A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
15 pág.
ANATOMIA DE FRUTOS E SEMENTES

Pré-visualização | Página 1 de 4

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ 
CAMPUS UNIVERSITÁRIO PROFESSORA CINOBELINA ELVAS 
BACHARELADO EM ENGENHARIA AGRONÔMICA 
DISCIPLINA DE ANATOMIA VEGETAL 
 
 
 
 
ANATOMIA DE FRUTOS E SEMENTES 
 
 
ADRIANNA BARREIRA DE MACÊDO CARVALHO 
ANA PAULA MOREIRA QUEIROZ 
ELDIMAR GUEDES EUFRAUSINO JÚNIOR 
DAMARIS PINHEIRO DOS SANTOS 
DHIONE GULART SARTORI 
GUSTAVO SARAIVA DA SILVA 
JOÃO VITTOR AVELINO 
KAIO GABRIEL DA CONSEIÇÃO SANTOS 
MARCOS DAVID RIBEIRO DE SOUZA 
MATEUS DA SILVA COSTA 
 
 
BOM JESUS, PIAUÍ 
2016 
 
ADRIANNA BARREIRA DE MACÊDO CARVALHO 
ANA PAULA MOREIRA QUEIROZ 
ELDIMAR GUEDES EUFRAUSINO JÚNIOR 
DAMARIS PINHEIRO DOS SANTOS 
DHIONE GULART SARTORI 
GUSTAVO SARAIVA DA SILVA 
JOÃO VITTOR AVELINO 
KAIO GABRIEL DA CONCEIÇÃO SANTOS 
MARCOS DAVID RIBEIRO DE SOUZA 
MATEUS DA SILVA COSTA 
 
 
ANATOMIA DE FRUTOS E SEMENTES 
 
Trabalho apresentado como requisito parcial para 
obtenção de aprovação na disciplina ANATOMIA 
VEGETAL, no curso ENGENHARIA AGRONÔMICA, 
na UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ, CAMPUS 
UNIVERSITÁRIO PROFESSORA CINOBELINA 
ELVAS. 
Prof. KEZIA APARECIDA DE SOUSA COELHO 
 
 
 
 
BOM JESUS, PIAUÍ 
2016 
 
SUMÁRIO 
 
1. INTRODUÇÃO ..................................................................................................... 4 
2. DESENVOLVIMENTO DO FRUTO ....................................................................... 5 
2.1. Desenvolvimento do Pericarpo ........................................................................... 5 
2.1.1. Origem e estrutura do exocarpo ................................................................... 5 
2.1.2. Origem e estrutura do mesocarpo ................................................................. 6 
2.1.3. Origem e estrutura do endocarpo .................................................................. 6 
2.2. Vascularização do Pericarpo .............................................................................. 6 
2.3. Mecanismo de Dispersão dos Frutos ................................................................... 7 
3. DESENVOLVIMENTO DA SEMENTE .................................................................. 7 
3.1. Desenvolvimento da Semente de Magnoliophyta (Angiospermae) ......................... 7 
3.1.1. Óvulo ........................................................................................................ 7 
3.2. Tipos de Sacos Embrionários ............................................................................. 8 
3.2.1. Óvulos com saco embrionário reto ................................................................... 8 
3.2.2. Óvulos com saco embrionário curvo ................................................................ 8 
3.3. Semente Amadurecida ....................................................................................... 9 
3.4. Tipos de Sementes .......................................................................................... 10 
3.5. Estrutura Protetora da Semente ......................................................................... 11 
3.6. Tegumentos ................................................................................................... 12 
3.7. Endosperma ................................................................................................... 12 
3.8. Embrião ......................................................................................................... 13 
4. CONCLUSÃO ..................................................................................................... 14 
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ............................................................................ 15 
 
