A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
29 pág.
PARTE 1 - AULA 2 - Periodo 1

Pré-visualização | Página 2 de 3

/ UFF
17
Consumo de Nafta no Brasil
CONSUMO TOTAL DE NAFTA (kta)
2002 2003 2004 2005 2006
6326 6361 6395 6335 6505
2442 2904 3417 3503 3682
8768 9265 9812 9838 10187
PQU Petrobrás 1698 100% 1876 100% 1982 100% 1825 100% 1954 100%
BRASKEN Petrobrás 2778 72% 2691 69% 2734 62% 3068 68% 3040 68%
Importada 1059 28% 1220 31% 1654 38% 1427 32% 1414 32%
COPESUL Petrobrás 1850 57% 1794 52% 1679 49% 1442 41% 1512 40%
Importada 1383 43% 1684 48% 1763 51% 2075 59% 2268 60%
TOTAL 10188
2002 2003 2004 2005
8768 9265 9812 9837
Vendas Petrobrás
Importação
Consumo total
2006
CONSUMO TOTAL DE NAFTA POR CENTRAL PETROQUÍMICA (kta)
Preço da nafta (agosto 2005) – US$ 470,00/t
Preço da nafta (maio 2006) – US$ 601,00/t
Preço da nafta (julho 2007) – US$ 607,00/t
Curso de Petroquímica – Parte 1/ Profa. RosenirCurso de Especialização em Engenharia de Petróleo e Gás – Dept. de Eng. 
Química / UFF
18Venezuela
Canadá
Argélia Argentina
Ex-Rússia
Oriente Médio
Indonésia e Malásia US Gulf
A nafta equivale 
a 70% da MP 
petroquímica 
usada na Europa
Mercado Internacional Nafta
Principais Fluxos do Comércio de Nafta
Oriente Médio será principal 
exportador NAFTA (SR e 
condensado) e Gasolina 
Natural (LGN) do Mundo : 
40 e 60% respectivamente.
A nafta equivale 
a 95% da MP 
aplicada no Japão
Eventuais Importações 
“Spot” de Nafta do 
Golfo Arábico para 
Brasil.
Curso de Petroquímica – Parte 1/ Profa. RosenirCurso de Especialização em Engenharia de Petróleo e Gás – Dept. de Eng. 
Química / UFF
19
Mercado Internacional
• Busca constante e
desenvolvimento de novos
processos que convertem
frações pesados do refino
em frações mais leves;
• Previsão de maior
crescimento da oferta
LGN´s (incluído Gasolina
Natural);
• Médio prazo: a nafta ainda
será a mais importante MP
petroquímica (apesar de
seu possível déficit);
• Competição entre a
demanda de Energia X
Demanda de Petroquímicos;
Conclusões Previsão Balanço Oferta x Demanda de Nafta
Curso de Petroquímica – Parte 1/ Profa. RosenirCurso de Especialização em Engenharia de Petróleo e Gás – Dept. de Eng. 
Química / UFF
20
Geração da Nafta DD e Craqueada
Maior parte da nafta necessária à petroquímica origina-se nestes processos:
Curso de Petroquímica – Parte 1/ Profa. RosenirCurso de Especialização em Engenharia de Petróleo e Gás – Dept. de Eng. 
Química / UFF
21
Matéria-prima – Nafta
Benzeno
Reformação Tolueno
Catalítica Xilenos
Eteno
Propeno
Craqueamento Butenos - Butadienos
Resíduos
Outros
Reformação Amônia
com Vapor Metanol
Produtos Oxo.
NAFTA
Curso de Petroquímica – Parte 1/ Profa. RosenirCurso de Especialização em Engenharia de Petróleo e Gás – Dept. de Eng. 
Química / UFF
22
ESQUEMA GERAL DO REFINO DE PETRÓLEO
Petróleo
Destilação 
atmosférica
Destilação 
a vácuo
GLP
Nafta petroq.
Gasolina
FCC
Gasóleo
Unidade 
Klauss
Enxofre
Querozene
Diesel
Unidades de 
hidrotratamento
Unidades de 
lubrificantes
Óleo
combustível
Óleos básicos 
lubrificantes
Gás 
combustível
Geração de 
Hidrogênio
Curso de Petroquímica – Parte 1/ Profa. RosenirCurso de Especialização em Engenharia de Petróleo e Gás – Dept. de Eng. 
Química / UFF
23
INTERFACE REFINO-PETROQUÍMICA
MATÉRIA 
PRIMA
TRANSFORMAÇÕES 
PRIMÁRIAS
PRODUTOS BÁSICOS 
PETROQUÍMICOS
Gás comb. 
Óleo comb.
CH4  CO + H2
Reforma a vapor
Oxidação parcial
Etano
Propano 
Nafta Virgem
Gasóleo leve 
gás de 
síntese
Eteno
Propeno
Butadieno
Butenos
Aromáticos 
Quebra e recarga de 
moléculas:
- Craqueamento a vapor
- Reforma catalítica
metanol
Nafta Virgem
amônia
Produtos Intermediários 
Estireno, MVC, TDI, TPA 
etc
Polietileno, 
polipropileno, 
PVC, PS, PET
Transformações 
secundárias
Curso de Petroquímica – Parte 1/ Profa. RosenirCurso de Especialização em Engenharia de Petróleo e Gás – Dept. de Eng. 
