A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
339 pág.
Minha caderneta de estagio de Semiotécnica

Pré-visualização | Página 1 de 50

CADERNETA DE ESTÁGIO
Docentes: Adriana Hang, Cristiano Alves, Daniela Pontes , Sônia Dias,Vívian Susi.
Discente: 
 Naime Oliveira Ramos
Ccaso encontrar esta caderneta entrar em contato:
Celular:069-9312-1853
Email: nayme153@gmail.com
 Termos Técnicos
 De
 Enfermagem
	Abscesso: Coleção de pus externa ou internamente.
	
	Bacteriostático: Algo que  detém a multiplicação das bactérias.3
	Afasia: Impossibilidade de falar ou entender a palavra falada.
	
	
Bradicardia: Diminuição dos batimentos cardíacos. 
	Anorexia: Falta de apetite, Inapetência.
	
	Bradipnéia: Movimentos respiratórios abaixo do normal.
	Anóxia: Redução no suprimento de oxigênio nos tecidos.
	
	Caquexia: Desnutrição adiantada, Emagrecimento severo.
	Antissepsia: Desinfecção da pele, mucosas ou tecidos.
	
	Cianose: Cor azulada da pele e mucosas causadas pela oxigenação insuficiente do sangue.
	Anúria : Ausência da eliminação urinaria. 
	
	Coriza: Descarga mucosa pelo nariz.
	Apatia: Ausência sentimento e emoção.
Apnéia: Parada dos movimentos respiratórios.
Ascite: Edema localizado na cavidade peritoneal com acumulo de liquido.
Bactericida: São todas as substâncias químicas ou processos físicos capazes de destruir bactérias na sua forma vegetativa.
Disúria: Micção difícil e dolorosa.
Equimose: Pequeno derrame sanguíneo debaixo da pele.
	
	Disfasia: Dificuldade na compreensão e/ou expressão da linguagem.
	
	
	Disfagia: Dificuldade de deglutir.
Diplopia: Visão dupla.
Dispnéia: Dificuldade respiratória.
	
	
	
	
	
	
Hematêmese: Vômitos com sangue.
Hematúria: Presença de sangue na urina.
	Edema: Retenção ou acúmulo de líquidos no tecido celular.
	
	Hemiplegia:Paralisia de metade do corpo. 
	Enurese: Incontinência urinária noturna.
Eritema: Vermelhidão na pele.
	
	Hemoptise: Hemorragia que provem dos órgãos respiratórios e passa pela glote.
	Eructação: Emissão de gases estomacais pela boca, Arroto.
	
	Hiperpnéia: Respiração acelerada.
	Emese: Ato de vomitar.
Eupnéia: Respiração normal.
	
	Hipertensão: Pressão arterial acima do padrão normal de cada individuo. 
Hiperemia: Aumento da quantidade de sangue circulante, causado por algum trauma ou alergia (vermelhidão).
Hipotermia: Diminuição da Temperatura, abaixo de 36 graus célsius.
Hipóxia:  Diminuição da concentração normal de oxigênio dos tecidos e do sangue. 
	Esteatorréia: Evacuação de fezes descoradas contendo muita gordura.
Epistaxe: Hemorragia nasal.
	
	
	Esturpor: Inconsciência total ou parcial,Mutismo sem preda da percepcao sensorial.
	
	
	Flatulência: Distensão do estomago ou do trato intestinal por gases.
Fecaloma: Acúmulo de fezes muito endurecidas e secas no reto.
	
	
	Isquemia:Obstrução localizada do fluxo de sangue.
	
	
	
Letargia: Sono profundo; torpor; inatividade.
	
	
Pulso apical-radial: É a verificação dos pulsos radial e apical ao mesmo tempo.
Pulso caótico:  O pulso é completamente irregular, sem nenhum padrão de irregularidade.
Pulso bigêmino: O pulso tem batimentos prematuros ocasionais, resultando num intervalo mais curto entre os batimentos, seguindo-se um período mais longo. Pulsações em grupo de duas, com pausa antes do batimento seguinte.
Pulso fraco, filiforme: Seu traçado gráfico é um pequeno fio.
Pulso forte: O que da a sensação de artéria cheia.
	Melena: Hemorragia pelo ânus em forma de borra de café, é o sangue que vem do estomago ou duodeno e sofreu transformações químicas.
Midríase: Dilatação da pupila.
Miose: Contração da pupila.
Necrose: Morte do tecido.
Oligúria: Deficiência de eliminação urinária “Escassez”
Ortopnéia: Acentuada falta de ar em decúbito dorsal.
 Paraplegia:  Paralisia da cintura para baixo.
Polidipsia: Sede Excessiva.
Poliúria: Aumento da quantidade de urina.
Pulso regular:  Os intervalos entre os batimentos são iguais.
Pulso irregular: Os batimentos seguem-se em intervalos irregulares.
Pulso paradoxal:  A força e o volume do pulso periférico estão reduzidos quando o paciente inspira.
Prurido: Coceira intensa.
Respiração de Biot:  Respiração com aumento de frequência e profundidade normal seguidos de apnéia.
Respiração de Cheyne-Stokes: Respiração em ciclos, que aumenta e diminui a profundidade, com períodos de apnéia.
Saburra: 
camada esbranquiçada que recobre a mucosa da língua.
Sialorréia:Salivação excessiva
Taquicardia: Aceleração dos batimentos cardíacos com pulsacoes com frequência acima de 100 por minuto.
Taquipnéia: Aumento anormal da frequência respiratória.
	
