Corpo Humano II - CEDERJ
344 pág.

Corpo Humano II - CEDERJ


DisciplinaFisiologia Humana I22.547 materiais719.303 seguidores
Pré-visualização50 páginas
C E D E R J 9
A
U
LA
 2
1
 M
Ó
D
U
LO
 3
Adilson Dias Salles
Doris Rosenthal
Lucienne da Silva Lara Morcillo
Luiz Eurico Nasciutti
Masako Oya Masuda
Patricia Rieken Macêdo Rocco
 
Volume 2 
2a edição
Corpo Humano II
Apoio:
 
 
S347 
Salles, Adilson Dias.
 Corpo humano II. v. 2 / Adilson Dias Salles et al. \u2013 2. ed. \u2013 Rio de Janeiro: 
Fundação CECIERJ, 2010.
340p.; 19 x 26,5 cm.
ISBN: 978-85-7648-371-7
1. Sistema urinário. 2. Sistema digestivo. 3. Mastigação e deglutição. 4. Hormônios. 
I. Rosenthal, Doris. II. Morcillo, Lucienne da Silva Lara. III. Nasciutti, Luiz Eurico. IV.
Masuda, Masako Oya. V. Rocco, Patricia Rieken Macêdo. VI. Título.
 CDD: 573
Material Didático
ELABORAÇÃO DE CONTEÚDO
Adilson Dias Salles
Doris Rosenthal
Lucienne da Silva Lara Morcillo
Luiz Eurico Nasciutti
Masako Oya Masuda
Patricia Rieken Macêdo Rocco
COORDENAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO 
INSTRUCIONAL
Cristine Costa Barreto
DESENVOLVIMENTO INSTRUCIONAL 
E REVISÃO 
Zulmira Speridião
Marta Abdala
COORDENAÇÃO DE LINGUAGEM 
Cyana Leahy-Dios
COORDENAÇÃO DE AVALIAÇÃO DO 
MATERIAL DIDÁTICO
Débora Barreiros
AVALIAÇÃO DO MATERIAL 
DIDÁTICO
Aroaldo Veneu
2010/1 
Referências Bibliográfi cas e catalogação na fonte, de acordo com as normas da ABNT.
Copyright © 2005, Fundação Cecierj / Consórcio Cederj
Nenhuma parte deste material poderá ser reproduzida, transmitida e gravada, por qualquer meio 
eletrônico, mecânico, por fotocópia e outros, sem a prévia autorização, por escrito, da Fundação.
EDITORA
Tereza Queiroz
COPIDESQUE
Cristina Maria Freixinho
José Meyohas
REVISÃO TIPOGRÁFICA
Elaine Bayma
Marcus Knupp
Patrícia Paula
COORDENAÇÃO DE 
PRODUÇÃO
Jorge Moura
PROGRAMAÇÃO VISUAL
Sanny Reis
ILUSTRAÇÃO
Fernando Torelly
CAPA
Fernando Torelly
PRODUÇÃO GRÁFICA
Oséias Ferraz
Patricia Seabra
Departamento de Produção
Fundação Cecierj / Consórcio Cederj
Rua Visconde de Niterói, 1364 \u2013 Mangueira \u2013 Rio de Janeiro, RJ \u2013 CEP 20943-001
Tel.: (21) 2334-1569 Fax: (21) 2568-0725
Presidente
Masako Oya Masuda
Vice-presidente
Mirian Crapez
Coordenação do Curso de Biologia
UENF - Milton Kanashiro
UFRJ - Ricardo Iglesias Rios
UERJ - Celly Saba
Universidades Consorciadas
Governo do Estado do Rio de Janeiro
Secretário de Estado de Ciência e Tecnologia
Governador
Alexandre Cardoso
Sérgio Cabral Filho
UENF - UNIVERSIDADE ESTADUAL DO 
NORTE FLUMINENSE DARCY RIBEIRO
Reitor: Almy Junior Cordeiro de Carvalho
UERJ - UNIVERSIDADE DO ESTADO DO 
RIO DE JANEIRO
Reitor: Ricardo Vieiralves
UNIRIO - UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO 
DO RIO DE JANEIRO
Reitora: Malvina Tania Tuttman
UFRRJ - UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL 
DO RIO DE JANEIRO
Reitor: Ricardo Motta Miranda
UFRJ - UNIVERSIDADE FEDERAL DO 
RIO DE JANEIRO
Reitor: Aloísio Teixeira
UFF - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE
Reitor: Roberto de Souza Salles
Corpo Humano II Volume 2
SUMÁRIO Aula 11 \u2013 Como a urina é formada e eliminada do organismo? 
 O néfron distal: túbulo intermediário, túbulo distal 
 e ducto coletor (parte 2)________________________________ 7
 Lucienne da Silva Lara Morcillo
Aula 12 \u2013 Os rins participam da regulação do volume e da composição 
 dos líquidos corporais_________________________________ 27
 Lucienne da Silva Lara Morcillo
Aula 13 \u2013 Ácidos também são formados no organismo \u2013 
 como os neutralizamos?_______________________________ 61
Aula 14 \u2013 Uma luz ao longo do túnel. O sistema digestivo______________91
Aula 15 \u2013 Onde foi parar a minha salada? A mastigação e a deglutição___113
Aula 16 \u2013 Os alimentos em uma câmara fumegante. 
 O estômago na digestão______________________________151
Aula 17 \u2013 O encontro das águas: a bile e o suco pancreático no duodeno_ 195
Aula 18 \u2013 O que ocorre ao longo de sete metros de intestinos__________243
Aula 19 \u2013 O que são hormônios? Para que servem?_________________ 295
Aula 20 \u2013 Que tipo de órgão é a hipófi se?________________________ 313
Referências ______________________________________________ 335
Lucienne da Silva Lara Morcillo / Masako Oya Masuda / 
Patricia Rieken Macêdo Rocco
Adilson Dias Salles
Adilson Dias Salles
Adilson Dias Salles
Adilson Dias Salles
Adilson Dias Salles
Doris Rosenthal / Luiz Eurico Nasciutti
Doris Rosenthal / Luiz Eurico Nasciutti
C E D E R J 9
A
U
LA
 2
1
 M
Ó
D
U
LO
 3
Como a urina é formada e 
eliminada do organismo? 
O néfron distal: 
túbulo intermediário, túbulo 
distal e ducto coletor (parte 2)
ob
je
tiv
os
11AULA
Pré-requisitos 
Meta da aula 
Descrever os mecanismos envolvidos no processamento tubular 
do fi ltrado glomerular e como a urina formada é eliminada.
Esperamos que, após o estudo do conteúdo desta aula, você seja capaz de:
\u2022 descrever os mecanismos moleculares de reabsorção e secreção tubular nos 
segmentos distais do néfron; 
\u2022 entender como a água é manipulada pelos segmentos distais do néfron; 
\u2022 identifi car as etapas envolvidas no processo de micção; 
\u2022 integrar os processos de reabsorção e secreção ao longo do néfron.
Para que você encontre maior facilidade na compreensão desta aula, é 
importante que retorne às Aulas 9 a 12 de Biologia Celular I, nas quais 
foram estudadas as características das membranas plasmáticas e seus 
mecanismos de transporte. 
 
