Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
7 pág.
Visita Institucional

Pré-visualização | Página 1 de 3

A VISITA INSTITUCIONAL COMO INSTRUMENTO TÉCNICO-OPERATIVO DO
SERVIÇO SOCIAL NO MINISTÉRIO PÚBLICO DO PARANÁ1
RESUMO
O trabalho propõe-se a apresentar a visita institucional como um dos instrumentos técnico-operativos de que dispõe
os Assistentes Sociais do Ministério Público do Estado do Paraná para viabilizar a sua intervenção na realidade.
Inicia conceituando e contextualizando a profissão num dado modelo de sociedade, apresentando também quais são
os valores que orientam a profissão naquela instituição. Em seguida discute o que é e para quê serve o estudo social.
Aborda-se finalmente o conceito de visita institucional, apresenta-se possíveis objetivos a serem alcançados com o
emprego deste instrumento e descreve-se com algum grau de detalhamento quais são as etapas que devem ser
obedecidas – não de maneira fechada e estanque – na realização de uma visita institucional.
INTRODUÇÃO
O serviço social é uma especialização do trabalho coletivo, inserido na divisão sócio-
técnica do trabalho, cujo produto expressa-se sob a forma de serviços. Tem um papel na
produção e reprodução das relações sociais capitalistas.
A prática profissional do assistente social deve ser pensada como trabalho e o
exercício profissional deve ser visto como processo de trabalho, que tem como matéria prima a
questão social, como meios de trabalho o conhecimento e as habilidades adquiridos pelo
assistente social e como produto a prestação de serviços e o atendimento social na viabilização
do acesso à cidadania.
No processo de trabalho do assistente social do Ministério Público do Estado do
Paraná (MPPR), atua-se com vistas às dimensões da competência teórico-metodológica, ídeo-
política e técnico-operativa.
No âmbito do instrumental técnico-operativo validado no trabalho do Assistente
Social no MPPR, o esforço profissional direciona-se no sentido da valorização do ser humano,
 
1 PEREIRA, Heloise Elaine - Assistente Social.Centro de Apoio Operacional às Promotorias de Defesa do Portador
de Deficiência
POLLIS, Rosilene de Fátima - Assistente Social, Mestre em Administração de Empresas Turísticas e de Hotelaria
(Universidade de Extremadura – Espanha). Centro de Apoio Operacional às Promotorias do Idoso
Promotoria de Justiça de Defesa dos Direitos do Idoso da Comarca de Curitiba.
ROCHA, Marco Antonio da - Assistente Social, Especialista em Magistério Superior (UTP) e em Programas de
Atendimento à Criança e ao Adolescente em Situação de Risco (UFPR), Mestre em Serviço Social, Políticas Sociais
e Movimentos Sociais (PUCSP). Centro de Apoio Operacional das Promotorias Criminais e de Execução Penal.
2
em detrimento da frieza do processo judicial ou do procedimento administrativo através do qual
temos contato com os usuários. 
Assim, objetivamos que o estudo social que realizamos, quer junto a um usuário quer
junto a seu segmento coletivizado, marque positivamente a sua passagem pelos rituais do mundo
jurídico. Neste sentido, nossos instrumentais não se diferem muito daqueles largamente
empregados pela categoria em outros campos de atuação: observação, entrevista, visita
domiciliar, visita institucional, elaboração da documentação em relatórios e pareceres, articulação
com redes de recursos sociais, entre outros.
A VISITA INSTITUCIONAL COMO INSTRUMENTO TÉCNICO-OPERATIVO
Neste documento, pretende-se tratar da visita institucional enquanto instrumento (aqui
entendido como conjunto de recursos ou meios que permitem a operacionalização da ação
profissional) técnico-operativo do serviço social, que veio sendo apropriado e desenvolvido de
maneira peculiar no processo de trabalho do Assistente Social do MPPR. 
Segundo MIOTO (2001, p. 146), o assistente social ao realizar um estudo social - na
maioria das vezes por solicitação de outros profissionais ou por autoridades das mais diferentes
áreas (como do Ministério Público no caso) - o utiliza como um instrumento para conhecer e
analisar a situação vivida por determinados sujeitos2 ou grupo de sujeitos sociais para, ao final,
emitir uma opinião técnica a respeito. 
Assim, o estudo social consiste numa utilização articulada de vários outros
instrumentos, como a entrevista (individual ou conjunta), a observação, a visita (domiciliar ou
institucional) e a análise de documentos.
A visita institucional apresenta-se como um instrumento do agir profissional do
assistente social quando este – a partir de solicitação ou de sua própria iniciativa - entra em
contato com informações3 sobre uma determinada situação social, as quais foi em busca para
 
2 Os sujeitos envolvidos na situação social alvo de estudo podem ser pessoas, instituições e grupos de pessoas.
3 Vale destacar que se entende por informação os dados presentes na realidade social, dados em si, o que não pode
ser confundido com conhecimento, que significa: dados da realidade social interpretados sob a ótica da pessoa e do
profissional que os articula estabelecendo os nexos que aprofundem o conhecimento sobre ela.
3
proceder à realização de um estudo social. Dessa forma, temos que a realização de uma visita
institucional constitui uma das etapas da realização de um estudo social no meio institucional. 
A visita institucional consiste em procedimento técnico-operativo a partir do qual o
Assistente Social, por iniciativa própria ou por solicitação da autoridade - Promotor(a) de Justiça
– desloca-se até uma instituição para, através da observação, coleta de dados, entrevistas, análises
de documentos, conhecer a realidade de atendimento e prestação de serviços a um dado segmento
da população-alvo de uma política pública: idoso, criança, adolescente, pessoas em conflito com
a lei, portadores de deficiência, desprovidos de renda, entre outros. 
A visita institucional poderá ter entre seus objetivos: 
- levantar elementos da realidade institucional, do ponto de vista do Serviço Social,
para subsidiar manifestações ministeriais em procedimentos administrativos instaurados para
apuração de irregularidades em instituições que atendem aos segmentos da população cujos
direitos são defendidos pela Promotoria de Justiça ou Centro de Apoio Operacional.
- verificar se o atendimento prestado pela instituição à população cujos direitos são
defendidos pela Promotoria de Justiça ou Centro de Apoio Operacional (criança e adolescente,
idoso, portador de deficiência, etc.) atende aos padrões estabelecidos em lei, municiando o
representante do Ministério Público com informações que lhe subsidie no exercício de sua função
constitucional de fiscal do cumprimento da Lei;
- aproximar-se da realidade institucional com o objetivo de orientar os agentes
institucionais numa perspectiva de capacitação em relação aos direitos de seus usuários previstos
em lei e para a construção de metodologia de atendimento que respeite tais direitos;
- levantar elementos da realidade que possibilitem ao Ministério Público a realização
de análises e avaliações quanti-qualitativas do trabalho realizado pelas instituições; 
- conhecer e compreender mudanças havidas na dinâmica interna de determinadas
instituições, bem como para avaliar o impacto destas alterações no atendimento prestado por tais
instituições aos seus usuários;
- construir um canal permanente de diálogo entre o Ministério Público e as
instituições, de modo a permitir um constante aperfeiçoamento dos serviços prestados à
população e a consolidar uma compreensão do Ministério Público como defensor dos direitos
sociais e individuais indisponíveis;
- levantar informações e organizá-las um banco de dados sobre os serviços sociais
4
prestados pelas instituições visitadas, de modo a facilitar o acesso da população aos mesmos. 
Para o alcance dos
Página123