A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
11 pág.
aula_4_a_virtualidade_o_hipertexto_e_a_desterritorialidade_modo_de_compatibilidade_

Pré-visualização | Página 1 de 1

AULA 4 – A 
Virtualidade, o Hipertexto 
e a Desterritorialidadee a Desterritorialidade
UNINASSAU – Curso de Jornalismo
Jornalismo On Line
Profª. Ms. Julianna Torezani
� Mapeamento e produção de sentido: os links no 
hipertexto
� Marianne Carvalho Bezerra Cavalcante
Leitura e Discussão de Textos
� Linguagem da Internet: um meio de comunicação 
global.
� Fernanda Correa Silveira Galli
� Leitura, texto e hipertexto
�Antonio Carlos Xavier
Divisão da sala em 
6 grupos. Cada 
grupo deve ter 4 
pessoas.
Hipertextualidade no Jornalismo
� Antecipação do fato;
� Versão expandida da reportagem;
� Conexões com documentos e sites;
� Informações sobre o repórter;
� Perfil de personagens históricas;� Perfil de personagens históricas;
� Glossário on line;
� Transcrições de entrevistas e discussões;
� Listas de sites relevantes;
� Fotos;
� Infográficos;
� Arquivos de áudio e vídeo;
� Conteúdo imersivo.
CAPARELLI 
(2002) APUD 
PERUZZO
Exemplo: Julgamento do 
Mensalão (Folha, 27.08.2012)
� Imagens: TV Justiça (ao vivo)
� RÉUS: Leia o que dizem
as defesas dos acusados pelo 
esquema do mensalãoesquema do mensalão
� ÚLTIMAS: Leia as últimas notícias sobre o 
julgamento do mensalão
� ESQUEMA: Entenda de onde veio e para onde
foi o dinheiro no esquema
� MENSALÃO: Entenda como operava o esquema 
denunciado pela Procuradoria
� OS CRIMES: Saiba por quais crimes os réus do 
mensalão são acusados
� SUPREMO: Veja detalhes de como acontece 
o julgamento no Supremo Tribunal Federal
http://www1.folha.uol.com.br/especial/2012/ojulgamentodomensalao/ojulgamento/
o_julgamento.shtml
Virtualidade e 
Desterritorialidade
� Fluxos (Martín-Barbero, 2003): de 
capital, de informações, de tecnologia, de 
imagens, de sons, de símbolos, de 
serviços – bens imateriais.serviços – bens imateriais.
� Castells: “O espaço de fluxos é a 
organização material das práticas sociais 
de tempo compartilhado que funcionam 
por meio de fluxos”.
Virtualidade e 
Desterritorialidade
� Martín-Barbero (2003):
�Lugar: desenvolvimento da vida cotidiana, da 
heterogeneidade humana.
�Local – cidades: construção humana; �Local – cidades: construção humana; 
fragmentação do global e revalorização do local.
�Redes informáticas: espaços onde circulam o 
capital e as comunidades virtuais (pesquisa, 
educação, arte e outras).
�O virtual como espaço de interação social, 
reprodução do mundo físico.
Virtualidade e 
Desterritorialidade
� Cidade Desplugada: “As redes telemáticas, e as 
sem fio particularmente, criam novos processos 
de territorialização, criando novas significações 
nos lugares. O espaço deve ser então pensado 
em sua dimensão concreta e abstrata a partir de em sua dimensão concreta e abstrata a partir de 
novos media: como rearranjo dos lugares, como 
mundo virtual imaginário, como o urbano 
reapropriado temporariamente onde as 
infraestruturas de redes e acesso que criam 
territórios informacionais, fusionando lugar e 
ciberespaço” (LEMOS, PASTOR, OLIVEIRA, 
2012, 188).
Virtualidade e 
Desterritorialidade
� Territórios Informacionais: “Com tais dispositivos 
móveis, aliados às redes sem fio, percebe-se a 
constituição de processos territorializantes. Com as 
redes Wi-Fi, o lugar ocupado socialmente passa ter 
uma nova função informacional, um novo uma nova função informacional, um novo 
território, numa zona de intersecção e controle (daí 
o termo território), entre o ciberespaço e o lugar 
urbano, reconfigurando-o. Essa zona pode ser 
compreendida como um ‘território informacional’ que 
amplia as funções sociais dos lugares constituídos 
como um café, uma praça, uma sala de aula, etc.” 
(LEMOS, PASTOR, OLIVEIRA, 2012, 190).
BIBLIOGRAFIA
� LEMOS, André; PASTOR, Leonardo; OLIVEIRA, 
Nelson. Wi-Fi Salvador: mapeamento 
colaborativo e redes sem fio no Brasil. In: 
Intercom – Revista Brasileira de Ciências da 
Comunicação. São Paulo, v. 35, n. 1, p. 183-Comunicação. São Paulo, v. 35, n. 1, p. 183-
204, jan./jun. 2012.
� MARCUSCHI, Luiz Antônio; XAVIER, Antônio 
Carlos (orgs.). Hipertexto e gêneros digitais: 
novas formas de construção do sentido. 2 ed. 
Rio de Janeiro: Lucerna, 2005.
� MARTÍN-BARBERO, Jesús. Globalização 
comunicacional e transformação cultural. In: 
MORAES, Dênis de (org.). Por uma outra 
comunicação: mídia, mundialização e poder. 
Rio de Janeiro: Record, 2003.
BIBLIOGRAFIA
Rio de Janeiro: Record, 2003.
� PERUZZO, Cicilia M. Krohling. Webjornalismo: 
do hipertexto e da interatividade ao Cidadão 
Jornalista. In: RevistaVerso e Reverso. Ano 
XVII, Nº 37, 2003. Disponível em: 
<http://www.versoereverso.unisinos.br/index.php
?e=1&s=9&a=3>.