A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
103 pág.
Apostila_histologia_bio_2

Pré-visualização | Página 21 de 22

seguintes 
eventos: 
- A membrana torna-se bruscamente muito permeável ao sódio, que passa do meio externo para o 
meio interno do axônio em maior quantidade do que a saída de íons potássio. A superfície externa 
fica negativa e a interna, positiva. Nesse ponto e nesse instante, a membrana sofreu inversão de 
polaridade. 
- mecanismo da bomba de sódio expulsa então esse íon, voltando a membrana à polaridade inicial. 
- Cada ponto estimulado modifica a permeabilidade na região vizinha. O impulso nervoso propaga-
se, então, como uma onda dinâmica de inversão de polarização da membrana do axônio em toda a 
sua extensão. É essa onda que pode ser medida eletricamente e corresponde ao impulso nervoso 
nas fibras amielínicas, como, por exemplo, as da substância cinzenta do sistema nervoso central. 
- mecanismo da bomba de sódio depende de gasto energético, consumindo 
ATP do neurônio. 
 
 
 
95
95
10.7.1 Condução saltatória: 
 A condução do impulso é um pouco diferente nas fibras mielínicas, como as fibras motoras 
dos músculos esqueléticos. 
 Ocorre apenas a inversão de polaridade nas regiões dos nódulos de 
Ranvier. A onda então, “salta” diretamente de um nódulo para outro, não 
acontecendo em toda a extensão da região mielinizada. Fala-se em condução 
saltatória e com isso há um considerável aumento da velocidade do impulso 
nervoso nas fibras mielínicas, em relação às fibras amielínicas. 
 
10.8 Fibras nervosas: 
 As fibras nervosas são constituídas por um axônio e suas bainhas 
envoltórias. Grupos de fibras nervosas formam os feixes do SNC e os nervos do 
SNP. 
 Não são comparáveis às fibras do tecido conjuntivo, simples moléculas 
protéicas, ou às fibras musculares, que são células completas, de forma alongada. 
 
 
10.8.1 Tipos: 
- Fibras do tipo A: têm maior diâmetro, nódulos de Ranvier espaçados e são as mais 
rápidas na condução do impulso nervoso (15 a 100 metros por segundo). 
- Fibras do tipo B: são também mielínicas, porém mais finas, com nódulos de Ranvier mais 
próximos uns dos outros, e nelas o impulso nervoso caminha com menor rapidez (3 a 14 metros 
por segundo) 
- Fibras do Tipo C: são as amielínicas, mais delagadas, e conduzem o impulso a uma 
velocidade relativamente baixa (0,6 a 2 metros por segundo). 
 
 
 
 
Fibra nervosa 
Células envoltórias: Célula de Schwann no SNP e 
oligodendrócito no SNC. 
 
 
 
96
96
 
Nervo 
 
 
 
10.9 Sinapses: 
 A transmissão do impulso nervoso de um neurônio para outro depende de 
estruturas altamente especializadas, as sinapses. Embora a maioria das sinapses 
se estabeleça entre o axônio e o dendrito (axodendríticas) ou entre o axônio e o 
corpo celular (axossomática), há também sinapses entre dendritos 
(dendrodentríticas) e entre axônios (axoaxônicas). Há uma tendência de se 
considerar também como uma sinapse a terminação nervosa em células efetoras, 
tais como células glandulares e musculares. 
 A porção terminal dos axônios mostra uma estrutura típica: ocorrem 
numerosas vesículas sinápticas; os neurofilamentos são raros, porém as 
mitocôndrias são freqüentes. As vesículas sinápticas contêm substâncias 
denominadas neurotransmissores, que são mediadores químicos responsáveis 
pela transmissão do impulso nervoso através das sinapses. 
 Esses mediadores são liberados na membrana pré-sináptica e aderem a moléculas 
receptoras da membrana pós-sináptica, promovendo a condução do impulso nervoso através do 
 
