A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
42 pág.
Processo Legislativo Federal - MÓDULO II

Pré-visualização | Página 3 de 8

despachados 
à Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional, perante a qual todos os 
Senadores podem apresentar emendas no prazo de cinco dias úteis. A 
Comissão tem o prazo de quinze dias úteis, prorrogável por igual período, para 
opinar sobre o projeto. Publicados o parecer e as emendas, que também serão 
distribuídos em avulsos, e decorrido o interstício regimental, a matéria será 
incluída na Ordem do Dia. Caso não seja emitido o parecer pela Comissão, e 
se faltarem dez dias ou menos para o término do prazo no qual o Brasil deva 
se manifestar sobre o ato em questão, o projeto é incluído na Ordem do Dia 
para receber parecer em plenário por relator designado pelo Presidente da 
Casa. Como os outros projetos de decreto legislativo, uma vez aprovado em 
ambas as Casas do Poder Legislativo, o decreto legislativo dele oriundo é 
promulgado pelo Presidente do Senado. 
 
Uma outra matéria que tramita na forma de PDS diz respeito ao art. 49, XV: 
autorizar referendo e convocar plebiscito. A Lei nº 9.709, de 18.11.98, dispõe 
que para dar início a esse projeto é necessário que 1/3 dos Senadores o 
assinem. Quanto às demais etapas de tramitação, equivale a um outro PDS em 
rito normal, com aprovação por maioria simples. 
 
Há outros casos de PDS, como, por exemplo, o destinado a sustar atos do 
Poder Executivo (CF, art. 49, V). Depois de submetido à Comissão competente 
que emitirá parecer sobre a matéria, esse parecer será lido em Plenário, 
numerado e publicado no DSF e em avulsos. A seguir, tem início o prazo de 
cinco dias úteis para que a Mesa receba emendas. Se não houver emendas, o 
projeto está pronto para agendamento na Ordem do Dia. Caso sejam 
apresentadas emendas, as Comissões deverão apresentar parecer. Depois 
que o parecer tenha sido emitido, lido, numerado e publicado, observado o 
interstício regimental de três dias úteis entre sua publicação e o início da 
discussão da matéria, o projeto pode ser incluído na Ordem do Dia. 
 
Referência: 
CF - arts. 49. 
RISF - arts. 211; 213; 280; 281; 288, IV; 294; 375; 376. 
 
Pág. 3 
 
 
C) PROJETO DE RESOLUÇÃO DO SENADO (PRS) - Apreciado somente 
pelo Senado (Não é submetido à revisão pela Câmara dos Deputados) 
 
Existem vários tipos de projeto de resolução. Vejamos: 
 
I. Alteração do Regimento Interno do Senado (RISF): 
 
a) O RISF pode ser alterado por iniciativa de qualquer Senador ou da 
Comissão Diretora. 
 
Como toda proposição legislativa, o projeto é lido no Período do Expediente. É 
aberto prazo de cinco dias úteis para recebimento de emendas perante a 
Mesa. Havendo ou não emendas, o projeto é remetido à CCJ e, em seguida, à 
Comissão Diretora (CDIR). Caso o projeto seja de origem da própria CDIR, o 
projeto só voltará a ela se tiver recebido emendas. Uma vez que já tenham sido 
dados os pareceres, eles são lidos no Período do Expediente, numerados e 
publicados no DSF e em avulsos para distribuição aos Senadores. Esse é o 
procedimento usual. Decorrido o interstício regimental, o projeto está pronto 
para ser incluído na Ordem do Dia para turno único de discussão e votação. 
 
b) O RISF pode ser alterado ou reformado como um todo. Nesse segundo 
caso, é constituída uma comissão temporária especial de Senadores aprovada 
pelo Plenário, destinada a analisar e elaborar um projeto de resolução. Dessa 
comissão deverá fazer parte um membro da Comissão Diretora. Uma vez lido o 
projeto em plenário, tem início o prazo de cinco dias úteis para 
encaminhamento de emendas à Mesa. Recebendo ou não emendas, o projeto 
vai à CCJ e, se ali receber emendas, volta à Comissão Especial para emissão 
de parecer. Os pareceres são lidos no Período do Expediente, numerados e 
publicados. Depois do interstício regimental, o projeto pode ser agendado na 
Ordem do Dia. 
 
