A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
48 pág.
Aula 02- Avaliação Sistemática dos Sinais Vitais

Pré-visualização | Página 1 de 2

AVALIAÇÃO SISTEMÁTICA 
DOS SINAIS VITAIS
Prof. Alexandre Carvalho
alexandre-carvalho-inta@outlook.com
SINAIS VITAIS
• São os sinais das funções orgânicas básicas,
sinais clínicos de vida, que refletem o equilíbrio
ou o desequilíbrio resultante das interações
entre os sistemas do organismo e uma
determinada doença.
• São medidas que nos fornecem dados
fisiológicos indicando as condições de saúde da
pessoa.
Prof. Alexandre Carvalho
OBJETIVOS
• Auxiliar na coleta de dados e avaliação das
condições de saúde do indivíduo.
• Instrumentalizar o fisioterapeuta na tomada
de decisões sobre intervenções específicas.
Prof. Alexandre Carvalho
ELEMENTOS QUE COMPÕEM OS 
SINAIS VITAIS
• Temperatura;
• Pulso ou Batimentos Cardíacos;
• Respiração;
• Pressão ou Tensão Arterial.
Prof. Alexandre Carvalho
MATERIAL
• Termômetro de mercúrio/digital;
• Esfigmomanômetro calibrado;
• Estetoscópio;
• Relógio.
Prof. Alexandre Carvalho
Prof. Alexandre Carvalho
TEMPERATURA
Prof. Alexandre Carvalho
• Os receptores específicos do frio, que
existem em maior quantidade, denominam-
se corpúsculos de Krause.
• Por sua vez, os corpúsculos de Ruffini são
os receptores específicos do calor e existem
em menor número.
RECEPTORES TÉRMICOS
Prof. Alexandre Carvalho
• A temperatura central interna pode variar
de 35ºC a 41ºC dependendo das
condições.
Locais habitualmente mensurados:
• Axilar: temperatura normal entre 36,0 a
36,5°C.
• Bucal: temperatura normal entre 36,0 a
37,4°C.
Prof. Alexandre Carvalho
TERMOS UTILIZADOS
• Normotermia: temperatura corporal normal;
• Afebril: ausência de elevação da temperatura;
• Febrícula: 37,2°C a 37,8°C;
• Febre ou Hipertermia: a partir de 37,8°C;
• Hiperpirexia: a partir de 41°C
• Hipotermia: temperatura abaixo do normal.
Prof. Alexandre Carvalho
MECANISMOS DE CONTROLE DA 
TEMPERATURA
• O equilíbrio entre a perda e a produção de
calor é o resultado de vários mecanismo
internos de controle.
• O hipotálamo, localizado entre os
hemisférios cerebrais é o termostato
corpóreo.
Prof. Alexandre Carvalho
PULSO
Prof. Alexandre Carvalho
• É o batimento que se percebe numa artéria e
que corresponde, em condições fisiológicas,
à sístole cardíaca (contração do ventrículo),
momento onde o sangue é ejetado.
• O pulso se dá devido à propagação de uma
onda positiva que, das grandes artérias,
chega até os capilares. Esta onda é
provocada pela brusca penetração do
sangue na aorta, a cada sístole ventricular.
Prof. Alexandre Carvalho
FATORES QUE AFETAM AS 
FREQUÊNCIAS CARDÍACAS
• EXERCÍCIO: Exercício de curta duração
aumenta a FC - Longa duração fortalece a
musculatura cardíaca resultando na
diminuição da FC.
• FEBRE, CALOR: Aumenta a FC devido aumento
do ritmo metabólico.
Prof. Alexandre Carvalho
• DOR: Aumenta a FC devido à estimulação
simpática.
• DROGAS: Determinadas drogas podem
desacelerar ou acelerar a taxa de contrações
cardíacas. EX. digitálicos e sedativos
desaceleram, cafeína, nicotina, cocaína,
aumentam as contrações cardíacas.
FATORES QUE AFETAM AS 
FREQUÊNCIAS CARDÍACAS
Prof. Alexandre Carvalho
CARACTERÍSTICAS DO PULSO
• Frequência;
• Ritmo;
• Intensidade/Volume.
Prof. Alexandre Carvalho
FREQUÊNCIA
Corresponde ao número de pulsações por
minuto e varia de acordo com a idade e o sexo.
Valores Normais:
• Recém-nascido: 120bpm
• Adolescente/Adulto: 90bpm
Prof. Alexandre Carvalho
RITMO
• Refere-se ao padrão das pulsações e das
pausas entre elas.
• Quando regulares são sucessivos.
• Quando irregular é chamado de arritmia ou
disritmia.
Prof. Alexandre Carvalho
INTENSIDADE OU VOLUME
• Reflete o volume de sangue ejetado.
• Pulso normal é cheio, facilmente palpável, não
sendo facilmente interrompido pelos dedos.
