A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
67 pág.
Fisiologia de sementes das plantas cultivadas

Pré-visualização | Página 3 de 3

de germinação seria insuficiente para que o processo fosse iniciado.
Outra situação  haveria necessidade da ação de um componente externo para que determinadas reações ocorressem, assim, a ação da luz ou de hormônios exógenos promoveriam a germinação.
 Dormência Fisiológica
Figura – Dormência em sementes.
FONTE: Carvalho & Nakagawa, 2000.
MECANISMOS DE DORMÊNCIA
Presença de inibidores
Espécies de clima semi-árido  substâncias inibidoras são lixiviadas com chuva intensa, assim germinação só ocorre com disponibilidade de água suficiente para o estabelecimento da plântula.
Exemplos: beterraba, rosa, pequi, algumas espécies de pimenta, espécies da Caatinga.
Superação da dormência – lavagem das sementes em água corrente.
 Dormência Fisiológica
MECANISMOS DE DORMÊNCIA
Presença de inibidores
Inibidores internos  ácido abcísico, lactonas insaturadas, cumarina, vários compostos fenólicos.
Ácido abcísico  inibe síntese de RNA, de proteínas.
Compostos fenólicos  inibem a elongação celular, consomem O2.
Abaixamento de temperatura  diminui compostos fenólicos.
 Dormência Fisiológica
MECANISMOS DE DORMÊNCIA
Embriões dormente
Espécies apresentam o embrião desenvolvido porém, não absorve água durante o processo de germinação, permanecendo com suas atividades paralisadas.
Embrião se encontra dormente.
Endosperma fica entumecido e o embrião não.
 Dormência Fisiológica
MECANISMOS DE DORMÊNCIA
Embriões dormente
Algumas espécies cujas sementes apresentam embriões dormentes:
Hordeum spp.;
Malus sylvestris;
Prunus persica;
Pyrus communis;
Rosa spp.;
Triticum aestivum;
Avena fatua (Montana);
 Dormência Fisiológica
A – embrião pode atingir sua maturidade morfofisiológica; B – Germinar sob condições apropriadas; C – embrião imaturo; D – embrião dormente; E – período de pós-maturação para embrião atingir a maturidade; F – Dormente ou não, embrião pode adquirir dormência secundária; G – Sinais ambientais para superação de dormência secundária e promoção da germinação.
MECANISMOS DE DORMÊNCIA
Combinação de Causas
Ocorre mais de um mecanismo de dormência na semente.
Exemplos: 
Panicum spp. e Brachiaria spp.  embriões imaturos, impermeabilidade a gases e inibidores de germinação.
Trevo subterrâneo  impermeabilidade à água e inibidores de germinação.
Malus sylvestris  embrião dormente, tegumento impermeável à oxigênio.
Espécie
Período de armazenamento
Tratamento para superar a dormência
Ambrosia trifida
1-2 anos
Pré-resfriamento 3 meses
Cyperus rotundus(Tiririca)
7 anos
H2SO4, 15 minutos
Festuca rubraL. (Festuca vermelha)
1-2 meses
Pré-resfriamento 7 dias
Gossypium hirsutumL. (Algodoeiro)
1 mês
Secagem
Hordeumspp. (Cevada)
1 ½-9 meses
Remoção das glumas
Impatiens balsaminaL. (Beijo de frade)
4-6 meses
Pré-resfriamento
2 semanas
Lactuca sativavar. Grand Rapids (Alface)
3-9 meses
Exposição à luz
Lepidium virginicumL. (Mastruz ereto)
2 semanas
Luz ou KNO3
Oenothera odorata
7 meses
KNO3
Streptanthus arizonicus
1-2 anos
Temperaturas alternadas
Triticumspp. (Trigo)
1-2 meses
Perfuração da cariopse
Quadro – Exemplos de espécies que têm a dormência superada durante o armazenamento em ambiente seco, e tratamentos alternativos recomendados.
Métodos para superação dos principais tipos de dormência em sementes
Impermeabilidade e restrições mecânicas do tegumento
Imersão em solventes (água quente, álcool, acetona e outros)
Escarificação mecânica
Escarificação com ácido sulfúrico
Resfriamento rápido
Exposição à alta temperatura
Aumento da tensão de O2
Choques e impactos contra superfícies duras
Embrião dormente
Estratificação à baixa temperatura
Tratamento com hormônio  giberelinas, citocininas, etileno.
Algumas espécies cujas sementes apresentam embriões dormentes: Hordeum spp., Malus sylvestris, Prunus persica, Pyrus communis, Rosa spp., Triticum aestivum, Avena fatua (Montana).
Métodos para superação dos principais tipos de dormência em sementes
Dormência em gramíneas
Rompimento da cariopse
Tratamento com KNO3
Exposição à luz
Emprego de temperaturas alternadas
Aplicação de pré-resfriamento
Aumento da tensão de oxigênio
Tratamento com hormônios  giberelinas ou citocininas
Germinação à temperatura subótima.
Métodos para superação dos principais tipos de dormência em sementes