A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
408 pág.
CamposSulinos

Pré-visualização | Página 50 de 50

o mesmo número de 
espécies ameaçadas que a Amazônia, que ocupa uma superfície mais de 20 vezes maior e possui 
cerca de 1.300 espécies de aves (contra 476 nos Campos Sulinos).
Áreas importantes para a conservação
Dos principais esforços de identificação de áreas importantes para a conservação da 
biodiversidade desenvolvidos nos últimos anos (Tab. 7.5), seis incorporam bases de dados 
de fauna nas análises e dois baseiam-se exclusivamente nesse componente da biodiversidade 
para designar áreas de importância especial (ambos utilizam aves como indicadoras de 
relevância biológica). Nos Campos Sulinos, as áreas designadas com base em dados de avifauna 
compreendem uma EBA – Endemic Bird Area (Campos Mesopotâmicos Argentinos), definida 
pela sobreposição da distribuição reprodutiva de três espécies globalmente ameaçadas de 
caboclinhos do gênero Sporophila, e um total de 14 Áreas Importantes para a Conservação 
das Aves, ou IBAs – Important Bird Areas (Tab. 7.6). As IBAs dos Campos Sulinos cobrem 
todos os principais encraves de campos de planalto no domínio da Mata Atlântica, mas incluem 
apenas áreas relativamente restritas no bioma Pampa. As IBAs apresentam grande sobreposição 
com as Áreas Valiosas de Pastizal (Bilenca & Miñarro 2004) e com as Áreas Prioritárias para 
Conservação da Biodiversidade (MMA 2007).
 Tabela 7.4 | Número de espécies ameaçadas ou extintas por bioma brasileiro 
(adaptado de Paglia 2005). % CR = percentual de espécies na categoria mais 
alta de ameaça (criticamente em perigo).
Biomas Total % % CR
Mata Atlântica 383 60,5 22,5
Cerrado 112 17,6 11,6
Marinho 92 14,5 10,9
Campos Sulinos 60 9,4 18,3
Amazônia 58 9,1 17,2
Caatinga 43 6,8 23,3
Pantanal 30 4,7 3,3
BRASIL 633 100,0 19,7
Ca
m
po
s 
Su
lin
os
 |
 C
ap
ítu
lo
 7
108
 Tabela 7.5 | Esforços de seleção de áreas importantes/prioritárias para a conservação desenvolvidos nos últimos anos, uso de bases de dados 
faunísticos e relação com os Campos Sulinos.
Áreas destacadas Organização Abrangência Resumo/Critérios/Indicadores
Utiliza 
dados 
de fauna
Áreas 
nos 
Campos 
Sulinos
Fonte
Endemic Bird Areas 
(EBAs)
BirdLife 
International Global
Delimitação de regiões que 
abrangem as áreas de distribuição 
sobrepostas de pelo menos duas 
espécies de aves com distribuição 
geográfica restrita (<50 mil km2) 
SIM
(aves)
SIM Stattersfield et al. (1998)
Áreas Valiosas de 
Pastizal (AVPs)
Fundación 
Vida Silvestre 
Argentina
Campos do Rio 
da Prata (sul do 
Brasil, Uruguai e 
Argentina)
Inventário e diagnóstico de áreas 
valiosas de campos naturais nos 
pampas, identificadas por consulta 
a especialistas e com base em 
critérios como tamanho, elementos 
da paisagem, biodiversidade, 
ameaças, oportunidades de 
conservação e relevância cultural
SIM 
(diversos 
grupos)
SIM Bilenca & Miñarro (2004)
Biodiversity Hotspots Conservation International Global
Indicação das regiões prioritárias 
para conservação da biodiversidade 
do planeta, caracterizadas por 
excepcional nível de endemismo 
de plantas vasculares (ao menos 
1.500 espécies endêmicas) e 
sujeitas a um alto nível de ameaça 
(perda de 70% da cobertura vegetal 
original ou mais)
NÃO NÃO Conservation International (2009)
Centers of Plant 
Diversity (CPDs) IUCN e WWF Global
Compilação de áreas de grande 
diversidade florística, com pelo 
menos 1.000 espécies de plantas 
vasculares e pelo menos 10% 
de endemismo
NÃO NÃO Davis et al. (1994)
Global 200 
Ecoregions WWF Global
Designação de 232 ecorregiões 
como exemplos de ecossistemas 
com excepcional biodiversidade 
e prioritárias para atuação, 
com base na riqueza específica, 
endemismo, hábitats raros e 
fenômenos ecológicos 
 ou evolutivos incomuns
SIM
(diversos 
grupos)
NÃO Olson & Dinerstein (1998) 
Important Bird Areas 
