A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
31 pág.
FOTOPERÍODO E FLORAÇÃO

Pré-visualização | Página 1 de 2

FOTOPERÍODO E FLORAÇÃO
Introdução
Algumas plantas, somente florescem durante um período determinado do ano. Ex: crisântemos e bico de papagaio (outono);
Plantas de clima temperado: Abscisão foliar generalizada e dormência de sementes e gemas – durante o outono (dias curtos) – Proteção contra frio excessivo do inverno;
Formação de tubérculos de batata e bulbos: controle fotoperiodicos;
Introdução
Dias: mais curtos no inverno e mais longos no verão.
As variações são mais pronunciadas à medida que aumenta a distância à linha do equador;
DEFINIÇÃO
O comprimento de um dia é conhecido como fotoperiodo; 
As respostas do desenvolvimento das plantas ao fotoperíodo são chamadas fotoperiodismo 
Fenômenos influenciados pelo fotoperiodo
Dormência de sementes;
Dormência de gemas;
Pigmentação de flores;
Formação de tubérculos;
Alongamento dos entrenós em árvores;
Queda de folhas em árvores decíduas, como resposta aos dias curtos de outono;
FLORESCIMENTO;
Conceitos básicos para o fotoperiodismo
Indução fotoperiódica: P/ manifestar o fotoperiodismo, a planta precisa receber uma combinação adequada de certo número de horas de luz e escuro – Ciclo fotoindutivo;
Recepção do estímulo: Ocorre nas folhas, através dos pigmentos chamados FITOCROMOS. 
Xanthium (asteraceae): Uma folha em ciclo fotoindutivo e o restante em ciclo desfavorável: PLANTA FLORESCE;
Perilla : folha separada, em ciclo fotoindutivo, exeratada em planta em ciclo desfavorável: PLANTA FLORESCE;
Transmissão do estímulo fotoperiódico
Folha: detecta o fotoperiodo através dos FITOCROMOS
Gema: É o órgão que sofre alteração para florescer;
Deve haver alguma substância de natureza hormonal que transmite o estímulo: FLORÍGENO;
Trabalhos indicam que florígeno se move pelo floema;
Ainda não se sabe exatamente qual a substância ou substâncias compõe o florígeno;
Competência para florescer
Idade das plantas p/ responder ao fotoperíodo varia bastante;
Pharbitis nil (ipomeia)e Chenopodium rubrum: ocorre na fase de cotilédone e plântula respectivamente;
A maioria, responde após terem alcançados um certo período vegetativo;
Competência para florescer: É a necessidade de um certo crescimento vegetativo para depois atingirem um estágio que possam florescer, se as condições favoráveis forem satisfatórias;
Bambus: Necessita de 3 a 4 décadas p/ atingir;
Juvenilidade (período juvenil)
Período de crescimento vegetativo em que a planta não pode haver indução do florescimento, mesmo com as condições fotoperiodicas externas estiverem favoráveis;
A maioria das espécies frutíferas somente produzem flores após pelo menos três anos;
Cultivares de soja mais tardias, apresentam período juvenil mais longo que as precoces;
Classes fotoperiódicas quanto ao florescimento
Plantas de dias curtos (PDC): Florescem quando os dias tem um número de horas inferior a um certo limite crítico;
Plantas de dias longos (PDL): Florescem quando os dias têm um certo número de horas superior a um certo limite;
Plantas neutras ou indiferentes (PN): O florescimento não é controlado pelo fotoperíodo;
Limíte crítico: Varias entre as espécies, e também dentro da espécie;
Ex: violeta: PDC, L.crítico: 15 horas
Ex: Mostarda: PDL,L.crítico: 12 horas
Ex: SOJA: PDC, L. crítico: 13 horas
Classes fotoperiódicas quanto ao florescimento
Há plantas que precisam passar por alternância de dias curtos e longos para florescer;
Há plantas mais rigorosas qualitativamente ao fotoperiodo (só florescem se tiver fotoperiodo adequado).
Há plantas que florescem mesmo que pouco, se a fotoperíodo não for ideal;
Plantas cultivadas: melhoramento alterou muito as respostas fotoperiodicas;
Arroz e milho: alguns cultivares rigorosamente PDC e outros que são indiferentes (aqui no Brasil, indiferente normalmente);
