A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
aula_04_patologia_das_estruturas_de_ca continuação 2

Pré-visualização | Página 1 de 1

*
Patologia das Estruturas de Concreto Armado
Universidade de Passo Fundo
Curso de Engenharia Civil
Profa. Adriana Augustin Silveira
aas@upf.br
*
Cronograma de abordagem de um problema patológico em estruturas de concreto armado 
INSPEÇÃO OU VISTORIA
Histórico e levantamento das manifestações
Retirada de amostras e/ou
Corpos-de-prova
Análise das causas da degradação
Deformações excessivas 
Desagregação
Carbonatação
Lixiviação
Corrosão
Umidade
Trincas
Lascamentos
Diagnóstico
otimista
pessimista
Terapêutica
reparação
demolição
1
2
3
4
*
 Patologia das Estruturas de Concreto
	Nos últimos anos tem crescido o número de estruturas de 	concreto armado com manifestações patológicas, como 	resultado do envelhecimento precoce das construções 	existentes.
	28 milhões de dólares em obras de recuperação e reforço
	(HELENE, 1987)
	Em países desenvolvidos estima-se que 20 a 40% de todos os recursos investidos anualmente na industria da construção civil sejam aplicados no reparo e manutenção de estruturas já existentes.
Introdução 
*
pouca divulgação das manifestações patológicas
fenômenos evolutivos (corrosão)
obter subsídios para a prevenção (controle de qualidade)
obter subsídios para correções (reparos e reforços)
economia (gastos com obras acabadas)
USA - 3% PIB
Alemanha - 2% PIB
Japão- 2,5%PIB
Importância
*
American Railway Engineering Association (1918):
Erros de materiais
Erros de projeto
Erros de execução
Cargas excepcionais e decimbramentos precoces
Alicerces insuficientes
Incêndios
*
Origem dos problemas patológicos nas estruturas de concreto armado.
Levantamento sobre origem dos acidentes estruturais
(Bélgica, Inglaterra, Alemanha década de 80)
Erros de cálculo
Erros de detalhamento
Concepção inadequada
Avaliação errada das ações atuantes
Hipóteses de cálculo erradas
Qualidade dos materiais
Qualidade na execução
Técnicas inadequadas
Falta de fiscalização
*
Levantamento de problemas em estruturas de concreto armado
junto ao CIENTEC (DAL MOLIN, 1988)
Origem dos problemas patológicos nas estruturas de concreto armado.
29%
12%
14%
6%-fundações
11% -retração
1,75% dess.superfcial
0,35% - ass.plástico
Execução
Gráfico1
		0.29
		0.12
		0.14
5,59% 13% 0,35% 11% 1,75%
Plan1
		
		
		
		
		
		
		Fund		5,59%
		Eletr.		13%
		Aplástico		0,35%
		retração		11%
		dess.sup		1,75%
		mov. Térmica		29%
		corrosão		12%
		sobrecargas		14%
Plan1
		
5,59% 13% 0,35% 11% 1,75%
Plan2
		
Plan3
		
*
Origem dos problemas patológicos nas estruturas de concreto armado.
CARMONA FILHO e MAREGA (1990) divulgaram uma estatística retratando os problemas comuns no país, classificados de acordo com a origem da incidência. 
*
Conceito de vida útil (VUP) antigo
Uma estrutura oferece segurança quando ela possui condições de suportar sem atingir um estado limite, imediato ou a longo prazo, em condições de funcionalidade, todas as ações com as intensidades e combinações mais desfavoráveis de atuação possível ao longo de sua vida útil.
	 (Lauro Modesto dos Santos, 1983)
*
Conceito de vida útil (VUP) e durabilidade
recente NBR 15575(2013)
Vida útil: entende-se por vida útil o tempo durante o qual se mantém as características da estrutura, sem exigir medidas extras de manutenção e reparo.
				Como quantificar?
				Depende do que?
$$$$$$
*
Durabilidade:
Pode ser definida como a capacidade de resistir às diversas ações (ambientais, agressivas ou qualquer outro processo de deterioração) conservando sua forma original, qualidade e capacidade de utilização. 
*
Depende de vários fatores		
						desempenho dos elementos
						situação de exposição
						importância da obra
Importância da obra : 
			caráter provisório: 1 ano
			caráter permanente (ponte): 50, 75 ou 100 anos
	
*
Vida útil de diferentes tipos de estruturas recomendadas por diversas normas
Brasil : NBR 61181/2003 : mínimo 50 anos
*
Prescrições NBR 6118(2003)
DURABILIDADE
Tabela 6.1 NBR 6118 p.14 e Tabela 1 NBR 12655 p.7
*
Prescrições NBR 6118(2003)
DURABILIDADE
Tabela 7.1 NBR 6118 p.15 e Tabela 2 NBR 12655 p.8
*
*
Cobrimento da armadura = proteção física e 
química 
*
A importância do cobrimento na corrosão
da armadura a principal patologia do concreto
•O que é despassivação???
Armadura passivada
Armadura despassivada
*
Porque ocorre a corrosão?
•O que é passivação???
A alta alcalinidade do concreto (pH > 12,5), gera um concreto termodinamicamente estável,
 A resistência elétrica é alta,
A porosidade e permeabilidade promove a habilidade de mobilizar íons agressivos. 
*
Porque ocorre a corrosão?
•O que é DESpassivação???
*
Cobrimento da armadura = proteção física 
*
Cobrimento da armadura = proteção física 
*
	A associação destes dois conceitos é quase inevitável!
				Vida útil x durabilidade
	A concepção de uma estrutura durável implica a adoção de um conjunto de decisões e procedimentos que garantam a estrutura e aos materiais que a compõem, um desempenho satisfatório ao longo da vida útil da construção.
Conceito de vida útil e durabilidade
Avaliação do meio x qualidade do concreto
*
Conceito de vida útil e durabilidade
NBR 15575(2013) e NBR 6118 (2003)
*
SOUZA e RIPPER, 1998
*
*
Deterioração do concreto
*
Barragens de concreto
*
Rodovias, canais, dutos
Abrasão do concreto
*
Erosão em pilar de ponte de CA
*
*
Abrasão em pisos de concreto e galerias
*
Cavitação em superfícies hidráulicas de concreto
*
Fissuração em estruturas de concreto armado
*
A,B,C- assentamento plástico
D,E,F- retração plástica
G,H – contração térmica primeiras idades
I – movimentação térmica
L,M corrosão
N - RAA
Classification of intrinsic cracks- COMITE EUROINTERNATIONAL DU BETON
CEB N.183
*
Concreto CCV
Impermeabilidade
DURABILIDADE
Distribuição dimensional dos poros CEB 183
*
Concreto CCV como material poroso
Transporte de Água
Gases
Substâncias agressivas
dissolvidas
Capilaridade
Difusão
Penetração
*
Deterioração do concreto
*
*
*
*
*
*
*
*
*
*
*
*
*
*