(IBAs)
BirdLife 
International 
e Save Brasil
Global
Designação de uma rede de 
áreas de relevância internacional 
para a conservação das aves, 
selecionadas pela presença de 
espécies globalmente ameaçadas, 
conjuntos significativos de 
espécies endêmicas de biomas 
ou EBAs e/ou importantes 
concentrações de 
espécies gregárias
SIM
(aves)
SIM Bencke et al. (2006)
Important Plant Areas PlantLife International
Global
(ainda não 
implementado 
no Brasil)
Mesmos critérios das IBAs, mas 
para plantas em geral NÃO –
PlantLife International 
(2009)
Key Biodiversity Areas Conservation International
Global 
(em andamento 
no Brasil)
Mesmos critérios das IBAs, 
mas incorporando outros grupos 
de organismos razoavelmente 
bem conhecidos
SIM
(diversos 
grupos)
– Eken et al. (2004)
Áreas Prioritárias 
para Conservação 
da Biodiversidade 
Brasileira 
MMA Nacional
Seleção e delimitação de áreas 
através de abordagem objetiva 
e participativa, assistida por 
modelagem matemática, com 
definição de alvos e metas de 
conservação, e considerando 
a sua representatividade, 
complementaridade, 
insubstituibilidade, eficiência 
e vulnerabilidade
SIM
(diversos 
grupos)
SIM MMA (2007)
Ca
m
po
s 
Su
lin
os
 |
 C
ap
ítu
lo
 7
109
 Tabela 7.6 | Áreas Importantes para a Conservação das Aves (IBAs– Important Bird Areas) que incluem extensões de Campos Sulinos (Bencke et al. 2006).
Nome da IBA Estados Área aproximada (ha) Principais espécies*
Campos Gerais do Paraná PR > 6.000 Harpyhaliaetus coronatus, Culicivora caudacuta, Alectrurus tricolor, Anthus nattereri, Sporophila melanogaster (em migração)
Cânion do Guartelá PR 20.000–30.000 Harpyhaliaetus coronatus, Xolmis dominicanus
Campos de Água Doce e Palmas SC, PR 110.000 Xolmis dominicanus, Anthus nattereri
Parque Nacional de São Joaquim SC 49.300 Xolmis dominicanus
Painel/Urupema SC 135.000 Amazona pretrei, Xolmis dominicanus
Campos do Planalto das Araucárias RS, SC 850.000 Harpyhaliaetus coronatus, Xolmis dominicanus, Anthus nattereri, Sporophila melanogaster, Xanthopsar flavus
Região dos Aparados da Serra RS, SC 150.000 Amazona pretrei, Scytalopus iraiensis, Xolmis dominicanus, Anthus nattereri, Xanthopsar flavus
Campos de Cima da Serra RS 200.000–250.000 Harpyhaliaetus coronatus, Xolmis dominicanus, Anthus nattereri, Sporophila melanogaster, Xanthopsar flavus
Banhado São Donato RS 17.500 Sporophila palustris
Banhado dos Pachecos RS 2.560 Scytalopus iraiensis
Médio Rio Camaquã RS 450.000 Amazona pretrei
Campos da Região de Bagé RS 82.000 Sporophila cinnamomea
Região de Pinheiro Machado RS 100.000–150.000 Gubernatrix cristata
Banhado do Maçarico e Cordões 
Litorâneos Adjacentes RS 41.100
Scytalopus iraiensis, Xolmis dominicanus, Anthus nattereri, Sporophila 
palustris
* associadas a hábitats campestres.
Aspectos ecológicos relevantes à conservação
Importância dos ambientes mésicos
Os ambientes mésicos desempenham um importante papel na manutenção da biota, ao 
proporcionarem a diversos organismos refúgios permanentes ou temporários onde características 
termo-hídricas particulares criam condições mais amenas em relação ao meio circundante. Tais 
ambientes são especialmente importantes em ecossistemas abertos, nos quais a fauna está mais exposta 
a eventos climáticos extremos e a grandes amplitudes térmicas diárias.
Existem evidências científicas e empíricas de que a fauna de regiões campestres tende a se 
concentrar nas partes topograficamente mais baixas do terreno, onde o nível de umidade é maior e 
a estrutura física da vegetação é freqüentemente diferenciada. Em conseqüência, tanto a intensidade 
de uso do hábitat como a distribuição da riqueza de vários grupos da fauna estão muito distantes de 
um padrão uniforme nessas regiões. A abundância e a riqueza da avifauna, por exemplo, tendem a ser 
consideravelmente maiores ao longo dos brejos lineares e das estreitas faixas de