• Pulso intenso é facilmente palpável e difícil de
ser interrompido.
• Pulso fraco é de difícil palpação e facilmente
interrompido.
Prof. Alexandre Carvalho
LOCAIS DE VERIFICAÇÃO
• Na prática, faz-se a verificação do pulso na
artéria radial (região do antebraço).
• A medida deve ser feita a 2 cm da base do
polegar utilizando dois dedos ao longo do
curso vascular comprimindo-o contra o osso
rádio.
Prof. Alexandre Carvalho
Prof. Alexandre Carvalho
Prof. Alexandre Carvalho
FREQUÊNCIA CARDÍACA
Prof. Alexandre Carvalho
• É medida auscultando-se o peito com um
estetoscópio.
• Área chamada de ponto de impulso máximo.
Prof. Alexandre Carvalho
TERMINOLOGIA
• Normocardia: frequência normal: 60-100
bpm;
• Bradicardia: frequência abaixo do normal: <
60 bpm
• Taquicardia: frequência acima do normal: >
100 bpm
• Taquisfigmia: pulso fino e taquicárdico;
• Bradisfigmia: pulso fino e bradicárdico;
Prof. Alexandre Carvalho
RESPIRAÇÃO
Prof. Alexandre Carvalho
• RESPIRAÇÃO EXTERNA: movimento de ar
entre o ambiente e os pulmões.
• RESPIRAÇÃO INTERNA: troca de oxigênio e
de dióxido de carbono entre o sangue e as
células do organismo.
• VENTILAÇÃO: composto pela inalação ou
inspiração e a exalação ou expiração
Prof. Alexandre Carvalho
FATORES QUE INFLUENCIAM NA 
RESPIRAÇÃO
• DOENÇA OU INDISPOSIÇÃO: Ex. enfisema
ou bronquite, altera o estímulo natural.
• ESTRESSE: ansiedade causa
hiperventilação.
• IDADE: frequência e capacidade pulmonar.
Prof. Alexandre Carvalho
• POSIÇÃO CORPÓREA: posição curvada ou
abaixada reduz a amplitude respiratória.
• DROGAS: narcóticos deprimem a habilidade
de respiração, outras podem aumentar ou
diminuir ou afetar o ritmo.
• EXERCÍCIOS: O exercício aumenta a frequência
e a amplitude respiratória.
Prof. Alexandre Carvalho
FREQUÊNCIA RESPIRATÓRIA
• Valor normal : 
Eupnéia 16 a 20 incursões por minuto (ipm);
• Valor alterado: 
Taquipnéia acima de 20 ipm
Bradipnéia abaixo de 16 ipm
Prof. Alexandre Carvalho
TERMINOLOGIA
• DISPNEIA: dificuldade de respirar, caracterizada por
respiração rápida e curta.
• EUPNEIA: presente em indivíduo que respira
normalmente (eupneico).
• TAQUIPNEIA: aumento da frequência respiratória.
• BRADIPNEIA: redução da frequência respiratória.
• APNEIA: ausência de movimentos respiratórios.
Prof. Alexandre Carvalho
• ORTOPNEIA: dispnéia em decúbito, aliviada
pelo menos parcialmente ao sentar, ou
pela elevação parcial do tronco.
• HIPERPNÉIA: presente quando há
respirações profundas, rápidas e anormais.
• HIPERVENTILAÇÃO: respiração excessiva com
ou sem a presença de dispnéia, muitas
vezes presentes em quadros de ansiedade.
TERMINOLOGIA
Prof. Alexandre Carvalho
TÉCNICA PARA VERIFICAÇÃO
• Contar a frequência respiratória durante
30’’, multiplicando-se por 2, observar o tipo
e as características da respiração.
• Estando ainda verificando o pulso, deve-se
observar o padrão da respiração do paciente.
• Se os movimentos respiratórios são
anormais, conta-se o número de
movimentos durante um minuto completo.
Prof. Alexandre Carvalho
PRESSÃO ARTERIAL
Prof. Alexandre Carvalho
A pressão ou tensão arterial é um parâmetro de
suma importância na investigação diagnóstica,
sendo obrigatório em toda consulta de qualquer
especialidade. É medida com a utilização do
esfignomanômetro e do estetoscópio.
Prof. Alexandre Carvalho
• É a força exercida pelo sangue no interior das
artérias.
• Pessoas saudáveis, as paredes arteriais são
elásticas e alongam-se e encolhem-se com
facilidade;
• Unidade padrão milímetros de mercúrio (mmHg)
• O pico de pressão máxima ocorre durante a
sístole.
• A pressão diastólica é sempre a pressão mínima
exercida sobre as paredes arteriais.
Prof. Alexandre Carvalho
Normalidade de acordo com a IDADE
• 4 anos = 85/60 mmHg;