Cana-de-açúcar: Fotoperíodo+Temperatura+Umidade
Função da noite no fotoperíodo
Dia + noite = 24 horas;
Dia longo acarreta em noite curta ( vice versa);
Experimentos com variações de períodos luminosos e escuros (sem necessariamente somar 24 horas):
Florescimento não ocorria em PDC, quando os dias são curtos e as noites também;
Era possível induzir o florescimento de uma PDC com períodos de luz acima do limite, se, períodos sem luz for suficientemente longos;
Assim: O comprimento da noite (escuro) é que realmente controla as respostas fotoperiódicas
SOJA
Indução fotoperiódica (ciclos fotoindutivos)  estímulo  florescimento
folha
Soja – pode ser induzida ao florescimento a partir da 3ª a 5ª folha trifoliada (varia entre as variedade)
planta de dia curto (PDC)  floresce em dias menores que um certo limite (fotoperíodo crítico) – importante é a duração do período noturno
SOJA
 Fotoperíodo
OBS.: - o fotoperíodo é quem determina a adaptação dos cultivares às regiões de cultivo
 - o fotoperíodo crítico é tão mais elevado quanto mais precoce for o cultivar – Média: 13 horas
 - período juvenil longo – objetivo de melhoramento (pelo menos trinta dias após emergência)
7. FISIOLOGIA DA PLANTA
7.2. Efeitos do Clima 
7.2.3. Fotoperíodo
OBS.: - soja – planta de dia curto (PDC) facultativa ou quantitativa  floresce em qualquer fotoperíodo, mas é acelerado em fotoperíodo curto (grande variação entre variedades) 
 - a medida que as temperaturas diurnas e noturnas aumentam, são necessários menos dias para que a soja floresça 
Temperatura X Fotoperíodo
SOJA - FISIOLOGIA DA PLANTA
7.2. Efeitos do Clima 
7.2.2. Temperatura
Somas Térmicas ou Graus Dias
- utilizado para predizer fases fenológicas de uma planta (cultura)
- Premissa: uma planta precisa de uma certa soma de temperatura para completar seu ciclo, o que seria constante, independente da época de semeadura. 
- Soja: este método tem sido utilizado para quantificar as disponibilidades térmicas regionais  estabelecer as regiões mais aptas ao seu cultivo
 - Método: soma diária de temperaturas superior a considerada base (15ºC)
região apta  ST entre 600 e 2400ºC
região inapta  ST < 600ºC (T12< 20ºC)
7. SOJA - FISIOLOGIA DA PLANTA
7.2. Efeitos do Clima 
7.2.2. Temperatura
Somas Térmicas ou Graus Dias
- Cálculo: 
- TMD = (T máx. + T min.)
 2 
 GD =  (TMD – TB)
n
 i=1
OBS.: - pode haver limitação da temperatura em 32ºC
 - em nossas condições a  GD está entre 1000 e 1500ºC (precoces a tardias) 
Cultivares e Ciclo - RO
4.1.3. Duração e Classificação do Ciclo de Produção:
Cultivares e Ciclo - GO
4.1.3. Duração e Classificação do Ciclo de Produção:
7. FISIOLOGIA DA PLANTA
7.2. Efeitos do Clima 
7.2.3. Fotoperíodo
Fotoperíodo em horas e décimos de horas para o dia 22 de cada mês, nas latitudes de 5 a 35º sul
 Mecanismo do Florescimento
Meristema
Apical
Formação:
Folhas
Colmos
Meristema
Reprodutivo
Inflorescência
Condições Normais
Estímulos na indução 
+ TCH
+ Açúcar 
+ Álcool 
por ha
- TCH
+ Isoporização
+ Brotação Lateral
- Qualidade ?
Pivetta, (2006)
CANA DE AÇÚCAR: Florescimento ... 
 
Isoporização - Níveis
Fonte: Copersucar
FLORESCIMENTO NÃO É DESEJÁVEL PRA USINAS DE MODO GERAL
Condicionantes de Florescimento
Variedade susceptível
Fotoperiodo crítico ( de 12,75 para 12,25 horas)
Umidade : Alta umidade antes do estimulo (6-8 semanas; e também no período indutivo
Temperatura : Freqüência no período indutivo de:
		Números de noites com Tmin >/= 18oC 
		Número de dias com Tmax </= 31oC
5) Florescimento
L= 1,236 – 0,02296X – 0,02296 Y
X: No de dias com Temp.mínima >= 18º C durante o período indutivo
Y: No de dias com Temp.máxima <= 31º C durante o período indutivo
L=0 50% DE CHANCE DE FLORESCER
L<0 HAVERÁ FLORESCIMENTO
L>0 NÃO HAVERÁ FLORESCIMENTO
PEREIRA et al. (1983)
PRÁTICAS AGRONÔMICAS RELACIONADAS AO FOTOPERÍODO???
	Latit.
	Junho
	Julho
	Agosto
	Setem.
	Out.
	Novem.
	Dezem.
	Janeiro
	Fever.
	Março