lático, tartárico e málico, a 
acidez é expressa em ácido cítrico, que é o mais abundante. 
EXPRESSÃO NUMÉRICA: Os resultados são expressos indicando as quantidades relativas dos 
componentes determinados, freqüentemente como concentração, baseados em massa ou volume. 
 
Unidades de massa: g (grama): empregada em macroanálises 
mg (10-3 grama) 
µµµµg (10-6 grama) amostras pequenas ou constituintes-traço 
ng (10-9 grama) 
 
Unidades de volume: L (litro) 
 dL (10-1 litro): usada em laboratórios clínicos 
mL (10-3 litro): mais comumente usada em análise volumétrica. 
µµµµL (10-6 litro): usada em laboratórios clínicos 
 
 
7. APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS 
- Impressão de resultados 
- Impressão de gráficos 
- Arquivamento de dados 
 
 
 
COMO SELECIONAR UM MÉTODO 
Alguns fatores influenciam na escolha do método de análise: 
- a quantidade de amostra disponível 
- a composição da amostra 
- presença de interferentes 
- exatidão requerida 
- recursos disponíveis 
 
 
 
 
 8 
 Os métodos analíticos são, basicamente, classificados de acordo com a quantidade de 
amostra. A tabela abaixo traz as classificações aproximadas de acordo com a massa ou o volume. 
 
MÉTODO MASSA AMOSTRA 
Macro \u2265 0,1 g 
Semimicro (meso) 10-2 \u2013 10-1 g 
Micro 10-3 \u2013 10-2 g 
Submicro 10-4 \u2013 10-3 g 
Ultramicro < 10-4 g 
Traços 102 \u2013 104 µg/g (ppm) 
 
Constituinte principal: 1 a 100% da amostra 
Constituinte secundário: 0,01 \u2013 1% 
Constituinte traço: < 0,01% 
 
ESTATÍSTICA 
 Os resultados de uma análise devem expressar a exatidão com que ela foi feita e isso se 
consegue aplicando a teoria dos algarismos significativos. 
 Algarismos significativos de um número referem-se aos dígitos que representam uma dada 
grandeza determinada experimentalmente (diretamente \u2192 pesagem, medida de volume; 
indiretamente \u2192 medida de concentração), de modo que apenas o último algarismo seja duvidoso. 
As balanças analíticas geralmente apresentam uma exatidão até a quarta casa decimal. 
 No ANEXO 1 encontra-se um resumo do tema algarismos significativos. 
 
EXATIDÃO (accuracy): grau de concordância do valor experimental (medido) com o valor 
verdadeiro. Uma definição
Carmem
Carmem fez um comentário
Não uso mais.
0 aprovações
Carregar mais