 
II. A CCJ apresenta projeto de resolução suspendendo, no todo ou em parte, lei 
declarada inconstitucional pelo Supremo Tribunal Federal, como conclusão de 
seu parecer a um Ofício S (Senado) sobre a matéria que foi enviada ao Senado 
pelo STF. Essa matéria tramita somente no Senado e tem caráter terminativo 
na CCJ. 
 
Como toda matéria que tramita em rito terminativo, uma vez aprovada pela 
Comissão, seu Presidente comunica o fato, através de ofício, ao Presidente da 
Casa, que dá ciência ao Plenário, no Período do Expediente. Inicia-se o prazo 
de cinco dias úteis para interposição de recurso por 1/10 de Senadores. Se não 
houver recurso, como a matéria é de competência privativa do Senado, o 
Presidente da Casa promulga a resolução. Se houver recurso, a matéria ainda 
deve ser apreciada pelo Plenário do Senado. Antes de ir a plenário, abre-se 
prazo de cinco dias úteis para encaminhamento de emendas à Mesa. Sem 
emendas, passado o interstício regimental, o projeto pode ir para a Ordem do 
Dia. Com emendas, volta à CCJ para, só depois do parecer emitido, lido, 
numerado e publicado, ser incluído na Ordem do Dia. 
 
 
 
 
 
 
Pág. 4 
 
Tipos de projeto de resolução 
 
III. A Comissão de Assuntos Econômicos apresenta projeto de resolução como 
conclusão de seu parecer, quando do exame de matérias financeiras como 
pedido de autorização para operações externas de interesse da União, dos 
Estados, do Distrito Federal, dos Territórios e dos Municípios ou de aval em 
contratação de operação de empréstimo externo por entidade autárquica 
subordinada aos governos Federal, Estadual ou Municipal. O processo, que 
tem início com a documentação encaminhada pelo Banco Central, recebe a 
denominação, no Senado, de Ofício S, e vai à CAE para parecer. Uma vez lido 
o Projeto de Resolução (objeto de parecer da CAE) em plenário, numerado e 
publicado, tem início o prazo de cinco dias úteis para emendas. Sem emendas, 
vai à Ordem do Dia; com emendas, à CAE para parecer, que será lido, 
numerado e publicado para posterior inclusão na Ordem do Dia. 
 
IV. A Comissão de Assuntos Econômicos: 
 
 por proposta do Presidente da República, apresenta projeto de 
resolução como conclusão de seu parecer, fixando limites globais para o 
montante da dívida consolidada da União, dos Estados, do DF e dos 
Municípios; 
 por proposta do Presidente da República ou de 1/3 dos membros do 
Senado, apresenta à Comissão, em conclusão de seu parecer, PRS 
estabelecendo alíquotas aplicáveis às operações e prestações 
interestaduais e de exportação, devendo ser aprovado por maioria 
absoluta de votos do Plenário do Senado; 
 por iniciativa de 1/3 dos membros do Senado, a CAE apresenta, 
também, em conclusão de parecer, PRS que, para ser aprovado, precisa 
da maioria absoluta de votos favoráveis da Casa, estabelecendo 
alíquotas mínimas nas operações internas; por iniciativa da maioria 
absoluta dos membros do Senado, a CAE ainda apresenta PRS em 
conclusão de seu parecer, que deve ser aprovado por 2/3 da 
composição da Casa, fixando alíquotas máximas nas operações internas 
para resolver conflito específico que envolva interesse de Estados e do 
DF. 
Em todos esses casos, o procedimento é o mesmo que para outro projeto de 
resolução advindo de conclusão de parecer. Lido no Período do Expediente, é 
numerado e publicado, ficando sobre a Mesa para recebimento de emendas 
durante cinco dias úteis. Com emendas, o projeto volta à CAE para parecer 
antes de ser agendado. Sem emendas, já estará pronto para o agendamento. 
 
Ainda sobre matéria financeira, a CAE apresenta PRS dispondo sobre limites 
globais e condições para as operações de crédito externo e interno da União, 
dos Estados, DF e Municípios, de suas autarquias e demais entidades 
controladas pelo poder público federal; ou dispondo