8 C E D E R J
Corpo Humano II | Como a urina é formada e eliminada do organismo? O néfron distal: 
 túbulo intermediário, túbulo distal e ducto coletor (parte 2)
INTRODUÇÃO Na aula anterior, você estudou como ocorrem os processos responsáveis 
pela manipulação renal do ultrafi ltrado: a reabsorção e a secreção tubular. 
Você também estudou que o túbulo proximal é o segmento responsável 
pela reabsorção de grande parte de solutos e água (em torno de 67%), 
além da reabsorção total de solutos extremamente importantes ao organismo, 
tais como a glicose. Nesta aula, iremos nos deter nos principais mecanismos de 
reabsorção e secreção de solutos nos segmentos mais distais do néfron: o túbulo 
intermediário, o túbulo distal e o ducto coletor. Estes segmentos são responsáveis 
pelo ajuste da composição fi nal da urina, ou seja, pela manutenção da composição 
do meio interno do organismo em níveis adequados. Além disso, serão estudados 
os mecanismos de reabsorção e conseqüentemente de excreção de água.
TÚBULO INTERMEDIÁRIO (ALÇA DE HENLE)
O túbulo intermediário é composto pelos três segmentos da alça 
de Henle: o ramo descendente fi no, o ramo ascendente fi no e o ramo 
ascendente espesso (também denominado túbulo distal reto). Juntos, 
esses três segmentos são responsáveis pelo processo de concentração e 
diluição da urina, que você verá na próxima aula.
QUAIS SÃO AS CARACTERÍSTICAS DOS RAMOS 
DESCENDENTE E ASCENDENTE FINOS DA ALÇA DE HENLE?
Os ramos descendente e ascendente fi nos da alça de Henle são 
caracterizados, principalmente, pela alta permeabilidade aos pequenos 
solutos e água. As células epiteliais desses segmentos possuem poucas 
mitocôndrias e microvilosidades, portanto, são incapazes de apresentar 
mecanismos de transporte ativo, transportando solutos e água através de 
canais. Veja a Figura 11.1 e observe as características desses segmentos.
O segmento fi no descendente é moderadamente permeável a Na+, 
Cl\u2013 e uréia, além de ser bastante permeável à água. Esse segmento é 
envolvido pelo interstício que, em direção à medula, vai se tornando cada 
vez mais hipertônico por um mecanismo que discutiremos mais adiante. 
Dessa forma, à medida que o fl uido tubular caminha em direção à medula,
neivaldo
neivaldo fez um comentário
muito bom
1 aprovações
Carregar mais