Química / UFF
24
Matéria-prima – Nafta 
Fo
nte
: In
dú
str
ias
 de
 P
ro
ce
ss
os
 Q
uím
ico
s –
No
rri
s S
hr
ev
e
Curso de Petroquímica – Parte 1/ Profa. RosenirCurso de Especialização em Engenharia de Petróleo e Gás – Dept. de Eng. 
Química / UFF
25
CONFIGURAÇÃO BÁSICA DE UM COMPLEXO 
PETROQUÍMICO INTEGRADO
4
cloro
Fenol
LABLABS
PP
Fibras acrílicas
ABS
PB
SBR
TDI
PET
Poliuretanas
matéria prima 
(nafta)
Refinaria
PGN
PE
PVC MVC
OE
EstirenoPS
NYLON 6.6
MEG
eteno propeno
combustíveis
benzeno tolueno xilenos
utilidades
mercado
distribuição
Plastificante
Alquídicas
Poliéster ins.
Acido tereftálico
Anidrido 
ftálico
CENTRAL PETROQUÍMICA
• Craqueamento a vapor
• Reforma catalítica
• Estações de Utilidades
Acrilonitrila
butadieno
1
Central 
petroquímica
2 3
Produtos finais 
no complexo
4
Produtos finais 
fora do complexo
5
Supridores de 
matérias primas 
Intermediários 
petroquímicos
1
2
2
2
2
2
2
2
2
2
2
3
3
3
3
3
3 3
5
5
4
4
4
4
4
44
Curso de Petroquímica – Parte 1/ Profa. RosenirCurso de Especialização em Engenharia de Petróleo e Gás – Dept. de Eng. 
Química / UFF
26
CONFIGURAÇÃO BÁSICA DE 
UM COMPLEXO DE FERTILIZANTES
SULFATO 
DE AMONIA
DIÓXIDO
DE CARBONO
URÉIA
NITRATO DE
AMONIA
SUPERFOSFATO
SIMPLES
MAP
Ou
DAP
GAS DE
SÍNTESE AMÔNIA
ÁCIDO
NÍTRICO
MISTURAS
N, P, K
OUTRAS 
UTILIZAÇÕES
FERTILIZANTES
NITROGENADOS
ÁCIDO
FOSFÓRICO
FERTILIZANTE
FOSFATADO
Ácido Sulfúrico 
sub-produto
Gás 
natural
Enxofre
Rochas 
Fosfatadas
Cloreto de Potássio (fertilizante potássico)
Não integrado
Integrado ou não
Integrado
ÁCIDO
SUFÚRICO
N – nitrogênio
P – P2O5
K – K2O
Curso de Petroquímica – Parte 1/ Profa. RosenirCurso de Especialização em Engenharia de Petróleo e Gás – Dept. de Eng. 
Química / UFF
27
Matéria-prima – GLP
 Para a petroquímica é uma matéria-prima alternativa 
obtida do :
 Processamento do gás natural (65% -2005)
 Refinarias (35% - 2005)
 Propano:
 Pirólise → PROPILENO OU PROPENO (+ Eteno)
 Desidrogenação (alternativa) → PROPILENO (Rota cara)
 Butano:
 craqueamento a vapor → OLEFINAS
 Desidrogenação → BUTENOS E BUTADIENOS
 Oxidação → ÁCIDO ACÉTICO E ANIDRIDO MALEICO
 Desidrogenação do iso-butano → ISOBUTENO
 Pirólise → BUTENOS
Curso de Petroquímica – Parte 1/ Profa. RosenirCurso de Especialização em Engenharia de Petróleo e Gás – Dept. de Eng. 
Química / UFF
28
Conclusão : Disponibilidades de MP no Brasil
Gás natural carência com tendências a mudanças
Nafta
Etano/ Corrente C2/ C3
importa-se 35% das necessidades
só disponível para RioPol
Propeno de Refinaria disponível nas grandes refinarias, 
mas competindo com mercado 
energético
Curso de Especialização em Engenharia de Petróleo e Gás - TEQ/UFF Curso de Petroquímica / Profa. Rosenir 29
Produtos Básicos
	Aula 2 �Principais matérias-primas da indústria petroquímica
	Cadeia de transformação dos principais produtos petroquímicos
	Matérias-primas
	Slide Number 4
	Principais matérias-primas
	Slide Number 6
	Matéria-prima – Gás Natural
	Líquido de Gás Natural - LNG
	Óleo e Gás Natural�Refino e Processamento de Gás Natural (PGN)
	ESQUEMA GERAL DO PROCESSAMENTO DE GÁS NATURAL
	Gás Natural – Brasil
	Gás Natural Mercado Internacional
	Matéria-prima - Metano
	Matéria-prima - Etano
	Matérias-primas – Nafta e Gasóleo
	Nafta para produção de eteno
	Consumo de Nafta no Brasil
	Mercado Internacional Nafta�Principais Fluxos do Comércio de Nafta
	Mercado Internacional
	Geração da Nafta DD e Craqueada
	Matéria-prima – Nafta
	ESQUEMA GERAL DO REFINO DE PETRÓLEO
	INTERFACE REFINO-PETROQUÍMICA
	Matéria-prima – Nafta 
	Slide Number 25
	Slide Number 26
	Matéria-prima – GLP
	Slide Number 28
	Slide Number 29

Acesse esse e outros materiais grátis

Ao se conectar, você aceita os Termos de Uso e a Política de Privacidade.

Já tem cadastro?