 
1. INTRODUÇÃO 
O surgimento de frutos e sementes nos grupos vegetais superiores, sendo o fruto exclusivo 
das angiospermas, é decorrente do processo de adaptação evolutiva ao meio externo. Ambos 
têm como característica promover melhor dispersão de tais variedades de vegetal, tonando 
assim as plantas superiores as mais abundantes no globo terrestre. 
Relativo ao fruto, este é exclusivamente oriundo do ovário, uma vez que apresenta função 
de proteção para as sementes, no entanto há os pseudofrutos originados de outras partes florais, 
como o receptáculo, sépalas, pétalas, estames e pedúnculo. O fruto é dividido em pericarpo e 
sementes, sendo o pericarpo o constituinte da parede do fruto podendo ser carnoso, semicarnoso 
ou seco. O pericarpo é subdividido em epicarpo, mesocarpo e endocarpo, sendo estes 
diferenciados claramente mediante análise microscópica de seus tecidos. Os frutos podem ser 
disseminados/dispersos de forma natural, assegurando, dessa forma, que o vegetal possa ocupar 
diferentes locais do ambiente da planta progenitora. Esta disseminação pode ser realizada 
através de agentes bióticos e abióticos. 
No que diz respeito a sementes, está é originada do óvulo ou do rudimento seminal que 
permanece inserido no pericarpo do fruto, no entanto há plantas cujas as sementes são formadas 
sem passar pelo processo de fecundação, sendo assim as sementes são chamadas de apomíticas. 
Decorrente de sua ovulação a semente amadurecida apresenta cicatrizes na sua superfície como 
a micrópila, o hilo e a rafe, e em algumas sementes de espécies da família Fabaceae pode ocorrer 
uma cicatriz chamada de linha fissural. As sementes podem ser subdivididas em tegumentos, 
endosperma e embrião. 
O objetivo do trabalho é descrever a anatomia vegetal dos órgãos de dispersão (frutos e 
sementes), a fim de passar ao leitor de forma sucinta como se dá o processo de formação e 
desenvolvimento de tais órgãos. 
 
2. DESENVOLVIMENTO DO FRUTO 
O fruto é o amadurecimento do ovário. Sua ontogenia compreende vários estádios, que 
se discorre nas seguintes etapas: diferenciação celular, alongamento e maturação das células 
presentes no carpelo. Em destaque no processo da diferenciação ocorre alterações químicas e 
estruturais da parede e do conteúdo celular, perda de agua e até morte celular. 
O fruto considerado verdadeiro é proveniente unicamente do ovário, e ao fim do seu 
desenvolvimento é compreendido de pericarpo e semente, sendo o pericarpo originado da 
parede do ovário, e a semente, tem origem no rudimento seminal ou óvulo. 
O pseudofruto, são estruturas vegetais suculentas que comumente chamamos de fruto, no 
entanto, tecnicamente não são, em termos biológicos. Isto porque, o pseudofruto não se origina 
do ovário da flor, originando-se, portanto, de uma outra parte floral, podendo ser do receptáculo 
floral ou do pecíolo. Como exemplo tem-se, a maça, o morango e a pera. 
O pericarpo pode ser anatomicamente homogêneo ou heterogêneo, quando heterogêneo 
apresenta subdivisões, sendo elas: exocarpo, mesocarpo e endocarpo. Estas camadas são de 
difícil visualização e classificação, uma vez que nem todos os frutos apresentam delimitação 
entre um e outra. De forma geral estas três regiões podem ser definidas segundo o estudo 
ontogenético do pericarpo, ou seja, o acompanhamento do seu desenvolvimento desde o ovário 
da flor. Cabe enfatizar que o entendimento sobre o desenvolvimento do fruto só após a 
polinização é equivocado. 
2.1. Desenvolvimento do Pericarpo 
2.1.1. Origem e estrutura do exocarpo 
O exocarpo ou epicarpo, é proveniente da epiderme externa do ovário. Esta epiderme é 
caracterizada como unisseriada, cuticularizada, pilosa e estomatífera, apresentando em alguns 
casos tricomas, sendo estes tectores ou glandulares, estando presentes somente na fase inicial 
do desenvolvimento. 
O processo de diferenciação da epiderme em exocarpo se dá pelo aumento no tamanho 
das células, perda ou formação de tricomas, espessamento da parede celular e alteração