A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
2 pág.
Medida de volumes

Pré-visualização | Página 1 de 1

Universidade Federal de Pelotas 
Disciplina de Química Geral 
Prof. Fábio André Sangiogo 
 
 
Prática 2: Medidas de Volumes: medida de diversos volumes de água em 
diferentes recipientes volumétricos 
Objetivo 
O presente trabalho objetiva reconhecer os principais recipientes volumétricos, 
bem como estudar suas características e especificações de utilidade. 
Introdução 
Durante os ensaios químicos as escolhas de vidrarias volumetrias são de grande 
importância para a exatidão da medição de volumes, podendo gerar significativos erros 
nos resultados finais das analises. Por isso a importância do conhecimento dos 
respectivos materiais volumétricos, assim como, o conhecimento do analista em lidar 
com os mesmos, estando este ciente dos erros que podem acontecer para procurar 
minimizá-los, e chegar ao mais próximo de resultados que obtenham uma margem 
mínima de erro no resultado final da análise. 
Para a medida de volumes, há dois tipos de instrumentos. Graduados e Aferidos. 
Os aferidos medem um único volume e são em geral, mais precisos. Os graduados, 
porém, permitem medir vários volumes, e um deles, a bureta é de alta precisão. 
De um modo geral, para medidas aproximadas de volumes de líquidos, usam-se 
provetas, enquanto, para medidas precisas, usam-se pipetas, buretas e balões 
volumétricos, que constituem o chamado material volumétrico. Aparelhos volumétricos 
são calibrados pelo fabricante e a temperatura padrão de calibração é 20ºC. 
A medida de volume do líquido deve ser feita, comparando-se o nível do 
mesmo, com os traços marcados na parede do recipiente. A leitura do nível para 
líquidos transparentes deve ser feita na parte inferior do menisco, estando à linha de 
visão do operador, perpendicular à escala graduada, para evitar o chamado erro de 
paralaxe. 
Material: 1 Béquer de 250 mL, funil, 1 pipeta volumétrica de 25 mL, 1 proveta 
volumétrica de 50 mL, 1 balão de 100 mL, 1 pipeta graduada, 3 tubos de 
ensaio pequenos com diferentes tamanhos. 
 
 
Reagentes Químicos: Água da torneira 
Procedimento: 
1) COLOCAR 100 mL da água da torneira em um Becker de 250 mL. 
2) TRANSFERIR este volume, com auxílio de um funil, para dentro de um balão 
volumétrico de 100 mL e verificar a precisão. 
3) RETIRAR com uma pipeta volumétrica 25 mL do líquido e transferir para uma 
proveta de 50 mL. Observar a precisão dos instrumentos. Treinar a leitura, lembrando 
que líquidos claros devem ser lidos pela parte inferior do menisco. 
4) COLOCAR com uma pipeta graduada 1 mL do líquido contido no balão em tubos de 
ensaio de diâmetros diferentes e estabelecer a correspondência do volume com a altura 
da coluna de líquido no tubo (1 mL = x centímetros). 
QUESTIONÁRIO, que deve ser respondido e entregue juntamente com o relatório 
no início da próxima aula prática. 
1) Quais são as causas de erro na medida de volumes? 
2) Qual é o cuidado que deve ser adotado ao se preparar soluções aquosas diluídas a 
partir de ácidos e bases concentrados? 
3) Cite dois equipamentos de medidas precisas de volume. 
4) Cite três equipamentos de medidas aproximadas de volume. 
4) Qual é o procedimento que deve ser adotado caso um produto químico caia nos 
olhos, boca ou pele? 
5) O que deve ser observado antes de se utilizar qualquer reagente? 
6) Por que o excesso de reagente não deve ser devolvido para o frasco original? 
 Fazer o relatório, seguindo as instruções dadas anteriormente. 
Material para o experimento: Medida de Volumes 
Material para os cinco grupos 
5 Béqueres de 250 mL 
5 Funis 
5 Pipetas graduadas 
5 Pipetas volumétricas de 25 mL 
5 Provetas volumétricas de 50 mL 
15 Tubos de ensaios de tamanhos diferentes 
5 Peras de borracha 
Reagentes químicos: 
Água de torneira