 
97
97
intervalo sináptico. A união do neurotransmissor com o receptor pode ter efeito excitador (sinapses 
excitatórias) ou inibidor (sinapses inibitórias) sobre o neurônio seguinte do circuito. As membranas 
das vesículas sinápticas que se incorporam à membrana pré-sináptica são recuperadas por 
endocitose e reutilizadas para formar novas vesículas sinápticas. 
 O neurotransmissor mais comum é a acetilcolina. Imediatamente após sua liberação na 
sinapse, essa substância é destruída pela enzima colinesterase aí existente, impedindo a 
passagem contínua do impulso. A sinapse funciona, então, como uma espécie de “válvula”, que se 
fecha uma vez transmitido o impulso nervoso. Constatou-se que, embora esse acontecimento seja 
mais rápido, a sinapse retarda a condução do impulso em mínimas frações de segundo. As placas 
motoras (junções neuromusculares) são também sinapses que tornam possível a efetivação da 
contração da fibra muscular. Muitas drogas podem bloquear a passagem do impulso no nível das 
sinapses, como é o caso dos anestésicos. 
 Os neurônios e, portanto, suas sinapses podem diferir quanto ao tipo de neurotransmissor. 
Fala-se em sinapses colinérgicas ou adrenérgicas quando os neurotransmissores são, 
respectivamente, a acetilcolina e a noradrenalina. 
 
Sinapse 
 
 
Tipos de sinapse 
 
 
98
98
 
 
10.10 Nervo Periférico: 
 Os nervos periféricos são feixes de fibras nervosas (axônios ou dendritos) capaz de 
transmitir impulsos nervosos (potenciais de ação) da periferia do corpo e dos órgãos para o SNC 
ou vice-versa. As fibras de um nervo são ramificações de neurônios e se mostram envoltas por 
bainhas conjuntivas. Estes feixes (fascículos) podem ser observados a olho nu; os nervos 
mielínicos aparecem brancos por causa da presença de mielina. Em geral, cada feixe de fibras 
nevosas, independente de seu tamanho, tem componentes sensitivos e motores. 
Os envoltórios de tecido conjuntivo dos nervos periféricos são chamadas: endoneuro (que 
envolve cada neurônio), perineuro (que envolve cada feixe de axônios) e epineuro (envolvendo 
coletivamente todos os feixes que compõem o nervo e, portanto, representando uma “capa” para o 
próprio nervo). 
 
10.10.1 Classificação funcional dos nervos: 
- Sensitivos ou aferentes: levam informações sensitivas das áreas cutâneas do corpo e das 
visceras para o SNC, onde são processados, possuem fibras sensitivas. 
- Motores ou eferentes: têm origem no SNC e levam os impulsos para os órgãos efetores, 
formados por fibras motoras. 
- Mistos: dotados de fibras sensitivas e fibras motoras, que funcionam como uma estrada de 
mão dupla, transportando impulsos sensoriais, pelas primeiras, e ordens motoras, por estas 
últimas. 
 
 
99
99
 Os nervos óptico, olfativo e acústico ou auditivo são sensitivos. Os nervos aculomotor (que 
move os olhos), hipoglosso (que move a língua) e espinhal (que levanta os ombros), são exemplos 
de nervos motores. Todos os nervos raquianos, no entanto, são mistos. 
 
10.11 Glânglios: 
 Massa de estrutura nervosa que encerra corpos de neurônios e de onde partem 
numerosamente as fibras nervosas. Há dois tipos de gânglios, sensitivos e autônomos. 
 
10.11.1 Gânglios sensitivos: estão associados aos nervos cranianos e a cada um dos nervos 
espinhais que saem da medula espinhal. Abrigam corpos celulares unipolares dos nervos 
sensitivos, com um processo amielínico deixando cada corpo celular. O curto processo se bifurca 
em um ramo periférico e um central. O ramo periférico alcança uma terminação sensitiva periférica 
e termina em dendritos. O ramo central penetra no SNC. O corpo celular do neurônio é circundado 
por uma camada de células satélites achatadas, semelhantes e contínuas como as células de 
Schwann, à medida que envolvem os processos periférico e central de cada neurônio. Um impulso 
nevoso, alcança a bifurcação-T, se desvia do corpo celular e trafega do axônio periférico para o 
axônio central. 
 
10.11.2 Gânglios autônomos (simpático e parassimpático): são encontrados nos troncos 
simpáticos, nos plexos e próximos ou no interior de víscera. Uma camada de tecido conjuntivo 
contínua o epineuro e o perineuro