	
	
	
	Respiração de Kuusmaul: É um processo respiratório profundo e trabalhoso que normalmente esta associado a uma acidose metabólica.
	
	
	
	
	
	
	
	
	
	
	
	
	
	
	
	
	
	
	
	
	
	
	
	
	
	
	
	
	
	
	
	
	
	
	
	
	
	
	
	
	
	
	
	
	
	
	
	
	
	
	
 
 Estudo 
 Farmacológico
Estudo Farmacológico
Este estudo farmacológico possui as seguintes descrições sobre o medicamento citado.
Princípio Ativo 
(Classificação )
Nomes Comerciais
Apresentações
Indicações 
Reações Adversas
Cuidados de Enfermagem
A
ACICLOVIR
Nomes comerciais: 
ACICLOR, ACICLOVIR, ACIVERAL, ACIVIRAX, ANCLOMAX, HERPESIL, UNI VIR, ZOVIRAX
Apresentações:
 Comprimidos de 125mg, 200mg, 400mg, 500mg. Frascos-ampolas com 250mg de pó liofilizado para infusão intravenosa. Bisnagas com 2g, 5g ou 10g de creme dermatológico. Bisnagas com 4,5g de pomada oftálmica.
Propriedades: Incorpora-se ao DNA do vírus impedindo a multiplicação viral.
Grupo farmacológico: 
Antivirais
Vias de administração: VO, IV e tópico.
Indicações: Herpes genital, Varicela.
Reações adversas: 
CV - hipotensão. Dermatológicas - rash, prurido. GI - náusea, vômito, diarreia. GU - elevação da creatinina, hematúria. Locais - inflamação, erupção vesicular, flebite (IV). SNC – associados à 1ª dose: cefaleia, distúrbios encefálicos (letargia, tremor, confusão, agitação, convulsão, coma).
Interações: 
Probenecida causa aumento do nível sanguíneo do aciclovir (recomenda-se monitorizar a toxicidade). Zidovudina causa possível letargia ou desmaio.
Cuidados de Enfermagem
- Instrua o paciente a tomar a medicação conforme recomendado e não interromper o tratamento sem o conhecimento do médico, ainda que melhore. A medicação controla a infecção, mas não cura a doença, e deve ser usada somente para interromper o início da infecção.
- O uso da medicação tem sido mais benéfico em adolescentes do que em crianças.
- A medicação deve ser usada cuidadosamente em pacientes com distúrbios neurológicos ou com antecedentes de reação a drogas neurotóxicas, devido à maior suscetibilidade de desenvolvimento de encefalite.
- Informe ao paciente as reações adversas mais frequentes e os principais sinais de infecção (dor no local, prurido, queimação) e que, diante da ocorrência de qualquer um deles, o médico deverá ser comunicado imediatamente.
- O paciente deverá receber hidratação adequada.
- Recomende ao paciente a ingestão de 1,5-2,5 litros/dia, para diminuir o risco de nefrotoxicidade durante a terapia.
- Durante a terapia, monitore os níveis de creatinina e, diante de qualquer elevação, comunique imediatamente ao médico.
- IM ou SC: a medicação não deve ser administrada por essas vias.
- IV: infunda no mínimo, em 1h, para prevenir distúrbio renal; concentrações > 10mg/ml estão associadas com as incidências de flebite.
ADRENALINA
Nome comercial:
 DRENALIN 
Apresentações: 
Ampolas de 1ml (1,82mg). Vidros (6ml) para nebulização.
Grupo farmacológico:
 Simpaticomimético
Propriedades: Resulta no acúmulo de fosfato cíclico de adenosina (AMP-cíclico)